Justiça nega imunização prioritária para profissionais de limpeza no Paraná

Com o entendimento de que cabe ao Poder Executivo definir as prioridades de vacinação, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou pedido do Sindicato dos Empregados em Empresas de Asseio e Conservação do Estado do Paraná – Siemaco para incluir os profissionais de limpeza urbana do Paraná que lidam com a coleta do lixo entre os grupos prioritários para receber a vacina anti-covid. O julgamento da 4ª Turma da Corte ocorreu na última quarta-feira (13).

A ação civil pública requeria a inclusão dos trabalhadores nos grupos prioritários do Plano Nacional de Imunização (PNI) sob alegação que correriam muitos riscos de contaminação por Covid-19. A 3ª Vara Federal de Curitiba deferiu a liminar e a União recorreu ao Tribunal contra a decisão.

A Advocacia-Geral da União (AGU) alegou que a medida violaria os princípios da isonomia e da proporcionalidade e que os trabalhadores do setor estão na faixa etária entre 20 e 35 anos, não havendo comprovação de que tenham maior suscetibilidade à doença.

O relator do caso, desembargador federal Luís Alberto d’Azevedo Aurvalle, suspendeu a medida de primeira instância liminarmente em maio, o que foi confirmado agora pela 4ª Turma por unanimidade.

Aurvalle pontuou que o ato administrativo se reveste de legítima discricionariedade da Administração Pública e, neste caso, não foi observada omissão do Estado, “ainda que tenha sido necessária a intervenção do Supremo Tribunal Federal (STF)”, destacou o magistrado.

No voto, Aurvalle afirmou que a idealização e definição dos grupos prioritários para o recebimento do imunizante contra a Covid-19 se reveste não apenas de caráter técnico-administrativo, mas também destina-se a acolher outros critérios, como a recomendação do fabricante, estudos científicos, técnicos, entre outros. “Deve-se prestigiar o cronograma estabelecido pelo Poder Executivo, ainda que a presidência da República tenha optado por politizar a crise sanitária do Covid-19 e ter adotado uma postura desequilibrada na sua condução”, concluiu o relator.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Do plantio à colheita, suporte técnico no campo contribui para o crescimento do mercado de biológicos

Os produtos biológicos estão entre as inovações que mais têm se destacado nos últimos anos na produção agrícola, com elevados e consistentes índices de crescimento ano a ano. Parte importante da adoção de biológicos e de produtos à base de extratos naturais na agricultura, deve-se ao maior entendimento dos agricultores quanto às funcionalidades, especificidades e modos de ação desses produtos, adquiridos especialmente nos últimos cinco anos.

Para levar esses conhecimentos, as empresas desse mercado investem, cada vez mais, nas equipes de campo. Exemplo disso é a Biotrop, empresa entre as líderes do setor de insumos biológicos e de extratos naturais, que percebe como fundamentais seus investimentos em geração de demanda, presença no campo e capacitação das equipes que atuam diretamente com os agricultores, fornecendo todo o suporte necessário na venda e no pós-venda. “É um trabalho fundamental, pois os biológicos são produtos ainda novos, que o produtor ainda não utilizou ou utilizou poucas vezes. Então estamos juntos deles para que as nossas tecnologias atendam as suas necessidades, trazendo soluções regenerativas para suas lavouras a custos competitivos”, destaca Carlos Alberto Baptista, diretor nacional de vendas.

A equipe comercial da empresa é formada por 180 profissionais – todos agrônomos e agrônomas, que ao serem contratados são capacitados para se tornarem referência técnica. Eles participam do dia a dia das lavouras, focados em reconhecer os possíveis problemas e indicar as soluções biológicas ideais para cada situação. Esse processo é amplamente acompanhado pelo técnico, do plantio à colheita. Assim, ao final, ele terá conhecimento da efetividade do tratamento indicado. “Quando ainda não há um produto para indicar, a demanda é levada para a área de Pesquisa & Inovação, assim contribuindo para que novos microrganismos sejam testados e novos produtos gerados, ou seja, o time de campo também é protagonista para que a inovação aconteça”, conta Baptista.

Outra importante atuação da equipe comercial são os treinamentos às cooperativas e revendas que trabalham com os produtos da marca, capacitando-os para a venda técnica. “Tanto os nossos técnicos quanto os técnicos dos parceiros que nos representam sabem mostrar ao produtor os benefícios e valor dos produtos, inclusive com análises comparativas de eficiência e resultados, a partir do manejo Biotrop em relação aos tratamentos que eram realizados pelo produtor anteriormente”, explica o diretor.

A Biotrop ainda tem uma equipe de 15 profissionais, que trabalha alinhada ao time comercial e técnico da empresa e que são responsáveis pelo Desenvolvimento de Mercado para as novas tecnologias da empresa – todos com formação acadêmica ampla (especializações e doutorado). “São focados em capturar as necessidades do campo, analisar os nossos produtos de forma bastante técnica e levar para os produtores sempre o melhor manejo, ou seja, garantir que os produtos sejam aplicados dentro das recomendações da empresa. Atendem um menor número de clientes, mas com maior profundidade técnica, do plantio à colheita também”, coloca Baptista. A equipe ainda é responsável por treinamentos periódicos que preparam o time de vendas da Biotrop e dos distribuidores sobre o posicionamento do portfólio.

Baptista completa que a Biotrop é uma empresa altamente preocupada com a qualificação da equipe de campo, pois o objetivo é que, ao estarem junto aos clientes, possam oferecer soluções que façam sentido não só tecnicamente, mas também economicamente. “Nossos produtos têm tecnologia avançada e são eficientes nessa relação técnica-econômica”, garante o profissional.

O suporte técnico na agricultura tropical

A agricultura tropical acontece em meio a muitas particularidades, como o imenso número de doenças e pragas, potencializado por mais de um plantio na mesma área no prazo de poucos meses. Tudo isso traz para o produtor uma série de desafios e, nesse sentido, o suporte técnico qualificado é ainda mais relevante.

Sua importância está justamente na identificação precisa dos problemas e na indicação do que realmente vai resolver. Para Baptista, esse é o diferencial da Biotrop: “estamos no campo para levar soluções aos desafios enfrentados pelos agricultores e não só para negociar”, pontua.

Profissionalização do setor de biológicos

Desde 2020, a Biotrop possui o programa Bioestágio, que prepara estudantes em etapa final da graduação para atuação nas diferentes áreas da empresa. Em 2022, mais de 350 estudantes participaram do processo seletivo, dos quais 33 foram selecionados. Esses jovens profissionais constituem também a primeira turma da UniBiotrop, um programa de capacitação em biológicos inédita no País, realizada em parceria com a Faculdade de Agronegócios de Holambra (Faagroh) e a SmartMip – empresa de pesquisa associada à incubadora da USP/Esalq (EsalqTec).

Para o CEO da Biotrop, Antonio Carlos Zem, o crescimento e taxa de adoção dos biológicos no campo demandam novos profissionais muito bem preparados para dar suporte aos agricultores na prática da agricultura regenerativa. “Nós, da Biotrop, nos antecipamos na tarefa de atrair, desenvolver e reter talentos. Estamos oferecendo ensinamentos sobre o que há de melhor no mundo dos biológicos e esses profissionais irão multiplicar e amparar esse mercado”, relatou.

Sobre – A Biotrop é uma empresa brasileira, fruto da visão e empreendedorismo de um seleto grupo de profissionais apaixonados pelo agronegócio. Atua com foco em pesquisa e desenvolvimento de soluções diferenciadas e inovadoras, com o objetivo de contribuir para uma agricultura mais sustentável, saudável e regenerativa. Com escritório em Vinhedo (SP) e fábrica em Curitiba (PR), a empresa leva ao mercado o que há de melhor no mundo em soluções biológicas e naturais. Acesse www.biotrop.com.br.

Saúde amplia vacinação contra meningite e HPV; entenda o que muda

Saúde amplia vacinação contra meningite e HPV; entenda o que muda. Foto: Pedro Ribas/SMCS

Seguindo determinação do Plano Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde, a Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba vai ampliar para mais crianças e adolescentes a vacinação contra meningite e HPV.

A SMS passa a ofertar a vacina meningocócica ACWY temporariamente para adolescentes de 13 e 14 anos completos ainda não vacinados. Até então, o imunizante estava disponível no Calendário Nacional de Vacinação apenas àqueles com 11 e 12 anos completos.

Além disso, o Ministério da Saúde determinou a ampliação permanente da vacinação contra HPV para meninos de 9 e 10 anos. Antes, o imunizante era aplicado somente nos garotos de 11 a 14 anos.

Para as meninas, nada mudou: a vacina contra HPV continua a ser aplicada nas que têm de 9 a 14 anos.

Onde ir

Essas vacinas podem ser recebidas, de segunda a sexta-feira, em 106 unidades de saúde. Os endereços e horários estão no site Imuniza Já Curitiba.

“Vacina é prevenção, é cuidado, é amor. Quem ama, vacina”, diz a secretária municipal da Saúde, Beatriz Battistella.

“Convocamos todos que se enquadram na nova ampliação para irem aos postos se vacinar e melhorarmos, ainda mais, a nossa proteção coletiva contra doenças que podem ser evitadas ou minimizadas”, diz a secretária.

Vacina ACWY

A ampliação da vacina meningocócica ACWY tem como objetivo reduzir o número de portadores da bactéria em nasofaringe. A faixa etária com maior risco de adoecimento são as crianças menores de 1 ano de idade (já contempladas pelo PNI com a vacinação contra meningite), no entanto, os adolescentes e adultos jovens são os principais responsáveis pela manutenção da circulação da doença.

Pesquisas apontam que as vacinas meningocócicas demonstram uma resposta imune mais robusta nos adolescentes, com persistência de anticorpos protetores por um prolongado período. Essas evidências embasaram o PNI a incluir no Calendário Nacional de Imunizações a administração de doses de reforço com as vacinas meningocócicas conjugadas na adolescência.

Vacina HPV

No caso do HPV, a ampliação incluiu meninos de 9 e 10 anos. Com isso, a vacinação passa a ser para qualquer pessoa de 9 a 14 anos de idade, independentemente do sexo.

A vacinação contra o HPV em adolescentes é utilizada por mais de 100 países. Vários deles já possuem estudos de impacto dessa estratégia com resultados positivos na prevenção e redução das doenças ocasionadas pelo vírus, como câncer do colo do útero, vulva, vagina, região anal, pênis e orofaringe.

A vacina que protege contra o papilomavírus humano (HPV) foi incorporada de forma escalonada ao Sistema Único de Saúde (SUS) a partir de 2014. É estimado que o Brasil tenha de 9 a 10 milhões de infectados pelo papilomavírus humano e que, a cada ano, 700 mil casos novos da infecção surjam. Cerca de 105 milhões de pessoas são positivas para o HPV 16 ou 18 no mundo.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com