Já recuperado, Dr. Jamal volta ao trabalho na semana que vem

Símbolo da luta contra a covid-19, o médico Jamal Munir Bark, o doutor Jamal, vai voltar ao trabalho na próxima semana. Ele vai atuar no Complexo Regulador da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), que define o tipo de assistência em leitos e ambulâncias.

Recuperado, Jamal não representa risco de contágio às outras pessoas e vai trabalhar com todos os equipamentos de proteção, conforme a praxe médica de atendimento.

Antes de se recuperar da doença, Jamal atendia aos pacientes na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Boqueirão, de onde foi afastado em 19 de março devido à contaminação pelo coronavírus.

Ao lado da secretária municipal da Saúde, Márcia Huçulak, ele participou nesta quarta-feira (29/7) da “live” diária realizada pela Prefeitura de Curitiba no Facebook para tratar de assuntos da pandemia. 

“A gente é como uma grande família aqui. A gente sofre e vibra por todos os nossos profissionais”, disse a secretária, muito feliz com a recuperação de Dr. Jamal.

O médico de 59 anos apresentou o quadro mais grave da doença. Duas horas após ser internado no Hospital Marcelino Champagnat, ele foi levado para a unidade de terapia intensiva (UTI), onde ficou intubado por 26 dias. O internamento durou cerca de dois meses e, até hoje, Dr. Jamal se submete a sessões de fisioterapia.

Antes da “live”, Dr. Jamal deu detalhes sobre o período em que esteve doente. “Foi assustadora a evolução desta doença”, conta o médico.

“Cinco por cento dos casos apenas são críticos, com UTI e intubação, mas começa com ventilação não invasiva, e eu já fui direto para a intubação”, recorda.

Rotina

Passada a alta, Dr. Jamal não sentia o cheiro ou gosto da comida e era incapaz de andar e de se alimentar sozinho. “Depois disso o valor que você passa a dar em segurar o próprio garfo, caminhar, sentir o paladar e o olfato, isso tudo mexe com você”, relata.

Para o médico, ainda falta consciência por parte da população sobre a gravidade da covid-19. “Acho incrível que as pessoas não se deram conta da gravidade. Quando passo de carro vejo pessoas se aglomerando, sem máscara”, disse Dr. Jamal.

Ele acredita que só o distanciamento social, o uso de máscara e a higiene correta das mãos podem barrar a doença. “São as orientações que a Secretaria Municipal da Saúde passa, o que está na mídia”, reforça o médico.

Carinho

O médico se surpreendeu com o carinho que recebeu. Foram mais de dez mil mensagens de apoio nas mídias sociais para ele e sua família – um vídeo com algumas delas foi exibido antes de entrar na “live”.

Sobre a possibilidade de trabalhar no Complexo Regulador, durante a pandemia, Jamal agradece à Fundação Estatal de Atenção à Saúde (Feas), à qual está vinculado. “Só tenho a agradecer pelo que a fundação fez e continua fazendo por mim, consciência que outras empresas não teriam”, reconhece.

O médico espera voltar a atender pacientes em breve. “A minha vocação é trabalhar na emergência”, afirma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mutirão de castração no Cajuru tem distanciamento social e doação de árvores

O Parque dos Peladeiros, no Cajuru, transformou-se em um local de apoio ao meio ambiente. Ainda fechado para as atividades esportivas por causa da pandemia do novo coronavírus, o parque recebe a retomada dos mutirões de castrações de cães e gatos nas regionais, ofertados pela Prefeitura. 

Os mutirões, realizados por meio da Rede de Promoção Animal, foram suspensos em março e retomados com adaptações. A Regional Cajuru é a primeira a receber o novo formato e o Parque dos Peladeiros foi o local escolhido. A expectativa é preencher cerca de 12 mil vagas de cirurgias vaté o fim do ano em vários pontos da cidade.

Mutirões de castração parque dos peladeiros regional Cajuru. Curitiba, 05/08/2020. Foto: Levy Ferreira/SMCS

Novos cuidados

Entre os novos cuidados, o número de cirurgias de castração ofertadas nos agendamentos foi reduzido – no Parque dos Peladeiros, serão, em média, 45 atendimentos diários, de segunda a sexta-feira até o final do mês, para evitar concentração de pessoas no local.

“Buscamos locais que favoreçam o distanciamento social. Aproveitamos que os ginásios estão temporariamente fechados e demos esse novo uso”, destaca a chefe da Rede de Proteção Animal da Prefeitura de Curitiba, Sueli Sasaoka. 

Obedecendo ao pedido de usar máscara de tecido, a cozinheira Elismara da Silva Valencio, 39 anos, levou Lobinha, uma cachorrinha sem raça definida, ao mutirão e aprovou as medidas adotadas. 

“Os cuidados de segurança estão ótimos. Fui a outro mutirão antes da pandemia e tinha muito mais gente. Aqui, o lugar é amplo e todos estão respeitando o distanciamento” falou Elismara.

A protetora de animais Joanaína de Moraes, 40 anos, levou três gatos ao Mutirão no Cajuru e fala que a retomada da ação é um grande apoio para quem atua no cuidado dos bichinhos.

“Nem toda a população tem a consciência de como tratar os animais. A Prefeitura faz muito ao ajudar a controlar a procriação.”

Ação conjunta

Até dia 14 de agosto, todos que agendaram a castração dos animais no Mutirão do Cajuru também podem levar para casa mudas de árvores frutíferas. Serão doadas 400 mudas limoeiros e pés de pitanga, araçá, uvaia, gabiju, cereja e guabiroba. 

A ação faz parte do Desafio 100 mil árvores, lançada pela Prefeitura em setembro do ano passado e nesta quarta-feira (5/8) cumpre, em menos de um ano, a meta de plantar 100 mil árvores em Curitiba. As mudas seguirão sendo ofertadas para deixar a cidade mais verde.

A auxiliar de produção Soeli Rudiak, 45 anos, levou  pés de uvaia, gabiju e guabiroba para plantar em casa e para um amigo.

“Achei interessante essa ideia de levar para casa essas árvores que conheço desde criança”, disse. 

Próximos mutirões

Mais dois mutirões têm início neste mês de agosto. A partir do dia 17, o Bairro Novo recebe o evento. No Pinheirinho, o mutirão começa no dia 24. Boa Vista, CIC, Boqueirão, Santa Felicidade e Portão terão mutirões nos meses seguintes neste segundo semestre. Agendas são abertas sempre no dia 15 do mês anterior, a partir das 12h.

Os tutores e protetores interessados podem fazer a inscrição no site da Rede de Proteção Animal.

*A programação, porém, pode ser revista caso haja agravamento da pandemia da covid-19, conforme determinação das autoridades sanitárias.

Covid-19: veja o que abre e o que fecha em Curitiba

Ontem começaram a valer novas medidas com algumas ampliações nos horários de funcionamento dos estabelecimentos em Curitiba, até o dia 10/8. Nesse vai e vem, a gente acaba até se perdendo  e por isso fizemos um resumo pra te ajudar a não ficar de fora! Confira:⁣

Novos horários:⁣

  •  shoppings podem abrir das 12h às 22h de segunda a sexta e aos finais de semana somente via delivery⁣
  •  comércio de rua das 10h às 20h de segunda a sexta e aos finais de semana somente via delivery⁣
  •  galerias e centros comerciais das 10h às 18h de segunda a sexta e aos finais de semana somente via delivery⁣
  • restaurantes até as 22h de segunda a sábado e nos domingos somente via delivery ou drive-thru⁣
  • mercados somente de segunda a sábado⁣
  •  panificadoras até as 22h de segunda a sábado e até as 18h nos domingos (proibido consumo no local)⁣
  •  feiras de segunda a sexta, proibido funcionamento aos finais de semana ⁣

Proibido:⁣

  •  bares, festas, teatro, cinemas⁣
  •  parques⁣
  • praças esportivas⁣

Transporte público:⁣

continua circulando somente com 50% da sua lotação máxima ⁣

Hotéis, pousadas e resorts:⁣

  • podem funcionar com somente 50% da sua capacidade⁣

Via @oquefazercuritiba