Itaipu, Sanepar e PTI-BR anunciam investimentos de R$ 84,6 milhões em saneamento e segurança hídrica

Convênios vão beneficiar 12 municípios do Estado e incluem projetos para gestão de recursos hídricos e implantação de esgotamento sanitário. Anúncio foi nesta quinta-feira (13), no Palácio Iguaçu, em Curitiba

A Itaipu Binacional, em parceria com o Governo do Estado, a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) e o Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR), anunciou nesta quinta-feira (13), em Curitiba, investimentos de R$ 84,6 milhões em projetos de segurança hídrica e saneamento ambiental. Os convênios foram assinados em dezembro, com início dos trabalhos em maio de 2021. Serão beneficiados 12 municípios do Estado. Somente a Itaipu vai investir mais de R$ 33 milhões nos projetos.

A cerimônia, no Palácio Iguaçu, contou com a presença do governador Carlos Massa Ratinho Junior; do diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira; do diretor de Coordenação da binacional, general Luiz Felipe Carbonell; do diretor-superintendente do PTI-BR, general Eduardo Garrido; da chefe do Parque Nacional do Iguaçu, Cibele Munhoz Amato; e do vice-governador do Estado, Darci Piana. O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, acompanhou a cerimônia por transmissão on-line, assim como os prefeitos dos municípios contemplados.

Crédito: Patrícia Iunovich | Itaipu Binacional

O primeiro convênio, “Cooperação Técnica para Gestão de Recursos Hídricos e Segurança Hídrica”, prevê investimentos de R$ 10,2 milhões para a implantação de uma plataforma de compartilhamento de dados sobre a Bacia do Paraná 3 (BP3), que abastece o reservatório de Itaipu. Também serão elaborados Planos de Segurança da Água para os sistemas de abastecimento de seis municípios: Umuarama, Goioerê e Palotina, na Bacia do Rio Piquiri, e Paranavaí, Cianorte e Paraíso do Norte, na Bacia do Rio Ivaí. O prazo de execução deste convênio é de três anos.

No segundo convênio, “Cooperação Técnica para Implementação de Sistemas Sustentáveis de Esgotamento Sanitário”, serão destinados R$ 74,4 milhões para implantação ou melhoria no saneamento urbano em outros seis municípios da sub-bacia do Rio Ocoí, no Oeste do Estado. Ramilândia, Missal e Serranópolis do Iguaçu, que hoje não tem têm tratamento de esgoto, passarão a atender 100% da população urbana com o serviço; Santa Helena, Medianeira e Itaipulândia serão beneficiados com a ampliação e modernização dos sistemas de coleta e tratamento já existentes. O prazo de execução é de seis anos.

O diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile, disse que os investimentos vão trazer qualidade de vida e saúde para a população, além de economia para os cofres públicos. Ele citou o exemplo de Itaipulândia e Missal: o primeiro município conta com rede de esgoto, mas o segundo, não. “Faremos a integração para que todo o esgoto de Missal seja levado por gravidade até Itaipulândia, onde será tratado. Isso traz economia para o Estado. E, quando reduzimos os investimentos, toda a população sente de forma positiva.” No caso de Serranópolis, ele antecipou que o PTI-BR vai contribuir para a implantação de um mix de tecnologias que permita a redução do lançamento de poluentes nas águas do Parque Nacional do Iguaçu, um patrimônio da natureza.

O governador Ratinho Junior destacou a importância dos convênios, lembrando que o Paraná está em estado de calamidade hídrica há mais de um ano, além de enfrentar o pior momento de falta de água (por escassez de chuva) desde 1950. Entretanto, os investimentos da Sanepar fizeram com que o Paraná tenha hoje aproximadamente 80% do seu território urbano com saneamento básico, índice próximo do de países europeus. “O Paraná é referência nesse cuidado e estamos investindo na ampliação do serviço. A participação da Itaipu e do PTI agrega muito, não apenas na questão financeira, mas em tecnologia”, disse. “Estamos falando de R$ 84 milhões [de investimentos] em uma área extremamente importante, que é o meio ambiente, a sustentabilidade e o cuidado com os nossos recursos hídricos.”

O general João Francisco Ferreira explicou que os projetos em saneamento e segurança hídrica são importantes para reduzir a carga de poluentes que hoje chega ao reservatório, ampliando, desta forma, a vida útil da usina. Paralelamente, os investimentos trazem benefícios ambientais, sociais e econômicos para a região e melhoram a qualidade de vida da população.

“Para Itaipu, a água é a nossa fonte de energia. Quando conceberam a usina, sabiam que sua matéria-prima era a água. Por isso, temos que ter um cuidado muito importante. Para a Sanepar, a água também é fundamental. E o PTI vai fornecer a tecnologia para que nós possamos cuidar bem deste bem da natureza, essencial para todos nós, e que vai trazer muitos benefícios para todas as regiões que participam do projeto”, afirmou. “No futuro, poderemos ampliar para outros municípios do Estado.”

O diretor de Itaipu defendeu a parceria lembrando que “o desafio imposto à realização dessa atividade, em função da extensa área de abrangência, pode ser superado com informação de qualidade, com inteligência de dados, de forma a otimizar recursos, direcionar esforços onde é preciso, congregar sinergias com políticas públicas (como o novo marco regulatório do saneamento) e, assim, contribuir também com a universalização dos serviços de água e esgoto”.

Pacote de obras

Nos últimos dois anos, conforme orientação do governo federal, a margem brasileira de Itaipu anunciou investimentos de R$ 2,5 bilhões em grandes obras de infraestrutura, como a nova ponte internacional entre Brasil e Paraguai, a Perimetral Leste, a duplicação da Rodovia das Cataratas (BR-469) e a ampliação da pista de pousos e decolagens do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu. A empresa também vai modernizar o sistema de transmissão de Furnas.

Outras obras financiadas com recursos da binacional já têm ou terão impacto direto na qualidade de vida do cidadão, como o mercado municipal de Foz do Iguaçu (em fase de conclusão), a ampliação do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), a revitalização do Gramadão da Vila A (em obras) e as ciclovias e caminhadas na Avenida Tancredo Neves e Vila A.

Os recursos foram viabilizados a partir de um novo modelo de gestão da empresa, com foco na transparência e austeridade. Parcerias com os governos federal e estadual garantem agilidade na execução das obras.

O general João Francisco Ferreira observa que os investimentos trazem um benefício imediato para a economia, com a geração de empregos e renda, em período de crise provocada pela pandemia, e depois permanecerão como legado para a sociedade, contribuindo para o desenvolvimento social e econômico da região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Governador assina decreto que amplia número de beneficiários da tarifa social da Sanepar

O governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou nesta quinta-feira (2) o decreto nº 9606/21 , que amplia o alcance da tarifa social da Sanepar. A iniciativa, batizada de Água Solidária, faz parte de um pacote social anunciado há dez dias pelo governador – o Paraná Solidário – e visa à universalização dos serviços de abastecimento de água e de coleta e tratamento de esgoto a preços acessíveis à população paranaense.

Com a atualização nos requisitos para o acesso ao programa, que tem investimento estimado de R$ 275 milhões por ano, a expectativa é que 360 mil famílias do Estado passem a ser beneficiadas no futuro. Em 2020, a tarifa social contemplou 211.853 famílias, gerando um subsídio de R$ 160 milhões.

Atualmente, essas famílias pagam R$ 11,53 para consumo de até 5 metros cúbicos, enquanto a tarifa normal é de R$ 43,11. Para água e esgoto, a tarifa social é de R$ 17,30, e a tarifa normal é de R$ 77,60 em todo o Estado e de R$ 79,75 em Curitiba. 

O benefício tarifário é voltado a famílias em situação de vulnerabilidade econômica e social. Com ele, residências que consomem até 10 metros cúbicos (10 mil litros) de água por mês, que pagariam em média de R$ 80 a R$ 90 de tarifa, passarão a gastar cerca de R$ 20 mensais.

“Com essa e outras iniciativas voltadas à área social, nosso governo busca reduzir as desigualdades e garantir melhores condições e qualidade de vida às pessoas em situação de vulnerabilidade social do nosso Estado”, afirma o governador.

Segundo o decreto, para ter acesso ao desconto é preciso que a renda familiar seja de até meio salário mínimo federal por pessoa ou até dois salários mínimos federais para imóveis com até quatro ocupantes; a área construída da moradia não poder ser superior a 70 metros quadrados; o consumo mensal de água deverá ser de até 10 metros cúbicos para imóveis com até quatro ocupantes ou de 2,5 metros cúbicos por morador em imóveis com mais de quatro ocupantes.

“O Água Solidária dará continuidade ao programa Tarifa Social que beneficia milhares de famílias paranaenses. A Sanepar tem feito um trabalho de divulgação do programa para que mais famílias que já atendem aos critérios possam se beneficiar. Em um ano, elevamos em 11% o número de beneficiados. Cumprimos assim a missão da empresa de contribuir para o desenvolvimento econômico e social e também para o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável de redução das desigualdades (número 10)”, afirma o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile.

Os interessados devem fazer a solicitação diretamente à Sanepar, apresentando os documentos que comprovem que atendem os requisitos, além de assinar um termo de compromisso. A companhia também vai contar com o apoio da Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho para fazer uma busca, a partir do CadÚnico, das famílias que reúnem as condições para adesão ao programa.

PARANÁ SOLIDÁRIO – Além da ampliação da tarifa social de água, o pacote Paraná Solidário também torna permanente o programa Comida Boa, que permite a transferência de renda a pessoas em situação de pobreza e extrema pobreza que não são atendidas pelo Auxílio Brasil, do governo federal, além de estender o alcance da tarifa social da Copel e o valor do aluguel social dos moradores de áreas que estão sendo requalificadas nos municípios.

Consórcio finaliza concretagem das duas torres principais da Ponte da Integração

Conclusão marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra, que tem recursos da Itaipu Binacional. Índice de execução da nova ponte já está em 73%

O consórcio responsável pela construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, que ligará Foz do Iguaçu (PR) a Presidente Franco (Alto Paraná), vai concluir nesta sexta-feira (26) a concretagem do mastro principal na margem paraguaia, que terá 184 metros de altura, da fundação ao topo. No lado brasileiro, o mastro principal já está pronto, com 190 metros, equivalente a um prédio de 63 andares. Com isso, as obras da nova ponte alcançam mais de 73% de execução e investimentos de aproximadamente R$ 170 milhões, conforme o último boletim técnico divulgado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR). Os recursos são da margem brasileira de Itaipu Binacional.

Os dois mastros principais, que têm formato de “Y” invertido, são as maiores estruturas de sustentação da Ponte da Integração, compostas também por apoios intermediários. A conclusão desta etapa marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra. No total, serão usados na construção 38 mil metros cúbico de concreto.

“A partir de agora, os volumes de concreto serão menores e a obra vai ganhar um ritmo mais contínuo, passa a ser um processo de quebra-cabeça”, explicou a engenheira civil Pamela Mocelini, supervisora de execução.

Na última quarta-feira (24), na margem brasileira, foi posicionada a quinta aduela metálica no vão-livre da ponte. Cada segmento (que vai compor a base da futura pista de rolamento) tem 11,9 metros de comprimento, 20 metros de largura e de 50 a 60 toneladas de peso. No lado paraguaio, já foram instaladas três aduelas.

Após a instalação do segmento, ainda é feito o processo de solda das emendas (uma aduela a outra), instalação das lajes pré-moldadas, concretagem de interligação das emendas e, para finalizar o estaiamento da unidade.

Crédito: Rubens Fraulini | Itaipu Binacional

Somente depois da execução dessas etapas é que uma nova aduela é posicionada no vão-livre. Esse processo ocorre simultaneamente nas margens brasileira e paraguaia. Quando a ponte estiver concluída, serão 36 aduelas (18 do lado brasileiro e 18 do lado paraguaio) e uma aduela de fechamento (central).

Como vai ser

A Ponte da Integração, construída sobre o Rio Paraná, terá 760 metros de extensão e vão-livre de 470 metros, o maior da América do Sul. A obra é uma iniciativa do governo federal, com gestão do governo do Estado Paraná e execução do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR) e recursos da Itaipu Binacional. No total, serão investidos R$ 323 milhões no projeto. A previsão é que a obra esteja pronta até setembro de 2022.

Perimetral

Neste mês de novembro, as obras da Perimetral Leste alcançaram 5,08% de execução, com investimentos de aproximadamente R$ 5,28 milhões. A perimetral terá 15 quilômetros de extensão e vai ligar a Ponte da Integração e a nova aduana argentina às rodovias BR-469 (Rodovia das Cataratas) e BR-277 (saída para Cascavel e Curitiba),

No período, de acordo com boletim técnico do DER-PR, foram instaladas 76 estacas-raiz (de um total de 88) no viaduto da Avenida General Meira e outras 78 (de um total de 90) no viaduto da BR-469. Também avançaram as obras no viaduto da Ponte Tancredo Neves e começaram os serviços de terraplanagem na nova aduana argentina, com o lançamento, espalhamento e compactação de camadas.

Investimentos de Itaipu

A Ponte da Integração e a Perimetral Leste integram o rol de obras estruturantes financiadas na região Oeste do Paraná pela margem brasileira da Itaipu – que incluem a duplicação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (já concluída), a duplicação da Rodovia das Cataratas (em fase de licitação), a revitalização do sistema de transmissão de Furnas, entre outras. A soma dos investimentos da empresa na região chega a R$ 2,5 bilhões.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com