Inverno: campanha Aquece Paraná recebe doações por aplicativo e drive-thru

A queda na temperatura durante o outono e o inverno é um bom motivo para os paranaenses praticarem a solidariedade. Nesta quarta-feira (12), o Governo do Estado inicia a campanha Aquece Paraná, que vai arrecadar roupas, calçados, cobertores, roupas de cama e outros itens em bom estado de uso para destinar a pessoas em situação de vulnerabilidade social.

A iniciativa é da Superintendência Geral de Ação Solidária (SGAS), em parceria com o Grupo RIC de Comunicação. Por causa da pandemia, as doações podem ser feitas tanto pelo aplicativo Paraná Solidário, que faz a conexão do doador com entidades socioassistenciais de todo o Estado, e pelo esquema de drive-thru, com pontos de coletas montados nos quartéis do Corpo de Bombeiros.

Para marcar o lançamento da campanha, será montado na quarta-feira um drive-thru na área externa do Teatro Guaíra, no Centro de Curitiba, que vai funcionar das 19h30 às 20h30. Os participantes entram de carro na parte de trás da bilheteria e deixam as suas doações. É importante que todas as peças estejam em bom estado de conservação e higienizadas.

Divulgação

“Estamos vivendo momentos de muita dificuldade e muitos paranaenses serão afetados com as baixas temperaturas do inverno. Por isso quero convidar a todos que puderem nos ajudar a aquecer a vida e o coração de quem mais precisa”, afirma a presidente do Conselho de Ação Solidária, a primeira-dama Luciana Saito Massa. “Pode ser um agasalho, um par de sapato, uma roupa de cama, enfim, toda e qualquer ajuda é muito bem-vinda, desde que as peças estejam em bom estado”.

Um cenário especial também está sendo preparado no Teatro Guaíra, com iluminação, projeção da comunicação do evento na lateral da bilheteria e uma exposição no salão do teatro. A banda da Polícia Militar também vai acompanhar a ação. Outros drive-thrus devem ser feitos no local ao longo da campanha, com datas previstas para os dias 28 de maio, 18 de junho e 26 de julho.

PARANÁ SOLIDÁRIO –Para doar usando o aplicativo Paraná Solidário, basta acessar a página www.aqueceparana.pr.gov.br, apontar a câmera do celular para o código QR Code que aparece na tela e fazer o download do aplicativo, que está disponível gratuitamente para os sistemas Android e iOS.

Ao abrir a ferramenta, é preciso fazer um cadastro de doador. Assim que fizer o login, o usuário é direcionado diretamente para as doações do Aquece Paraná, podendo escolher a categoria do produto a ser doado: agasalhos ou cobertores.

Os doadores devem descrever e adicionar fotos dos produtos e confirmar o envio. O aplicativo mostra então as instituições mais próximas que precisam daquela doação. O contato com a entidade para acertar os detalhes sobre a entrega é feito pela própria ferramenta.

ENTREGAS – Já a distribuição das doações feitas através pelo drive-thru será feita em parceria com Coordenadoria Estadual da Defesa Civil. As datas de entrega foram agendadas para os dias 11 de junho, 12 de julho e 2 de agosto.

A Defesa Civil enviará os itens arrecadados até as regionais, que serão responsáveis pelas entregas aos Centros de Referência de Assistência Social (Cras) de cada município. Os Cras, por sua vez, distribuirão às famílias atendidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Boate Kiss: dez anos depois da tragédia, ninguém foi responsabilizado

Após dez anos da tragédia que tirou a vida de 242 pessoas na boate Kiss, em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, ninguém foi responsabilizado. Familiares e vítimas da tragédia, que completa uma década nesta sexta-feira (27), ainda aguardam o desfecho judicial.

Os sócios da boate Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann; o vocalista da banda Gurizada Fandangueira, Marcelo de Jesus dos Santos; e o auxiliar Luciano Bonilha Leão foram acusados de homicídio pelo Ministério Público do Estado (MPE). Em 2021, eles foram condenados pelo Tribunal do Júri a penas de 18 a 22 anos de prisão. Sob o argumento de descumprimento de regras na formação do Conselho de Sentença, o Tribunal de Justiça do estado anulou a sentença e revogou a prisão em agosto do ano passado. O MPE recorreu da decisão.

O delegado regional de Santa Maria, Sandro Luís Meinerz, que conduziu a investigação do caso, lamenta a demora da justiça.

“Estamos fechando agora no dia 27, dez anos dessa absurda tragédia e, infelizmente, nenhuma resposta final desse processo foi dada para sociedade e, principalmente, para os pais e familiares dessas vítimas que morreram, fora aquelas que ficaram sequeladas”, disse.

A defesa de Luciano Bonilha afirma que a sentença do júri, que foi anulada, era injusta. O advogado Jean Severo espera uma solução no fim deste ano. Já o advogado de Mauro Londero, Bruno Seligman de Menezes espera que a anulação seja mantida e que um novo julgamento tenha uma sentença justa.

Segundo a advogada do vocalista Marcelo Santos, Tatiana Vizzotto Borsa, o músico segue trabalhando em São Vicente do Sul, enquanto aguarda a decisão de tribunais superiores. A defesa de Elissandro Spohr não quis se manifestar.

O Ministério Público do Rio Grande do Sul disse, em nota, que além dos quatro réus por homicídio, 19 pessoas, entre bombeiros e ex-sócios da boate, foram acusadas por crimes como falsidade ideológica e negligência.

Outras 27 pessoas foram denunciadas por falsidade ideológica, porque assinaram documento dizendo morar a menos de 100 metros da boate, o que foi comprovado como mentira.

Fonte: Veja a matéria no site da Agência Brasil

Pioneira no Brasil, delegacia que soluciona crimes antigos elucidou mais de 100 casos em 2022

A Delegacia de Homicídios de Maior Complexidade (DHMC), da Polícia Civil do Paraná, surgiu em 2014, em Curitiba, quando foi criada no Estado a Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa. Nessa configuração, a capital paranaense passou a ter quatro delegacias de homicídios (dispostas por regiões geográficas), sendo uma especialmente dedicada aos crimes que escapam à régua.

Nesses oito anos foram solucionados centenas de casos. Apenas em 2022 foram esclarecidos 114 crimes, o ano mais produtivo. Nos últimos três anos foram mais de 200 inquéritos concluídos e encaminhados para a Justiça. A DHMC trabalha com todos os crimes que não foram elucidados pelas delegacias comuns em até dois anos. Além disso, a partir de sua criação, a DHMC herdou todos os casos de homicídios mais antigos ocorridos em Curitiba e que permaneciam sem solução.

Os crimes envolvem dificuldades relacionadas ao entendimento da dinâmica dos fatos, depoimentos controversos, e outras particularidades das investigações. Para atuar nessa área, os policias passam por treinamento, se aprofundam em conhecimentos de mobilidade social e urbana, além de pesquisarem a fundo a dinâmica de atuação dos grupos criminosos.

O Paraná é o único estado brasileiro que tem uma delegacia constituída e voltada à elucidação de crimes antigos, e ela é a personagem da vez da série de reportagens “Paraná, o Brasil que dá certo”.

O delegado titular da unidade, Marcos Fernando da Silva Fontes, explica que a singularidade do Paraná nessa área foi atestada no 3º Encontro Nacional de Diretores de Departamento de Homicídios, ocorrido em Salvador, em dezembro do ano passado, que teve como temática principal a Estratégia Nacional de Combate a Homicídios.

“Elaboramos vários critérios para que haja uma padronização na investigação de homicídios no Brasil. E foi constatado que a única Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa em que existe uma delegacia especializada em crimes complexos é a do Paraná”, afirma. “Nas demais, a solução destes crimes acontece em regime de força-tarefa em determinada época do ano ou quando se julga necessário. Aqui temos uma delegacia exclusiva que trabalha a investigação no segmento”.

Para o delegado, a função principal é dar uma satisfação à comunidade, evitando a prescrição de crimes e mostrando aos criminosos que o crime não compensa.

“Quando se deixa de agir e um crime prescreve, acaba gerando impunidade. Então a DHMC vem para demonstrar isso: no Paraná, existe um órgão que vai apurar, ainda que um inquérito seja arquivado momentaneamente, porque os policiais não conseguiram produzir provas suficientes. Continuamos buscando elementos, analisando dados e cenários, e se surgirem elementos de convicção, este inquérito poderá ser desarquivado e o criminoso irá responder”, completa.

SEGMENTAÇÃO – Desde 2019, a DHMC passou a atuar em quatro subdivisões, como as Delegacias de Homicídios. “Temos na Capital quatro delegacias de homicídios divididas por regiões geográficas. E estruturamos a nossa Delegacia de Homicídios de Maior Complexidade da mesma forma. Assim as equipes dialogam, trocam informações e isso permitiu um maior índice de solução de crimes, culminando no ano de maior produção, em 2022”, explica.

A equipe reanalisa os inquéritos, refaz diligências, intima novas testemunhas e aplica conceitos mais modernos de investigação, no intuito de esclarecer e elucidar os crimes. “Muitas vezes, uma informação importante surge anos depois porque o autor foi preso, morto, ou porque surgiu um novo recurso tecnológico. Todos esses elementos contribuem com o andamento do nosso trabalho”, ressalta Fontes.

O delegado afirma ainda que, ano a ano, os crimes remetidos à DHMC vêm diminuindo por conta da cobertura especializada dos policiais civis que presidem os inquéritos mais recentes. O índice de solução de crimes antigos tem aumentado ano a ano. Segundo ele, isso ocorre porque as áreas estão mais consolidadas, as delegacias trabalham em conjunto, as equipes têm mais acesso à tecnologia, além da proximidade com a Polícia Científica.

“Todo este entrosamento e também a parceria com a Polícia Científica e o Ministério Público têm sido fundamental. Muitas vezes precisamos que o promotor encampe as nossas posturas. Isso tem acontecido e tem possibilitado índices maiores de solução de crimes em relação aos outros anos”, explica.

Para a delegada-chefe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa, Camila Cecconello, o diferencial da DHMC é não instaurar novos procedimentos, e sim dar sequência ao trabalho não esclarecido. “Com a lotação de novos servidores, que passaram a atuar de forma integrada e compromissada em diversos inquéritos policiais antigos, o trabalho ganhou força, refletindo no aumento dos índices de solução”, afirma.

EXEMPLOS – Como resultado do trabalho positivo da especializada, um dos inquéritos solucionados foi o homicídio de Adriano Peres da Silva, ocorrido em abril de 2012, no bairro Bacacheri, em Curitiba. O crime foi resolvido nove anos depois, devido à localização de novas testemunhas que, sob a condição de anonimato, forneceram informações para a elucidação do caso. O autor foi indiciado por homicídio duplamente qualificado e impossibilidade de defesa da vítima.

Outro caso solucionado pela DHMC foi o homicídio de Cleverson Fernandes de Souza, ocorrido em março de 2017, no bairro Butiatuvinha, na capital paranaense. A grande dificuldade em elucidar o crime foi reunir elementos de convicção que demonstrassem a dinâmica do fato e autoria porque testemunhas eram ameaçadas por uma organização criminosa. O inquérito policial foi concluído em 2022.

Ainda em 2022 foi solucionado um crime cometido há 29 anos. Outro homicídio, também elucidado no ano passado, ocorreu há 22 anos. “Nestes casos, os processos foram suspensos para evitar a prescrição. E quando tivemos os elementos necessários, foi possível solucionar e prender os autores”, comenta Fontes.

TECNOLOGIA – A tecnologia tem sido a principal aliada na solução de crimes antigos. Outro exemplo concreto no Paraná foi a solução do assassinato da menina Raquel Genofre, ocorrido em 2008. Ela tinha 8 anos na época e foi encontrada morta dentro de uma mala, na Rodoferroviária de Curitiba. A solução do crime se deu pelo cruzamento de dados no Banco Nacional de Perfis Genéticos.

Apesar de o Paraná possuir um banco estadual desde 2014, a integração nacional de bancos só virou realidade em 2019. Assim, somente 11 anos depois a Polícia do Paraná conseguiu identificar o autor do crime, que foi condenado a 50 anos de prisão. O caso foi solucionado também graças a todo o trabalho feito pela perícia à época do crime.

A DHMC conta com o apoio de dois sistemas que fazem confronto de dados e auxiliam solução de crimes. Um deles é o Sistema AFIS Criminal, do Instituto de Identificação do Paraná (IIPR), que faz o cruzamento de impressões digitais encontradas em cenas de crimes com o novo banco de dados nacional. Na maioria dos inquéritos antigos, o resultado é positivo e a equipe consegue chegar à autoria.

Outro sistema implementado para facilitar o trabalho da especializada é o Sistema Nacional de Análise Balística (Sinab). É realizado um confronto digital entre armas apreendidas recentemente e estojos recolhidos em cenas de crimes antigos. “Muitas vezes uma arma apreendida em 2022, por exemplo, acaba dando confronto positivo com estojos apreendidos anteriormente. Não é automático, por isso a equipe precisa ser experiente e analisar caso por caso”, complementa a delegada Camila.

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com