Inspirada em cerimônia do Oscar, pré-estreia de filme curitibano vai reunir 2,4 mil pessoas no Teatro Positivo

Depois de participar do Festival de Cannes, o cineasta Lucas Estevan Soares e a produtora executiva Rhaissa Gonçalves quiseram importar para Curitiba a experiência que apenas um grande evento cinematográfico pode proporcionar. Prestes a lançar o primeiro longa-metragem em todo o Brasil, em 9 de março, os diretores decidiram honrar a cidade em que Coração de Neon foi produzido. Está programada para o dia 5 de março às 18 horas a pré-estreia do filme, que acontecerá no Teatro Positivo, de um jeito totalmente inovador.

Mais do que se acomodar na poltrona para assistir ao filme, o espectador participará de uma “première” do Coração de Neon – a primeira de Curitiba. Antes de chegar ao anfiteatro, o público irá atravessar um tapete vermelho. Misturado aos elementos do cinema hollywoodiano, estará presente o Boquelove, como o carro de telemensagem é apelidado no filme.

Antes de levar a cultura paranaense para mais de 150 salas de exibição em todo o país, a produtora IHC, responsável pelo projeto, mostrará à comunidade local em primeira mão o resultado do filme 100% curitibano. Ao final da exibição, o público poderá conferir um show com as principais músicas da trilha sonora, produções autorais da equipe do Coração de Neon.

Com o Boqueirão, um dos bairros mais populosos de Curitiba, como plano de fundo, a história do filme começa com o sonho de Fernando e seu pai, Lau, de levar o Coração de Neon, um carro de telemensagem, para os Estados Unidos. Depois de uma apresentação da dupla não terminar conforme o esperado, a trama muda de direção.

Assista ao trailer:

Coração de Neon | Trailer Oficial | IHC (Em breve)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Paraná ganha primeiro cinema em Outlet no Brasil

O público paranaense tem uma nova opção para assistir a sessões de Cinema. A rede Cineplus inaugurou, no último sábado (14/01) sua segunda sala, de cinco previstas, nas dependências do City Center Outlet Premium – Grupo Tacla. Segundo a administração do cinema, até o final de janeiro serão três salas que comportam 160 lugares cada, em formato 3D, uma já está em funcionamento, a segunda abriu neste fim de semana e a terceira na próxima quinta-feira (19/01).

A Cineplus destaca ainda que até o mês de março entra em operação uma sala TSX, com tela de mais de 140 metros quadrados e que vai comportar 363 lugares. O espaço também será utilizado para realização de palestras, eventos e apresentações multiuso. Para finalizar as inaugurações dos serviços ao público, em julho está previsto a disponibilização de uma sala semi-vip com 88 lugares.

“É um diferencial que o primeiro outlet do Paraná traz para seu público. Milhares de pessoas que circulam pela BR-277 entre Litoral e Interior e moradores de Curitiba e Região terão mais opções para assistir seus filmes preferidos, seja na pausa durante a viagem, seja no programa de compras no Outlet”, diz o superintendente do City Center Outlet, Maikon Bruno.

Atrações por vir

Junto ao cinema do City Center haverá um Pub anexo a um restaurante que será aberto ao público no mês de fevereiro segundo a Cineplus. Além de muitos petiscos e cardápio variado de drinks, chopp em dobro no happy hour de sextas e sábados, a programação prevê uma vez por semana uma banda ao vivo, denominada ‘Banda da Casa’, que vai tocar músicas que fazem parte de trilhas de filmes. As pessoas terão a possibilidade de locar o espaço ainda para fazer suas comemorações de aniversário por exemplo.

Atendimento e Ingresso

Domingo a quinta-feira – 13h30 às 22h.

Sextas e sábados – 13h30 às 23h.

Ingressos a R$ 30,00 e meia entrada a R$ 15,00.

Promoção – Todas as terças-feiras e todas as últimas quartas-feiras do mês, ingressos a R$ 15,00.

Bomboniere diversificada – destaque para os baldes de pipocas doces e salgadas com preços que variam de R$ 10,00 a R$ 28,00

Ingressos pelo site – www.cinemacineplus.com.br

Horário de Atendimento City Center Outlet Premium

Diariamente das 10h às 22h.

Endereço – Rua João Bertoja, 1995 – Itaqui de Cima – Campo Largo.

BR 277 – Acesso pelo KM 122 em ambos os sentidos.

Endereço eletrônico-   www.citycenteroutlet.com.br

Blonde (2022): quando a denúncia se torna cumplicidade

Baseado no livro homônimo da escritora Joyce Carol Oates, Blonde propõe um exercício de ficção em torno da figura de uma das maiores estrelas da história do cinema, a atriz Norma Jeane, mais conhecida como Marilyn Monroe. O longa tem produção da Netflix e a missão de adaptar a história para as telas ficou a cargo do diretor neozelandês Andrew Dominik, mais conhecido pelo filme O Assassinato de Jesse James pelo Covarde Robert Ford (2007).

Os primeiros 20 minutos já são mais que suficientes para que o espectador entenda qual será o tom do filme pelas próximas 2h27 e de que forma Dominik irá lidar com essa história que é permeada por traumas. Afinal, nesse curto intervalo de tempo já é possível ver agressões físicas, abuso infantil, uma tentativa de assassinato e uma cena de estupro. Além disso, é possível identificar algumas escolhas estilísticas que também irão permanecer durante todo o filme, como a troca de aspect ratio (formato do quadro cinematográfico) e a alternância entre filmar em cor e em preto e branco. Ambas escolhas são completamente esvaziadas de sentido, já que não encontram nenhuma função na narrativa que não seja meramente estética.

Não há como julgar a intenção de um filme, apenas o resultado final. E por mais que Blonde tenha intenção de denunciar os abusos que acontecem não somente com a protagonista, mas também com as mulheres em Hollywood de maneira geral, o que acontece na prática é exatamente o oposto. Dominik se torna cúmplice do que parece querer condenar ao reduzir a figura emblemática de Monroe a uma mulher cujo único propósito é o sofrimento e este não pode ocorrer de qualquer modo, já que a angústia da personagem é sempre capturada de uma maneira estéticamente agradável. Consequentemente, a estrela de cinema Marilyn Monroe se apaga quase que completamente, já que sua relação com os próprios filmes é sempre tratada de maneira superficial e/ou exploratória, seja indo às lágrimas na leitura de roteiros ou quando enfim aparece durante a gravação de um dos momentos icônicos de sua carreira no filme O Pecado Mora ao Lado (1955), cena que não apenas trata o acontecimento como mera objetificação masculina, mas também a utiliza como motivação para uma nova agressão.

A escolha isolada de mostrar uma vida repleta de abusos não é necessariamente boa ou ruim, mas o que acontece em Blonde é que o diretor não oferece nenhuma progressão para a sua protagonista em meio a tanta desgraça. Quando vemos Marilyn sofrer não aprendemos nada novo (parece que ela também não) ou sequer temos oportunidade de observar como a personagem lida com tantas questões traumáticas. A montagem, que busca confundir mais do que explicar, também colabora para que haja uma sensação de que o filme está apenas saltando de um abuso para o outro, como se a protagonista estivesse presa numa versão macabra de Feitiço do Tempo (1993) ou algo parecido.

A única questão que permanece ao longo do filme, para além dos repetidos abusos, é a necessidade de Norma Jeane em conhecer seu pai, cujas cartas pareciam ser a única coisa que a personagem tinha de bom e verdadeiro em sua vida. Entretanto, no ato final, a personagem descobre que quem escrevia as cartas em nome de seu pai era na verdade um de seus ex-namorados, ou seja, o único alívio na vida de Norma também era uma mentira. Após esse ponto, não há surpresa alguma com a sugestão de suicídio que encerra o filme.

Por se tratar de uma biografia ficcional, Blonde poderia ter explorado os mais diversos caminhos ou, na pior das hipóteses, ter tratado sua protagonista – uma das maiores estrelas de cinema e da cultura pop de todos os tempos –  com um pouco mais de dignidade. É preciso destacar também que Ana de Armas oferece uma grande atuação e sua caracterização está impecável, especialmente nos trejeitos e no tom de voz assustadoramente parecido com o de Monroe, no entanto, seu talento e dedicação perdem força à medida em que Andrew Dominik opta por fazer um filme completamente apelativo, explorando o sofrimento, o corpo e o peso histórico da atriz a troco de nada, ou melhor, talvez na esperança de conseguir uma indicação ao Oscar.

Texto por André Fernandes

Blonde (2022) está disponível em streaming na Netflix.


WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com