Indicadores mostram que o cenário econômico em Curitiba já apresenta melhora

Depois do impacto negativo gerado pela pandemia de covid-19, Curitiba começa a dar sinais de retomada econômica com maior geração de empregos, abertura de negócios e aumento de faturamento das empresas.

“Estamos vendo a retomada acontecer e acreditamos que a economia acelere ainda mais nos próximos meses. A pandemia ainda não acabou, mas o pior, tudo indica, já passou”, diz o prefeito Rafael Greca.

Vários indicadores apontam para uma melhora do cenário econômico na cidade, mesmo com os desafios macroeconômicos do País – como inflação e dólar em alta.

“A Prefeitura vem fazendo uma série de movimentos para dar suporte, dentro do possível, a esse retorno da atividade. Queremos que a cidade se recupere o mais rápido dentro das possibilidades”, diz o Secretário de Planejamento, Finanças e Orçamento, Vitor Puppi.

Trabalho

O mercado de trabalho, duramente afetado pela retração da economia no ano passado, bateu recorde de empregos em 2021.

O número de vagas com carteira assinada abertas no acumulado de janeiro a agosto de 2021 é o maior dos últimos 18 anos (início da série histórica), segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

Em oito meses, foram 36.179 vagas abertas com carteira assinada em Curitiba. O saldo é medido pela diferença entre admissões e demissões, ou seja, o ritmo de geração de novas vagas está bem superior ao de fechamentos. Realidade bem diferente da registrada no mesmo período do ano passado, quando o saldo estava negativo em 18.262 vagas.

O setor de Serviços foi o responsável pelo maior número de contratações, com 21.099 novos empregos, seguido pela Construção Civil, com 5.451 vagas.

Previsão de mais vagas

A previsão da Secretaria de Finanças é que Curitiba feche o ano, se mantido o ritmo, com cerca de 50 mil novas contratações, 17 vezes mais do que o registrado no ano passado. Em 2020, esse saldo foi de apenas 2.928 vagas.

Na reta final do ano entram no radar das empresas as contratações temporárias para o Natal, que devem ser 37% maiores que em 2020, de acordo com a previsão da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

Segundo Puppi, além dos empregos gerados pelo setor privado e o trabalho que a Prefeitura faz na capacitação, orientação e colocação de pessoas no mercado de trabalho, o investimento público é um importante indutor e geração de empregos.  

A estimativa é que, com uma carteira de investimentos do município de R$ 2,6 bilhões, cerca de 113,7 mil empregos (diretos, indiretos e induzidos) sejam gerados com obras públicas nos próximos cinco anos.

Mais receita

As empresas também registram aumento de receitas. Dos 20 principais setores de arrecadação de ISS do município, 17 registram aumento de faturamento de janeiro a agosto em relação ao mesmo período do ano passado. Juntos, esses segmentos faturaram R$ 35,8 bilhões de janeiro a agosto de 2021, 22% a mais do que mesmo período do ano passado – um acréscimo de R$ 6,4 bilhões, de acordo com levantamento da Secretaria de Finanças.

Entre os setores com maior faturamento nesse período estão: serviços de apoio técnico, administrativo, jurídico, contábil, comercial e congêneres, com alta de 26,48% no faturamento, para R$ 8,47 bilhão; serviços relativos a engenharia, arquitetura, geologia, urbanismo, construção civil, manutenção, limpeza, meio ambiente, saneamento e congêneres (14,39%), para R$ 6,1 bilhões; serviços de saúde, assistência médica e congêneres (20,82%), para R$ 6 bilhões; e os serviços de informática e congêneres (31,89%), para R$ 3,1 bilhões.

Novos negócios

A abertura de negócios também está acelerada na capital. De janeiro a setembro foram expedidos 56.837 alvarás de abertura, 98,48% mais do que no mesmo período do ano passado: 28.635.

Em nove meses, os segmentos líderes na abertura de empresa foram: promoção de vendas (3.828 alvarás); preparação de documentos e serviços especializados de apoio administrativo (2.987); comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios (1.981); cabeleireiros, manicure e pedicure (1.393); serviços de entrega rápida (1.336) e transporte de carga municipal (1.306).    

Plano de Retomada

A Prefeitura de Curitiba mantém programas e ações para dar sustentação à retomada da atividade econômica tanto para trabalhadores quanto para empreendedores. O conjunto de ações formam o Plano de Retomada, com ações na área econômica, social e de segurança alimentar.

Os Liceus de Ofício, da Fundação de Ação Social (FAS), promovem cursos e preparam para o mercado de trabalho quem está em busca de qualificação. Além disso, os Espaços do Empreendedor da Agência Curitiba dão suporte a microempresários e microempreendedores individuais. Além disso, o Programa 1ºEmpregotech 2021, lançado no ano passado, oferece qualificação na área de tecnologia com aulas e oficinas.

O Fab Lab Cajuru, laboratório de fabricação por prototipagem, por sua vez, gera novas oportunidades para estudantes, empresas e comunidade, que podem compartilhar conhecimentos e colocar em prática ideias inovadoras.

A Prefeitura também vem adotando medidas para reduzir o impacto da pandemia sobre a economia. Entre elas, a criação de um fundo de aval, de R$ 10 milhões, com potencial para alavancar até R$ 100 milhões em investimentos por parte das empresas curitibanas.

Para reduzir a burocracia na abertura de negócios, o número de atividades incluídas na lei de liberdade econômica foi ampliado. A lei prevê a dispensa de alguns alvarás para atividades de baixo risco, facilitando o processo. No ano passado, o número de atividades abrangidas pela lei passou de 242 para 545 na capital.

O município também prorrogou o prazo de pagamento de impostos e promoveu um programa de refinanciamento, o Refic-Covid-19, que permitiu o parcelamento de débitos em até 36 meses.

A Prefeitura também vem dando apoio ao setor de eventos, com a utilização de R$ 2,7 milhões para projetos desse segmento e moratória de dívidas, até o fim do ano.

Saiba mais sobre o Plano de Retomadahttps://retomada.curitiba.pr.gov.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vai soltar fogos de artifício em Curitiba? Saiba o que é permitido na cidade

Apenas efeitos visuais, sem estampido. Esse deve ser o cenário das festas de fim de ano em Curitiba, pelo segundo ano consecutivo de vigência da lei que proíbe o uso de fogos de artifício com efeitos sonoros na cidade. O consumidor que estiver pensando em adquirir o material para as comemorações, deve estar atento. 

Podem ser usados na capital paranaense fogos de artifício com efeitos de cores, os ditos luminosos, que produzem efeitos visuais sem tiro (fogos de vista, sem estampido). 

“É importante lembrar que a comercialização de fogos com efeito de tiro não é proibida. As lojas fazem a sua parte orientando o consumidor, que deve estar consciente na hora da compra”, explica o superintendente de Controle Ambiental da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Marcos Traad. 

A orientação por parte do comércio é uma exigência do mais recente decreto que regulamenta a norma. Ações de fiscalização do município vem acontecendo neste caráter informativo, informa a diretora de Pesquisa e Monitoramento da Secretaria do Meio Ambiente, Erica Mielke. 

“As lojas receberam cartazes com as informações para que o consumidor não fique em dúvida”, reforça. Também é necessário que o estabelecimento mantenha o cadastro dos compradores, informando o tipo de produto adquirido, data, local e horário previsto da soltura. 

Esforço conjunto

Além de distribuir os folhetos informativos, manter a legislação visível e orientar o consumidor, a Associação Industrial e Comercial de Fogos de Artifício do Paraná (Aincofapar) criou selos que diferenciam os dois tipos de fogos para facilitar a identificação na prateleira. O verde está presente nos produtos com uso liberado em Curitiba e o vermelho, nos que não podem ser soltos na cidade.

O presidente da entidade, Rodolpho Aymoré Junior, conta que o projeto é piloto e que os selos estão disponíveis aos associados. Ainda de acordo com ele, a Aincofapar tem uma lista para orientar a identificação, conforme a legislação municipal. “É uma espécie de homologação dos ‘fogos ecológicos’ que possuem uma frequência sonora menor e atendem aos requisitos da legislação”, comenta.

Para o consumidor que está na dúvida, Aymoré explica que os fogos sem estampido mantêm a beleza e a plasticidade, sem prejuízo nenhum ao evento. “Com a vantagem de poderem ser utilizados em qualquer cidade do Brasil”, acrescenta e alerta, ainda, para que a compra seja feita, sempre, por maiores de 18 anos, em lojas devidamente autorizadas.

O que diz a lei

As multas para o cidadão que fizer a soltura ou manuseio dos fogos proibidos variam de R$ 400 a R$ 100 mil, conforme a gravidade da infração. O comércio que não cumprir as normas de orientação e cadastro pode ter o alvará cassado.

Selos desenvolvidos para os produtos para facilitar a venda e orientar os consumidores sobre a legislação municipal. Curitiba, 06/12/2021. Foto: Levy Ferreira/SMCS.

A demanda é, principalmente, da proteção animal, mas também beneficia crianças, especialmente aquelas com Transtorno do Espectro Autista, e os idosos, que também sofrem com os barulhos dos fogos.

A lei foi uma proposta da Câmara Municipal, ainda em 2019, com a motivação, em especial, de proteger animais domésticos, a fauna silvestre, bebês e pessoas portadoras de transtornos do espectro autista. Quem flagrar a soltura de fogos com barulho na cidade, deve fazer a denúncia pela Central 156. 

Veja o cronograma da dose de reforço da vacina contra a covid

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) divulga o cronograma da aplicação da dose de reforço da vacina anticovid. Deverão ser atendidas quase 78 mil pessoas que receberam a segunda dose entre 7 e 23 de julho (programação abaixo).

Com o novo cronograma, Curitiba antecipa a dose de reforço em até dez dias para os novos convocados. A decisão segue uma recomendação do Comitê de Técnica e Ética Médica da Secretaria Municipal da Saúde, que considerou a disponibilidade atual de doses em estoques, a chegada de uma nova variante de preocupação aos país (ômicron), além da proximidade das comemorações de festas de fim de ano e viagens.

“A dose de reforço ajuda a manter o sistema imunológico ativo contra a covid-19, o que é fundamental neste momento, considerando a chegada da nova variante e as festas e viagens do fim do ano. Como atualmente temos essas doses em estoque, tomamos a decisão de adiantar o reforço alguns dias para que nossa população fique mais protegida”, afirma a secretária municipal da saúde de Curitiba, Márcia Huçulak.

Os convocados para receber a dose de reforço nesta semana receberam uma mensagem pelo aplicativo Saúde Já até a sexta-feira passada (3/12), avisando que estão elegíveis para retornar aos pontos de vacinação.

Quem não puder comparecer no dia da convocação ou quem está com a dose de reforço em atraso pode buscar os pontos de vacinação, de segunda a sexta-feira. A Saúde tem mantido a repescagem contínua para primeira dose, segunda dose e dose de reforço.

Confirme os endereços

Os locais de vacinação podem sofrer alterações de acordo com o público estimado para receber vacina a cada dia. Antes de procurar uma unidade, confira as que farão a aplicação no site Imuniza Já.

Janssen

Pessoas vacinadas com imunizantes da farmacêutica Janssen ainda não poderão tomar a dose de reforço neste momento. A indicação atual do Ministério da Saúde é que estas pessoas recebam uma outra dose do mesmo imunizante num período entre dois a seis meses após a primeira aplicação. O município ainda aguarda o recebimento de doses para esta convocação.

Orientação para receber a dose de reforço

Para receber a dose de reforço, basta procurar um dos pontos de vacinação da cidade, das 8h às 17h, levar um documento de identificação com foto e CPF.

Quem pode receber a dose de reforço na próxima semana

– Segunda-feira, 6 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 14 de julho;
– Terça-feira, 7 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 17 de julho;
– Quarta-feira, 8 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 20 de julho;
– Quinta-feira, 9 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 21 de julho;
– Sexta-feira, 10 de dezembro: todos com 18 anos ou mais vacinados com a segunda dose até 23 de julho.

Outros grupos e repescagens

Os pontos de vacinação também seguem aplicando nos dias úteis:

Primeira dose
– Primeira dose para pessoas com 12 anos completos ou mais;

Segunda dose
– Segunda dose agendada;
– Repescagem de segunda dose de pessoas anteriormente convocadas;

Dose de reforço
– Dose de reforço agendada;
– Repescagem de dose de reforço de pessoas anteriormente convocadas.