História dos Vendedores de Guarda-Chuva

História dos Vendedores de Guarda-Chuva

Há muitos anos atrás, alguns imigrantes, quando vieram para Curitiba, construíram túneis secretos pela cidade para esconder seus tesouros e ter acesso a eles. Com o passar dos anos, a urbanização se tornou muito forte, esses túneis foram esquecidos e hoje estão debaixo dos grandes prédios de nossa cidade. O nosso clima, que não está em nenhum livro, mas que eu gosto de chamar de “Clima Curitibano Louco Bipolar Não Entendo Nada Pois Nunca Sei O Que Vestir” ou apenas CCLBNENPNSOQV, sempre foi um mistério e muita gente se preocupou em criar um negócio para lucrar em cima de algo tão incerto na capital, o TEMPO. Surgiram várias ideias, vários produtos no mercado, mas nenhum perdurou tanto tempo quanto: COMÉRCIO DE GUARDA-CHUVAS.

Reprodução: Curitiba-Parana.net

Um grande empresário decidiu aproveitar os túneis, aqueles que foram construídos pelos imigrantes, para estocar guarda-chuvas e fazer com que seus vendedores chegassem em pontos estratégicos de nossa cidade com uma rapidez maior, porque quando começa a chover é um Deus acuda! Com essa logística implementada, o sucesso era evidente. Assim começa a história dos vendedores de guarda-chuva de Curitiba.

Com a tecnologia, tudo foi ficando mais dinâmico e o sistema dos vendedores de guarda-chuva otimizou. Os vendedores recebem uma mensagem subliminar do Simepar por meio de códigos inseridos em meios de comunicação, como reportagens, notícias e anúncios publicitários, que avisam que choverá REALMENTE em Curitiba, assim eles se reúnem nos túneis em um QG que está localizado embaixo da Praça Tiradentes e se distribuem pela cidade para vender. Eles chegam a superfície através dos esgotos e “surgem” de repente na sua frente vendendo seu produto.

Reprodução: CuritibocaCuritiboca.blogspot.com.br

A empresa chamada “Vai a 10” está presente em nossa cidade desde 1984 e tem filiais em São Paulo e Nova Iorque, contando com mais de 1000 funcionários, só aqui na cidade são mais de 320 funcionários que estão distribuídos principalmente na região do centro.

Enfim, aqui está a explicação dos famosos VENDEDORES DE GUARDA-CHUVA que se “teletransportam” por Curitiba. Um mistério resolvido por nós e compartilhado à vocês. Pedimos que essa história chegue ao maior número de pessoas para que essa falácia,  que os vendedores de guarda-chuva surgem “do nada” seja desmentida.

 

*É fictício… ou não.

0 Comments

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saiba qual cruzamento em que os motoristas mais avançam o sinal vermelho em Curitiba

Em menos de quatro meses, o cruzamento das ruas Antônio Gasparin e Pedro Gusso, no bairro Novo Mundo, foi o que mais registrou avanço do sinal vermelho (entre os cruzamentos com novo radar instalado), num total de 7.973 infrações.

Por mês, a média é de cerca de 2 mil infrações somente por avanço de sinal neste ponto bastante movimentado da cidade, que concentra grande fluxo de veículos, pedestres e ciclistas, e que ainda faz a intersecção com uma via local, a Rua Henrique Schuta.

“A Antônio Gasparin é uma via rápida de escoamento do tráfego para o bairro e importante via de ligação para a CIC. Neste cruzamento com geometria mais complexa e dificuldade de visibilidade, o respeito à abertura do semáforo é ainda mais necessário”, alerta a superintendente da Setran. 

A Rua Pedro Gusso conta com estrutura cicloviária e há grande fluxo de conversão para quem segue sentido CIC/Capão Raso. Além disso, ao lado do cruzamento está localizada a Igreja do Capão Raso, considerada um polo gerador de tráfego e, a poucos metros dali, há uma estação-tubo. Entre os anos de 2015 e 2019, o local registrou 44 acidentes de trânsito, de acordo com dados do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran).

Multas e pontos acumulados na CNH

Confira as multas e pontos acumulados na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) para cada infração fiscalizada pelos radares, conforme previsão do Código de Trânsito Brasileiro (CTB):

Transitar em velocidade superior à máxima permitida em até 20% 
Infração média: 4 pontos e multa de R$ 130,16

Transitar em velocidade superior à máxima permitida em mais de 20% até 50%
Infração grave: 5 pontos e multa de R$ 195,23

Transitar em velocidade superior à máxima permitida em mais de 50%
Infração gravíssima (multiplicada por três): 7 pontos e R$ 880,41

Parar sobre faixa pedestres na mudança sinal
Infração média: 4 pontos e multa de R$ 130,16

Transitar em local/horário não permitido pela regulamentação – caminhão
Infração média: 4 pontos e multa de R$ 130,16

Executar operação de conversão em local proibido pela sinalização
Infração grave: 5 pontos e multa de R$ 195,23

Avançar sinal vermelho do semáforo
Infração gravíssima: 7 pontos e multa de R$ 293,47

Deixar de conservar o veículo na faixa a ele destinada pela sinalização 
Infração média: 4 pontos e multa de R$ 130,16

Com descontos de até 50%, Xiaomi inaugura primeira loja em Curitiba nesta sexta

A gigante da tecnologia, Xiaomi, terá sua primeira loja em Curitiba inaugurada no Park Shopping Barigui com um evento que irá durar desta sexta-feira (24) até domingo (26). Para comemorar a estreia, os clientes terão descontos de até 50% em vários produtos, além do recebimento de brindes exclusivos.

Por conta da pandemia, a entrada de pessoas na loja será controlada para evitar aglomerações. Quem quiser participar da inauguração precisa agendar um horário e chegar 15 minutos antes, sendo o voucher de agendamento pessoal e intransferível.

Além disso, o uso da máscara é obrigatório em todos os momentos, e é necessária a apresentação de um documento de identificação original com foto.

Confira todas as regras do evento clicando aqui.

Xiaomi

A Xiaomi é uma empresa de tecnologia fundada em 2010 pelo empreendedor serial Lei Jun com base na visão de “inovação para todos”. A empresa está no ramo de criação de hardware, software e serviços de internet, e entre alguns itens da linha de produtos incluem smartphones Mi e Redmi, TVs e Set-top-boxes, roteadores, dispositivos inteligentes, tecnologia vestível e outros acessórios.

Os usuários são comumente conhecidos como Mi Fãs e a presença da marca já atinge mais de trinta países ao redor do globo.