Governo vai investir R$ 23,8 milhões em pavimentação e escolas em Araucária

O Governo do Estado vai investir R$ 11,8 milhões na pavimentação de duas importantes ruas de Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba. Além disso, autorizou o município a apresentar projetos para a construção de escolas e centros municipais de educação infantil (CMEI) no valor de R$ 12 milhões. A assinatura dos convênios pelo governador Ratinho Junior e pelo prefeito Hissam Hussein Dehaini ocorreu nesta segunda-feira (24) em cerimônia no Palácio Iguaçu.

O investimento total por parte da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas é de R$ 23.860.200,40. “São recursos importantes para construção, reforma e ampliação de escolas, atendendo a um compromisso do nosso governo de melhorar o sistema educacional do Paraná”, destacou Ratinho. “E pavimentações que vão garantir mais qualidade de vida para a população de Araucária, uma cidade que é referência para o Paraná em termos de urbanização. Não canso de dizer que a iluminação pública do município é um espetáculo”.

O governador lembrou que desde 2018 a Prefeitura de Araucária vem realizando um trabalho intenso para substituir as lâmpadas convencionais da iluminação pública por modelos de LED. O investimento municipal é estimado em R$ 2 milhões. “Adotamos no Estado o exemplo de Araucária para a iluminação pública”, disse o governador.

O Governo do Estado vai investir R$ 11,8 milhões na pavimentação de duas importantes ruas de Araucária. Além disso, autorizou o município a apresentar projetos para a construção de escolas e centros municipais de educação infantil (CMEI) no valor de R$ 12 milhões. – Foto: Jonathan Campos/AEN

As requalificações asfálticas serão na Rua Pedro Zielinski, trecho compreendido entre as ruas Roque Durau e Augusto Borkowski, de R$ 4.816.355,86; e Rua Maria Luíza Freitas, em uma extensão de 3,2 quilômetros até o limite com Mandirituba, também na Região Metropolitana, no valor de R$ 7.043.844,54. Os investimentos em pavimentação são a fundo perdido, por transferência voluntária da Secretaria do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas.

“São ruas importantes porque ligam as estradas vicinais do município. Um pavimento novo com canalização, meio-fio e sinalização. Obras que significam mais progresso para Araucária”, disse o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas, João Carlos Ortega.

EDUCAÇÃO 

O Estado autorizou o município a apresentar projetos de reforma, ampliação ou construção de escolas e centros infantis no valor de até R$ 12 milhões. Os recursos são oriundos do Sistema de Financiamento aos Municípios (SFM), linha de crédito disponibilizada pela Fomento Paraná e pelo Paranacidade, da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e de Obras Públicas.

A assinatura dos convênios pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior e pelo prefeito Hissam Hussein Dehaini ocorreu nesta segunda-feira (24) em cerimônia no Palácio Iguaçu. – Foto: Jonathan Campos/AEN

“Temos muitos projetos e contamos com a parceria do Estado, que sempre nos atende com muita agilidade, para que Araucária continue se desenvolvendo”, afirmou o prefeito Hissam Hussein Dehaini.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sanepar divulga tabela de rodízio da RMC, seguindo modelo 60 horas x 36 horas

Oscilações dos níveis das barragens da Região Metropolitana de Curitiba, que têm interferência direta do regime de chuvas, levam a Sanepar a manter o atual rodízio de 60 horas de abastecimento e de até 36 horas com suspensão. A tabela para o período de 14 a 25 de janeiro segue o modelo 60h x 36h até que o nível do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC) esteja pelo menos em 80%, quando poderá haver a suspensão do rodízio.

A Sanepar trabalha com os cenários mais conservadores para garantir abastecimento, mesmo que em formato de rodízio, pelo fato de o Paraná ainda estar em situação de emergência hídrica, com déficit acumulado de chuvas e previsões de precipitações na média ou abaixo da média.

As chuvas das últimas semanas contribuíram para a evolução dos níveis das quatro barragens, que na média atingiram 73,11% nesta segunda-feira (10), o maior patamar desde o começo do rodízio, há quase dois anos.

As chuvas são fator determinante para o abastecimento, embora obras feitas pela Sanepar e o uso racional da água pela população contribuam com os níveis das barragens. Em 1° de março de 2021, por exemplo, o SAIC atingiu 49,73%, praticamente o mesmo nível do primeiro dia de outubro de 2021 (49,11%), embora no intervalo entre as duas datas o nível tenha alcançado 60% (abril).

Projeções da Sanepar mostram que, sem o rodízio, sem a contribuição da população com o uso racional da água e sem as medidas adotadas pela Companhia para aumentar os níveis dos reservatórios, o sistema teria entrado em colapso em outubro de 2020, quando teria chegado a níveis tão baixos que inviabilizariam o abastecimento da Região Metropolitana.

Confira a tabela completa AQUI .

Governador sanciona reajuste de 3% para servidores públicos em 2022

O governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou nesta segunda-feira (20) a lei ( 20.934/2021 ) que determina 3% de reajuste aos servidores públicos em 2022. O texto tramitou em regime de urgência na Assembleia Legislativa. O reajuste será implementado a partir de janeiro.

“Com o fim da pandemia, estamos retomando o reajuste dos nossos servidores, que diariamente se empenham para fazer funcionar o dia a dia do Governo do Estado. Por isso, começamos o ano de 2022 com o reajuste, que foi calculado dentro do que é possível ser executado com segurança financeira, garantindo também a saúde econômica do Estado”, afirmou o governador.

A lei revisa a programação implementada em 2019, que foi interrompida durante 2020 e 2021 em função da pandemia. O congelamento era uma condição para receber verbas federais para a manutenção dos serviços básicos de saúde para a população durante o período. A lei federal (lei complementar 173/2020) instituiu repasses emergenciais aos estados com veto ao aumento da folha até dezembro de 2021. Com o fim do veto, o Estado retoma o reajuste. 

Na época, o pagamento da reposição salarial, escalonado até 2022, seria de 2% em 2020 e 1,5% 2021 e 2022, com impacto econômico estimado em R$ 1,8 bilhão. Agora, o reajuste leva em consideração o cenário econômico pós-pandemia. Ele deverá impactar financeiramente o Estado em R$ 786,3 milhões por ano, sendo R$ 459 milhões para servidores ativos e R$ 327 milhões para inativos. Atualmente, o Estado tem cerca de 150 mil servidores ativos e 133 mil inativos (aposentados e pensionistas).

Além disso, o Governo do Estado instituiu neste fim de ano um novo piso salarial para professores, promovendo aumento de quase 50% para a base da categoria, e um auxílio-alimentação de R$ 600 para todas as forças de segurança. Os pagamentos começam a ser realizados em janeiro.