Governador ratifica novo salário mínimo regional do Paraná, o maior do País

O governador Carlos Massa Ratinho Junior ratificou nesta terça-feira (9) os novos valores do salário mínimo regional do Paraná, que se mantém como o maior do País. Dividido em quatro faixas salariais, que variam de R$ 1.467,40 a R$ 1.696,20, conforme a categoria, o reajuste foi aprovado pelo Conselho Estadual do Trabalho, Emprego e Renda (Ceter), vinculado à Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho. O piso será aplicado já na folha de fevereiro, com valores retroativos a janeiro, e é válido até 31 de dezembro de 2021.

O piso regional garante aumento real aos trabalhadores de categorias que não têm convenção ou acordo coletivos de trabalho ou cujo piso salarial não é definido em lei federal. Ele também traz uma base para garantir patamares mínimos para as negociações das categorias com convenção coletiva. Toda a construção da política de valorização salarial é feita de forma paritária dentro do conselho, em discussões que envolvem o Governo, a classe trabalhadora e o setor patronal.

Os valores do Paraná são de 33,4% a 54,42% superiores ao Salário Mínimo Nacional, que hoje está em R$ 1.100,00. O ajuste, no Estado, usa o mesmo índice aplicado para o reajuste do Salário Mínimo Nacional para 2021, acrescido de um valor de 0,7%, o que representa 50% do resultado do PIB de 2019.

O maior piso salarial brasileiro, ressaltou o governador, está inserido em uma política trabalhista baseada na valorização e na criação de novas oportunidades para os trabalhadores paranaenses. Ele lembrou que o Paraná foi o segundo estado que mais gerou empregos no ano passado, com 52.670 postos de trabalho com carteira assinada, sendo responsável por 36,9% de todas as vagas criadas no Brasil em 2020. Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, e também mostram que o Estado foi o que mais gerou vagas nos pequenos negócios.

“É importante frisar que a valorização do piso, o maior mínimo regional do País, vem em um momento importante para o Paraná na geração de empregos. Este é um dos compromissos que temos com o Estado, de atrair mais empresas e criar mais vagas para a população”, afirmou o governador.

“A política de valorização salarial, que traz ganho real a diversas categorias, é uma grande iniciativa que se preocupa em garantir um salário digno para a população. O paranaense é um povo trabalhador e muito capacitado”, disse Ratinho Junior.

Ney Leprevost, secretário estadual da Justiça, Família e Trabalho, destacou que o Governo mantém seu compromisso com a classe trabalhadora e com o setor produtivo do Estado. “Com união, diálogo e boa vontade, conseguimos garantir o maior salário mínimo do Brasil. Esse ganho extra faz diferença no bolso das famílias, principalmente durante a pandemia. O mínimo regional é uma referência e dá segurança aos trabalhadores e aos empresários”, afirmou.

NEGOCIAÇÃO –As definições dos índices de reajuste são feitas no âmbito do Conselho do Trabalho, Emprego e Renda, com discussões entre as bancadas que representam os trabalhadores, o setor produtivo e a administração estadual.

“Os trabalhadores do Paraná têm um ganho real, além do mínimo nacional. Para calcular esse reajuste, levamos em conta o resultado do PIB e a inflação dos anos anteriores, fazendo com que, na prática, o paranaense tenha um salário maior que o restante do País”, explicou Suellen Glinski, chefe do Departamento do Trabalho e Estímulo à Geração de Renda na secretaria.

Para a presidente do conselho, Juliana Dias Bacarin, o diálogo foi fundamental para chegar a um valor que fosse justo para todas as partes envolvidas, já que tanto trabalhadores, como empresários, foram afetados pela pandemia. “A negociação tentou buscar o ganha-ganha, para chegar a um meio termo que beneficiasse a retomada econômica e também a valorização do emprego nos setores beneficiados”, disse.

“Todo mundo teve que fazer flexões, mas chegamos em um bom termo que garantiu o aumento real dos trabalhadores do Paraná e mantém o piso regional como o maior do País”, afirmou o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT) no Paraná, Marcio Kieller, que representa a bancada dos trabalhadores no Conselho.

VALORIZAÇÃO – Desde 2006, ano da criação, o salário mínimo regional do Paraná sempre foi estabelecido em patamares superiores aos do salário mínimo nacional. O reajuste no Estado utiliza o mesmo índice aplicado nacionalmente – baseado na variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior – com aplicação adicional, a título de ganho real, da variação real do PIB nacional observada dois anos antes. 

São quatro faixas salariais, que beneficiam técnicos de nível médio; trabalhadores de serviços administrativos do setor de serviços e vendedores do comércio em lojas e mercados; trabalhadores agropecuários, florestais, da caça e pesca; da produção de bens e serviços industriais; e de manutenção e reparo.

Na categoria dos trabalhadores agropecuários, florestais e da pesca, o piso sobe para R$ 1.467,40. Para o setor de serviços administrativos, serviços gerais, de reparação e manutenção e vendedores do comércio em lojas e mercados, o salário aumenta para R$ 1.524,60. Esta categoria engloba também a classe de trabalhadores domésticos.

Para os empregados na produção de bens e serviços industriais, o piso vai para R$ 1.577,40. Para o último grupo, na categoria de técnicos de nível médio, o piso passa a ser R$ 1.696,20. O mínimo regional não se aplica aos empregados que têm o piso salarial definido em lei federal, convenção ou acordo coletivo de trabalho, nem aos servidores públicos.

PRESENÇAS –Participaram da solenidade o vice-governador Darci Piana; o chefe da Casa Civil, Guto Silva; o diretor de Justiça, Cidadania e Trabalho da Secretaria da Justiça, Cristiano Meneguetti Ribas; e membros do Conselho Estadual do Trabalho, Emprego e Renda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pesquisadores do Paraná participam de descoberta de fóssil de dinossauro

Uma equipe de arqueólogos de Maringá, no norte do Paraná, participou da descoberta de um fóssil de dinossauro encontrado no Maranhão, em abril deste ano. O material foi localizado em Davinópolis, no sudoeste do estado, e a informação sobre o achado dos pesquisadores foi divulgada nesta semana. 

O arqueólogo Jardel Stenio de Araújo Barbosa, da Arqueologística Consultoria Arqueológica, empresa que tem sede em Maringá, explica que a descoberta aconteceu em 13 de abril, enquanto os profissionais faziam o acompanhamento da obra para construção de uma ferrovia no Maranhão. Durante a vistoria em um dos pontos de escavação, um dos arqueólogos da equipe identificou um material que poderia se tratar de um fóssil. 

“Nós da Arqueologística somos dedicados ao estudo dos vestígios da cultura material deixada pelos humanos no passado. A identificação desses espécimes fósseis só ocorreu porque o Daniel Ribeiro, arqueólogo de campo, possuía conhecimento na identificação de fósseis. Aos olhos de outra pessoa, seria apenas uma rocha qualquer”, avalia o coordenador de pesquisas da Arqueologística.

Segundo ele, assim que os primeiros vestígios foram encontrados, o local foi isolado para evitar qualquer tipo de interferência que pudesse danificar os fósseis. Foi então que começou o trabalho de pesquisadores da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), chefiados pelo professor e paleontólogo Elver Mayer, para retirar os materiais do solo e identificar de qual espécie se tratava. 

Mais informações no portal GMC Online

Em reunião com a Emirates, Ratinho Junior busca voo direto entre Paraná e Dubai

O governador Carlos Massa Ratinho Junior apresentou nesta quarta-feira (13) todas as potencialidades do turismo paranaense para executivos da Emirates Airlines, maior companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos e uma das principais do setor no mundo. A reunião ocorreu em uma das sedes da empresa em Dubai e integra o giro da comitiva do Governo do Estado para promover o Paraná pelo Oriente Médio, iniciado na semana passada, em uma agenda paralela à Expo Dubai 2020.

A intenção, destacou Ratinho Junior, é estreitar laços para trazer ao Paraná um voo direto da empresa – atualmente a Emirates faz a rota São Paulo-Dubai cinco vezes por semana. Foz do Iguaçu, por ser um dos mais representativos polos turísticos do País, é a principal candidata.

“Queremos fortalecer o turismo paranaense. Foz é hoje o segundo destino de turistas estrangeiros do País, com grande possibilidade de crescimento. A cidade vem recebendo muitos investimentos, públicos e privados, e pode sim ser uma alternativa logística para a Emirates”, afirmou o governador. “Mas há em Curitiba o turismo de negócios e o turismo de natureza em outras cidades do Estado, todas com grandes atrativos”.

Ele lembrou que o aeroporto internacional da cidade, recentemente concedido à iniciativa privada, foi reformulado justamente para receber voos internacionais diretos, um investimento de R$ 69,4 milhões em uma parceria do Governo do Paraná, Itaipu Binacional e Infraero. “Fizemos um grande investimento no complexo. O aeroporto tem hoje a maior pista da Região Sul e está apto para receber voos dos Estados Unidos, Europa e Ásia”, disse Ratinho Junior.

Com a concessão, o Aeroporto Internacional das Cataratas deve ter um novo aporte, estimado em R$ 512,3 milhões. “Foz é um dos maiores centros comerciais do mundo, com grande movimentação de estrangeiros, especialmente vindos da Ásia. A projeção é que apenas um dos nossos atrativos, as Cataratas do Iguaçu, recebam 5 milhões de visitantes por ano em futuro bem próximo”, ressaltou o prefeito Chico Brasileiro.

O cenário impactou o chefe do escritório comercial da Emirates, Adnan Kazim. Ele disse que não conhecia o Estado e que a ideia é amadurecer a conversa. “O que posso dizer é uau! A impressão foi muito boa e temos muitas informações que não conhecíamos antes. Mas, para a aviação, teremos de fazer um estudo minucioso após essa visita do governador a Dubai. A visita aconteceu no melhor momento da nossa história por conta da Expo, a visita do Paraná foi muito oportuna”, afirmou.

“A reunião foi muito interessante. Após ver o material do Paraná, os números que o Estado têm a oferecer, os representantes da Emirates ficaram encantados. Falamos de Foz do Iguaçu, de Curitiba e mostramos que a maior reserva de Mata Atlântica do País está localizada no Paraná. Pelas ótimas impressões, temos uma chance muito grande de ter o primeiro voo da Emirates para o Paraná já no ano que vem”, disse Eduardo Bekin, diretor-presidente da Invest Paraná.

HUB LOGÍSTICO

O Paraná está retomando o projeto Voe Paraná, de aviação regional, e tem investimentos em públicos e privados em vários terminais. Quatro foram concedidos para a iniciativa privada (Afonso Pena, em São José dos Pinhais; Cataratas, em Foz do Iguaçu; Governador José Richa, em Londrina; e Bacacheri, em Curitiba), três foram totalemnte remodelados (Cascavel, Umuarama e Maringá) e há obras ou convênios para melhorias em andamento em Ponta Grossa, Siqueira Campos, Pato Branco, Cornélio Procópio, Arapongas, Paranavaí e Loanda.

EMPRESA

A Emirates Airline é a principal companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos. Fundada em 1985, conta com uma frota de 270 aeronaves que operam em 157 destinos. São mais de 45 mil funcionários de 172 nacionalidades diferentes.