Gangnam Style Versão Acústica

 Gangnam Style Versão Acústica

Hoje me deparei com a versão acústica do Gangnam Style, já deu isso aí né?! Me lembrou o “IceEuTePego” daquele cantor Michel alguma coisa lá! Lembra? O pessoal fazendo diversas e diversas versões da música? Fazer o que né? Quando é HIT da Web já viu que o pessoal explora pra caralho e suga até o fim a fama da música.

Enfim vos deixo com o vídeo prometido:

Eu gostei dessa versão! HAHAHHA

Sugestões de post? Mande um e-mail pra gente: busaocuritiba@hotmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira cinco exposições imperdíveis pelos museus de Curitiba

Com as portas abertas e todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Estado do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte.

As instituições estão na mesma área (entre Centro, Centro Histórico e Centro Cívico), o que facilita percorrer os museus em um único grande passeio para conhecer as novidades montadas durante as restrições de circulação e que agora podem ser aproveitadas pelo público.

Vale lembrar que é expressamente obrigatório o uso de máscaras protetoras no interior dos museus, que estão sinalizados para manter o distanciamento entre os visitantes e equipados com tapetes sanitizantes e dispositivos de álcool em gel.

Nesse pequeno roteiro, a Secretaria da Comunicação Social e da Cultura apresenta cinco das principais exposições em cartaz nessas instituições.

Schwanke, uma Poética Labiríntica (MON)

O icônico Olho do MON apresenta um dos artistas mais premiados da arte brasileira. Luiz Henrique Schwanke (1951-1992) tem a singularidade de permitir diferentes abordagens em sua obra e se estender por variadas formas, o que inclui desenhos, pinturas, livros, objetos, esculturas e instalações, num conjunto complexo e surpreendente. Com curadoria de Maria José Justino, a mostra faz uma retrospectiva do trabalho do artista desde a década de 1970 até as últimas produções, num total de mais de 150 obras, sendo boa parte inédita.

Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Terça a domingo, das 10h às 18h

Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Educação pela pedra (Mupa)

Com curadoria de Moacir dos Anjos, a mostra inaugura a parceria entre o Museu Paranaense (Mupa) e a Fundação Joaquim Nabuco, do Recife. As obras de importantes artistas contemporâneos reunidas no belo espaço expositivo do Mupa, Centro Histórico da Capital, têm ou não a pedra como referência direta, mas de alguma forma remetem às lições do poema Educação pela Pedra, escrita por João Cabral de Melo Neto em 1966: a resistência, a concretude, a concisão e a impessoalidade. São audiovisuais, instalações e fotografias que desafiam o espectador na capacidade de articular a arte com a sua própria bagagem e aspirações.

Rua Kellers, 289 – Alto São Francisco

Terça a domingo, das 10h às 17h30. Aos finais de semana é necessário fazer agendamento prévio AQUI

Entrada gratuita

Com as portas abertas e com todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte. – Curitiba, 15/07/2021 – Foto: Kraw Penas/SECC

Verdeazul – mostra individual de Dulce Osinski (MAC)

Museu de Arte Contemporânea do Paraná apresenta a exposição inédita Verdeazul, da artista paranaense Dulce Osinski. Ela investiga uma das grandes utopias da modernidade: a natureza. Nas palavras do curador Benedito Costa Neto, “a humanidade demorou séculos para ver o mundo de cima”, e Dulce – maravilhada, curiosa e encantada com essa questão – apresenta essas paisagens a partir de uma perspectiva que dá a sensação de “sermos deuses” ou anjos, observando o mundo do alto.

A exposição abrange a produção mais recente da artista: pinturas, gravuras e aquarelas produzidas entre 2008 e 2021, e é acompanhada de uma segunda mostra complementar, realizada na Sala Adalice Araújo (na sede da Superintendência-Geral da Cultura) onde o público pode conhecer outros trabalhos de Dulce Osinski, que fazem parte da coleção do MAC Paraná.

MAC no MON

Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Terça a domingo, das 10h às 18h

Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Sala Adalice Araújo

Rua Ébano Pereira, 240 – Centro

Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h

Entrada gratuita

Com as portas abertas e com todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte. – Curitiba, 15/07/2021 – Foto: Kraw Penas/SECC

Mostra permanente (MCAA)

A mostra permanente do Museu Casa Alfredo Andersen é focada nas obras do pintor em suas diversas fases. Lá é possível encontrar exemplares de seus três períodos, o norueguês (1873-1892), o litorâneo (1892-1902) e o curitibano (1902-1935). O curioso é perceber como o ambiente e o clima influenciaram Andersen em cada momento de sua vida: das paisagens, que transitam entre o realismo e o romantismo, até os retratos da sua fase final, carregadas de uma emoção pura, como escreveu a crítica Adalice Araújo. As pinturas do “pai da pintura paranaense” são, além de tudo, um símbolo do trânsito cultural entre o Brasil e a Europa na primeira metade do século XX.

Rua Mateus Leme, 336 – Centro

Terça a sexta-feira, das 10h às 17h30; sábados e domingos, das 10h às 16h

Entrada gratuita

Ilhas da Imaginação (MIS-PR)

Partindo de seu acervo tridimensional, a exposição do Museu da Imagem e do Som do Paraná é um mergulho pelos dados históricos, técnicos e curiosidades, guiando o público para memórias e invenções audiovisuais. A coleção conta hoje com aproximadamente mil itens, entre câmeras fotográficas, filmadoras, moviolas, toca-discos, vitrolas, televisores, projetores e muitos outros equipamentos ligados às áreas de cinema, fotografia, rádio e televisão, doados ao museu pela comunidade, veículos de comunicação e instituições locais.

Rua Barão do Rio Branco, 395 – Centro

Terça a sexta-feira, das 10h às 17h; sábados e domingos, das 10h às 16h

Entrada gratuita

10 prédios que fazem parte da história de Curitiba

Cada construção em Curitiba conta um pouco da sua história. O arquiteto Guilherme Macedo, autor do livro “Prédios de Curitiba”, destacou 10 prédios que representam a cultura histórica da capital. Confira!

1 – Paço da Liberdade (construído entre 1914 e 1916)

Poucas pessoas sabem, mas no Paço já funcionou a Prefeitura Municipal de Curitiba. O prédio conta com simbolismos arquitetônicos, como os dois Hércules que sustentam a fachada principal, um de aparência jovem representando o poder executivo e um mais velho, na figura do legislativo, encimados por uma figura feminina, que representa “Curitiba”, a cidade personificada.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

Com quatro pavimentos, a construção foi pioneira na implantação do primeiro elevador da capital. Por esses motivos, o Paço da Liberdade é considerado um patrimônio cultural nacional.

2 – Palácio Avenida (construído entre 1927 e 1929)

Foi no Palácio Avenida que nasceu o Cine Avenida, que juntamente com o Cinema da Glória e o Cine Palácio marcaram a cena cultural da região e transformaram a pequena Avenida Luiz Xavier na Cinelândia curitibana.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

O Palácio Avenida é nacionalmente conhecido pelos seus espetáculos natalinos, que apresentam um coral de crianças em suas janelas e que ocorrem anualmente desde a reinauguração.

3 – Moreira Garcez (construído entre 1927 e 1959)

O Moreira Garcez já foi considerado o terceiro maior arranha-céu do Brasil. Sua construção apresenta ainda a inserção de elementos paranistas, como pinhões geometrizados presentes ao longo da fachada e em detalhes internos nas esquadrias do átrio.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

4 – Brasilino Moura (construído em 1944)

A implantação desse prédio foi um dos pivôs do enfraquecimento do Plano Agache, que previa o desenvolvimento urbanístico da cidade. O destaque do prédio está na estética da fachada, um conjunto de esquadrias de ferro levemente inclinadas, emolduradas por ressaltos volumétricos azulados, as quais transmitem a sensação de estarem prestes a cair, motivo pelo qual recebeu o apelido peculiar de “balança, mas não cai”.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

5 – Marumby (construído entre 1946 e 1948)

Foi o primeiro arranha-céu de Curitiba com uso exclusivamente residencial, curiosamente a construção recebeu o mesmo nome de um conjunto de montanhas conhecido no Paraná, e foi por muito tempo considerado ponto culminante do Estado do Paraná. É tido como o primeiro edifício condomínio da cidade.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

6 – Anita (construído em 1950)

Apesar do porte baixo, o prédio é praticamente dono da esquina na trifurcação das ruas Cândido Lopes, Carlos de Carvalho e Ermelino de Leão. Porém, ao longo do tempo, acabou cercado por vizinhos gigantes, como os edifícios Tijucas e Souza Naves, além do Hotel Tibagi. Sua estética costuma ser alvo de fotos que ganham as redes sociais.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

7 – Eduardo VII (construído entre 1950 e 1954)

Sem dúvidas esse é um dos edifícios mais marcantes de Curitiba. Seja pela sua imponência ou até mesmo a semelhança com o Flatiron Building (um dos primeiros arranha-céus construídos em Nova Iorque, Estados Unidos).

8 – Tijucas 1958 (construído em 1973)

Considerado um dos prédios mais visitados do Centro, pode-se dizer que o Tijucas possui uma cidade própria, um conjunto misto com alas residenciais e comerciais, afamado por uma galeria onde percorrem cerca de dez mil pessoas diariamente.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

9 – Araucária (construído em 1969)

O prédio se destaca muito pelas notáveis esquadrias pré-fabricadas vibrantes e ritmadas que compõem uma fachada única.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

10 – Governador (construído em 1967)

Quando construído seu formato circular era algo incomum e criava dúvidas do tipo: como mobiliar um quarto redondo? O volume cilíndrico passa a sensação de se soltar do bloco térreo, sua fachada é marcada por faixas verticais que enquadram as esquadrias.

Foto: Washington Cesar Takeuchi

*Fonte Estúdio C via Curta Curitiba