Foz do Iguaçu será primeiro destino turístico do País a vacinar 100% da população

Vacinação em Foz está na frente das principais cidades do Paraná e deve impulsionar a retomada do setor turístico

Foz do Iguaçu caminha célere para ser a primeira cidade a vacinar 100% da população adulta (acima de 18 anos) entre os principais destinos turísticos do País. Ranqueada entre 2º e 3º lugares na preferência de visitantes nacionais e estrangeiros, Foz está vacinando os moradores com 26 anos ou mais, à frente de São Paulo (28/29 anos), Rio de janeiro (35), Salvador (34), Maceió (33 anos), Natal (33) e Gramado (37 anos).

A vacinação em Foz está na frente das principais cidades do Paraná: Curitiba (37 anos), Londrina (28/27 anos), Ponta Grossa (35 anos), Maringá (34 anos) e Cascavel (32 anos) e São José dos Pinhais (36 anos). “Esperamos em breve o segundo lote extra de vacinas e completar a imunização dos moradores da cidade com pelo menos a primeira dose”, disse o prefeito Chico Brasileiro.

Foz do Iguaçu já tem 73% da população adulta vacinada com a primeira dose. Desde o início da vacinação, em janeiro, foram aplicadas 190.643 doses da vacina contra a covid, 144.608 de primeira dose, 39.556 de segunda dose e 6.479 doses únicas.

Fronteira

Vice-presidente da Frente Nacional dos Prefeitos, Chico Brasileiro articulou junto ao Ministério de Saúde o envio das doses extras às 122 cidades da fronteira brasileira com o Paraguai, Argentina, Uruguai, Bolívia, Peru, Colômbia, Venezuela e Guianas. “A proposta é a de criar um cordão de segurança e evitar, o máximo possível, a circulação de novas variantes do coronavírus através das cidades fronteiriças”, disse o prefeito.

As quatros cidades da fronteira o Paraná (Foz, Barracão, Guaíra e Santo Antônio do Sudoeste) receberam 45 mil doses (faltam mais 45 mil doses), 29 cidades gaúchas, 126 mil doses; 13 cidades do Mato Grosso do Sul (165,5 mil), nove cidades de Rondônia (nove mil) e10 cidades de Santa Catarina receberam 24,5 mil doses. Um total de 450 mil doses extras para 65 municípios.

As vacinas extras vão acelerar também a retomada do turismo, principal atividade econômica da cidade. Pesquisas apontam que a preferência do brasileiro, no pós pandemia, é por destinos turísticos próximos de casa e por isso os atrativos de Foz do Iguaçu já figuram entre os mais procurados. A cidade já tem três grandes eventos marcados até início de dezembro e que devem atrair 12 mil participantes.

Movimentação

A segunda edição da campanha Vem pra Foz procura chamar o visitante mais próximo num raio de até 500/1000 quilômetros através do turismo rodoviário e aéreo. A rodoviária registrou aumento de 41% no comparativo entre os dois últimos semestres. Este ano, de janeiro a junho, 241.197 pessoas passaram pelo terminal, contra 170.648 de julho a dezembro do ano passado.

O aeroporto internacional registrou, de janeiro a junho deste ano, 345.207 embarques e desembarques, um aumento superior a 42% no comparativo aos 241.765 embarques e desembarques de julho a dezembro do ano passado. “A expectativa é a volta das viagens turísticas. No ano passado, destacamos roteiro seguro e agora queremos reforçar não apenas esse conceito, mas valorizar a diversidade de experiências que o Destino Iguaçu oferece”, diz o presidente do Codefoz, Felipe Gonzales.

Dados da segunda edição do Insights para o Turismo, uma pesquisa do setor, afirmam ser alta a probabilidade de fazer uma viagem a lazer nos seis meses após a segunda dose da vacina. A insegurança com a pandemia é uma das razões que desmotivam a viajar, para 72,37% dos entrevistados. O comportamento dos outros é preocupação para 34,43%. No entanto, a quantidade de pessoas vacinadas no destino também entrou para a lista de aspectos considerados pelos viajantes na hora de escolher que lugar visitar.

Link: https://www5.pmfi.pr.gov.br/noticia-48334

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Covid-19: ministério recomenda suspensão da vacinação de adolescentes

O Ministério da Saúde revisou a recomendação de vacinação de adolescentes contra a covid-19. Em nota técnica publicada hoje (16) pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19, o ministério passou a recomendar a vacinação apenas para os adolescentes entre 12 e 17 anos que tenham deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade.

Uma nota técnica anterior da pasta, também de setembro, recomendava que a imunização dos adolescentes tivesse início ontem (15), com a ressalva de que os que não apresentassem comorbidades deveriam ser os últimos a ser vacinados.

A pasta citou, entre outros argumentos para revisar a recomendação, o fato de que os benefícios da vacinação em adolescentes sem comorbidades ainda não estão claramente definidos e que a Organização Mundial de Saúde (OMS) não recomenda imunização de adolescentes com ou sem comorbidades.

A OMS, entretanto, não chegou a afirmar que a imunização de adolescentes não deveria ser realizada. Em vídeo publicado em junho, a organização disse apenas que, neste momento, a vacinação de adolescentes entre 12 e 17 anos não é prioritária.

O ministério também argumentou que a decisão foi tomada devido ao fato de a maioria dos adolescentes sem comorbidades acometidos pela covid-19 apresentarem evolução benigna da doença.

Outro ponto levantado foi o de que houve uma redução na média móvel de casos e óbitos (queda de 60% no número de casos e queda de mais de 58% no número de óbitos por covid-19 nos últimos 60 dias) com melhora do cenário epidemiológico.

Após a publicação da nota, algumas cidades anunciaram a suspensão da vacinação de adolescentes, entre elas, as prefeituras de Natal (RN) e Salvador (BA). Agora há pouco, o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, decidiu seguir a recomendação do ministério e também suspendeu a imunização de adolescentes na capital federal.

Atualmente, apenas a vacina da Pfizer/Biontech tem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para uso em adolescentes a partir de 12 anos.

Ministro da Saúde diz que há excesso de vacinas no Brasil

Com a antecipação da aplicação da segunda dose travada em ao menos seis estados do país, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, comemorou a logística de distribuição do governo federal e disse que há “excesso de vacinas” no país.

Além dos estados que não tem imunizante para antecipar a segunda dose, há ainda aqueles que tiveram de atrasar o intervalo entre aplicações por falta de vacina. Ainda assim, Queiroga negou nesta quarta (15) que haja problemas de distribuição.

“Há excesso de vacina na realidade, o Brasil já distribuiu 260 milhões de doses, 210 milhões já aplicadas”, disse o ministro, sem explicar porque há unidades com federação sem doses disponíveis para seguir o calendário vacinal.

Queiroga esteve em São Paulo na manhã desta quarta para receber um novo lote de vacinas da Pfizer que serão enviadas aos estados. Em entrevista, ele negou que haja problema de entrega da AstraZeneca.

“Precisa acabar com essas narrativas de falta de vacina. Isso não é procedente, o Brasil vai muito bem. O Brasil já é dos países que mais vacina no mundo”, disse Queiroga.

Com o lote que chegou nesta quarta, o ministro comemorou ter concluído a entrega de 260 milhões de doses aos estados brasileiros, o que garante, segundo a pasta, a vacinação de todos os brasileiros acima de 18 anos. A entrega ocorre quase nove meses após o início da vacinação no país.

Ainda assim, o ministro afirmou que a velocidade de entrega do país é um “sucesso”. Ele também elogiou o trabalho de seu antecessor, Eduardo Pazzuelo, por ter firmado a maior parte dos contratos de compra de vacina.

Apesar de ter dito que há “excesso de vacina” no Brasil, Queiroga diz que estados que não seguirem o Plano Nacional de Imunização, ou seja anteciparem a aplicação em alguns grupos, poderão ter dificuldade de seguir o cronograma vacinal.

Ainda que tenha negado o problema de entrega, Queiroga disse que, se houver “eventual carência” de AstraZeneca para a segunda aplicação, os estados podem recorrer à utilização da Pfizer.

Secretarios de saude já tomaram essa decisão e pediram para que o Ministério da Saúde apoiasse tecnicamente a combinação de vacinas, o que não foi feito até agora.

“Se não houver Astrazeneca, a intercambialidade [de vacinas] pode ocorrer, ainda que não haja recomendação do PNI, que acontecerá no momento adequado”, disse o ministro.