Flagrante de marginais entrando no ônibus sem pagar

Flagrante de marginais entrando no ônibus sem pagar

Bando de fdp sem vergonha! O pior é que isso sempre acontece!

0 Comments

  1. Eu lembro quando eu tava no biarticulado Capão raso/Sta Candida e um policial estava do meu lado,um cara entrou assim,tomou uma na boca do policial caiu no chão e saiu vasado kkkkkk foi ilario o cara pedindo desculpas ainda no chão. oaisdjoaisjdoiasjdoiajsdoiasjdoaisjdoaisdj

  2. normal tdo dia vejo isso..PIOR KE P Opovo fdpnem pa se revolta e tira no soco ..
    alem de chama os HOME..
    pior do spiorres os COBRADRES E MOTORISTAS PODEM FAZER NADA SENAUM APANHAM :S
    fda

  3. o pior é q tem muitos que sao Mauricinhos e ainda fazem isso por deboche, eu q sou pobre que junto moeda pra pegar busao nunca na vida furei fila, e sempre tem um arrombado deste q faz isso, QUERO MSM EH Q SATAN COMA O RABO DESTES FILHOS DA MAE!!!!!

  4. Naquele colégio perto do terminal do Portão sempre tem pia burro fazendo isso.
    Vontade de dar um chute estilo 300. "THIS IS SPARTA!!!"

  5. quero que voçe fique um dia sem passagem,ai voçe vaio pedir pra algum cobrador pra passar na roleta e voçe vai humilhado,dai voçe nunca mais vai defender esses ladroes,larga mao cara esses caras ganham milhoes diariamente isso de lucro,explora os funcionarios ,quando acontece um furto de mqqqqqqqqqqqqqqqqqqais de 30 real a diferença sai do bolso deles os cobradores
    e um trabalho semi escravo,tira no soco,cala a boca zezao………

  6. nossa que heroismo,pra defender interesse de milionarios,agora pra defender voce ele iria dizer que nao estava de plantao ,voçe e mais otario que o policial,por isso que esta essa merda o transporte poir causa desses paga pau da urbs……………..

  7. Emersom Lopes Figueiredo
    Kra se você pedir ajuda sempre tem alguém q vai te ajudar mais nada justifica você querer entrar sem pagar, pular catraca e tudo mais. Por causa de pessoas como você que furam fila, pulam catraca, tira vantagem de outras pessoas, não devolvem troco errado que o pais tah uma merda, o povo quer mudança mais não aceita mudar ninguém tem educação, ninguém respeita idoso e deficiente, ninguém nesse pais leva seu trabalho a serio, tudo gira em torno do futebol, da merda do BBB e da novela das 9. Cambada de anestesiados que a unica preocupação e discutir e invejar os vizinhos e falar da vida dos outros.
    O pais soh vai realmente mudar quando o povo realmente mudar seu modo de pensar…

  8. por causa de uns idiotas como esses aí, esses dias um motorista do Pinheirinho/Rui Barbosa prendeu uma moça inocente na porta .-.

  9. NÃO meu filho! Não tem que furar não! Tem que ser honesto, correto, cumprir com nossos deveres. Só assim estaremos contribuindo para um mundo melhor! Não importa que hajam corruptos e ladrões de toda ordem, o que importa é fazer a nossa parte, dar a nossa contribuição, mesmo que seja pouco…!!!

  10. Emersom Lopes Figueiredo Todo mundo trabalha p comer e pagar passagem de ônibus, eu já fiquei sem dinheiro para pagar e conversei com o cobrador e o cara foi bem gente boa! me desculpe, mas um erro não justifica o outro, entrar sem pagar, é crime!

  11. tao conffundindouma forma de protesta com delinquencia,eu pago passagem,alias tenho carros e motos ,uso transporte de massa por opçao intelectual,transporte publiuco e serviço essencial,como saude,educaçao etc,nao faz sentido o mercado definir o seu valor,nao culpo os trusts do transporte curitibano,qualquer um na situaçao deles fariam o mesmo,o que falta e uma mobilizaçao seria a respeito da deteriorizaçao do que um dia foi um sistema de transporte modelo,e tem gente se preocupandd com adolecentes descobrindo desafios,indeniza logo as empresas,mde uma forma justa,e libera logo o transporte universal e gratuito,atitude que colocaria curitiba ,na vanguarda hurbana,……………desculpe se fui mal interpretado,queremos sempre o melhor pra cidade………………

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Grupo Risotolândia, em Araucária, anuncia 150 novas vagas de emprego

O avanço da vacinação e o alívio das medidas de restrição frente à pandemia da COVID-19 já reflete na economia. A retomada do mercado faz crescer a oferta de empregos ao redor do Brasil. Aqui no Paraná, o Grupo Risotolândia (especializado em refeições coletivas) acaba de anunciar 150 novas oportunidades para sua matriz, em Araucária. Nos próximos meses, ainda mais vagas serão abertas devido à expansão do Grupo para novos negócios.

As vagas são para auxiliares de cozinha e auxiliares de higienização, para os três turnos de trabalho. O Grupo anunciou que também vai fazer contratações para primeiro emprego e profissionais com mais de 50 anos.

Benefícios: ambiente de aprendizagem, com formação profissional gratuita, Universidade Corporativa, parceria com universidades e escolas de idiomas; alimentação no local de trabalho, vale alimentação, vale transporte, estacionamento gratuito, pagamento de bônus, premiação por tempo de casa, seguro de vida, seguro funeral, plano de saúde, plano odontológico, kit maternidade, convênio com farmácia e para compra de material de construção; para vagas noturnas, adicional noturno de 30%.

SERVIÇO

Os interessados devem comparecer na seda da empresa, em Araucária, com documentação pessoal (CPF, RG, CTPS, Título de Eleitor) nos dias 20 e 21/09 às 14h00.

Endereço: R. Luís Franceschi, 657 – Thomaz Coelho, 

Site: www.risotolandia.com.br

Exposição dos artistas OSGEMEOS no MON reúne 850 itens e atmosfera urbana

Depois do sucesso de público na Pinacoteca de São Paulo, a retrospectiva da carreira dos irmãos Gustavo e Otávio Pandolfo chega a Curitiba. A dupla, famosa no mundo todo pelos grafites urbanos, ficará seis meses em cartaz no Museu Oscar Niemeyer.

OSGEMEOS receberam a imprensa nesta quinta-feira (16) no auditório do Museu Oscar Niemeyer. Acompanhados da diretora-presidente do MON, Juliana Vosnika e do curador da Pinacoteca de São Paulo, Jochen Voltz, eles falaram sobre a carreira e a organização da exposição que entra em cartaz neste sábado (18).

A diretora disse que a ideia de trazer essa retrospectiva para o Paraná surgiu em uma visita na Pinacoteca de São Paulo. “É um trabalho incrível, maravilhoso, crítico, profundo e, para nós no MON, essa é uma experiência única”, afirmou.

Foto: José Fernando Ogura/AEN

Diversas ações com a participação dos artistas estão previstas ao longo desse período. Uma das ideias é chamar paranaenses para interagir com os irmãos. “Existe um trabalho curatorial que precisa ser feito a partir da abertura da exposição. A nossa intenção é gerar essa troca, esses diálogos e poder trazer outros artistas para o MON”, disse Vosnika.

PRIMEIRA INFÂNCIA – No bate-papo com a imprensa, os artistas falaram sobre a relação com o desenho, que surgiu na primeira infância, na década de 1980. A dupla ficou famosa no mundo todo pela qualidade das intervenções urbanas a partir de artes coloridas, lúdicas e críticos. A relação com o hip-hop e o cenário undergound de São Paulo foi determinante na formação da identidade cultural dos irmãos.

“A gente se sentiu muito confortável para abrir esse baú e os nossos segredos para as pessoas. Era muito difícil, no início dos anos 80, conseguir informações e materiais, acho que hoje temos a oportunidade de revelar isso”, disse Otávio. “Nessa exposição sentimos vontade de mostrar essas etapas criativas, nossos erros e acertos, como foi esse processo que nunca parou”, afirmou Gustavo.

Eles sempre tomaram o espaço urbano como lugar de vivência e de pesquisa. A relação com a música e as danças urbanas, o muralismo e a cultura popular foi decisiva para desenvolver um estilo singular, com atmosfera alegre, que acabou se tornando um emblema dos espaços urbanos pelo Brasil e pelo mundo.

EXPOSIÇÃO – A exposição reúne 850 itens, entre pinturas, instalações imersivas e sonoras, esculturas e intervenções. O visitante começa a viagem pelo subsolo da torre do Olho e acompanha a evolução do traço em cada um dos andares até alcançar as características dos personagens mais marcantes.

Para o curador, a mostra surgiu da vontade de trazer para dentro dos museus uma coletânea das obras dos artistas. “Eles trabalham muito com o imaginário coletivo, com o grafite, mas poucas pessoas sabem do trabalho desses artistas no ateliê. Trazer essa visão mais completa é muito importante”, destacou Jochen Voltz.

Foto: Kraw Penas/SECC

Objetos pessoais, como cadernos, fotos, desenhos e pinturas da infância e atuais dos dois irmãos são apresentados ao público pela primeira vez. São peças que fazem um apanhado da carreira da dupla.

As maiores instalações estão distribuídas no Olho. “A gente acredita que a arte tem que te tocar, despertar o imaginário, o lúdico que existe dentro de cada um de nós”, disse Gustavo. “Parece que o Olho é a nossa cabeça hoje porque está tudo junto. A nossa cabeça funciona assim”.

Seus trabalhos contam histórias – às vezes autobiográficas – cujas tramas envolvem fantasia, relações afetivas, questionamentos, sonhos e experiências de vida.

A dupla mantém seu ateliê no Cambuci, antigo bairro de operários e imigrantes na região central de São Paulo, no qual passou a infância e a juventude. A partir da década de 1990, suas experimentações – não só em grafite, mas também pintura em telas e esculturas estáticas e cinéticas – ultrapassaram os limites bidimensionais, culminando na construção de um universo próprio que opera entre o sonho e a realidade.

RETORNO – A primeira visita de Gustavo e Otávio a Curitiba aconteceu em 1994. “Curitiba tem uma cena muito forte de artistas de rua, acho que a gente acompanha muitos deles, sempre trocamos ideias. Gostamos de passar nas ruas, nas avenidas e ver o trabalho deles”, disse Otávio.

OSGEMEOS PELO MUNDO – A volta ao mundo da dupla inclui a participação em mostras nas principais instituições internacionais, como o Hamburger Bahnhof, em Berlim, em 2019, com um projeto concebido em parceria com o grupo berlinense de breakdance Flying Steps – um dos mais premiados mundialmente; a Vancouver Biennale, Canadá (2014); o Moca – Museum of Contemporary Art, em Los Angeles (2011); o MOT – Museum of Contemporary Art Tokyo, em Tóquio, Japão (2008); a Tate Modern, em Londres, Reino Unido (2008), onde os artistas pintaram a fachada; e a Trienale de Milão (2006), entre outros.

Ao longo de sua carreira, os irmãos também receberam convites para criar para os principais espaços públicos de mais de 60 países, incluindo Suécia, Alemanha, Portugal, Austrália, Cuba, Estados Unidos – com destaque para os telões eletrônicos da Times Square, em Nova York (2015) –, entre outros.

SOBRE O MON – O Museu Oscar Niemeyer (MON) é patrimônio estatal vinculado à Secretaria de Estado da Comunicação Social e da Cultura do Paraná. A instituição abriga referenciais importantes da produção artística nacional e internacional nas áreas de artes visuais, arquitetura e design, além da mais significativa coleção asiática da América Latina.

No total, o acervo conta com mais de 9 mil peças, abrigadas em um espaço superior a 35 mil metros quadrados de área construída, sendo 17 mil metros quadrados de área para exposições, o que torna o MON o maior museu de arte da América Latina.

Os principais patrocinadores da instituição, empresas que acreditam no papel transformador da arte e da cultura, são: Copel, Sanepar, Grupo Volvo América Latina, Vivo e Moinho Anaconda.

Serviço

“OSGEMEOS: Segredos”

Produção original da Pinacoteca de São Paulo

Data: a partir de 18 de setembro

Local: Museu Oscar Niemeyer (MON)

Venda de ingressos exclusivamente online, pela plataforma Inti, mais informações AQUI

Olho, Torre do Olho e espaços externos

De terça a domingo, das 10h às 18h

www.museuoscarniemeyer.org.br