Espaço Sesc Saúde promove live sobre Hepatites Virais nesta sexta-feira

Em 28 julho é comemorado o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais. Durante todo o mês ações de conscientização sobre a importância da prevenção às hepatites são realizadas mundo afora. Com o mesmo intuito o Sesc PR promove uma live nesta sexta-feira (1º), sobre as Hepatites Virais, a partir das 14h, pelo seu canal no Youtube.

A transmissão ao vivo será feita em parceria com o Instituto para Cuidado do Fígado (ICF), com a participação da médica hepatologista e membro titular da Sociedade Brasileira de Hepatologia, Cassia Sbrissia Silveira, que também é responsável pelo ambulatório de Transplante Hepático do Hospital do Rocio.

Hepatites virais

A Hepatite é uma inflamação do fígado por causas diversas, sendo as mais frequentes as infecções pelos vírus tipo A, B e C e o abuso do consumo de álcool ou outras substâncias tóxicas (como alguns remédios). Atualmente  Sistema Único de Saúde (SUS) já oferece o teste rápido para detecção da doença.  

Hepatite A – transmitida por água e alimentos contaminados ou de uma pessoa para outra;

Hepatite B e Hepatite C: os vírus da hepatite tipo B (HBV) e tipo C (HCV) são transmitidos, sobretudo, por meio do sangue. O vírus da hepatite B pode ser passado pelo contato sexual, reforçando a necessidade do uso de preservativo. Usuários de drogas injetáveis e pacientes submetidos a material cirúrgico contaminado e não-descartável estão entre as maiores vítimas.

A vacinação contra hepatite B está disponível no SUS. Não existe vacina para a prevenção da hepatite C, mas existem outras formas de prevenção, como: triagem em bancos de sangue e centrais de doação de sêmen para garantir a distribuição de material biológico não infectado; triagem de doadores de órgãos sólidos como coração, fígado, pulmão e rim; triagem de doadores de córnea ou pele; cumprimento das práticas de controle de infecção em hospitais, laboratórios, consultórios dentários, serviços de hemodiálise; tratamento dos indivíduos infectados, quando indicado; abstinência ou diminuição do uso de álcool, não exposição a outras substâncias que sejam tóxicas ao fígado, como determinados medicamentos.

Serviço
Live Julho Amarelo sobre Hepatites Virais
Quando? 1º de julho de 2022 (sexta-feira) | 14h
Transmissão ao vivo pelo canal do Sesc PR pelo link https://www.youtube.com/watch?v=cB2ztL1Z_W0

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

esquisa indica que pacientes com alinhadores transparentes têm melhor saúde bucal, em comparação com quem usa braquetes

Um estudo publicado pela National Library of Medicine apresentou o impacto na saúde bucal de pacientes em tratamento com alinhadores ortodônticos transparentes em comparação aos aparelhos fixos. Segundo a análise, os pacientes que utilizam alinhador apresentaram um nível menor de acúmulo de placa e menor profundidade de sondagem, em relação a quem usa braquetes. 

Além disso, o estudo verificou que a presença de algumas bactérias, como S.mutans, foi inferior em pessoas que fazem tratamento com os alinhadores. Dessa forma, o estudo mostra que, após um curto período de tratamento ortodôntico, é possível verificar que pacientes com alinhadores transparentes têm uma melhor saúde bucal. Para a cirurgiã-dentista e especialista da ClearCorrect, Caroline Aranalde , o alinhador facilita a escovação, melhorando significativamente a saúde da boca. “Os braquetes dificultam a higienização dos dentes. Consequentemente, há maior tendência de doenças bucais, além de facilitar a entrada de bactérias”, explica. 

Ainda de acordo com a dentista, o paciente que utiliza braquetes precisa estar ainda mais atento com a saúde bucal, justamente por conta desse possível acúmulo de bactérias. “A indicação é higienizar os dentes sempre após se alimentar, utilizar fio dental e ir ao dentista frequentemente, tanto para quem utiliza aparelho fixo quanto para pacientes de alinhadores transparentes”, orienta. Mas quem utiliza braquetes precisa redobrar a atenção na escovação. “O procedimento com braquetes dificulta a escovação e pode levar a um maior acúmulo de placas. Dessa forma, os pacientes devem cuidar ainda mais para evitar cáries e outras doenças bucais”, conclui Caroline. 

Alinhadores transparentes e impacto na saúde bucal

Praticidade, melhor aparência e facilidade na escovação foram alguns dos motivos que levaram a estudante Lana Schroeder, de 16 anos, a optar pelo alinhador transparente. Ela já havia utilizado o aparelho fixo por dois anos. Porém, pela demora do tratamento e pela estética, Lana preferiu tirar os braquetes e alinhar os dentes com outro procedimento. “O braquete machucava e projetava muito os meus lábios, então troquei para os alinhadores pela praticidade, por ser quase imperceptível e no meu caso, mais previsível para a correção dos dentes”, comenta. 

A estudante afirma que, além de facilitar a escovação, o tratamento com os alinhadores da ClearCorrect não machuca os lábios como os braquetes, deixa os dentes alinhados em menos tempo, e também a dor é menor do que a causada pelo aparelho fixo. “A limpeza é bem melhor, pois os alinhadores podem ser retirados a qualquer momento, como se não houvesse aparelho algum”, destaca Lana.

Conscientização sobre a importância do leite materno fez crescer o número de crianças amamentadas no Brasil

No mês de agosto, a Organização Mundial da Saúde (OMS) promove a campanha em prol do incentivo à amamentação. O leite materno é considerado um dos alimentos mais saudáveis do mundo e, segundo a OMS e o Fundo de Emergência Internacional das Nações Unidas para a Infância (Unicef), salva cerca de 6 milhões de vidas todos os anos, por meio da amamentação.

Segundo o Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (ENANI-2019) o Brasil melhorou os índices de amamentação nos últimos 34 anos. Os números subiram de 2,9% para 45,7%, isso significa que quase metade das crianças brasileiras são amamentadas até 1 ano e 4 meses. No entanto, muitas mulheres possuem dificuldade na hora de amamentar. E este cenário é percebido já nas maternidades, quando acontecem as primeiras tentativas de introduzir o leite materno para o recém-nascido.

Para a técnica de enfermagem Maria Iranete, que atua no Hospital Santa Cruz/Rede D’Or auxiliando mulheres nas primeiras amamentações após o parto, é preciso mais orientação. “Antes de proporcionar esse apoio específico, muitas mães relatavam dificuldades para que o bebê aceitasse a alimentação. Entendendo que essa é uma fase que demanda técnica, tempo e paciência, o hospital disponibilizou o apoio para que os primeiros dias de interação entre mãe e filho sejam tranquilos e de aprendizado”, comenta.

De acordo com a OMS o aleitamento materno reduz em 13% o risco de morte nos primeiros anos de vida. “A amamentação é essencial para o desenvolvimento e saúde do bebê, já que colabora para a formação do sistema imunológico e oferece a quantidade necessária de nutrientes para cada fase de seu crescimento. Sabendo disso, incentivamos medidas para estimular o aleitamento materno desde o primeiro momento de vida do bebê”, destaca o pediatra do Hospital Santa Cruz/Rede D’Or, Ênio Luís Torricillas.

A recomendação é que os bebês de até seis meses sejam alimentados exclusivamente pelo leite materno e até os dois anos em conjunto com outros alimentos. Maria esclarece que a amamentação logo nos primeiros meses de vida é muito importante para a saúde do bebê. “Por meio da amamentação, o recém-nascido recebe anticorpos com o colostro [primeiro leite produzido pela mãe], considerado uma vacina natural e que também auxilia na coordenação orofacial do bebê, devido à sucção do seio materno”, conta.

Para as mães que estão se aproximando do parto, a técnica de enfermagem compartilhou dicas para auxiliá-la nesta fase que gera tantas incertezas. “O primeiro passo para amamentar o bebê é se posicionar confortavelmente. Prepare um local em que possa sentar e segurar o bebê da maneira correta: com o recém-nascido alinhado, sem estar virado ou dobrado, o que pode causar desconforto. O bebe deve ser acomodado de frente para a mama, com o nariz apontando para o mamilo, e o queixo encostando no peito”, descreve.

Durante a amamentação, o conselho da especialista é massagear as mamas. “Essa prática facilita a pega do bebê e também ajuda a evitar lesões ou fissuras mamilares”, ressalta.  Em relação aos seios da mãe, Maria orienta passar um pouco do próprio leite nos mamilos, para mantê-los hidratados.

Quando o assunto é a dieta materna, também surgem muitas dúvidas. “Durante a amamentação, não se deve ingerir bebidas alcoólicas, temperos industrializados e condimentos muito fortes. A alimentação saudável é sempre a melhor dica. Neste período, também é preciso ter uma grande ingestão de água para manter a produção de leite”, aconselha.

A técnica de enfermagem ainda lembra que é muito importante verificar se há a produção de leite na quantidade necessária e se o bebê está fazendo a pega correta. “É preciso tranquilidade e paciência. A amamentação é um ato de dedicação e o bebê evolui a cada mamada”, finaliza.

Sobre o Hospital Santa Cruz

Fundado em 1966, o Hospital Santa Cruz está localizado no bairro Batel, em Curitiba (PR), e, desde junho de 2020, é unidade integrante da Rede D’Or São Luiz – maior rede de hospitais privados do país com atuação no Rio de Janeiro, São Paulo, Distrito Federal, Pernambuco, Maranhão, Bahia, Sergipe e Paraná. O Hospital Santa Cruz é considerado um centro de alta complexidade no atendimento das áreas de Oncologia, Cardiologia, Cirurgia Geral, Neurologia, Ortopedia, Pronto-Atendimento e Maternidade. Com estrutura e equipe multidisciplinares, equipamentos de última geração e um moderno centro cirúrgico, oferece cuidado de alta qualidade centrado no paciente, segurança assistencial e humanização do atendimento. É reconhecido com o selo de Acreditação com Excelência Nível III, entregue pela ONA, sendo a instituição acreditada nesta categoria por mais tempo no Estado. Mais informações em www.hospitalsantacruz.com <http://www.hospitalsantacruz.com/> .

Sobre a Rede D’Or São Luiz

Fundada em 1977, a Rede D’Or São Luiz é a maior rede privada de cuidados integrados em saúde do Brasil. O grupo conta atualmente com 69 hospitais e marca presença em São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Maranhão, Sergipe, Ceará e Bahia. São cerca de 9 mil leitos operacionais, 60 mil colaboradores e 87 mil médicos credenciados, que realizaram aproximadamente de 2,7 milhões de atendimentos de emergência, 256 mil cirurgias, 39,8 mil partos e 523 mil internações nos últimos 12 meses.