Enem Digital 2021 terá recursos de acessibilidade

[ad_1]

A versão digital do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 terá recursos de acessibilidade inéditos como prova ampliada, superampliada e com contraste, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Ao todo, serão 101.100 vagas para o Enem Digital. Essa versão do exame será exclusiva para quem já concluiu o ensino médio ou que está concluindo a etapa em 2021.

Entre os perfis de participantes que podem solicitar os atendimentos estão: pessoas com baixa visão, cegueira, visão monocular, deficiência física, deficiência auditiva, surdez, deficiência intelectual, surdocegueira, dislexia, deficit de atenção, transtorno do espectro autista, discalculia, gestantes, lactantes, idosos, além de pessoas com outra condição específica.

Segundo o Inep, também será permitido que os inscritos usem materiais próprios que auxiliem na realização da prova no computador, como máquina de escrever em braile, caneta de ponta grossa, óculos especiais, tábuas de apoio, multiplano e plano inclinado.

Tradutor-intérprete de Língua Brasileira de Sinais (Libras), tempo adicional e salas acessíveis estão previstos no edital. Cão-guia, medidor de glicose, bomba de insulina, além de aparelhos auditivos ou implantes cocleares também serão permitidos no Enem Digital 2021.

O Inep esclarece que os participantes que precisam de recurso de acessibilidade diferente dos previstos no edital do exame digital terão o atendimento assegurado na versão impressa do exame.

O período de inscrições do Enem 2021, incluindo o prazo para solicitar atendimento especializado, começa no dia 30 de junho e vai até 14 de julho. Os procedimentos deverão ser realizados por meio da Página do Participante. Tanto a versão digital quanto a impressa desta edição serão aplicadas nos dias 21 e 28 de novembro, além de contarem com provas de itens iguais.

O Enem Digital foi aplicado pela primeira vez na edição de 2020. O objetivo é que o exame seja completamente digital até 2026. Ao todo, 93 mil candidatos se inscreveram para fazer as provas por computador. Cerca de 30 mil candidatos fizeram o exame.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Escolas da rede estadual abrem matrículas dos cursos de línguas estrangeiras para 2022

A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte abriu as matrículas para os cursos gratuitos do Centro de Línguas Estrangeiras Modernas (Celem). São aulas de Alemão, Espanhol, Francês, Italiano, Japonês, Mandarim, Polonês e Ucraniano; além de Português para Falantes de Outras Línguas (PFOL) e Língua Brasileira de Sinais (Libras) como segunda língua (para ouvintes).

A matrícula é feita diretamente nas instituições de ensino que ofertam os cursos – ao todo são 483 colégios em 217 municípios. A lista de escolas e seus respectivos cursos podem ser conferidos na página oficial do Celem

As vagas são destinadas a estudantes do ensino público estadual (a partir do 6º ano), em um total de pelo menos 70% das vagas, professores e funcionários da rede estadual de ensino (até 10% das vagas) e para a comunidade em geral (até 20% das vagas).

Para se matricular é necessário apresentar original e fotocópia dos seguintes documentos: certidão de nascimento ou documento de identidade; fatura recente como comprovante de endereço; e comprovante de conclusão dos anos iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano).

CURSO ONLINE – Além da tradicional modalidade do Celem, em 2022 a Secretaria irá ofertar uma nova opção: o curso online de Espanhol, com atividades pelo Google Classroom e Google Meet.

Ao contrário da modalidade presencial, que é anual, o curso online será semestral com carga horária semanal de quatro horas-aula distribuídas em dois dias da semana, totalizando 75 (setenta e cinco) horas por semestre. 

Nesta modalidade podem se inscrever através deste link estudantes a partir do 9° ano do ensino fundamental, além de professores, funcionários e comunidade.

Enem 2021 tem o menor número de participantes desde 2004

O Enem 2021, realizado nos dias 21 e 28 deste mês, registrou 29,9% de faltosos. Dos 3,1 milhões de inscritos esperados, 930 mil não compareceram ao exame. Fizeram de fato o Enem 2.179.559 pessoas. É o menor número de participantes desde 2004, quando a prova funcionava apenas como uma avaliação.

Dessa forma, este foi o menor número de inscritos desde que o Enem é usado como acesso ao ensino superior.

Os dados foram divulgados na tarde desta segunda-feira (29) em entrevista coletiva concedida em Brasília pelo ministro da Educação, Milton Ribeiro, e pelo presidente do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), Danilo Dupas Ribeiro.

Na prova impressa, a abstenção foi de 29,5%. Já na aplicação digital, que teve 69 mil inscrições confirmadas, a taxa de faltosos foi de 50,1%.

Na última edição do exame, mais da metade faltou. A prova havia sido realizada em meio ao aumento de casos de Covid-19 no país.

Apesar disso, o ministro da Educação classificou a aplicação como um sucesso.

O Enem é a principal porta de entrada para o ensino superior. Esta edição já começou marcada por receber o menor número de inscrições dos últimos 14 anos, além registrar a menor proporção de inscritos pretos, pardos, indígenas e pobres.

Às vésperas do início do Enem, servidores do Inep, órgão responsável pela elaboração da prova, fizeram uma série de denúncias sobre assédio moral que sofreram para suprimir perguntas com temas considerados inadequados pela gestão do órgão.