Em Brasília, Comec cobra conclusão do Contorno Norte de Curitiba

O presidente da Comec, Gilson Santos, se reuniu nesta semana em Brasília com o diretor-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, Rafael Vitale, para falar sobre a conclusão do Contorno Norte de Curitiba, no trecho ainda não existente, mas que deverá ligar a PR-418 (Rodovia da Uva) à Rodovia Régis Bittencourt, no município de Colombo.

A obra está prevista no contrato de concessão da rodovia Régis Bittencourt, sob responsabilidade da concessionária Arteris, mas ainda não teve início e nem mesmo definição de traçados e apresentação de projetos. O contrato foi assinado em 2008 e tem duração de 25 anos.

“Nós já ultrapassamos a metade do contrato e sequer temos a previsão de início desta obra. Vale lembrar que ela é paga com o valor arrecadado pelo pedágio, ou seja, a população já está pagando por isso. E sabemos que é uma obra complexa e que levará tempo até sua conclusão. Não podemos mais ficar esperando que algo aconteça. A importância desta obra para todo o contexto metropolitano é enorme”, destacou Santos.

Segundo a Arteris, a empresa trabalha na elaboração do Estudo de Impacto Ambiental – EIA/RIMA da obra, que deverá ser entregue no primeiro semestre de 2022, após atrasos ocasionados pela pandemia.

Durante o encontro, Santos lembrou que existe uma grande expectativa pela execução deste trajeto e que o seu andamento é uma preocupação do Governo do Estado, municípios impactados e principalmente da sociedade.

“Além da questão da mobilidade urbana, que será amplamente beneficiada com esta obra, a sua não conclusão tem impactos na logística de produtos e no desenvolvimento da região, visto que as áreas ainda sem definição ficam congeladas pelo poder público e impossibilitadas de receber qualquer empreendimento”, afirmou.

Santos solicitou que houvesse ao menos um cronograma estabelecido com as etapas a serem cumpridas pela concessionária para que a sociedade pudesse compreender o que está sendo feito e tivesse informações mais assertivas.

Vitale se comprometeu a participar de uma reunião presencial com todos os interessados, no início do próximo ano, na região das futuras obras, para esclarecer o que está sendo feito e as próximas etapas do trabalho. Ele também renovou o comprometimento e interesse do governo federal com a conclusão do projeto.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Prefeito de Tamandaré é investigado por suposto esquema de propina em troca de crematório

O prefeito de Almirante Tamandaré, Gerson Colodel (MDB), é um dos alvos de uma operação que apura um suposto esquema de propina em troca da instalação de um crematório no município da região metropolitana de Curitiba. Além dele, são investigados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) um vereador e outros três secretários municipais.

À Banda B, Leonir Batisti, coordenador estadual do Gaeco, afirmou, nesta quinta-feira (11), que o suposto esquema está ligado à aprovação de um projeto de um cemitério no município.

“O empresário em questão está pretendendo fazer um projeto de uma instalação de um crematório, de um cemitério, e está tendo dificuldades. Em determinado momento, algumas pessoas mencionam a este empresário que ele deveria tratar com agentes políticos. No caso, especificamente, um vereador e até o próprio prefeito. Segundo estas pessoas, dependeria de pagamento de propina para que o processo de autorização fosse concedido”, iniciou Batisti.

O valor total da propina, de acordo com o coordenador do Gaeco, seria de R$ 350 mil.

Buscas no gabinete do prefeito de Tamandaré

As equipes do Gaeco estiveram, na manhã desta quinta-feira (11), no gabinete do prefeito, de um vereador, que no passado estaria ligado à Secretaria de Arquitetura e Urbanismo da cidade, e outras três empresas ligadas ao membro da Câmara Municipal.

Outras seis residências também foram alvos de buscas dos membros do Ministério Público do Paraná (MP/PR).

“As buscas foram no sentido de arrecadar o computador, celulares e documentos que tenham pertinência com a investigação em questão. Os mandados foram deferidos pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ/PR)”, afirmou Batisti.

O cumprimento das medidas ocorre no âmbito da Operação Óbolo. Ao todo, segundo o MP/PR, foram 12 mandados expedidos. Além de Almirante Tamandaré, estas empresas e residências também estão localizadas entre os municípios de Curitiba e Colombo (RMC).

“Ao todo são seis investigados: três do poder público e outros três intermediários”, informou Batisti.

Resposta da prefeitura de Almirante Tamandaré

A Banda B entrou em contato com a prefeitura de Almirante Tamandaré. Por meio de nota oficial, a secretaria de Comunicação informou que as diligências realizadas pelo Gaeco nesta quinta-feira “dizem respeito a procedimento de investigação acerca de atos administrativos concernentes à expedição de alvarás de construção e de licença, onde supostamente houve solicitação de valores por agentes públicos, de forma que os mandados de busca e apreensão visavam, precipuamente, a obtenção de processos administrativos”.

O comunicado afirma ainda que “não houve acesso à toda investigação, sendo certo que, em todo o momento, a administração municipalcolocou-se à disposição para contribuir com as investigações, fornecendo toda documentação solicitada, a qual, inclusive, podeia ter sido objeto de requisição anterior”.

A nota finaliza afirmando que “todas as investigações serão acompanhadas e a colaboração necessária será prestada ao Poder Judiciário”.

Denúncias sobre o suposto esquema de propina

Caso você tenha informações sobre o caso, Batisti afirma que você pode informá-las via e-mail.

“A pessoa pode informar ao Gaeco pelo e-mail: gaeco@mppr.mp.br ou o telefone (41) 3254-1195″, finalizou à Banda B.

Mais informações Banda B

Sanepar divulga tabela com programação de rodízio na RMC no modelo de 60 x 36 horas

A partir de segunda-feira (15) o modelo de rodízio no abastecimento de água da Região Metropolitana de Curitiba passa a ser de 60 horas com abastecimento por até 36 horas com a suspensão do fornecimento de água. Nesse modelo, a população é abastecida por 24 horas a mais do que na programação anterior. Os bairros serão divididos em quatro grupos, com cerca de 980 mil pessoas em cada.

A medida, anunciada nesta quinta-feira (11), foi permitida porque o índice do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC) chegou a 68,05%. Além disso, a Sanepar também levou em consideração a conclusão, nesta semana, de obras em Curitiba que ampliam a infraestrutura de reservação e distribuição de água tratada.

Confira a tabela.