Eles mentiram sobre Curitiba. É preciso falar a verdade!

Eles mentiram sobre Curitiba. É preciso falar a verdade!

Eles mentiram sobre Curitiba. É preciso falar a verdade!

“Pare tudo o que você estiver fazendo, procure em sua mente o arquivo que diz que curitibanos são antipáticos e delete. Só posso falar do agora, mas, certamente já faz algum tempo que esta percepção não procede, só não disseminaram o contrário com a mesma intensidade com que falam aos quatro cantos o quanto o curitibano é nariz empinado.

Não sou nem um pouco suspeita pra falar, porque eu nunca quis morar aqui, não conhecia ninguém de Curitiba e, só no final do ano passado, fui descobrir que tinha parentes aqui. Ou seja, estou livre de qualquer tipo de coerção sentimental em relação à cidade.

Por motivos que não vem ao caso, eis me aqui, vivendo nesta cidade até sabe lá Deus quando. Mas é claro que se eu puder escolher, pretendo ficar. Poucos locais me surpreenderam tanto quanto Curitiba. Primeiro porque eu sou das que tinha em mente a famosa percepção de que curitibanos não são sociáveis e blá blá blá, e segundo porque, antes de vir pra cá, morei quase um mês em São Paulo. A diferença entre os dois lugares é gritante e acho válido compartilhar minha percepção para que os próprios curitibanos se sintam sensibilizados e passem a valorizar um pouco mais o que o município oferece.

Quem já esteve no trânsito de São Paulo ou no Rio tem que concordar que, neste aspecto, Curitiba está no céu. A questão aqui não é concluir se curitibano dirige bem ou mal, mas sim a paciência com que lidam com a lentidão do tráfego e com as barbeiragens do motorista da frente. É impressionante e lindo como os curitibanos pensam duas vezes antes de “carcar” a mão na buzina! Nas capitais acima citadas, rola quase que uma sinfonia de buzinas no trânsito, um verdadeiro caos. Fica até fácil de entender porque é que as pessoas de lá são tão intolerantes, estressadas e apressadas. Ou seja, ponto para Curitiba!

Credito mais uns pontinhos ao povo daqui graças à cobradora de ônibus que, logo nos meus primeiros dias na cidade, puxou assunto comigo e envolveu na conversa mais três, TRÊS passageiras aleatórias que sentavam nos bancos próximos. A explicação para tal entrosamento só podia ser uma: não eram curitibanas. Mas pasmem, todas eram!

Ok, você pode ainda não estar convencido da simpatia do curitibano, mas eu vou defendê-los mais uma vez, agora em nome dos sorrisos e gentilezas que recebi ao entregar na rua panfletos de divulgação da empresa de uma prima minha. Em um mundo onde cada vez menos aceitamos panfletos na rua, você já imaginou um curitibano aceitando o papel, sorrindo e dizendo obrigado por tal ação? Pois é, meus amigos, eu recebi vários O-BRI-GA-DOS!

Aliás, além do “obrigado”, por incrível que pareça, o “desculpa” também faz parte do vocabulário da galera por aqui. Sim senhor, eles pedem desculpa quando esbarram em você! Em qual dicionário pedir desculpa é sinônimo de antipático? No metrô de São Paulo, por exemplo, esbarrar/empurrar pessoas é regra, não exceção. Em Curitiba, na maioria das estações/terminais, o pessoal faz fila para embarcar, minha gente, fila! Você já parou pra pensar no quão mais agradável é seu dia quando você não é pisado por alguém no caminho para o trabalho? Pois é, colega, tá na hora de prestar mais atenção nos benefícios de morar em Curitiba, principalmente se você não tem a escolha de sair daqui.

Como dizia minha avó, quem faz a cidade é seu povo, então se Curitiba anda muito antipática e sem graça para você, talvez seja hora de lembrar que você também faz parte desse bolo!”

Via/Materia original: Paraná Online

WhatsApp libera função para mensagens desaparecerem automaticamente

O WhatsApp liberou nesta segunda-feira (6) uma função para que mensagens desapareçam de conversas de modo automático.

Mark Zuckerberg, presidente da Meta (dona de WhatsApp, Facebook e Instagram), disse em seu perfil que “nem todas as mensagens precisam durar para sempre”.

Usuários do aplicativo poderão definir que mensagens desapareçam de conversas, por padrão, após 24 horas, sete dias ou 90 dias.

A configuração vale para mensagens de novas conversas –conteúdos enviados ou recebidos antes dessa ativação, portanto, não serão afetados.

Em uma conversa individual, os dois usuários podem ativar ou desativas mensagens temporárias. Em grupos, qualquer pessoa pode fazê-lo. Os administradores, porém, podem permitir que apenas eles definam mensagens como temporárias no grupo.

Segundo a empresa, os conteúdos desaparecem conforme a definição mesmo que o usuário não abra o WhatsApp nesse período.

“Se uma mensagem temporária for encaminhada para uma conversa em que esse recurso está desativado, ela não desaparecerá dessa conversa. Se um usuário fizer backup antes de uma mensagem desaparecer, essa mensagem temporária será incluída no backup. Contudo, a mensagem temporária será apagada quando o usuário restaurar o backup”, explicou o WhatsApp em nota.

A recomendação é que esse recurso seja ativado apenas em conversas de confiança porque o interlocutor consegue tirar uma captura de tela ou fotografar qualquer mensagem antes que ela suma.

Nem todos os aparelhos já estão com o recurso disponível.

Para ativar essa função, tanto no iPhone como no Android, é preciso tocar na área de configurações, depois em conta, em privacidade e em duração padrão, selecionando o período desejado.

O Instagram também já permite mensagens temporárias, mas não por padrão.

Telegram e Signal, concorrentes do WhatsApp, já disponibilizam há tempos essa opção, uma camada extra de privacidade a quem não deseja armazenar mensagens. Entre os mensageiros, o Signal é o mais protetivo, pois não permite captura de tela.

Curitiba ilumina pontos turísticos de laranja pela prevenção ao câncer de pele

Nesta terça-feira (7/12), a Praça do Japão e a Torre de Cronometragem do Parque Náutico estarão iluminados de laranja, em alusão à adesão de Curitiba ao Dezembro Laranja, a campanha nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A iluminação nesses locais foi feita para essa segunda-feira (6/12) e hoje ainda pode ser contemplada pela população. O objetivo é chamar a atenção dos curitibanos sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoce, além de orientar sobre os cuidados que devem ser incorporados à rotina diária.

O câncer de pele é o tipo de neoplasia mais incidente no Brasil, com cerca de 180 mil novos casos ao ano. Em Curitiba, dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam a projeção de 1.820 novos casos por ano. A boa notícia é que a maior parte, 95%, é do tipo não melanoma, menos agressivo. Além disso, quando descoberto no início, tem mais de 90% de chances de cura.

“Por isso é importante que a população fique atenta aos sinais e sintomas, e procure logo um serviço de saúde”, afirma a dermatologista do Centro de Especialidades de Santa Felicidade da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Simone Viola Ampuero Gehlen.

Prevenção

De acordo com a médica, a orientação é para que as pessoas fiquem atentas a lesões na pele que não cicatrizam, principalmente nas áreas que comumente ficam expostas ao sol. Sangramentos e pruridos neste tipo de lesões também são sinais de alerta. Segundo Simone, é importante observar pintas com mudança na cor e bordas irregulares.

Em qualquer um desses casos, a orientação é procurar o mais breve possível, um serviço de saúde, para uma avaliação. No SUS Curitibano, a porta de entrada é a unidade de saúde. Caso seja necessário, a unidade faz o encaminhamento do paciente para um especialista.

Além de observar os sinais de alerta, é importante também se prevenir. Medidas básicas do dia a dia que podem ajudar são o uso de filtro solar nas áreas que ficam expostas (com mínimo de fator de proteção solar de 30); evitar o sol entre as 10h e 16h; além de usar chapéu e roupas que protejam a pele o máximo possível da exposição direta ao sol.