Dorival Júnior é demitido do comando do Athletico-PR após quatro derrotas seguidas

O técnico Dorival Júnior não é mais técnico do Athletico Paranaense. A demissão foi confirmada pelas redes sociais do clube.

Dentre as quatro derrotas consecutivas da equipe paranaense no brasileirão, Dorival só esteve presente em uma delas. O treinador havia sido afastado após ser diagnosticado com Covid-19 e retornou aos trabalhos nesta segunda-feira, antes do confronto diante do São Paulo.

Números de Dorival no comando do Furacão:

18 jogos
9 vitórias
3 empates
6 derrotas

Na sua opinião, foi justa a demissão de Dorival? Deixe seu comentário.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opinião: Prática de atividades físicas dentro de condomínios não é luxo, é necessidade

A Organização Mundial da Saúde (OMS) recomenda, pelo menos, 150 a 300 minutos de atividade aeróbica moderada a vigorosa por semana para todos os adultos – incluindo quem vive com doenças crônicas ou incapacidade – e uma média de 60 minutos por dia para crianças e adolescentes. Os números foram atualizados pela entidade depois de dez anos, em 2020, com a disponibilização de uma nova versão de suas diretrizes sobre atividade física. Portanto, com base em evidências científicas dos últimos anos, o documento fornece informações atualizadas sobre danos à saúde causados pelo sedentarismo e traz recomendações diferentes a respeito da quantidade de esforço físico que deve ser incluído na rotina e a forma de fazer isso, em diferentes grupos populacionais.

E qual a relação desses dados da entidade com a construção civil? Entender o comportamento do consumidor é um dos principais desafios das construtoras e incorporadoras que buscam constantemente oferecer soluções de moradias. Para auxiliar nos passos dos futuros lançamentos de empreendimentos, as empresas se baseiam em pesquisas e estudos como o “Comportamento do consumidor de imóveis em 2040” – Onde e como habitaremos?”, realizado em 2019 pela Deloitte, em parceria com a Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). A preocupação com o bem-estar figura entre os serviços desejados pelos moradores e é apontada no estudo. Tanto é que academia de ginástica e área para correr foram citadas entre os principais itens de um empreendimento, revelando que os consumidores, especialmente os baby boomers e a geração X, querem comodidade e conveniência para manter a atividade física em dia.

Por isso, atenta às mudanças de comportamento e, a fim de contribuir com a qualidade de vida da sociedade, cada vez mais as construtoras investem em seus projetos com espaços para a prática de atividades físicas e, também, de esportes. Se a famosa “academia de ginástica” ganhou novos modelos e incorporou equipamentos ao longo dos últimos anos, agora, os empreendimentos residenciais oferecem mais áreas de atividades distintas para que o morador não precise sair de casa para manter a saúde em dia. Entre os exemplos estão arena para esportes de areia (como futebol de areia e beach tennis), espaço de treinamento interno e externo (como boxe e outras lutas). Os projetos arquitetônicos contemplam, ainda, espaços para andar de bicicletas, patins e patinetes.

Vale lembrar que, além dos vários benefícios para o corpo, as atividades físicas contribuem na produção e reequilíbrio de hormônios e substâncias importantes, como a serotonina, dopamina e endorfina, importantes na saúde mental. As diretrizes da OMS também apontam que curtas caminhadas ao dia diminuem os riscos de depressão e reduzem os níveis de cortisol, conhecido como hormônio do estresse. É notório, então, que as áreas para práticas esportivas e físicas contribuem diretamente no bem-estar tanto do corpo quanto da mente. Para complementar, moradores ainda têm uma área de lazer à disposição no condomínio, com piscinas e espaços gourmet para confraternizar com amigos e familiares, afinal, descansar e se divertir também são necessários para a qualidade de vida.

Em cidades em que a segurança e mobilidade urbana são desafios, esses espaços dentro do próprio empreendimento residencial tornam-se imprescindíveis. Nessa perspectiva, até mesmo os bichinhos de estimação ganharam espaço exclusivo para diversão e atividade física, já que os animais também estão propensos a desenvolver doenças devido ao sedentarismo e, sendo assim, o melhor remédio é a movimentação. Podemos dizer que praticar atividade física sem sair do condomínio não é luxo, é necessidade: economiza-se tempo, deslocamento e, também, dinheiro, já que não é preciso pagar por escolas ou academias especializadas. Mas, certamente, muito mais importante é a garantia de ganho ou manutenção de um estilo de vida mais saudável com a prática regular de atividades físicas.

Brunno Borghesi é coordenador de marketing na Yticon, construtora do Grupo A.Yoshii.

Sobre a Yticon Construção e Incorporação

A Yticon é uma construtora e incorporadora que atua há mais de doze anos nas cidades de Londrina, Maringá e Cambé, no Paraná, além de Presidente Prudente e Campinas, em São Paulo. A empresa do Grupo A.Yoshii desenvolve empreendimentos econômicos, localizados em regiões de potencial valorização, especialmente para quem quer conquistar o primeiro imóvel. A Yticon já construiu mais de 5,9 mil unidades, todas entregues rigorosamente no prazo, somando mais de 550 mil metros quadrados de área construída. Mais informações: www.yticon.com.br.

Sobre o Grupo A.Yoshii

Fundado há mais de 55 anos, o Grupo A.Yoshii já construiu mais de 2 milhões de metros quadrados do Sul ao Nordeste do Brasil, entre obras industriais, edifícios corporativos e residenciais, escolas, universidades, teatros e centros esportivos. É composto pela A.Yoshii Engenharia, com sólida atuação em construções de edifícios residenciais e comerciais de alto padrão em Londrina, Maringá, Curitiba e Campinas; pela Yticon Construção e Incorporação, que realiza empreendimentos econômicos, localizados em regiões de potencial valorização em municípios do Paraná; e pelo Instituto A.Yoshii, voltado para a inserção social e a democratização cultural. Além disso, atua em Obras Corporativas, atendendo grandes corporações em suas plantas industriais, nos mais variados segmentos da economia, como papel e celulose, alimentício, químico, agronegócio, energia, assim como usinas sucroalcooleiras, centros logísticos, plantas automobilísticas, entre outros. Mais informações: www.ayoshii.com.br.

Psicologia do esporte: atletas precisam aprender a lidar com frustrações para seguir em frente

Todo mundo passa, todos os dias, por frustrações de todos os tipos e intensidades. A vida, assim como a prática esportiva, é uma tarefa que provoca uma série de desconfortos, mas é possível melhorar o desempenho se os problemas forem encarados de frente. Por isso a frustração de um atleta é sempre legítima. Mas um desdobramento do fracasso é a dificuldade individual e até mesmo social de lidar com uma expectativa não realizada, o que pode causar vergonha, sentimento de incapacidade e falta de reconhecimento pelo esforço despendido.

Sofrer uma derrota na prática esportiva pode gerar efeitos psicológicos aos atletas e trazer emoções negativas, como pessimismo, falta de ânimo, indecisão, fadiga mental e falta de confiança. Segundo a doutora em atividade física e saúde e professora de Psicologia do Esporte na Universidade Positivo, Paula Born, é importante que o atleta saiba ressignificar toda a situação criada pela derrota. “A primeira coisa a fazer é olhar para a perda de forma positiva, perceber os erros, fazer uma autoavaliação, pensar nas emoções negativas que vieram com a derrota e mantê-las estáveis”, aconselha.

Hoje em dia, principalmente depois da pandemia, os sintomas depressivos e de ansiedade estão em alta. “Não é diferente para os atletas. Sintomas como esses pedem acompanhamento profissional com um psicólogo do esporte. Outra alternativa é conversar com o treinador ou preparador físico, que são as pessoas que convivem no dia a dia com o atleta. Esses profissionais poderão oferecer um tratamento especial”, afirma a professora.

Os atletas bem-sucedidos são aqueles que sabem lidar com as emoções negativas e transformá-las em energia para treinar e melhorar o desempenho na próxima competição. Segundo o coordenador acadêmico da academia UPX Sports e coordenador do curso de Educação Física da Universidade Positivo, Zair Cândido de Oliveira Netto, “a frustração e a decepção são compreensíveis – ainda que o esporte ajude a desenvolver a resiliência, a persistir diante do revés e a superar obstáculos”.

Sobre a Universidade Positivo

A Universidade Positivo é referência em Ensino Superior entre as IES do Estado do Paraná e é uma marca de reconhecimento nacional. Com salas de aula modernas, laboratórios com tecnologia de ponta e mais de 400 mil metros quadrados de área verde no campus sede, a Universidade Positivo é reconhecida pela experiência educacional de mais de três décadas. A Instituição conta com três unidades em Curitiba (PR), uma em Londrina (PR), uma em Ponta Grossa (PR) e mais de 70 polos de EAD no Brasil. Atualmente, oferece mais de 60 cursos de graduação, centenas de programas de especialização e MBA, cinco programas de mestrado e doutorado, além de cursos de educação continuada, programas de extensão e parcerias internacionais para intercâmbios, cursos e visitas. Além disso, tem sete clínicas de atendimento gratuito à comunidade, que totalizam cerca de 3.500 metros quadrados. Em 2019, a Universidade Positivo foi classificada entre as 100 instituições mais bem colocadas no ranking mundial de sustentabilidade da UI GreenMetric. Desde março de 2020 integra o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional. Mais informações em up.edu.br/

Sobre a UPX Sports

A UPX Sports é o maior e mais completo centro esportivo do Paraná. Instalada no campus da Universidade Positivo, em Curitiba, é composta por academia, ginásio olímpico, quadras cobertas e ao ar livre, piscinas adulto e infantil, pista de atletismo, pista de caminhada ao redor do lago  e campo de futebol oficial e society (@upxsports).

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com