Dia Internacional do Gato: conhecer hábitos e gostos é o primeiro passo para uma boa saúde

A quantidade de conteúdos e memes que circulam diariamente na internet sugere que a paixão pelos bichanos vem crescendo a cada dia. O dado é confirmado pelo levantamento do Instituto Pet Brasil, realizado em 2021, sobre o número de animais de estimação no País: a população de felinos foi a que mais cresceu em relação ao ano anterior – 6% (de 25,6 milhões para 27,1 milhões).

Menor necessidade de espaço nas residências e de tempo dedicado a atividades e interações podem ser os principais motivos para a escolha por um amigo felino. No entanto, cuidados, atenção e compreensão sobre o animal são fundamentais, tanto que, em 2002, a International Fund for Animal Welfare (Fundo Internacional para o Bem-estar Animal) criou o Dia Internacional do Gato (08 de agosto) para incentivar a adoção e conscientizar as pessoas sobre as necessidades e peculiaridades dos felinos.

O paladar exigente é uma das características mais marcantes dos bichanos e também um dos principais motivos de preocupação dos tutores: “Se um gato ficar longos períodos sem comer pode desenvolver a lipidose hepática, um acúmulo de gordura nas células do fígado que compromete o funcionamento do órgão e adoece gravemente o animal.”, afirma a médica veterinária da rede de farmácias de manipulação veterinária DrogaVET, Alessandra Farias. É fundamental diagnosticar imediatamente o motivo da falta de apetite e iniciar um tratamento, que estimule a ingestão de uma dieta adequada.

Como evitar que os gatinhos fiquem sem comer por muito tempo? 

Oferecer uma ração premium ou super premium é o primeiro passo para estimular o apetite dos bichanos. Geralmente são mais palatáveis, produzidas com ingredientes de alta qualidade e em doses adequadas de proteína, gordura, vitaminas e minerais, além de não possuírem corantes e conservantes, que prejudicam a saúde.

Outro fator importante é fornecer a ração adequada à fase de vida do animal (filhote, adulto, sênior) e priorizando particularidades do pet (se é castrado ou não, com pelagem longa ou raça específica). Filhotes necessitam de maior ingestão de proteína e gorduras, gatos castrados precisam de menos calorias e, idosos, menor teor de gordura e proteína e grãos mais fáceis de mastigar.  A alimentação é a base de uma boa saúde e a adequação da dieta reduzirá as chances do gato rejeitar a comida. Outra dica é integrar a ração úmida nas refeições, alternativa que também colabora com a hidratação dos felinos.

Fatores ambientais e particularidades também influenciam na alimentação. Os felinos não gostam de encostar os bigodes nos potes, portanto, potes maiores ou com bordas rasas podem ser mais atrativos. Comedouros elevados facilitam a apreensão da ração e proporcionam maior conforto no momento de se alimentar. Também é recomendável manter um local fixo para a alimentação, longe da caixa de areia, e manter o pote limpo para evitar a proliferação de micro-organismos, que podem prejudicar o bem-estar e a saúde do pet. A dica é higienizar os comedouros logo após a alimentação.

Qual o sabor preferido dos gatos?

Conhecer as preferências do pet é fundamental para manter o apetite. No momento de escolher a ração e os alimentos úmidos dos felinos, os sabores de peixes costumam ser as primeiras escolhas. Porém, carne bovina, cordeiro e, especialmente, frango costumam fazer muito sucesso. “O ideal é observar o apetite do gatinho com a ração escolhida e, caso ele não pareça tão motivado ao se alimentar ou demonstre que está menos interessado pela ração, testar um novo sabor”, comenta a veterinária, lembrando que a troca deve ser gradativa para não afetar o sistema gastrointestinal do pet. Também de olho nas preferências de sabores dos bichanos, a DrogaVET manipula medicamentos veterinários com formas farmacêuticas e flavorizantes que atraem os pets, consequentemente aumentando a adesão ao tratamento. “Na rotina da farmácia verificamos que os sabores salmão, atum e, em primeiro lugar, o frango, são os mais pedidos. No entanto, temos inúmeros relatos de gatos que preferem flavorizantes doces, como o de leite condensado. Conhecer o paladar e o que estimula o olfato do seu pet é importante, não somente para a dieta do animal, mas também no momento em que ele precise de um tratamento”, conclui a veterinária

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Confira 10 curiosidades sobre Curitiba

1. Curitiba foi nomeada capital do Brasil por três dias, de 24 e 27 de março de 1969

2. O Palácio do Iguaçu inaugurado em 1953, serviu de inspiração para a construção de Brasília

Foto: Casa Militar

3. O Restaurante Família Madalosso é o maior da América Latina

4. A rua XV de Novembro foi o primeiro calçadão do Brasil

Foto: @alfradiqueluuud

5. Existem túneis subterrâneos espalhados por Curitiba

6. A avenida Luiz Xavier é a menor avenida do mundo

7. A Universidade Federal do Paraná (UFPR) é a universidade mais antiga do Brasil. Foi fundada em 19 de dezembro de 1912, inicialmente com o nome de Universidade do Paraná

Foto: Marcos Solivan/ UFPR

8. O Viaduto do Capanema foi o primeiro viaduto da cidade

9. A Estrada da Graciosa começava onde hoje é o Shopping Mueller. Vendo a cidade como ela é atualmente, é difícil imaginar que um dia já foi área rural com estradinhas de terra

10. O Terminal Guadalupe já foi a rodoviária de Curitiba até o ano de 1972. Atualmente o terminal atende a região metropolitana

Foto: Arquivo

Conheça as histórias e origem da Boca Maldita de Curitiba

Senta que lá vem história! A Boca Maldita, no centro de Curitiba, é local de passagem de milhares de pessoas no dia-a-dia, mas principalmente, é um lugar de encontros, comemorações e protestos. Mas, você conhece a origem da Boca Maldita?

Tudo começou no final da década de 50, quando alguns profissionais, políticos e empresários das mais diversas áreas – todos homens – se reuniam no local para jogar conversa fora, falar sobre o desenvolvimento da cidade e o cenário político do país. Nos encontros do grupo eram abordados os mais diversos temas, principalmente aqueles que eram destaques nos jornais da época.

Em 13 de dezembro de 1956, os encontros na Boca deram origem a uma confraria e seus frequentadores passaram a ser conhecidos como os “Cavaleiros da Boca Maldita de Curitiba”. Um dos maiores eventos organizados pela confraria era o seu tradicional Jantar Anual, onde eram entregues as comendas “Cavalheiro da Boca Maldita”, aos nomes que se destacavam na vida pública paranaense e brasileira.

Foto: Arquivo

A institucionalização do grupo de conversas, no calçadão da Rua das Flores, se deu em 13 de dezembro de 1966, quando houve a criação dos estatutos, com o lema: “nada vejo, nada ouço, nada falo”. O nome, Boca Maldita, foi dado por Adherbal Fortes de Sá, um dos grandes nomes do jornalismo paranaense. 

Foto: Arquivo

Além de apoiar programas beneficentes e sociais, a confraria tinha participação ativa na política. Em uma entrevista de 1997 para a coleção de livros Memória Paranaenses, o fundador e presidente vitalício da Boca Maldita, Anfrísio Siqueira disse: “A confraria existe para debater e criticar tudo e todos sem qualquer restrição, expressando as vontades e indignações populares. […] É principalmente um local de troca de informações, onde as pessoas ficam sabendo de tudo que acontece na cidade e ainda acontecem trocas de diferentes ideias”.

Comício pelas ‘Diretas Já’ — Foto: Arquivo/ Secretaria Municipal de Cultura de Curitiba

A Boca Maldita foi palco do primeiro comício das Diretas-Já e da caminhada dos cara-pintadas do Fora Collor, um ponto de encontro usado para protestar, comemorar ou discutir os assuntos da cidade e do estado. E essa tradição se mantém até hoje, o local ainda recebe reuniões políticas, sociais e culturais.