Despesa por pessoa com alimentação no Brasil era R$ 209 em 2017-2018

A análise por alimentação da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018, divulgada hoje (19) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), constatou que a despesa per capita (por indivíduo) mensal no Brasil foi de R$ 209,12. A área urbana contribuiu com R$ 186,28 (89,1%), enquanto a área rural ficou com R$ 22,84 (10,9%).

A região que mais contribuiu para a renda mensal por pessoa foi o Sudeste (45,7% da média ou R$ 95,47), quase o dobro da Região Nordeste (23,4% ou R$ 48,89). Segundo o IBGE, o grupo de faixa etária compreendida entre 25 e 49 anos de idade contribuía à época para o valor médio da despesa com alimentação com R$ 101,45, ou 48,5% da média.

A despesa per capita mensal foi maior entre as pessoas com carteira assinada (R$ 50,66), fora da força de trabalho (R$ 53,32) e por conta própria (R$ 42,58). Na composição da média da despesa per capita com alimentação, observa-se que a contribuição era 62,3% (R$ 130,18) na parcela da população formada por famílias cuja pessoa de referência era homem, enquanto famílias que tinham uma mulher como referência contribuíam com 37,7% (R$ 78,94).

A análise por diferentes arranjos familiares mostra que a parcela da população composta pelas famílias formadas por mais de um adulto com ao menos uma criança contribuiu com 35,5% (R$ 74,33) do valor da média per capita com a despesa de alimentação, enquanto a formada por mais de um adulto sem criança contribuiu com 33,1% (R$ 69,23).

A despesa mensal por indivíduo dentro do domicílio somou R$ 147,45, de acordo com a POF 2017-2018, divididos entre R$ 129,47 na área urbana e R$ 17,98 na área rural. A análise regional mostra que o Sudeste apresentou a maior despesa per capita mensal com alimentação dentro de casa, de R$ 66,32, com maior concentração na faixa etária de 25 a 49 anos de idade (R$ 67,89).

A diferença do gasto per capita mensal é pequena entre famílias com pessoa de referência da cor branca (R$ 73,50) e de pretos e pardos (R$ 71,38), indica a pesquisa do IBGE. Entretanto, o gasto mensal por indivíduo é bem maior para famílias lideradas por homens (R$ 90,48) do que por mulheres (R$ 56,97). Por arranjos familiares, a despesa mensal por pessoa com alimentação no domicílio é maior para famílias com mais de um adulto com pelo menos uma criança (R$52,54) e com mais de um adulto sem criança (R$ 46,45).

Fora do domicílio

Por outro lado, a despesa per capita mensal com alimentação fora de casa somou, no período analisado, R$ 61,68, dos quais R$ 56,81 na localização urbana e R$ 4,87 na área rural. De novo, destaque para o Sudeste do país, com contribuição de R$ 29,14. Predominou nesse tópico a faixa etária entre 25 e 49 anos de idade (R$ 33,57). A despesa mensal por pessoa com alimentação fora de casa foi maior para quem tinha ensino superior completo (R$ 20,79).

Por forma de aquisição, a maior contribuição para o gasto per capita mensal com alimentação fora do domicílio foi encontrada entre os empregados com carteira (R$ 16,91) e por conta própria (R$ 12,10). A pesquisa evidencia também que, no caso da média Brasil, a despesa per capita com alimentação no domicílio contribuía, à época, com 70,5% para a média, enquanto a alimentação fora do domicílio contribuía com 29,5%.

Segurança alimentar

No Brasil, no período de referência da pesquisa, o percentual da população que vivia em domicílios identificados com o grau de segurança alimentar (SA) era de 59%, contra 41% que conviviam com algum grau de restrição para acesso a uma alimentação em quantidade e variedade desejadas. Com grau de insegurança alimentar leve foram identificados 27% dos domicílios. As casas onde a qualidade e a quantidade desejada em relação aos alimentos já estavam comprometidas alcançavam 13,9%.

Por localização geográfica, 52% da população brasileira viviam em áreas urbanas e em domicílios com o grau de segurança alimentar (SA). Na área rural, esse percentual chegava a 7,1%. A POF apurou que o percentual da população que vivia em domicílios nos quais o padrão da alimentação foi considerado bom era 58,3%, contra 35,9% com avaliação satisfatória e 5,8% com avaliação ruim. Entre os 41% da população que residiam em domicílios com insegurança alimentar, 28,4% eram integrantes de famílias com a pessoa de referência preta ou parda e 12,1% de famílias cujo responsável era branco.

A maior parte da população que vivia em domicílios identificados com o grau de SA vivia nas regiões Sudeste e Nordeste, que concentravam 40,1% da população brasileira. Ainda segundo o IBGE, o valor mensal mínimo por indivíduo, necessário para gastos com alimentação familiar, por situação de segurança alimentar existente no domicílio, atingia R$ 348,60, sendo R$ 311,84 na área urbana. O maior valor foi encontrado no Sudeste (R$ 163,79).

Transportes

O IBGE constatou que o gasto médio per capita familiar com transportes no país foi de R$ 85,44, distribuídos 71,2% (R$ 60,81) em transporte particular, táxi e aplicativos; 20,6% (R$ 17,57) em transporte coletivo; e 8,3% (R$ 7,06) em transportes alternativos e outros. Nas famílias com pessoa de referência preta ou parda, a contribuição para despesa per capita com o transporte coletivo (R$ 10,30) foi maior do que a contribuição das famílias chefiadas por pessoa branca (R$ 7,01).

Por regiões, o maior gasto per capita com transportes foi observado no Sudeste (49%), contra o menor (5%) na Região Norte. A distribuição acumulada das despesas por pessoa com transportes mostra que 40% dos menores rendimentos foram responsáveis por 17,1% dos gastos, contra 10% dos mais ricos, que responderam por 27%.

Setenta e oito por cento dos brasileiros viviam em famílias que utilizaram alguma forma de transporte coletivo, dos quais 35,7% viviam em famílias que declararam ter avaliação positiva, 20% avaliaram como satisfatório o transporte coletivo e 22,2% tiveram avaliação ruim.

Lazer e viagens

A pesquisa do IBGE apurou uma média total mensal em nível Brasil de R$ 53,93 para despesas com lazer e viagens esporádicas, divididos entre lazer (R$ 14,87, ou 27,6%) e viagens esporádicas (R$ 39,05, ou 72,4%). A maior despesa no total foi encontrada no Sudeste: R$ 29,42.

Considerando a cor ou raça e o sexo da pessoa de referência, o maior gasto envolvendo lazer e viagens esporádicas a lazer foi encontrado entre os brancos (R$ 34,41) e entre os homens (R$ 35,80).

A POF 2017-2018 mostra ainda que famílias cuja pessoa de referência estava na faixa etária compreendida entre 25 e 49 anos de idade contribuíram com R$ 26,76 per capita do seu orçamento para consumo em lazer e viagens. Esse valor equivale a 49,6% do total. Na faixa de 50 a 64 anos, a participação foi de 33,3%. Já idosos (com 65 anos ou mais) corresponderam a 15,1%.

Famílias com pessoa de referência com ensino superior completo representaram metade do total do consumo com lazer e viagem, ou o equivalente a 50,2%. Do total de R$ 14,87 de despesa média per capita com lazer, R$ 9,49 (63,8%) se destinaram a eventos culturais, esportivos e de recreação e R$ 5,39 (36,2%) para leitura, brinquedos e jogos. Alimentação, transporte e hospedagem responderam por 73,4% das despesas com viagens esporádicas a lazer, enquanto o item passeios e eventos e pacotes turísticos nacionais e internacionais representaram 6,6%.

A avaliação subjetiva para o tópico lazer mostrou proximidade entre os três níveis de classificação: 35,1% para bom, 30,7% para satisfatório; e 34,1% para ruim. A POF destaca ainda que entre os 10% da população com os maiores rendimentos, 54% viviam em famílias que avaliaram seu padrão de lazer como bom e 14% como ruim. Por outro lado, entre os 40% da população com os menores rendimentos, apenas 29% viviam em famílias que consideraram bom o seu padrão de lazer e 42% viviam em famílias que avaliaram como ruim.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Mulheres ganham vinho e espumante na segunda-feira do Marcondes

O encontro entre amigas ganha um brinde especial nas segundas-feiras do Marcondes Cozinha Autoral. O restaurante dedicado à alta gastronomia começa uma nova promoção nessa segunda-feira (14/11). A Segunda das Mulheres tem uma ação exclusiva para elas, tornando esse dia da semana a melhor pedida para encontrar amigas em torno da boa gastronomia.

As mulheres que forem jantar no restaurante ganham itens selecionados pelo sommelier. Duas mulheres ganham uma taça de espumante cada. Já se estiverem em quatro, o grupo ganha uma garrafa de vinho branco ou de espumante.

A novidade é ideal para amigas que queiram degustar do destaque da casa: o Menu Confiance. A sequência de pratos é elaborada para surpreender as clientes, com preparos inovadores. Após uma conversa inicial sobre restrições alimentares, o chef tem a liberdade de apresentar criações originais cheias de sabor. Há opções de sequências com cinco, sete e nove etapas. Já figuraram pratos que aliam a releitura de clássicos com alta gastronomia criativa como o Stinco de cordeiro com linguini na manteiga de ervas e molho do próprio assado, Pescada amarela curada com alho negro e espuma de cebolinha e Magret de pato com purê de maçã e jambu com caldo de tucupi, entre outros.

Outra oportunidade é saborear o Festival das Trufas Frescas, um menu completo com couvert, entrada, prato principal e sobremesa. Como principal, são quatro opções: Polenta cremosa com ragu de ossobuco finalizado com trufas frescas, Entrecot com nhoque ao molho de vinho Barolo finalizado com as trufas, Mignon ao molho de mostarda com risoto milanês e finalizado com trufas frescas, e Fettuccine artesanal ao molho pesto e espuma de parmesão finalizado com as trufas frescas. A sequência sai a R$ 159 por pessoa.

A Segunda das Mulheres começa nesta segunda-feira (14/11). A casa abre para jantar às 18h30. O Marcondes funciona na R. Recife, 220 – Cabral. Mais informações no perfil oficial do restaurante no Instagram (@marcondesrestaurante). Reservas por WhatsApp (41) 3205-4982.

Silvia Machete apresenta em Curitiba o show do aclamado álbum ‘Rhonda’

Após 11 anos, Silvia Machete retorna aos palcos de Curitiba e faz o show de lançamento do “Rhonda”, o sétimo álbum da cantora, compositora, performer, malabarista e trapezista brasileira. A apresentação acontece nesta sexta-feira (11), a partir das 23h, no Camaleão Cultural, com ingressos disponíveis pela plataforma Shotgun.

Na década passada, Silvia Machete deixou a sua marca no icônico Teatro Paiol. Envolta de um bambolê que bailava pelo seu corpo e, entre performances provocantes onde a sensualidade aflorava-se por danças ao léu, o show da artista foi eleito o melhor pela APCA – Associação dos Críticos Paulistas de Arte – em 2010.

Hoje, aos 46 anos, Silvia Machete está em turnê pelo país com a divulgação do seu álbum mais recente: “Rhonda“. Introspectivo e inteiramente em inglês, ao longo de 11 faixas, não bastasse o deleite além da língua materna, Silvia interpreta a faixa “With no one else around” – também lançada em single -, regravada em estúdio, ao vivo, após 46 anos de Tim Maia (1942-1998) a ter registrado em um álbum homônimo, em 1978.

Ouça o álbum “Rhonda”

Entre as outras faixas de “Rhonda“, ao lado do requisitado instrumentista, arranjador e produtor Alberto Continentino, a dupla assina a maioria das composições que, contam ainda com parcerias dela e os músicos músico Emerson Villani, o norte-americano Nick Jones – escritor das séries Orange is the new black e Glow – e o compositor Rafael Torres. O álbum “Rhonda” conta com Guilherme Monteiro (guitarra), Vitor Cabral (bateria), Chicão (teclados) e do tecladista norte-americano Jason Lindner.

Com sonoridade distinta dos trabalhos anteriores, o álbum de Silvia clama, de fato, outra estética pelas composições em inglês. A atmosfera de “Rhonda” também reflete a necessidade da artista em ampliar a sua discografia para outros públicos e novos territórios, além da sua tropicalidade nata – que permeia o álbum pela faixa “Messy Eater“. 

Tanto que, deste sétimo álbum, Silvia segue a tendência fonográfica e enaltece novas possibilidades com a edição remix em “Rhonda revisite” (2021/Biscotio Fino) e a participação de nomes que ampliam a potência das versões originais. 

Ouça o álbum “Rhonda revisite”

O show de lançamento do “Rhonda” em Curitiba conta com as participações dos músicos Dudinha Lima (direção musical e baixo), Conrado Goys (guitarra), Chicão Mortofano (teclados) e Antonio Loureiro (bateria). Com realização do selo Saliva, a apresentação tem início a partir das 23h, no Camaleão Cultural, com ingressos disponíveis pela plataforma Shotgun.

Show de lançamento do álbum “Rhonda” com Silvia Machete

Onde: Camaleão Cultural 

Endereço: Rua São Francisco, nº 43 – Centro

Quando: 11 de novembro (sexta-feira)

Horário: A partir das 23h

Ingressos: Disponíveis pela plataforma Shotgun.

Ficha Técnica 

Realização: Saliva 

Arte: Pedro Colombo

Foto: Alex Santana

Direção: Gui Pondé 

Assessoria de imprensa: Cabana Assessoria

Apoio cultural: Música é o Canal

Redes Sociais Silvia Machete

Instagram: @silvia.machete

YouTube: @SilviaMachete

Facebook: @SilviaMachete