Descumprimento à Lei do Descanso triplica em 2022

Os sucessivos aumentos no preço do diesel e a alta da inflação, que encarece todos os demais custos do frete, têm levado cada vez mais caminhoneiros a esticar a jornada de trabalho para tentar aumentar a renda. Isso multiplicou o perigo nas estradas federais brasileiras, segundo se percebe pelas autuações por descumprimento da Lei do Descanso, que triplicaram no primeiro semestre deste ano. Estatísticas da PRF, fornecidas a pedido da Associação Mineira de Medicina do Tráfego (Ammetra), revelam que as autuações por excesso de jornada aumentaram 218% no primeiro semestre deste ano. Em 2022 foram 50.467 autuações, contra 15.825 de janeiro a junho de 2021.

A Lei do Descanso determina que o motorista pare de dirigir por 30 minutos a cada seis horas de trabalho. É proibido passar mais de cinco horas e meia ao volante sem interrupção. No caso do transporte de passageiros esse limite é reduzido para quatro horas. A lei também obriga que os motoristas tenham intervalos de 11 horas ininterruptas entre um dia e outro de trabalho.

Desrespeito às pausas para descanso aumenta risco de acidentes

Pesquisa da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) revelou que há caminhoneiros que passam até 13 horas por dia ao volante, o que representa grande risco a todos os usuários das estradas. O diretor científico da Ammetra, Alysson Coimbra, acredita que o aumento deste tipo de infração está diretamente ligado a questões econômicas. “Em dois anos o diesel acumulou alta de quase 90%, em média. Sabemos que o gasto com combustível corresponde a até 35% dos custos com o transporte rodoviário de cargas no Brasil. Para conseguir um rendimento mínimo, os caminhoneiros estão tendo que trabalhar muito mais e isso impacta não só a saúde da categoria, mas coloca em risco a integridade física de todos os demais usuários das vias que circulam”, comenta.

Coimbra lembra que o alto custo de manutenção dos caminhões também contribui para que os motoristas desrespeitem a Lei do Descanso. “Os pneus são um dos insumos que mais oneram os motoristas, distribuídos entre os eixos dianteiro, truck e tração, possuem um rendimento de rodagem de 7.721km rodados, em média. Considerando que algumas composições como bitrem de 7 eixos, o custo total de substituição dos 26 pneus pode ultrapassar R$ 30 mil. Se adicionarmos a inflação a essa equação, veremos que o valor do auxílio caminhoneiro concedido pelo governo federal, somente até o mês de dezembro, está longe de representar um alívio para o problema do custeio dos insumos e do combustível. Para reduzirmos as ocorrências de trânsito na categoria, precisamos de políticas públicas intersetoriais que estão diametralmente opostas às praticadas atualmente”, afirma.

Impacto na saúde e no trânsito

Esse excesso de jornada também cobra um alto preço: o corpo não resiste ao excesso de trabalho e a saúde inevitavelmente é afetada. O estresse, falta de descanso, sedentarismo, solidão, os longos períodos sentado, e a alimentação irregular aumentam o risco de várias doenças fatais. “O uso de estimulantes e substâncias psicoativas para evitar o sono, comprometem sentidos cruciais para uma direção segura, além de causar dependência e elevação continua da dose para se obter efeitos cada vez menores. Falhas humanas causam 90% dos sinistros de trânsito. E os acidentes envolvendo veículos pesados são potencialmente mais letais que os que envolvem apenas carros de passeio”, afirma o especialista em Medicina do Tráfego.

Segundo Coimbra, a situação é extremamente preocupante, ainda mais com a recente aprovação de uma Medida Provisória do governo que, dentre outras deliberações, suspenderá a fiscalização de jornadas em alguns trechos de rodovias. “O sistema nacional de trânsito está exaurido devido às inúmeras intervenções político-eleitorais que enfrentou, está na hora de parar de jogar para a plateia e trabalhar com responsabilidade pela preservação do bem mais precioso que possuímos: nossas vidas”, completa o diretor da Ammetra.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Da arquitetura a uma das franquias que mais cresce no país: os diferentes ramos de atuação (e sucesso) de André Henning

“Construir” é uma palavra diretamente ligada à carreira de André Henning – e não apenas por sua formação acadêmica. O arquiteto e urbanista é também apresentador de um programa de TV, empresário e vem abarcando sociedade em variadas áreas. E cada uma de suas ocupações vem se edificando de forma sólida, estruturando-se criativamente e de maneira muito bem sucedida.

Apesar de hoje administrar variadas atividades, Henning começou com um foco muito preciso. O curitibano, que morou em seis cidades diferentes em seus primeiros 17 anos de vida, resolveu voltar à terra natal para estudar Arquitetura. “Fiz da faculdade a coisa mais importante da minha vida”, revela. A estratégia deu resultado: esteve entre os primeiros alunos da turma e ganhou uma bolsa para o México. Assim conseguiu a dupla formação, pela Universidade Positivo e pela Universidad Marista de Mérida. “Esse estudo no México refletiu muito no meu estilo de arquitetura hoje, menos minimalista, mais colorido”, conta.

De volta ao Brasil, o desafio de encontrar clientes e iniciar a carreira foi enfrentado com criatividade. No início dos anos 2010, enquanto ainda era mais comum um profissional levar seu portfólio físico até escritórios de arquitetura, André montou um site com seus projetos e enviou direto para o e-mail de um dos maiores nomes da arquitetura no Paraná. A forma irreverente de se apresentar garantiu seu primeiro trabalho. Foi quase um ano dedicado à Jayme Bernardo Arquitetura, conceituada agência no ramo. “Foi como uma pós-graduação, de tanto que aprendi”, Henning afirma. Mas a estabilidade profissional ainda estava longe de acontecer.

Em 2015, uma recessão econômica afetou diretamente o setor. O olhar clínico de André, no entanto, viu uma oportunidade em meio à crise. Investindo em projetos pessoais, foi desenvolvendo ainda mais sua visão única e o toque autoral de seus trabalhos. Conquistou destaque no cenário curitibano, em especial com empreendimentos comerciais ligados à gastronomia. Um deles foi o Lolla Bar, premiado por seu espaço.

Gastronomia

A conexão com a gastronomia foi abrindo portas, não só para a arquitetura como para um novo ramo na carreira de André. Em 2017, fez a primeira sociedade com Eloi Ferreira no ramo. Seu olhar para construir e harmonizar foi aliado ao talento gastronômico de Eloi na elaboração de cestas para o Dia dos Namorados. Em uma semana, tinham 200 encomendas. O que começou de forma descontraída para gerar renda extra foi o início de uma parceria de sucesso.

Quando Henning foi contratado para fazer uma consultoria de arquitetura para o salão de cabeleireiros Jean Louis David, no centro de Curitiba, que queria montar um café dentro do ambiente, o timo empresarial do arquiteto o levou a uma proposta arriscada. Queria desenhar uma cafeteria que tivesse também uma saída para a rua, podendo atender clientes do salão e também que estivessem passando pela Rua Vicente Machado – ponto estratégico de muito movimento na capital paranaense.

André se especializa em marketing, enquanto Eloi estuda gastronomia com foco em cafeterias. Para o investimento financeiro, um desafio: o empréstimo. Pedindo apoio ao pai, o arquiteto escuta um alerta e um estímulo: “É todo o dinheiro da família. Abra um café não para ser só mais um, como qualquer outro, mas para ser bom”. Topando o risco, Henning faz todo o desenho da marca. “Foi meu primeiro projeto sem cliente: foi para mim mesmo, a Go Coffee tem a minha essência”, conta.

Por um tempo, dividia seus horários entre administrar a cafeteria – no formato to go – e a arquitetura. Mas uma não se desassocia da outra: a arquitetura da Go Coffee começou a ganhar reconhecimento, o que o destaca no ramo de arquitetura comercial. Em 2019, ambas as profissões estavam a todo vapor. Ampliou o escritório, AH Arquitetura, e agregou Caio Nardes à cafeteria, que ficaria responsável pela expansão.

Sem aporte financeiro, o sistema de franquias foi feito, como André diz, “com muito trabalho e investimento próprio”. Mesmo com a pandemia começando ainda nas primeiras fases de expansão da marca, a Go Coffee conseguiu destaque no mercado, aliando a excelência de produtos ao design especial das lojas. De Macapá a Porto Alegre, são 115 unidades em 70 cidades pelo Brasil, com outras dezenas de lojas já planejadas.

Mesmo com o sucesso da empresa, Henning não parou de apostar na arquitetura, pelo contrário. “Comecei a atender muitos empresários, que se espelhavam na minha carreira”, explica. “Entendo de pay back, de custo mínimo, aprendi a falar para o cliente onde investir dentro do empreendimento, no que vale a pena gastar, indo além da arquitetura”. O resultado: São quase 200 projetos (sem contar os desenvolvidos para a própria Go Coffee) no portfólio da AH, que conta com dez arquitetos atualmente.

Arquitetura de compartilhamento

Desde a época em que montou um site para apresentar seu portfólio, muita coisa mudou, não só na vida de André como no mercado brasileiro. A internet e as redes sociais ganharam proporções maiores do que o esperado, e isso se reflete nos projetos. Uma tendência que Henning tem aproveitado é o que chama de Arquitetura de Compartilhamento. “A arquitetura não é uma foto estática, é um reels”, comenta, sobre como as rede sociais são aproveitadas tanto por usuários quanto por empreendimentos. “Não é estático, é uma experiência. Sei atingir o cliente do meu cliente, que busca essa experiência”.

Esse olhar direcionado à experiência das pessoas foi sendo aprimorado não só pelo tempo de atendimento direto na Go Coffee como também pelo seu programa de TV. No ano passado, começou a comandar o “Repaginando”, na RIC TV, com audiência para Curitiba e Região Metropolitana. No programa, ele visita desde estabelecimentos comerciais até residências, nas quais faz reformas rápidas e significativas, mostrando que o olhar de arquiteto aliado ao toque humano pode trazer grandes transformações. O sucesso, além do reconhecimento do público, veio com a confirmação da terceira temporada e o convite para participar de outro reality, dessa vez ligado à gastronomia, “Você é o Chef” – dois pontos de interesse do arquiteto que acabam se encontrando, mais uma vez.

O contato com a audiência reforça a ideia de um público interessado em arquitetura, e também na elaboração de uma arquitetura mais ligada às pessoas, repensando o aspecto humano de compartilhar um espaço, um momento, um ambiente. O projeto das lojas Go Coffee, por exemplo, é pensado para ser um “refúgio” dentro da cidade – apostando em elementos naturais e tons de verde contrastando com branco e preto. Um dos destaques entre projetos da AH mais recentes foi o Strô, casa de estrogonofe do chef Vitor Bourguignon.

Crescimento ramificado

A projeção nacional da Go Coffee acaba sendo também um chamariz para o escritório de arquitetura e para a visão comercial de Henning. “Empresários veem o crescimento da Go Coffee e querem crescer também”, explica. Esse movimento o levou a uma nova atividade: a aceleração de marcas, expandindo empresas e também fazendo sociedade com algumas. Uma delas é a Casa das Capas, loja especializada em acessórios para celular focada em cidades do interior do Brasil.

Outra novidade será inaugurada na CASACOR Paraná, evento de design e arquitetura para o qual foi convidado a criar não apenas um, mas dois ambientes. Além de repetir o sucesso da edição anterior com um stand da Go Coffee, André lançará o Matiz, bar de drinks pensado em oferecer uma experiência única, altamente instagramável. Desde coquetéis cintilantes até paredes que mudam de cor com iluminação interna, com destaque para uma piscina de bolinhas transparentes que recebem iluminação de diferentes tons, o espaço é uma vivência sensorial exclusiva. O projeto já nasce com a estrutura para virar um pop up bar depois do evento.

Com esses variados empreendimentos, muitas pessoas questionam André se ele deixaria a arquitetura para focar no sucesso de marcas como a Go Coffee. “A arquitetura me move”, explica. “Hoje sou um empresário que também é arquiteto”. E essas carreiras se mesclam, com Henning aliando forças e saberes de cada área para fortalecer os mais diferentes aspectos profissionais. Seja desde o contato com pessoas, na elaboração de projetos ou administração e aceleração de empreendimentos, André não deixa de lado o foco em construir bases sólidas para o sucesso.

Banda da Guarda Mirim do Paraná faz Concerto de Natal no sábado (11)

A Banda Marcial da Guarda Mirim do Paraná – Mudart apresenta neste sábado (11), o seu tradicional especial concerto de Natal. A atração é gratuita e ocorre a partir das 19:30, na sede do Colégio Estadual Guarda Mirim (Avenida Anita Garibaldi, 2395 – Curitiba).

O repertório da apresentação, sob regência do maestro Kevin Moltocaro, contará com músicas variadas de estilo natalino e religioso, além de apresentação do corpo coreográfico. O concerto ocorre após dois anos de pausa devido a pandemia.

Presença em diversos eventos cívicos e competições, a Banda Marcial da Guarda Mirim do Paraná é uma das bandas marciais mais tradicionais do Brasil, já sendo premiada em diversas competições Brasil agora. Em mais de 20 anos de estrada, o grupo já esteve em apresentações em vários estados brasileiros e também no Chile.

A BMGM-Mudart é parte da Guarda Mirim do Paraná, instituição com mais de 50 anos de atuação. Hoje vinculado à Secretaria de Estado da Educação (Seed-PR), o colégio possibilita a jovens de ambos os sexos, com idade entre 14 e 18 anos, residentes em Curitiba e/ou nos municípios que compõem a sua Região Metropolitana, o ingresso formal no mundo do trabalho através da aprendizagem.