Deputado federal Schiavinato morre por complicações da Covid-19

O deputado federal José Carlos Schiavinato (PP) morreu na noite desta terça-feira (13), em Brasília, por complicações da Covid-19. Ele teve falência múltipla dos órgãos e não resistiu após ficar mais de um mês internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Sírio Libanês, onde deu entrada no dia 10 de março. As informações são do Boca Maldita.

Schiavinato tinha 66 anos e deu entrada no hospital brasiliense no dia 03 de março. No dia 10 do mesmo mês, foi transferido para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde seguiu sedado e em ventilação mecânica, recebendo tratamento. Na última semana, foi acometido por uma infecção hospitalar.

Schiavinato tinha 66 anos e foi prefeito por dois mandatos do município de Toledo, no Paraná. Entre 2015 e 2018 exerceu o mandado de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná. Foi eleito deputado federal pelo PP em 2018.

Faleceu 1 mês após esposa

Schiavinato veio a falecer um mês após a morte de sua esposa, Marlene, que tratava um câncer e também sofreu complicações da covid19.

Dadas as circunstâncias, Schiavinato não soube do falecimento da esposa. O filho do casal também esteve internado com Covid19, mas se recuperou.

Quem foi Schiavinato

José Carlos Schiavinato nasceu em Iguaraçu, na região Noroeste, em 12 de setembro de 1954. Era Engenheiro Civil formado na turma de 1977 da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Foi prefeito por dois mandatos do município de Toledo, no Oeste do Paraná. Entre 2015-2018 exerceu seu primeiro mandado como deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná, para o qual foi eleito com 61.507 votos.

Em 2018, foi eleito deputado federal com 75.540 votos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Baleia jubarte é encontrada morta nesta terça-feira no Litoral

Uma baleia jubarte (Megaptera novaeangliae) foi encontrada morta em estado avançado de decomposição nesta terça-feira, 13 de julho, no balneário Shangrilá, em Pontal do Paraná. A comunidade local acionou a equipe do Laboratório de Ecologia e Conservação de Mamíferos e Répteis Marinhos da UFPR (LEC) por volta das 8 horas da manhã, informando o encalhe do animal.

A equipe do LEC-UFPR, via Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS/UFPR), isolou a área, registrou o encalhe, avaliou a carcaça e coletou materiais biológicos e para a análise de saúde do animal.

A equipe de biólogos, médicos veterinários, e outros profissionais da área técnica conta também com o apoio da Prefeitura de Pontal do Paraná e Instituto Água e Terra (IAT) por meio da rede de encalhes de animais marinhos do Paraná. A rede atua em conformidade com o Protocolo de Atendimento a Encalhes de Animais Marinhos no Litoral do Paraná – PRAE (SEDEST/IAT/IBAMA), e com os protocolos nacionais da Rede Brasileira de atendimento a encalhe de mamíferos aquáticos/REMAB (CMA/ICMBIO).

Os pesquisadores vão investigar a causa da morte da baleia. Foto: Cesar Ramires/Prefeitura Pontal do Paraná.

A baleia é fêmea juvenil, com esqueleto completo, medindo 7 metros e, segundo informações prévias dos pesquisadores, não apresenta marcas de redes de pesca. Uma investigação completa em busca da informação da causa de morte do animal será realizada com auxílio de exames complementares laboratoriais.

Jubarte

As baleias jubartes da população do oceano Atlântico Sul vem ao Brasil anualmente para reprodução, mas passam o verão se alimentando na região Antártica. A principal área brasileira de reprodução é o litoral da Bahia, mas jubartes têm saindo avistadas com frequência na região sudeste e sul do Brasil.

No Paraná, desde o início do PMP-BS, já foram registrados encalhes de 14 baleias da mesma espécie, incluindo indivíduos adultos e jovens. Só nestes dois últimos meses, esta é a terceira baleia jubarte encalhada no litoral do Paraná.

O PMP-BS é realizado desde Laguna (SC) até Saquarema (RJ), sendo dividido em 15 trechos. O Laboratório de Ecologia e Conservação da Universidade Federal do Paraná (LEC/UFPR) é responsável por monitorar e avaliar os encalhes no Trecho 6, abrangendo os municípios de Guaratuba, Matinhos, Paranaguá, Pontal do Paraná e Guaraqueçaba (PR).

Vídeo:  Cesar Ramires/Prefeitura Pontal do Paraná.

Texto: LEC-UFPR.

Campanha Vem pra Foz! convida turistas a visitar o Destino Iguaçu

Segunda edição da campanha liderada por Itaipu e parceiros começa a ser veiculada nesta semana. Turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional

A partir desta semana, a segunda edição da campanha Vem pra Foz! começa a ser divulgada em vários veículos de comunicação. Baseado no tripé “ver, sentir e viver”, o conceito da campanha é uma construção feita por representantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), dentro de um projeto de retomada da economia da cidade. O projeto tem o turismo como principal atividade econômica da região de Foz do Iguaçu, cidade-sede da usina de Itaipu. O turismo é um dos pilares da missão da binacional.

Assim como na primeira edição da campanha, divulgada em setembro do ano passado, o Vem pra Foz! incentiva a volta dos turistas ao Destino Iguaçu, um dos mais bonitos de todo o mundo e que foi bastante impactado pela crise provocada pelo novo coronavírus. Antes da pandemia da covid-19, o Parque Nacional do Iguaçu atraía mais de 2 milhões de visitantes por ano.

Em 2019, a unidade bateu recorde de visitação com 2.020.358 pessoas de vários cantos do mundo. No mesmo ano, os atrativos turísticos da Itaipu registraram a marca histórica de 1.028.225 turistas nas margens brasileira e paraguaia da usina.

Crédito: SkyTakes/Árvore Filmes

“Com a flexibilização dos decretos e o aumento da vacinação, a expectativa é que os turistas voltem a viajar. No ano passado saímos na frente como roteiro seguro e agora queremos reforçar não apenas esse conceito, mas valorizar a diversidade de experiências que o Destino Iguaçu oferece”, diz o presidente do Codefoz, Felipe Gonzales.

No fim de semana, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, visitou Foz do Iguaçu e manifestou apoio à campanha. Segundo ele, a cidade tem “destinos turísticos incríveis e agora liberados para eventos”. “Então, contém com o apoio do Ministério do Turismo.”

Com o mote “Natureza, emoção e muita energia. Várias viagens num só destino”, a ideia da campanha é mostrar que a região tem um grande pacote de atrativos, como as Cataratas do Iguaçu, a Itaipu, o Marco das Três Fronteiras, aliados a shows e diversão para toda as idades, boa hotelaria e estrutura de conforto que inclui compras e gastronomia diversificada em uma região que reúne três fronteiras: Brasil, Paraguai e Argentina. A produção é da agência Gpac com argumentação da Comunicação Social e de Turismo de Itaipu.

“Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira.

A gestão do turismo na Itaipu é feita pela Assessoria de Comunicação Social. A atividade é operacionalizada pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) – responsável pela gestão dos seis atrativos do CTI (dos quais apenas três operam atualmente, em função das restrições impostas pela pandemia de covid-19).

Primeira visita

A primeira visita oficial à Itaipu aconteceu quando a usina ainda era um imenso canteiro de obras, em 15 de abril de 1976. Na ocasião, foram recepcionados 27 integrantes do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro. Desde então, mais de 24 milhões de turistas de todo o mundo já passaram por Itaipu e tiveram a oportunidade de deslumbrar-se com a grandiosidade da hidrelétrica e conhecer os demais atrativos do complexo.

Outra forma de conhecer presencialmente a usina é por meio da visita institucional, operada pela Divisão de Relações Públicas e reservada a instituições de ensino e pesquisa, autoridades e chefes de estado, representantes de empresas e militares. Essa modalidade também está disponível na margem paraguaia.

Obras

Para receber com excelência e garantir que o visitante tenha a melhor experiência possível na Itaipu, os dois principais pontos de parada dos turistas no CTI estão passando por reformas. São eles o Mirante Central e o Mirante do Vertedouro.

Nos dois locais haverá melhoria da acessibilidade, modernização do layout e mais conforto para os turistas. Lojas, praças e espaços de descanso integram os projetos. O término das obras no Mirante do Vertedouro está previsto para setembro deste ano; no Mirante Central, para novembro.

Obras estruturantes

Desde 2019, a Itaipu reestruturou a gestão e reordenou o investimento de recursos em infraestrutura, que têm atraído investidores para a cidade e fomentado a geração de emprego, renda e maior arrecadação para o município. Os aportes somam mais de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, com a geração de 2,5 mil empregos e a resolução de antigos gargalos estratégicos para o desenvolvimento regional, como a modernização e ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras.