Curitibanês em 31 palavras, aprenda o dialeto de Curitiba

Navegando pela internet, encontrei o site PRECISO VIAJAR e vi um post chamado Curitibanês em 35 palavras. Gostei muito da seleção! Parabéns, Fernanda! Adaptei bem pouca coisa do post dela e coloquei aqui para vocês. Confira mais esta lista super legal de Curitiba:

1) Penal

Não, não é o direito penal. É aquele estojo para lápis. Super útil no momento com a moda dos livros de colorir.

2) Vina

Nunca, jamais, em hipótese alguma pense em pedir o cachorro quente sem vina. Vina é a salsicha.

3) Aipim

Não é mandioca, não é macaxeira. É aipim.

4) Mimosa

Não é mexerica, nem tangerina. É mimosa.

5) Guria

São as meninas curitibanas. O termo “garotas” quase não é usado por aqui.

6) Guria do céu

Quando o assunto é bombástico, usa-se: “guria do céu”.

7) Piá de prédio

É o menino sem nenhuma malandragem, daquele estereótipo que só consegue as coisas, porque papai ou mamãe dão um jeito.

8) Panificadora

Ou Pani é o que os paulistas chamam de padaria.

9) Ligeirinho

É o ônibus mais rápido e que só para nas estações tubo.

10) Champagnat

É como os curitibanos chamam o bairro Bigorrilho.

11) Ecoville

É como os curitibanos chamam o bairro Mossunguê. Nota-se que os curitibanos têm uma queda por nomes com sonoridades mais chiques.

12) Baixada

É o estádio do Atlético Paranaense.

13) Caldeirão

Não é o do Huck. Também é a Baixada, ou Arena ou Arena da Baixada.

14) Furacão

Não é fenômeno climático. É apenas como os curitibanos chamam o Atlético. Ninguém fala Atlético Paranaense por aqui, por motivos óbvios.

15) Coxa

Não, não é uma parte do seu corpo. É o time Coritiba.

16) Coxa branca

É o torcedor do Coritiba.

17) Bolacha

Porque biscoito só o Globo mesmo e só no Rio de Janeiro.

18) Daí

Daí, ao meu ver, é a principal praga curitibana. Chega a ser irritante ver o daí no fim das frases, porque não há a menor necessidade. “vamos tomar um café, daí?”, “falamos depois, daí”. Sou curitibana, mas deletei o daí do meu vocabulário.

19) Pila

A incrível moeda curitibana. “Me dá dez pila, cinquenta pila”.

20) Posar

Não é para fotos. É como muitos curitibanos ainda se referem ao ato de dormir na casa de alguém. “você posou lá?”

21) Carpê

É o que o resto do Brasil chama de carpete.

22) Quentão

É o que em São Paulo chamam de vinho quente: vinho, gengibre e canela. Pode ser acompanhado por gemada.

23) Lombada

Conhecido por muitos como quebra-molas.

24) Palha

Algo ridículo, patético. “Esse negócio é muito palha.”

25) Cuzido

Não é o de carne. É como chamamos quem tá bêbado.

26) Oil Man

Nosso super herói.

27) Tubão

Não é um tubo grande, é uma mistura de vodka barata com coca. Tudo isso naquela garrafa pet de 2 litros.

28) Apurado

A pessoa que está com pressa. É utilizado principalmente para pessoas que estão com muita pressa de ir ao banheiro.

29) Béra

Cerveja

30) Chuvitiba

Quando há muita chuva na cidade.

31) Piá

São os meninos curitibanos. Guri é mais usado pelos gaúchos mesmo.

7 Comments

  1. sou da RMC : nunca me referi as Gurias como Gurias, sempre foram Piocas, que considero o feminino de Piá…os piá do djanho que me ensinaram.

  2. Gostei muito eu eu não sou curitiban moro aqui à apenas 8 anos mas é bem assim mesmo mas achei que faltou uma expressão muito usada aqui também (VOU IR) exemplo Eu vou ir na casa da minha avó Aqui não não basta dizer Eu vou tem que dizer eu vou ir.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vai começar o 5° Festival de Carne de Onça de Curitiba

Evento comemora 5 anos do petisco como patrimônio cultural imaterial de Curitiba

Servida na maioria dos bares e botecos curitibanos, a famosa Carne de Onça é tradição há mais de 80 anos. A receita leva carne bovina crua (não é do felino, ninguém precisa se preocupar!), servida sobre fatias de broa e coberta de cebola e cebolinha. O prato está completando cinco anos como Patrimônio Cultural Imaterial de Curitiba e para comemorar a data, a Curitiba Honesta, portal de gastronomia que realizou as pesquisas para elevar o prato a patrimônio, promove a quinta edição do Festival de Carne de Onça, de 21 de setembro a 10 de outubro. Participam 30 bares da cidade, servindo suas versões para o tradicional petisco ao valor fixo de R$ 19 a porção.

Bar do Dante | Foto: Gean Cavalheiro

Segundo Sergio Medeiros, editor do portal Curitiba Honesta, “o objetivo do festival é principalmente ajudar o setor de gastronomia em sua retomada e cada vez mais fortalecer a carne de onça como nosso patrimônio cultural”. A Curitiba Honesta realiza anualmente vários festivais gastronômicos, entre eles também o Festival do Pão com Bolinho (também muito típico da cidade),  Circuito do Sanduíche, Festival do Pêéffe e Circuito de Pizzas.

Quintal | Foto: Gean Cavalheiro

A Carne de Onça lembra três receitas internacionais muito conhecidas: o Hackepeter alemão, o Steak Tartare francês e o Quibe Cru libanês. Porém, como é servido em Curitiba, é algo próprio da cidade. A iguaria curitibana é feita da seguinte forma: uma fatia de broa preta, coberta com carne bovina moída (normalmente patinho), cebola branca cortada fininha, cebolinha verde picada, temperada com sal, pimenta do reino e regada com bom azeite de oliva extravirgem. No Festival, cada cozinheiro traz sua versão, com temperos e ingredientes que agregam sabores, mas tem tirar a essência do prato.

O 5º Festival de Carne de Onça tem o patrocínio da Gold Food Service, Roots Cerveja Artesanal e o Apoio do Instituto de Turismo de Curitiba, Curta Curitiba e Abrasel-PR.

Green Gate | Foto: Gean Cavalheiro

Origem da “Carne de Onça”

A carne de onça tornou-se Patrimônio Cultural e Imaterial Curitiba em setembro de 2016. A pesquisa e encaminhamento foram feitos por Sérgio Medeiros, um entusiasta da gastronomia curitibana. Na pesquisa, Medeiros descobriu a verdadeira história da carne de onça.

Maia Box | Foto: Gean Cavalheiro

Na década de 40, existia um time que foi várias vezes campeão paranaense, o Britânia. Seu diretor era o Cristiano Schimidt. Além do time, ele era dono de um bar na Marechal Deodoro, chamado Toca do Tatu – seu apelido. Para comemorar as vitórias do Britânia, o Schimidt, que não pagava bicho, fazia uma baciada de carne crua e colocava sobre fatias de broa, junto com cebola branca e cebolinha picadas, e servia para os jogadores. Um belo dia, Duia, o goleiro, reclamou: “Poxa, Schimidt, você só serve essa carne aí que nem onça come!”. Pronto! Estava criado o nome do petisco que todos os clientes da Toca do Tatu começaram a pedir e que hoje é servida nos bares da cidade.

Wit Bar | Foto: Gean Cavalheiro

Participantes

Confira os participantes do 5° Festival de Carne de Onça de Curitiba:

1)      A Ostra Bêbada

2)      Academia das Cervejas

3)      Armazém Santa Ana

4)      Bar do Dante

5)      Barbaram

6)      Baroneza

7)      Bodesza

8)      Brasil Craft Food

9)      Burguer Bar

10)   Canabenta

11)   Cartolas

12)   Charles Burguer

13)   Dom Cervantes

14)   Green Gate

15)   Hamburgueria Água Verde

16)   Hamburgueria das Américas

17)   Jabuti

18)   Jackson Assados

19)   Maia Box & Oba Gastronomia

20)   Mas Será o Benedito?

21)   Mavy Pub – São José dos Pinhais

22)   Mavy Pub Mondri – São José dos Pinhais

23)   Quermesse

24)   Quintal 68

25)   Rancho da Joaninha (delivery)

26)   Silzeus

27)   The Barbecue

28)   Ushuaia

29)   Wit Bar

30)  Zeppe Focacceria

Para conhecer todos as receitas e endereços, basta acessar o site www.curitibahonesta.com.br.

Serviço:

5° Festival de Carne de Onça de Curitiba

De 21 de setembro a 10 de outubro de 2021

#festivaldecarnedeonça

Informações: www.curitibahonesta.com.br

Instagram @curitibahonesta

Facebook:  https://www.facebook.com/curitibahonesta

YouRock comemora um ano de abertura com programação especial e tradicional costelinha barbecue

Evento será no dia 25, a partir das 12 horas, no Rebouças

O YouRock abre as portas para clientes e amigos no dia 25, a partir das 12 horas, em clima de festa. No cardápio, uma homenagem às raízes: a tradicional costelinha barbecue será o prato principal! A carne será servida até às 16 horas e a degustação será embalada pelo estilo inconfundível da banda Três Oitão Canela Seca. A banda Maktub (uma das revelações da Batalha do Rock, outra atração promovida pelo YouRock ao longo de seus 365 dias de funcionamento) encerra a festa com homenagem ao aniversário e lançando o álbum Paranoid, do Black Sabbath.

Até o fechamento da conta, porém, tem muita diversão no cardápio. Para quem gosta de jogos, por exemplo, a festa do bar inclui algumas brincadeiras tradicionais, como o beer pong, bastante conhecido nas festas americanas. O famoso jogo de dardos estará presente também, para que todos se divirtam mirando no alvo, e quem acertar leva prêmio! A festa vai presentear os clientes com sorteio de brindes exclusivos, como um capacete personalizado feito durante o evento por um artista local.

A comemoração será na Rua Piquiri, 390, no bairro Rebouças, em Curitiba. A expectativa é que até 150 pessoas participem do evento. A casa estará funcionamento de acordo com o Decreto Municipal para o enfrentamento da Covid-19.

UM ANO

Inaugurado no final de 2020 em um momento de pandemia mundial, o YouRock Bar começou suas atividades de maneira contida, respeitando todos os protocolos sanitários. Aos poucos, foi conquistando os clientes por oferecer pratos bem pensados, drinks especiais, uma estrutura ampla, arejada e segura, além de eventos paralelos e de calendário, como a festa de Halloween, o Art Day, o Videoclipe Lil Nano e a Batalha do Rock.

O local e seus 250 metros quadrados faz a saída de casa valer a pena, afinal, estar no YouRock é uma experiência. A atmosfera rock’n roll é ideal para quem gosta de cerveja gelada, motos, esporte e de boa música. Descolado, abraçando as diferenças, o YouRock é aconchegante e também pet friendly.

SERVIÇO

Quer conhecer mais? Acesse: https://yourockbar.com.br/