Curitiba recebe festa inspirada no filme Meninas Malvadas

Quem gosta de filmes da época dos anos 2000 vai gostar de saber que o novo James Bar, agora
na Alameda Carlos de Carvalho, receberá uma festa nesta quinta-feira com o tema do filme Meninas Malvadas.
A Burn Book – A Festa do Ahazo é uma festa que enaltece o universo dos filmes da adolescência com as lembranças das patricinhas amadas e assistidas de diversas várias formas possíveis, transformadas em cult e referências do mundo pop.

O James Bar será transformado em um grande baile High School, com muito drama, looks,
rainhas do baile e claro, a cor de rosa.

As interações durante o evento online e as ações durante a festa dão a ambientação para
qualquer um se sentir a Regina George.

A novidade fica também por conta do novo apoio da casa de festas à Corrida Maluca De
Cadeirantes 2017.

R$1 real de cada entrada será revertido para a APAE e a “Pernas, pra que te quero”. A Corrida
maluca é disputa incrivelmente divertida em que pequenos cadeirantes são as grandes
estrelas. Usamos a estrutura das cadeiras como base para construir fantasias incríveis de
acordo com a preferência de cada competidor. Lindo né?

Para pagar mais barato é só deixar o nome da galera no evento até às 17h da quinta-feira (30).
Confira no link e participe das promoções!

https://www.facebook.com/events/534992833499685/
VAI SER BARRO!

 

VÁ DE 99POP, USE O CÓDIGO: BUSAOCURITIBAEPOP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Quebra de barreiras: ASID Brasil promove ações de sensibilização durante Semana Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência

Constrangimentos, preconceitos, falta de acessibilidade, poucas oportunidades no mercado de trabalho e perda de autonomia. Estas são apenas algumas barreiras que fazem parte do dia a dia de pessoas com deficiência no Brasil. Quebrá-las é imprescindível para construir uma sociedade inclusiva e acolhedora para todos. Em homenagem ao Dia Nacional de Luta da Pessoa com Deficiência, celebrado em 21 de setembro, a Ação Social para Igualdade das Diferenças (ASID Brasil) promoverá a Semana Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência entre os dias 19 e 23 de setembro.

A iniciativa tem a finalidade de aumentar a conscientização sobre os empecilhos enfrentados por pessoas com deficiência através de uma campanha nas redes sociais com dados do Projeto Ponto de Partida, mapeamento realizado pela ASID para compreender essa realidade, e os programas desenvolvidos pela organização. O projeto foi criado em 2021 para descobrir as prioridades, necessidades e percepções de pessoas com deficiência em todo o país e apontar caminhos e soluções a fim de alcançar melhorias. Os dados compilados foram obtidos a partir de pesquisas pré-existentes, formulários on-line e encontros com quem tem deficiência, familiares, amigos e pessoas próximas à causa, como profissionais da área socioassistencial, da área de saúde e de educação.

 “A compreensão e a constante atualização sobre o contexto da pessoa com deficiência no Brasil e suas prioridades é fundamental para guiar nossas ações de impacto social. O fortalecimento de espaços de escuta permite que as soluções para os desafios citados sejam criados a partir e com a pessoa com deficiência, um passo essencial para a representatividade e a assertividade. Este é um primeiro passo da ASID Brasil e sabemos que ainda há muito para ser feito. Já estamos articulando novas estratégias e parcerias para que nossos eixos de pesquisas e disseminação de informações sejam impulsionados nos próximos anos”, ressalta Leonardo Mesquita, Analista de Inovações Sociais da ASID.

Educação

Estimativas realizadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Censo Escolar e Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), em 2018, apontam que havia 12,5 milhões de pessoas com deficiência no país e 61% eram mulheres. Na população de 18 anos ou mais, 67,6% não possuíam instrução ou não completaram o Ensino Fundamental, um percentual muito superior aos 30,9% de pessoas sem deficiência com esse nível de escolaridade. Na mesma faixa etária, apenas 16,6% das pessoas com deficiência tinham Ensino Médio ou Superior completo contra 37,2% das pessoas sem deficiência. Devido a esses índices preocupantes, a ASID criou neste ano o Projeto Mais Educação: as diferenças que constroem. Com o  objetivo de fortalecer o papel das lideranças escolares e dos professores para fomentar a inclusão de pessoas com deficiência, o Mais Educação foi implementado no ensino regular em São Raimundo das Mangabeiras (MA).

Mercado de trabalho

Os números relacionados ao mercado de trabalho também revelam  muitos desafios.  A Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) de 2020 registrou somente 495.784 pessoas com deficiência em trabalho formal de um total de 46 milhões de pessoas com vínculo empregatício. Segundo dados do Ministério da Cidadania (2020), dentre os 4,33 milhões de indivíduos com deficiência cadastrados no CadÚnico, somente 7% informaram exercer algum tipo de trabalho, sendo que três em cada quatro têm trabalhos informais. Para reverter esse quadro foi criado o Programa Empreenda, que oferece oficinas temáticas multidisciplinares, mentorias e acompanhamento para adaptação e inserção no mercado de trabalho e no empreendedorismo. 

Nos últimos três anos, a ASID realizou seis edições do Programa Empreenda em parceria com empresas, beneficiando 164 famílias de 34 cidades. Uma dessas edições foi realizada em parceria com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência da Cidade de São Paulo. Para 76% das pessoas formadas, o curso deu a confiança de que elas podem empreender e 52% indicaram que saíram do curso colocando em prática as ferramentas e os conteúdos que aprenderam. Com isso, ganharam uma fonte de renda e a oportunidade de traçar um novo rumo para suas vidas.

Capacitação e parceria com embaixadores

Outra ação durante a Semana Nacional da Luta da Pessoa com Deficiência será o treinamento interno Inclusão e Diversidade no dia 21 de setembro, com histórico e contexto da pessoa com deficiência no Brasil e terminologias, tipos de deficiência e de acessibilidade, boas práticas inclusivas, capacitismo, eixos do desenvolvimento da pessoa com deficiência e caminhos e soluções a serem construídos pela ASID Brasil. No dia 30 de setembro, ocorrerá um encontro com a equipe da organização para debater os principais pontos abordados. O material será disponibilizado para novos membros da ASID no futuro. 

A organização também dará seus primeiros passos na parceria com embaixadores e convidará duas pessoas com deficiência para desempenharem esse papel. “Este é um grande passo para as novas estratégias de impacto da ASID. Nos últimos anos, iniciamos ações internas de diversidade para o time da ASID. O movimento de embaixadores complementa essas ações e será um pilar importante de representatividade e chancela de nosso impacto social. Queremos ampliar, nos próximos anos, o número de embaixadores e regiões representadas e, com esse grupo, criar novos espaços de discussão, metodologias e gerar conteúdos para fortalecer as pautas de diversidade e inclusão no país”, conclui Leonardo.

Sobre a ASID Brasil

A ASID é uma organização social voltada à construção de uma sociedade inclusiva por meio de projetos de responsabilidade social, como voluntariado, inclusão no mercado de trabalho e desenvolvimento de gestão de organizações parceiras. Com mais de dez anos de atividades, tem mais de 100 mil pessoas impactadas e mais de 7 mil voluntários. A ASID também possui reconhecimento a partir de prêmios nacionais e internacionais, como o Melhores ONGs Época e o United People Global. Mais informações, acesse www.asidbrasil.org.br

Presença feminina rompe preconceitos e ganha força no agronegócio

O último Censo Agro, realizado em 2017, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), demonstrou que a cada dez lideranças do campo, pelo menos duas são mulheres. Buscando mudar o cenário, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresentou, em agosto de 2022, a sua Comissão Nacional de Mulheres do Agro. O objetivo é ampliar a participação feminina no sistema, que, conforme apontam pesquisas, ainda é pequena. De acordo com o censo de 2017, as mulheres são proprietárias de somente 19% dos estabelecimentos agrícolas.

Apesar das dificuldades e preconceitos enfrentados, a expectativa é de melhora e de crescimento da atuação das mulheres no campo nos próximos anos. Levantamento realizado pela ABMRA aponta que 94% dos produtores rurais entrevistados consideram a mulher vital ou muito importante para o negócio rural. Outra pesquisa, da Associação Brasileira de Marketing Rural e Agronegócio (ABMRA), mostra que 26% dos cargos de decisão e comando nas atividades produtivas são ocupados por mulheres.

Entre elas está Débora Noordegraaf, suinocultora de Castro (PR), considerada pela Forbes uma das 100 Mulheres Poderosas do Agro em 2021. Ela começou a se interessar pelo trabalho no setor, e também com o cooperativismo, porque o marido atua na área, e, a partir disso, ficou motivada a conquistar seu próprio espaço e olhar com atenção para as mulheres que trabalham no campo. “Fiquei apaixonada pelo agro, principalmente pela vivência de produzir animais com excelência em qualidade. Percebi o quanto é importante essa profissão, pela qual podemos  produzir alimentos para o mundo. Entrei para a Comissão da Mulher Cooperativista da Castrolanda e isso fez com que eu desenvolvesse meu espírito de liderança, de trabalhar em prol da comunidade e de outras mulheres”, conta. 

A comissão de Castrolanda, colônia holandesa da cidade de Castro, é um dos grupos mais antigos de mulheres cooperativistas. Há mais de 10 anos, busca promover a formação no protagonismo feminino. “O prêmio é um reconhecimento não só para mim, mas também pelas histórias de todas essas mulheres. É um novo estímulo para dar o meu melhor na minha propriedade e também na comissão”, reflete a suinocultora. 

Marca institucional da cooperativa Castrolanda, Frísia e Capal, a Unium acredita que o prêmio é um sinal de respeito às histórias de todas essas mulheres que enfrentam muitas  dificuldades para estar nessa área. “A Unium através das suas cooperativas busca capacitar e fortalecer a atuação das mulheres no campo e dentro de seus negócios, promovendo oportunidade de crescimento em nossas áreas de atuação” comenta Adriane Silva representante da equipe de marketing da Unium. 

Sobre a Unium

Marca institucional das indústrias das cooperativas Frísia, Castrolanda e Capal, a Unium representa os projetos em que as cooperativas paranaenses atuam em parceria. Todas as marcas reunidas pela Unium, inclusive a Alegra, são reconhecidas pela qualidade e excelência.

A Unium também conta com três marcas de lácteos: Naturalle – de produtos livres de aditivos -, Colônia Holandesa e Colaso. No setor de grãos, a Unium conta com a marca Herança Holandesa – farinha de trigo produzida em uma unidade totalmente adequada à ISO 22000, o que a qualifica com elevados padrões de exigência.