Crianças de escola da RMC reproduzem competições de ‘Round 6’ e direção alerta pais

A popularidade da série sul-coreana “Round 6” entre crianças virou motivo de preocupação para pais e professores da escola O Pequeno Polegar, em São José do Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Na quinta-feira (7), a direção do colégio decidiu enviar uma carta aos responsáveis alertando que crianças de 8 a 10 anos estavam assistindo à produção da Netflix, cuja classificação indicativa é de 16 anos, por trazer cenas de sexo e violência.

No documento, a escola diz ser direito das famílias decidir o que é melhor para as crianças, mas salienta que o conteúdo de “Round 6” impõe riscos psicológicos aos jovens.

“A mensagem desta série em nada se comunica com nosso programa socioemocional, com nossa valorização da família e da vida, com nossa filosofa de escola. Em nada contribui para que seus filhos sejam pessoas melhores e resilientes”

diz o comunicado.

Diretor da escola, Haroldo Andriguetto, 37, diz que começou a ficar preocupado quando viu que a maior parte dos alunos estava reproduzindo as competições de “Round 6”.

Na série, 456 pessoas com problemas financeiros são convidadas a participar de uma competição na qual precisam vencer provas para ganhar um prêmio milionário. Pelas regras do jogo, os competidores participam de jogos infantis, e quem perde é morto, o que eleva o valor do prêmio.

Andriguetto diz que, quando as crianças reproduziam as dinâmicas da série, elas fingiam também que estavam matando umas às outras. “Qualquer pai e mãe ficaria horrorizado com o que eu vi. Ao andar nos corredores, eu estava acostumado a ver crianças felizes, saudáveis, pulando e brincando”, diz ele.

O diretor explica que os alunos estavam deixando, inclusive, cartas nas mesas dos colegas convidando-os para o jogo, a exemplo do que acontece na série. “Ela passa um conjunto de ideias totalmente não emocionais, o que pode mexer com a ansiedade, com o medo e com os níveis de tolerância das crianças.”

Após enviar o documento aos pais, a direção recebeu por volta de 15 emails agradecendo o alerta. Alguns dos responsáveis nem sabiam que os jovens estavam acompanhando “Round 6”.

“Ao conversar com os filhos, eles se surpreenderam porque as crianças sabiam tudo sobre a série.”

Andriguetto diz não ser contrário à narrativa. “Ela tem o seu público, tem a sua mensagem, mas o problema é que ela alcançou as crianças e a imaginação delas.”

Segundo o diretor, a idade que vai de 0 a 10 anos é crucial para o desenvolvimento cognitivo. “Começar a ter contato com esse tipo de mídia nesse momento pode gerar um efeito em cadeia.”

Prejuízos psicológicos

Psicóloga especializada em atendimento às crianças, Júlia Porciúncula, 41, diz que o conteúdo de “Round 6” de fato pode trazer prejuízos psicológicos aos jovens. “Como o ser humano é subjetivo, não dá para adivinhar o futuro. Mas, baseado nas pesquisas que já existem, expor crianças de um modo geral a conteúdo violento gera problemas.”

A especialista diz que cada jovem vai reagir de um jeito, podendo desenvolver quadros de ansiedade, insegurança ou agressividade. Para evitar isso, ela recomenda que os pais fiquem atentos ao conteúdo que os filhos consomem na internet. “É importante não deixar a criança com o eletrônico totalmente disponível. Tem que haver uma supervisão.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Em três meses, 40 mil multas de radar são aplicadas em cidade da RMC e moradores protestam

Moradores de Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba, voltaram a reclamar nesta quinta-feira (25) dos radares instalados na cidade e o excesso de multas já registradas. Em um período de 90 dias, quase 40 mil multas de trânsito foram aplicadas, segundo o secretário de Urbanismo da cidade, coronel Lanes Prates.

Osmar Correia, morador de Fazenda Rio Grande há mais de 20 anos, reportou à Banda B sua indignação com o elevado número de multas recebidas por ele e outros moradores.

“Sempre dirigi por várias cidades e dentro da Região Metropolitana de Curitiba e nunca tive uma decepção tão grande com relação a multas de trânsito. Em 40 dias, eu recebi 6 multas em Fazenda Rio Grande”, iniciou ele.

Correia afirmou que as multas são aplicadas de forma irregular e que, assim como ele, outros milhares de cidadãos têm reivindicado mudanças no sistema de radares e entrado com recursos contra a prefeitura.

“A situação dos radares aqui na cidade está um caos. Precisamos que elas sejam canceladas”, protestou.

Já o policial militar Francisco Monteiro, que diz apenas trabalhar no município, explicou que já recebeu três multas em seu trajeto até o trabalho.

“Infelizmente sou um dos contemplados pela indignação em relação às multas e radares. Depois que recebi essas três multas, eu recorri. Apesar disso, eu tenho a plena consciência de que não passei nos radares da forma como mostram as multas”, disse, indignado.

O servidor da segurança pública também destacou que tem conhecimento sobre os perigos do trânsito e afirmou que é preciso haver melhores condições de sinalização na cidade, bem como conscientização.

“Eu tenho consciência de que não posso fazer do meu veículo um instrumento de morte, mas é preciso que haja um trabalho efetivo de conscientização e sinalização em Fazenda Rio Grande”, concluiu.

O que diz a prefeitura

Procurado pela Banda B, o secretário de Urbanismo de Fazenda Rio Grande, coronel Lanes Prates, respondeu ao questionamento sobre quais medidas a administração do município está tomando no que se refere às reclamações dos moradores.

“A prefeitura notificou a empresa de radares e decidiu não renovar o contrato com ela. Então, não haverá continuidade do serviço, apesar de os equipamentos continuarem em operação mesmo assim”, afirmou.

O contrato com a empresa responsável pelos radares no município chegou ao fim, após um ano. Os equipamentos deixaram de funcionar a meia-noite desta quinta-feira (25).

Sobre o elevado número de infrações registradas no período de 90 dias – mais de 30 mil –, o secretário demonstrou preocupação com o cenário, porém deu um diagnóstico.

“Vemos isso com muita preocupação porque os equipamentos mostram que os cidadãos de Fazenda Rio Grande estão dirigindo de forma errada, com excesso de velocidade. Neste período, já identificamos uma baixa sensível no número de acidentes e principalmente de mortes”, contou.

No entanto, Prates revelou que foram aplicados 39 mil autos de infração em três meses, e pouco mais de 2 mil recursos.

“A grande maioria, ao nosso ver, identificou que realmente praticou infração. Mas aquele cidadão que se sentiu prejudicado com as multas deve entrar com recurso para que analisemos individualmente o caso”, continuou.

O coronel também garantiu que a prefeitura irá analisar as reclamações sobre a possível falta de sinalização na cidade, porém frisou que “os radares têm alta precisão”.

Protesto

Há quase um mês, no dia 27 de outubro, moradores de Fazenda Rio Grande protestaram contra o excesso de multas aplicadas por radares na cidade. A manifestação foi encerrada em frente à casa do prefeito do município, Dr. Nassib (PSL).

“Todos os radares estão irregulares. Não tem como fazer esse tanto de multa em um mês”, disse o administrador de empresas Everson Pereira, durante o protesto.

Foto: Eliandro Santana/ Banda B

Conforme noticiado pela Banda B, Nassib determinou a realização de uma auditoria no sistema de fiscalização eletrônica da cidade.

Segundo nota enviada à Banda B à época, uma perícia técnica nos equipamentos seria feita para avaliar sua funcionalidade, verificar os critérios para definição dos locais de instalação de radares e recebimento dos recursos apresentados pela população contra notificações de infração.

Informações Banda B

Prefeito de Tamandaré é investigado por suposto esquema de propina em troca de crematório

O prefeito de Almirante Tamandaré, Gerson Colodel (MDB), é um dos alvos de uma operação que apura um suposto esquema de propina em troca da instalação de um crematório no município da região metropolitana de Curitiba. Além dele, são investigados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) um vereador e outros três secretários municipais.

À Banda B, Leonir Batisti, coordenador estadual do Gaeco, afirmou, nesta quinta-feira (11), que o suposto esquema está ligado à aprovação de um projeto de um cemitério no município.

“O empresário em questão está pretendendo fazer um projeto de uma instalação de um crematório, de um cemitério, e está tendo dificuldades. Em determinado momento, algumas pessoas mencionam a este empresário que ele deveria tratar com agentes políticos. No caso, especificamente, um vereador e até o próprio prefeito. Segundo estas pessoas, dependeria de pagamento de propina para que o processo de autorização fosse concedido”, iniciou Batisti.

O valor total da propina, de acordo com o coordenador do Gaeco, seria de R$ 350 mil.

Buscas no gabinete do prefeito de Tamandaré

As equipes do Gaeco estiveram, na manhã desta quinta-feira (11), no gabinete do prefeito, de um vereador, que no passado estaria ligado à Secretaria de Arquitetura e Urbanismo da cidade, e outras três empresas ligadas ao membro da Câmara Municipal.

Outras seis residências também foram alvos de buscas dos membros do Ministério Público do Paraná (MP/PR).

“As buscas foram no sentido de arrecadar o computador, celulares e documentos que tenham pertinência com a investigação em questão. Os mandados foram deferidos pelo Tribunal de Justiça do Paraná (TJ/PR)”, afirmou Batisti.

O cumprimento das medidas ocorre no âmbito da Operação Óbolo. Ao todo, segundo o MP/PR, foram 12 mandados expedidos. Além de Almirante Tamandaré, estas empresas e residências também estão localizadas entre os municípios de Curitiba e Colombo (RMC).

“Ao todo são seis investigados: três do poder público e outros três intermediários”, informou Batisti.

Resposta da prefeitura de Almirante Tamandaré

A Banda B entrou em contato com a prefeitura de Almirante Tamandaré. Por meio de nota oficial, a secretaria de Comunicação informou que as diligências realizadas pelo Gaeco nesta quinta-feira “dizem respeito a procedimento de investigação acerca de atos administrativos concernentes à expedição de alvarás de construção e de licença, onde supostamente houve solicitação de valores por agentes públicos, de forma que os mandados de busca e apreensão visavam, precipuamente, a obtenção de processos administrativos”.

O comunicado afirma ainda que “não houve acesso à toda investigação, sendo certo que, em todo o momento, a administração municipalcolocou-se à disposição para contribuir com as investigações, fornecendo toda documentação solicitada, a qual, inclusive, podeia ter sido objeto de requisição anterior”.

A nota finaliza afirmando que “todas as investigações serão acompanhadas e a colaboração necessária será prestada ao Poder Judiciário”.

Denúncias sobre o suposto esquema de propina

Caso você tenha informações sobre o caso, Batisti afirma que você pode informá-las via e-mail.

“A pessoa pode informar ao Gaeco pelo e-mail: gaeco@mppr.mp.br ou o telefone (41) 3254-1195″, finalizou à Banda B.

Mais informações Banda B