Covid-19: Itaipu repassa R$ 2 milhões em equipamentos e insumos para municípios do Oeste do Paraná

Publicidade
Publicidade

Investimento faz parte das ações da Itaipu para auxiliar no combate ao coronavírus.

A Itaipu Binacional, por meio do Hospital Ministro Costa Cavalcanti (HMCC), vai repassar testes rápidos para identificação de pacientes com coronavírus e equipamentos como monitores cardíacos e macas, além de insumos e equipamentos de proteção individual (EPIs), para 53 municípios integrantes da Amop (Associação dos Municípios do Oeste do Paraná).

O investimento é superior a R$ 2 milhões e será distribuído per capita, cabendo às Secretarias Municipais de Saúde a logística de retirada dos materiais e encaminhamento às respectivas unidades de atendimento ao público.

O único município integrante da associação que não será beneficiado é Foz do Iguaçu, que já foi contemplado anteriormente. A relação dos municípios foi repassada ao superintendente do HMCC, Fernando Cossa, na manhã desta quinta-feira (10), pelo presidente da Amop, Rineu Menocin. A entrega deverá se iniciar em breve.

Segundo Fernando Cossa, “É uma satisfação para o Hospital Ministro Costa Cavalcanti e também à Itaipu Binacional poder contribuir com importantes ações de saúde dos municípios e no enfrentamento da pandemia”.

“Os municípios associados à Amop agradecem a generosidade de Itaipu, ao seu diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, e, extensivamente, a todos os colaboradores”, disse Menoncin.

Investimentos

A Itaipu Binacional investiu R$ 24 milhões na Fundação Itaiguapy para a criação de uma ala exclusiva de atendimento de covid-19, hoje com 25 leitos de UTI, dois leitos de semi-intensiva e 20 leitos de unidade de transição, além da aquisição de testes de Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), medicamentos e respiradores para atender a demanda da região.

O auxílio eventual da margem brasileira de Itaipu foi ampliado para R$ 5,5 milhões em 2020, permitindo o atendimento a entidades assistenciais, sem fins lucrativos, que sofreram impacto econômico causado pela pandemia de covid-19. O valor é mais de três vezes a mais que o previsto antes da crise sanitária. Os recursos já beneficiaram quase 30 mil pessoas (21.775 diretamente e 6.824 indiretamente), de todo o Oeste do Paraná.

Todas as ações seguem as diretrizes do governo federal para ajudar os públicos mais vulneráveis.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Amop

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ministério da Saúde compra 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin

Publicidade
Publicidade

O Ministério da Saúde assinou nesta quinta-feira (25) contrato para compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin da Precisa Medicamentos/Bharat Biotech. O investimento total foi de R$ 1,614 bilhão na compra da vacina produzida na Índia.

Para agilizar o processo de compra de novas doses de vacinas, o Ministério da Saúde dispensou o uso de licitação para a compra dos imunizantes. A iniciativa é uma exigência amparada pela MP 1.026/21, que facilita a compra de vacinas.

Segundo a pasta, as primeiras 8 milhões de doses do imunizante devem começar a chegar em março, em dois lotes de 4 milhões a serem entregues entre 20 e 30 dias após a assinatura do contrato.

Em abril, o governo federal espera receber mais 8 milhões de doses de imunizantes importados da Índia, no prazo de 45 e 60 dias após a oficialização da compra. Em maio, é esperado o último lote de doses, com 4 milhões de unidades.

Balanço

Ao todo, foram distribuídas mais 3,2 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 em todo país. Estados e Distrito Federal estão recebendo as 2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca/Oxford, importadas da Índia, e 1,2 milhão de doses do imunizante do Instituto Butantan.

Com esse novo lote, foram distribuídos mais de 15 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 desde o dia 18 de janeiro, início da campanha de vacinação. Até julho, a pasta prevê o envio de mais de 200 milhões de doses, vacinando, assim, metade da população brasileira.


Primeiro caso de covid-19 no Brasil completa um ano

Publicidade
Publicidade

O Brasil identificou a primeira contaminação pelo novo coronavírus no final de fevereiro de 2020, enquanto a Europa já registrava centenas de casos de covid-19. A declaração de transmissão comunitária no país veio em março, mês em que também foi registrada a primeira morte pela doença.

Em abril, em meio ao isolamento social, o governo adotou medidas para mitigar o efeito da doença na economia, como linhas de crédito para as empresas, e enviou ao Congresso Nacional proposta de criação de auxílio emergencial, direcionado à população mais vulnerável.

Ainda em 2020, estudos sobre a vacina contra covid-19 avançaram e tornaram real a possibilidade de imunizar a população. Em janeiro deste ano, o Brasil começa a vacinar grupos prioritários, após a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovar o uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford.

Com casos ainda em alta e vacinação em andamento, no início de 2021, vários estados decretam toque de recolher para tentar conter o avanço da doença. E o carnaval é cancelado para evitar aglomerações.