Consórcio finaliza concretagem das duas torres principais da Ponte da Integração

Conclusão marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra, que tem recursos da Itaipu Binacional. Índice de execução da nova ponte já está em 73%

O consórcio responsável pela construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, que ligará Foz do Iguaçu (PR) a Presidente Franco (Alto Paraná), vai concluir nesta sexta-feira (26) a concretagem do mastro principal na margem paraguaia, que terá 184 metros de altura, da fundação ao topo. No lado brasileiro, o mastro principal já está pronto, com 190 metros, equivalente a um prédio de 63 andares. Com isso, as obras da nova ponte alcançam mais de 73% de execução e investimentos de aproximadamente R$ 170 milhões, conforme o último boletim técnico divulgado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR). Os recursos são da margem brasileira de Itaipu Binacional.

Os dois mastros principais, que têm formato de “Y” invertido, são as maiores estruturas de sustentação da Ponte da Integração, compostas também por apoios intermediários. A conclusão desta etapa marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra. No total, serão usados na construção 38 mil metros cúbico de concreto.

“A partir de agora, os volumes de concreto serão menores e a obra vai ganhar um ritmo mais contínuo, passa a ser um processo de quebra-cabeça”, explicou a engenheira civil Pamela Mocelini, supervisora de execução.

Na última quarta-feira (24), na margem brasileira, foi posicionada a quinta aduela metálica no vão-livre da ponte. Cada segmento (que vai compor a base da futura pista de rolamento) tem 11,9 metros de comprimento, 20 metros de largura e de 50 a 60 toneladas de peso. No lado paraguaio, já foram instaladas três aduelas.

Após a instalação do segmento, ainda é feito o processo de solda das emendas (uma aduela a outra), instalação das lajes pré-moldadas, concretagem de interligação das emendas e, para finalizar o estaiamento da unidade.

Crédito: Rubens Fraulini | Itaipu Binacional

Somente depois da execução dessas etapas é que uma nova aduela é posicionada no vão-livre. Esse processo ocorre simultaneamente nas margens brasileira e paraguaia. Quando a ponte estiver concluída, serão 36 aduelas (18 do lado brasileiro e 18 do lado paraguaio) e uma aduela de fechamento (central).

Como vai ser

A Ponte da Integração, construída sobre o Rio Paraná, terá 760 metros de extensão e vão-livre de 470 metros, o maior da América do Sul. A obra é uma iniciativa do governo federal, com gestão do governo do Estado Paraná e execução do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR) e recursos da Itaipu Binacional. No total, serão investidos R$ 323 milhões no projeto. A previsão é que a obra esteja pronta até setembro de 2022.

Perimetral

Neste mês de novembro, as obras da Perimetral Leste alcançaram 5,08% de execução, com investimentos de aproximadamente R$ 5,28 milhões. A perimetral terá 15 quilômetros de extensão e vai ligar a Ponte da Integração e a nova aduana argentina às rodovias BR-469 (Rodovia das Cataratas) e BR-277 (saída para Cascavel e Curitiba),

No período, de acordo com boletim técnico do DER-PR, foram instaladas 76 estacas-raiz (de um total de 88) no viaduto da Avenida General Meira e outras 78 (de um total de 90) no viaduto da BR-469. Também avançaram as obras no viaduto da Ponte Tancredo Neves e começaram os serviços de terraplanagem na nova aduana argentina, com o lançamento, espalhamento e compactação de camadas.

Investimentos de Itaipu

A Ponte da Integração e a Perimetral Leste integram o rol de obras estruturantes financiadas na região Oeste do Paraná pela margem brasileira da Itaipu – que incluem a duplicação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (já concluída), a duplicação da Rodovia das Cataratas (em fase de licitação), a revitalização do sistema de transmissão de Furnas, entre outras. A soma dos investimentos da empresa na região chega a R$ 2,5 bilhões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Itaipu eleva produtividade para garantir abastecimento energético no Brasil

A informação foi destacada pelo diretor-geral brasileiro da usina, general João Francisco Ferreira, na abertura do Fórum de Vice-Governadores, nesta quinta-feira (17).

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, foi um dos convidados especiais do Fórum de Vice-Governadores, realizado de forma remota na manhã desta quinta-feira (17). De Foz do Iguaçu, o general Ferreira abriu o Fórum fazendo um panorama sobre a usina de Itaipu e ressaltando o papel da hidrelétrica no abastecimento energético do Brasil e do Paraguai, especialmente, em um ano de grande estiagem.

Foto: Sara Cheida / Itaipu Binacional

O Fórum reuniu aproximadamente 15 vice-governadores de todas as regiões do País. O encontro é feito mensalmente, sempre com um tema de destaque. O tema de junho foi a crise hídrica e as ações de combate à estiagem.

Também participou do Fórum, representando o ministro Bento Albuquerque, o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), Christiano Vieira da Silva, que falou sobre as ações do MME para garantir o provimento de energia elétrica em território brasileiro.

O diretor de Itaipu falou sobre os recordes de produtividade que Itaipu vem batendo seguidamente nos últimos tempos, ou seja, tem conseguido produzir mais energia utilizando menos água, o que é de extrema importância nesses tempos de escassez.

No primeiro trimestre de 2021, por exemplo, Itaipu bateu o próprio recorde atingindo a produtividade média de 1,0785 megawatt médio gerado a cada metro cúbico por segundo de água (MWmed/m³/s).

Foto: Sara Cheida / Itaipu Binacional

“Estamos bem acima da produtividade média. Se compararmos o índice com outras usinas do Brasil e do mundo, somos benchmark”, afirmou o general Ferreira. “Tudo isso graças aos cuidados com o meio ambiente, com nossos equipamentos e com a formação profissional de nossos empregados.”

Ele também destacou a produção histórica da empresa, que está prestes a atingir a marca de 2,8 bilhões de MWh – energia suficiente para suprir o consumo de eletricidade do mundo todo por 45 dias. A marca deve ser atingida no mês que vem. Nenhuma outra usina produziu, ao longo de sua história – são 37 anos de geração –, tanta energia.

Na visão do diretor, é fundamental que as geradoras de energia do País trabalhem de forma conjunta para atender às demandas do Sistema Interligado Nacional. “Garanto que Itaipu está fazendo a sua parte da melhor maneira possível, observando as orientações do Ministério de Minas e Energia e do Operador Nacional do Sistema para que o Brasil possa superar esse cenário hídrico difícil sem maiores problemas”, concluiu.

Foz do Iguaçu, 107 anos: diretor de Itaipu reafirma compromisso da empresa com a cidade

Declaração foi dada durante ato solene de hasteamento da Bandeira do Brasil. Prefeito agradeceu o apoio e destacou importância da empresa para a cidade e seu povo.

O diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira, reafirmou nesta quinta-feira, 10 de junho, aniversário de 107 anos de emancipação política de Foz do Iguaçu, o compromisso da empresa com a cidade, que é sede da usina. Há dois anos toda a diretoria de Itaipu se mudou para Foz e unificou seu centro de comando na cidade, com a transferência de empregados de outros escritórios da hidrelétrica para a fronteira.

O anúncio do diretor foi feito durante ato solene do hasteamento da bandeira do Brasil, na Avenida Brasil. Várias autoridades participaram da cerimônia, ciceroneada pelo prefeito de Foz do Iguaçu, Chico Brasileiro.

Foto: Emanuela dos Santos/Itaipu Binacional.

Na véspera de aniversário, anúncio de “pacote”

Na véspera do aniversário de Foz, na quarta-feira (9), Itaipu anunciou um novo pacote de ações e iniciativas que irão beneficiar cerca de 30 mil pessoas até o final do ano. O pacote inclui o início da duplicação dos 8,7 quilômetros da Rodovia das Cataratas, que deverá gerar empregos importantes para a atual fase da economia, e a entrega da revitalização do Gramadão da Vila A, em outubro, um ponto de encontro e lazer dos iguaçuenses.

Itaipu também informou a doação, em breve, de 20 mil cestas básicas para a população em situação vulnerável, e programou o início da capacitação de 2,2 mil profissionais de vários setores, especialmente do turismo, no programa Capacita Foz, parceria com o Polo Iguaçu, agora ampliado.

O turismo será beneficiado ainda com uma nova campanha de divulgação do Destino Iguaçu, que incluirá a captação de eventos e reafirmação da marca do setor.

Para o general Ferreira, “são iniciativas e ações que vão reforçar a transformação na economia local já impulsionada pelas obras estruturantes promovidas pela empresa, para fazer com que Foz do Iguaçu chegue ao fim deste ano pronta para a grande retomada do crescimento, que deve acontecer após o fim da pandemia da covid-19”.

Essas contrapartidas se resumem a dois aspectos principais: atendimento à população, com geração de empregos no momento desta crise econômica provocada pelas medidas restritivas, e criação de uma nova infraestrutura, que garantirá “uma nova guinada na economia de Foz do Iguaçu e região”.

No total, os investimentos de Itaipu em infraestrutura somam mais de R$ 2,5 bilhões, com geração de mais de 2,5 mil empregos. “É a continuação do trabalho da gestão anterior, do meu antecessor general Joaquim Silva e Luna, com olhar para o futuro, com base na realidade local, seguindo orientação do governo federal”, finaliza Ferreira.

O prefeito Chico Brasileiro reforçou o agradecimento ao diretor de Itaipu: “Queremos expressar nosso reconhecimento ao que representa a Itaipu para a cidade e para o nosso povo. Itaipu, com o aval dos governos federal e estadual, vem dando o apoio para transformar e edificar a nossa cidade, na dimensão verdadeira do seu crescimento.”