Consórcio finaliza concretagem das duas torres principais da Ponte da Integração

Conclusão marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra, que tem recursos da Itaipu Binacional. Índice de execução da nova ponte já está em 73%

O consórcio responsável pela construção da Ponte da Integração Brasil-Paraguai, que ligará Foz do Iguaçu (PR) a Presidente Franco (Alto Paraná), vai concluir nesta sexta-feira (26) a concretagem do mastro principal na margem paraguaia, que terá 184 metros de altura, da fundação ao topo. No lado brasileiro, o mastro principal já está pronto, com 190 metros, equivalente a um prédio de 63 andares. Com isso, as obras da nova ponte alcançam mais de 73% de execução e investimentos de aproximadamente R$ 170 milhões, conforme o último boletim técnico divulgado pelo Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR). Os recursos são da margem brasileira de Itaipu Binacional.

Os dois mastros principais, que têm formato de “Y” invertido, são as maiores estruturas de sustentação da Ponte da Integração, compostas também por apoios intermediários. A conclusão desta etapa marca o fim da fase de concretagem de grandes volumes da obra. No total, serão usados na construção 38 mil metros cúbico de concreto.

“A partir de agora, os volumes de concreto serão menores e a obra vai ganhar um ritmo mais contínuo, passa a ser um processo de quebra-cabeça”, explicou a engenheira civil Pamela Mocelini, supervisora de execução.

Na última quarta-feira (24), na margem brasileira, foi posicionada a quinta aduela metálica no vão-livre da ponte. Cada segmento (que vai compor a base da futura pista de rolamento) tem 11,9 metros de comprimento, 20 metros de largura e de 50 a 60 toneladas de peso. No lado paraguaio, já foram instaladas três aduelas.

Após a instalação do segmento, ainda é feito o processo de solda das emendas (uma aduela a outra), instalação das lajes pré-moldadas, concretagem de interligação das emendas e, para finalizar o estaiamento da unidade.

Crédito: Rubens Fraulini | Itaipu Binacional

Somente depois da execução dessas etapas é que uma nova aduela é posicionada no vão-livre. Esse processo ocorre simultaneamente nas margens brasileira e paraguaia. Quando a ponte estiver concluída, serão 36 aduelas (18 do lado brasileiro e 18 do lado paraguaio) e uma aduela de fechamento (central).

Como vai ser

A Ponte da Integração, construída sobre o Rio Paraná, terá 760 metros de extensão e vão-livre de 470 metros, o maior da América do Sul. A obra é uma iniciativa do governo federal, com gestão do governo do Estado Paraná e execução do Departamento de Estradas de Rodagem (DER/PR) e recursos da Itaipu Binacional. No total, serão investidos R$ 323 milhões no projeto. A previsão é que a obra esteja pronta até setembro de 2022.

Perimetral

Neste mês de novembro, as obras da Perimetral Leste alcançaram 5,08% de execução, com investimentos de aproximadamente R$ 5,28 milhões. A perimetral terá 15 quilômetros de extensão e vai ligar a Ponte da Integração e a nova aduana argentina às rodovias BR-469 (Rodovia das Cataratas) e BR-277 (saída para Cascavel e Curitiba),

No período, de acordo com boletim técnico do DER-PR, foram instaladas 76 estacas-raiz (de um total de 88) no viaduto da Avenida General Meira e outras 78 (de um total de 90) no viaduto da BR-469. Também avançaram as obras no viaduto da Ponte Tancredo Neves e começaram os serviços de terraplanagem na nova aduana argentina, com o lançamento, espalhamento e compactação de camadas.

Investimentos de Itaipu

A Ponte da Integração e a Perimetral Leste integram o rol de obras estruturantes financiadas na região Oeste do Paraná pela margem brasileira da Itaipu – que incluem a duplicação da pista do Aeroporto Internacional de Foz do Iguaçu (já concluída), a duplicação da Rodovia das Cataratas (em fase de licitação), a revitalização do sistema de transmissão de Furnas, entre outras. A soma dos investimentos da empresa na região chega a R$ 2,5 bilhões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Turismo de Itaipu se prepara para receber 4.500 visitantes no feriadão da Independência

Previsão é para os quatro dias, de sábado (4) à terça-feira (7). Outros atrativos do Destino Iguaçu também ampliaram atendimento

Cerca de 4.500 turistas devem passar por Itaipu nos quatro dias do feriadão da Independência, de sábado (4) a terça-feira (7 de setembro, Dia da Independência do Brasil). Para atender os visitantes, os atrativos vão operar com horários extras e, excepcionalmente na terça-feira do feriado, estará aberto para receber os turistas. Desde abril deste ano, as visitas foram suspensas nas terças-feiras, dia que ficou reservado para manutenção e reforço nas medidas de proteção sanitária.

A previsão é que o movimento turístico na usina hidrelétrica continue em alta, refletindo a tendência dos últimos meses devido, especialmente, a ações como a campanha “Vem para Foz”, voltada para divulgar a variedade de atrativos do Destino Iguaçu; além dos cuidados para manter os turistas seguros, com a adoção de práticas sanitárias no combate à pandemia da covid-19.

Fotos: Kiko Sierich / PTI

São três opções de atrativos oferecidos pelo Complexo Turístico Itaipu (CTI) no feriadão da Independência. O carro-chefe do CTI, a Itaipu Panorâmica, que promove uma visita privilegiada da usina hidrelétrica por vários ângulos, vai funcionar de sábado (4) à segunda (6), das 8h30 às 16h15, com saídas a cada meia hora. Na terça-feira (7), os horários são das 8h às 16h30, também com saídas a cada 30 minutos.

Os outros atrativos também têm horários diferenciados. O Refúgio Biológico Bela Vista vai operar em oito horários de sábado à segunda-feira, com 23 vagas cada. As saídas são: 8h30, 9h30, 10h, 10h30, 13h30, 14h30, 15h e 15h30. Na terça-feira, serão seis horários diferentes (não haverá as saídas extras de 10h e de 15h). Já o Ecomuseu opera das 10h às 17h com transporte saindo do Centro de Recepção dos Visitantes (CRV) a cada meia hora, a partir das 10h30 e com última saída às 16h.

Fotos: Rubens Fraulini / Itaipu Binacional

Para mais informações e compra antecipada de ingressos, basta acessar o site https://www.turismoitaipu.com.br/.

Destino Iguaçu preparado

Os outros atrativos da cidade também estão preparados para alta movimentação de turistas na região nos quatro dias de feriado. O Parque Nacional do Iguaçu (PNI), que abriga as Cataratas do Iguaçu, ampliou o atendimento. De sábado à segunda-feira, estará aberto das 8h às 16h. Na terça-feira, o atendimento é das 9h às 16h. Vale lembrar que não existe opção de compra de ingressos pela bilheteria do PNI – eles devem ser adquiridos pelo site www.cataratasdoiguacu.com.br.

O Parque das Aves aumentou o horário de visitação das 8h30 às 17h para os quatro dias do feriadão da Independência. Na segunda-feira (6), quando o parque normalmente é fechado para manutenção, haverá atendimento excepcionalmente para o feriado. O ingresso pode ser comprado em https://ingressos.parquedasaves.com.br/.

O Marco das Três Fronteiras também estará aberto nos quatro dias, sempre das 15h às 21h. As apresentações artísticas acontecem todos os dias, logo após o pôr do sol, a partir das 18h15. O Restaurante Cabeza de Vaca, que fica dentro do complexo, atende das 16h às 22h. Para comprar o ingresso, basta acessar: www.marcodastresfronteiras.com.br.

Itaipu eleva produtividade para garantir abastecimento energético no Brasil

A informação foi destacada pelo diretor-geral brasileiro da usina, general João Francisco Ferreira, na abertura do Fórum de Vice-Governadores, nesta quinta-feira (17).

O diretor-geral brasileiro da Itaipu, general João Francisco Ferreira, foi um dos convidados especiais do Fórum de Vice-Governadores, realizado de forma remota na manhã desta quinta-feira (17). De Foz do Iguaçu, o general Ferreira abriu o Fórum fazendo um panorama sobre a usina de Itaipu e ressaltando o papel da hidrelétrica no abastecimento energético do Brasil e do Paraguai, especialmente, em um ano de grande estiagem.

Foto: Sara Cheida / Itaipu Binacional

O Fórum reuniu aproximadamente 15 vice-governadores de todas as regiões do País. O encontro é feito mensalmente, sempre com um tema de destaque. O tema de junho foi a crise hídrica e as ações de combate à estiagem.

Também participou do Fórum, representando o ministro Bento Albuquerque, o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia (MME), Christiano Vieira da Silva, que falou sobre as ações do MME para garantir o provimento de energia elétrica em território brasileiro.

O diretor de Itaipu falou sobre os recordes de produtividade que Itaipu vem batendo seguidamente nos últimos tempos, ou seja, tem conseguido produzir mais energia utilizando menos água, o que é de extrema importância nesses tempos de escassez.

No primeiro trimestre de 2021, por exemplo, Itaipu bateu o próprio recorde atingindo a produtividade média de 1,0785 megawatt médio gerado a cada metro cúbico por segundo de água (MWmed/m³/s).

Foto: Sara Cheida / Itaipu Binacional

“Estamos bem acima da produtividade média. Se compararmos o índice com outras usinas do Brasil e do mundo, somos benchmark”, afirmou o general Ferreira. “Tudo isso graças aos cuidados com o meio ambiente, com nossos equipamentos e com a formação profissional de nossos empregados.”

Ele também destacou a produção histórica da empresa, que está prestes a atingir a marca de 2,8 bilhões de MWh – energia suficiente para suprir o consumo de eletricidade do mundo todo por 45 dias. A marca deve ser atingida no mês que vem. Nenhuma outra usina produziu, ao longo de sua história – são 37 anos de geração –, tanta energia.

Na visão do diretor, é fundamental que as geradoras de energia do País trabalhem de forma conjunta para atender às demandas do Sistema Interligado Nacional. “Garanto que Itaipu está fazendo a sua parte da melhor maneira possível, observando as orientações do Ministério de Minas e Energia e do Operador Nacional do Sistema para que o Brasil possa superar esse cenário hídrico difícil sem maiores problemas”, concluiu.