Conheça as histórias e origem da Boca Maldita de Curitiba

Senta que lá vem história! A Boca Maldita, no centro de Curitiba, é local de passagem de milhares de pessoas no dia-a-dia, mas principalmente, é um lugar de encontros, comemorações e protestos. Mas, você conhece a origem da Boca Maldita?

Tudo começou no final da década de 50, quando alguns profissionais, políticos e empresários das mais diversas áreas – todos homens – se reuniam no local para jogar conversa fora, falar sobre o desenvolvimento da cidade e o cenário político do país. Nos encontros do grupo eram abordados os mais diversos temas, principalmente aqueles que eram destaques nos jornais da época.

Em 13 de dezembro de 1956, os encontros na Boca deram origem a uma confraria e seus frequentadores passaram a ser conhecidos como os “Cavaleiros da Boca Maldita de Curitiba”. Um dos maiores eventos organizados pela confraria era o seu tradicional Jantar Anual, onde eram entregues as comendas “Cavalheiro da Boca Maldita”, aos nomes que se destacavam na vida pública paranaense e brasileira.

Foto: Arquivo

A institucionalização do grupo de conversas, no calçadão da Rua das Flores, se deu em 13 de dezembro de 1966, quando houve a criação dos estatutos, com o lema: “nada vejo, nada ouço, nada falo”. O nome, Boca Maldita, foi dado por Adherbal Fortes de Sá, um dos grandes nomes do jornalismo paranaense. 

Foto: Arquivo

Além de apoiar programas beneficentes e sociais, a confraria tinha participação ativa na política. Em uma entrevista de 1997 para a coleção de livros Memória Paranaenses, o fundador e presidente vitalício da Boca Maldita, Anfrísio Siqueira disse: “A confraria existe para debater e criticar tudo e todos sem qualquer restrição, expressando as vontades e indignações populares. […] É principalmente um local de troca de informações, onde as pessoas ficam sabendo de tudo que acontece na cidade e ainda acontecem trocas de diferentes ideias”.

Comício pelas ‘Diretas Já’ — Foto: Arquivo/ Secretaria Municipal de Cultura de Curitiba

A Boca Maldita foi palco do primeiro comício das Diretas-Já e da caminhada dos cara-pintadas do Fora Collor, um ponto de encontro usado para protestar, comemorar ou discutir os assuntos da cidade e do estado. E essa tradição se mantém até hoje, o local ainda recebe reuniões políticas, sociais e culturais. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem doses, Curitiba suspende parte da vacinação nesta segunda-feira

Com apenas cerca de 3,5 mil doses de vacina contra a covid-19 disponível em estoque para primeira aplicação, Curitiba atenderá, nesta segunda-feira (28), apenas no Pavilhão da Cura, no Parque Barigui, gestantes, puérperas (mães que tiveram bebês até 45 dias) e repescagem de pessoas com 47 anos ou mais completos nascidos no primeiro semestre (1º de janeiro a 30 de junho).

O atendimento será das 8h às 17h, mas, eventualmente, poderá ser encerrado antes, caso o estoque seja finalizado. 

Os demais pontos de vacinação contra a covid-19 da cidade suspenderão o atendimento até que a Secretaria Municipal da Saúde receba mais doses de vacinas do Ministério da Saúde repassadas pelo Governo do Estado.

O último lote de vacinas que o município recebeu foi na quinta-feira passada (24) e não há ainda a previsão de recebimento de nova remessa. “Com a entrega de mais doses poderemos avançar com a imunização da população em geral, abrindo novas faixas etárias”, diz a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak.

Além do atual estoque de 3,5 mil doses disponíveis para primeira aplicação, Curitiba tem outras 12.805 doses da vacina Janssen que já estão comprometidas com a imunização dos motoristas e cobradores de ônibus, que inicia também nesta segunda-feira (28). Estas doses foram enviadas pelo governo do estado já direcionadas para esta categoria. 

Até o momento, Curitiba já aplicou mais de 1 milhão de doses anticovid, sendo  762.765 de primeira dose e 239.687 de segunda dose.  Com isso, Curitiba já imunizou 52,5% de sua população acima de 18 anos.

5 motivos para amar o inverno curitibano

Curitiba é a cidade da friaca! Tem aqueles que amam os dias gelados da capital, mas também aqueles que não se acostumam. A verdade é que mesmo nos dias mais frios, Curitiba ainda tem seus encantos. Listamos alguns motivos para você aproveitar o inverno curitibano. Confira:

1. Feirinhas de inverno

Umas das melhores coisas do inverno curitibano são as comidas típicas paranaenses das feirinhas de inverno! 

A feira da Osório e da Praça Santos Andrade são super aguardadas. Além das comidas quentinhas lá você também encontra várias opções de quentão, como o com marshmallow que é uma delícia! 

Foto: Pedro Ribas


2. Vai ter neve?

Todo inverno é a mesma coisa! Os curitibanos ficam se perguntando: será que esse ano vai ter neve?

A última vez que nevou na capital foi em 2013. Mas não custa nada ter esperança né, vai que em 2021 acontece de novo…

Foto: Reprodução XV Curitiba


3. Fotografias e paisagens bonitas

Com sol ou sem, Curitiba é sempre linda! E mesmo com o céu cinza a cidade ainda rende fotos incríveis, principalmente nos parques. 

Foto: Daniel Castellano

4. Usar roupas bonitas

Sabe aquele look que faz tempo que você não usa? Esse é seu momento! E quer uma passarela melhor do que a Rua XV?

5. Looks super confortáveis

Foto: Reprodução / Facebook

E se você é daqueles que não se preocupa muito com roupas da moda e só quer sair de casa confortável, pode ficar tranquilo… ninguém vai te julgar! O importante é se proteger do frio e não esquecer de levar a japona!