Conheça a história do sapateiro que saiu da Macedônia e há quase 70 anos é ‘xodó’ dos moradores do Portão

Jivo Nicoloski tem 90 anos. Xodó dos moradores do bairro Portão, em Curitiba, seu Jivo, como é conhecido, é popular pelo trabalho que desenvolve com a sapataria na Rua Curupaitis, numeral 2370. A Banda B foi conhecer a história do homem que saiu da Macedônia, terra dos Bálcãs no sudeste europeu, para viver no Brasil há 70 anos. Em um bate-papo espontâneo com a reportagem nessa segunda-feira (12), ele relembrou a trajetória de vida e se emocionou ao falar sobre o trabalho que, para muitos, é uma das profissões que corre “risco de extinção”.

Junto com a família, Jivo chegou ao país em 1952. Segundo o sapateiro, a ideia era buscar um lugar melhor para viver. Foi por meio de uma viagem religiosa que ele, finalmente, pôde sair da terra natal em busca de um novo destino.

“Eu vim com 20 anos para cá”, começou o entrevistado. “Era para a gente ir aos Estados Unidos porque era mais fácil, mas não deu certo e viemos ao Brasil. Na época, estava acompanhado do meu pai, irmão, tio, primo e um amigo”, pontua.

À Banda B, Jivo explicou que morou, antes de Curitiba, em Porto Alegre e no Rio de Janeiro. O restante da família, porém, foi morar no Canadá – país vizinho do destino previsto inicialmente. Ele, porém, como já estava trabalhando por conta própria com os sapatos, decidiu permanecer no Brasil.

“A ideia era ficar pouco tempo, mas como eu já estava bem aqui, decidi ficar”, completou.

Sapataria

A sapataria, como já dito, é, para muitos, uma profissão rara na atualidade. No entanto, foi ela quem consolidou a vida de Jivo. Na década de 50, conforme relembra, ele chegou ao Brasil com apenas 1 dólar no bolso e sem saber o português.

Ainda, antes de virar sapateiro, Jivo trabalhou em construção e no teatro. Mas o personagem fincou as próprias raízes no Brasil e construiu a própria família ao longo anos. Ao todo, o sapateiro tem cinco filhos homens e uma mulher, descendentes que o auxiliam no dia a dia do trabalho.

“A primeira coisa que eu aprendi a fazer com os sapatos, foi pegar a forma…”, falava Jivo ao mostrar parte da rotina de trabalho (ver vídeo abaixo) ao repórter Antônio Nascimento, durante a entrevista. “Então, eu trabalhava em uma fábrica na rua Riachuelo. O nome dela era A Favorita. Tirava cerca de 300 ‘pau’ por mês por conta das formas e reinvestia novamente. Foi assim que comecei por aqui”, destaca.

Seu Jivo trabalha em uma sapataria própria localizada na Rua Curupaitis, no bairro Portão. Foto: Antônio Nascimento/Banda B

Após sair da fábrica, Jivo conta que trabalhou com um homem, também imigrante, da Itália, antes de abrir por conta própria, algo que faz até hoje.

“Eu tinha uma loja de sapatos. Teve um Natal em que vendi, de uma vez só, cerca de 250 pares de calçados. Hoje, graças a Deus, também estou cheio de serviço”, apontava ele ao redor da sapataria e ao responder sobre a quantidade de clientes que possui. “A gente é muito conhecido. Eles sempre gostam de saber a minha história”, continuou.

Brasil

Em relação a família, além dos filhos, Jivo diz que só tem uma irmã de 87 anos, morando em Toronto, no Canadá. Ao longo dos anos, ele já voltou para a Macedônia por diversas vezes, mas é ao Brasil que o coração de Jivo realmente pertence, como ele mesmo destacou ao final.

“Nós chegamos e começamos trabalhar. Eu ajudei a construir o prédio do Tribunal da Justiça, da Biblioteca Pública, a praça do Homem Nu e do Teatro Guaíra. Se fosse para relembrar tudo, teria que começar lá ao meio-dia”, brincando sobre a trajetória. “Hoje, sou muito grato ao Brasil, graças a Deus”, concluiu a Banda B.

Vídeo

Veja parte da rotina de seu Jivo filmada pelo repórter Antônio Nascimento.

Reprodução Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja como era Curitiba em tempos de Gripe Espanhola

“Deus queira que esse caso de ‘grippe hespanhola’ seja como o ruído do tambor, vazio por dentro.” A frase, pinçada de uma notícia do jornal curitibano A República, de 28 de setembro de 1918, delatava o começo dos casos de gripe espanhola em Curitiba. A “mãe de todas as pandemias” – como foi batizada mais tarde – tem características parecidas com as da atual pandemia de covid-19, causada pelo novo coronavírus, mas a humanidade perdeu muito naquele momento por não procurar o isolamento social, contabilizando 20, 30, 100 milhões de mortos, não se sabe ao certo.


Em setembro de 1918, a gripe espanhola estava apenas começando na capital paranaense, trazida num rastro fúnebre do Rio de Janeiro, considerado o epicentro da moléstia no Brasil. Lá, chegou-se a registrar mil mortos num só dia, e os cadáveres se amontoavam em frente às casas. Notícia de outro jornal curitibano, o Diário da Tarde, de 19 de outubro daquele ano, com a manchete “A Gripe Hespanhola por toda parte”, detalhou a situação que se alastrava naquele momento por todo Brasil, especialmente na capital carioca: “a molestia se manifestou com uma intensidade nunca verificada em outras epidemias. 500 mil pessoas no Rio sentem o mesmo mal. O commercio fechou, paralysou se o trânsito…”. Relatou ainda casos inciais em Curitiba: “Em Coritiba ha influenza hespanhola”, citanto “pessoas recemvindas do Rio de Janeiro” que “enfermaram e guardam o leito”.


A epidemia se espalhou no país por causa de um navio inglês chamado Demerara, vindo de Portugal, que parou em Recife, Salvador e Rio de Janeiro em setembro, com marinheiros que desembarcaram doentes. O nome de batismo não delata a verdadeira origem da doença – a informação mais divulgada hoje é de que surgiu em campos de treinamento militar no Kansas,  Estados Unidos. O mundo enfrentava a 1ª Guerra Mundial e a Espanha, por não estar entre os combatentes, foi o único país a noticiar inicialmente os casos (embora já estivessem espalhados por vários países), enquanto os jornais das nações em guerra foram proibidos de dissipar a notícia da doença para não causar pânico nas tropas.


Em Curitiba, o Diário da Tarde de 29 de outubro destacou comunicado do Ministério da Justiça e Negócios Interiores: “É impossível evitar a propagação da epidemia de grippe por não existir um preventivo seguro capaz de evitar a infecção.” No entanto, pedia “tranquilidade”, “não fazer visitas”, além de “evitar toda fadiga” e “tomar um laxante a cada 4 dias afim de trazer o tubo digestivo sempre desembaraçado.” “Não frequentem locais onde haja aglomeração de pessoas. Mantenham o mais escrupuloso asseio pessoal, lavem a boca, garganta e fossas nasais com um desinfetante, diversas vezes ao dia e principalmente antes das refeições, que nunca devem fazê-las nos ambientes infectados. Lavem frequentemente as mãos, sobretudo antes de usar qualquer alimento”, aconselhou o Dr. Trajano Reis, da Diretoria Geral do Serviço Sanitário, no jornal A República de 21 de outubro – seus comunicados nos jornais eram quase que diários e ele ficou famoso pelo trabalho de combate e prevenção na capital.


No livro Leis, Decretos e Actos da Câmara Municipal de Coritiba de 1915 a 1923 constam três decretos de 1918 assinados pelo prefeito da época, João Antonio Xavier, sobre as restrições impostas na cidade. O primeiro foi no dia 24 de outubro, suspendendo o funcionamento dos “cinemas e outras casas de diversões desta capital”. Também aconselhava “insistentemente” que se evitasse aglomerações, principalmente à noite. O decreto seguinte, de 9 de novembro, autorizou, aos domingos e feriados, o comércio de “seccos e molhados e pharmacias a permanecerem com seus estabelecimentos abertos enquanto perdurar a epidemia de grippe ora reinante”. Um ato do prefeito, de 11 de novembro daquele mesmo ano reforçava a determinação do fechamento das casas de diversões até o dia 30 do mesmo mês, a despeito de “petições apresentadas pelos proprietários” dos referidos estabelecimentos.


Em novembro, ao mesmo em tempo que o Mundo comemorava o fim da Primeira Guerra Mundial, também chorava seus mortos da pandemia. “A cessação da guerra com a Alemanha foi firmada. O regozijo pela terminação da guerra é enorme em todas as grandes cidades do mundo”, noticiou o Diário da Tarde numa sexta-feira, 8 de novembro, assim como relatou casos de gripe espanhola por todo o estado do Paraná e o que estava sendo feito para combatê-la.
No dia 19 do mesmo mês,  trazia “uma estatística desconsoladora”, comparando o número de mortos com o número de nascimentos: “de 22 a 29 de setembro nasceram 31 pessoas e morreram 22;  de 30 de setembro a 6 de outubro, nasceram 36 e morreram 21”; “… de 4 a 10 do mez corrente já temos 86 nascimentos e 62 óbitos”. Mas os dados misturavam os falecimentos por outras razões. Em 18 de dezembro, denunciou: “A Colonia Umbará, distante três léguas da capital, está assolada pela terrível peste hespanhola. Esta, de dia para dia vae dizimando uma grante parte dos colonos e caboclos dessa cidade.”


Remédios milagrosos:

“Não há remédio específico. Todos são bons e nenhum presta. Sobretudo nos casos leves. Quer dizer que a grippe é como um tufão. Passa logo, quando não mata, o que tem se verificado nas epidemias brasileiras, em geral benignas”, escreveu Dr. Espindola em um artigo publicado no A República de 18 de outubro de 1918.


Não havia remédio específico? Logo apareceram no comércio fórmulas milagrosas apresentando soluções: “Cuidado com a Hespanhola! Use o poderoso ‘antiputrido’ Balsamo Santa Helena, desinfectante analgésico, inimigo do máu cheiro!”. “Influenza Hespanhola. É indispensável lavar-se seguidamente as fossas nasaes com espuma de sabonete de Creol.”


Que tal os comprimidos Oxyform: “oxygenio solidificado, o melhor medicamento profilatico e curativo, contra todas as moléstias infecciosas adquiríveis por via boccal, taes como Ilfluenza hespanhola, grippe, coqueluche, peste pulmonar e cholera. Experimente, exclusivo no Paraná.”


Parece brincadeira, mas houve também uma fábrica de bolachas prometendo cura: “Para evitar efficazmente as fataes recahidas de grippe recomenda-se aos convalescentes as afamadas bolachas Lucinda.” Propaganda publicada no jornal Diário da Tarde de 20 de novembro de 1918.


Depois de dezembro, as notícias e propagandas nos jornais curitibanos a respeito passaram a ser cada vez mais escassas, dando a entender que, em Curitiba, teria voltado ao normal. Conta-se que na cidade foi 384 o número de vítimas fatais da gripe espanhola. Como afirmou Dr. Espindola, foi mesmo “como um tufão”.


Referências Bibliográficas:

A República, 28 de setembro de 1918, 18 de outubro de 1918, 21 de outubro de 1918, Hemeroteca Digital.
Diário da Tarde, 18 de outubro de 1918, 29 de outubro de 1918, 8 de novembro de 1918, 19 de novembro de 1918, 20 de novembro de 1918, 21 de novembro de 1918, 18 de dezembro de 1918. Hemeroteca Digital.
Histórias da Gente Brasileira, volume 3, Mary Del Priore.
Leis, Decretos e Actos da Câmara Municipal de Coritiba de 1915 a 1923. Acervo digital da Câmara Municipal de Curitiba, seção Nossa Memória.

Texto: Michelle Stival da Rocha / Câmara Municipal de Curitiba

Dirija um biarticulado pelo seu celular com este jogo

Sempre quis dirigir um biarticulado? Então este jogo de celular vai lhe ajudar um pouco! O BusBrasil Simulador retrata a rotina dos motoristas de ônibus urbanos que viajam todos os dias pelas cidades do Brasil. Sua primeira cidade a ser simulada será Curitiba, cidade natal do criador do game. Conforme o jogo for avançando, terão outras cidades. Confira algumas imagens do jogo, desenvolvido pela LRW Games:

Vídeo capturado pelo: @romulodea/Twitter

Baixe o jogo por este LINK. Faço aqui o meu agradecimento ao @romulodea pela dica!