Congresso pode prorrogar auxílio emergencial por até 2 meses, diz Pacheco

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou nesta terça-feira (25) que o Congresso Nacional poderá editar uma medida para prorrogar o auxílio emergencial “por um ou dois meses”. Durante participação na 22ª edição da CEO Conference Brasil, do banco BTG Pactual, ele defendeu essa possibilidade enquanto não houver a criação de um novo programa social que substituía o Bolsa Família.

“[O auxílio emergencial] pode eventualmente ser reeditado mais um mês ou dois meses, enquanto não há implantação de um programa perene de assistência social. É isso que o Congresso Nacional fará, ou como protagonista, ou como coadjuvante, não importa. O importante é que ao final possa ser implantado no Brasil um programa social consistente, balizado, justo, com aferição a respeito das pessoas realmente merecedoras”, disse.

Apesar da pressão que tem sofrido de parlamentares, a equipe econômica do governo tenta afastar os movimentos pela prorrogação do auxílio emergencial em 2021. A ideia é apresentar uma Medida Provisória que eleve o valor do Bolsa Família, amplie o público e crie um bônus para desempenho escolar e esportivo.

Depois de aprovada, o governo apresentaria uma alteração estrutural ampla, com fusão de programas sociais existentes hoje e direcionamento de recursos de empresas estatais para financiar ações na área social.

A intenção é enviar a proposta do novo programa, que poderá mudar de nome, ao Congresso, na segunda semana de junho.

Por ora, a ideia é ampliar o orçamento da iniciativa, permitindo que, em média, o benefício suba de R$ 190 por mês para R$ 250 e que a cobertura fique próxima de 17 milhões ou 18 milhões de famílias. Atualmente, 14,6 milhões de famílias recebem a transferência de renda -um recorde.

Cerca de 1,5 milhão estão na fila de espera para entrar no programa após o fim do auxílio -caso contrário, ficarão sem assistência social apesar de se enquadrarem no perfil de faixa de pobreza ou extrema pobreza.

“É um tema fundamental para a nação brasileira, porque no final das contas isso gera o mínimo de bem-estar para a população. É uma assistência das mais necessárias, é o chamado no direito de estado de necessidade ou inexigibilidade de conduta diversa. Nós não podemos ter outro caminho que não assistir essas pessoas”, afirmou Pacheco.

Neste ano, o Bolsa Família teve um alívio orçamentário de aproximadamente R$ 8 bilhões por causa da nova rodada do auxílio emergencial.

Assim como outros deputados e senadores, Pacheco argumentou que o processo de criação de um novo programa precisa ser acelerado.

“Independentemente de qual seja o cenário relativo ao auxílio emergencial, precisaremos estabelecer a discussão e a implantação efetiva de um programa social que incremente ou substitua, como se queira, o Bolsa Família, atingindo um maior número de pessoas realmente necessitadas”, disse.

O pagamento do auxílio emergencial em 2021 começou em abril e acaba em julho. O benefício varia de acordo com a composição da família. As parcelas vão de R$ 150 a R$ 375 por mês.

Informações Banda B

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Consumidor: lista racional para fazer compras econômicas no supermercado

Com a alta dos preços, economizar já não é mais uma questão de estilo de vida, mas sim uma necessidade. Segundo a Associação Brasileira de Supermercados (Abra), entre os meses de janeiro e março de 2022, o valor da cesta de compras chegou a R$ 736,34, representando um crescimento de 5,11% no trimestre e de 15,45% em relação ao ano anterior. 

Diante desse cenário, os consumidores procuram por estratégias práticas para obter uma economia nas compras do mês. Uma das sugestões dadas pela Serasa e pela Proteste para ajudar nesse processo é a clássica lista de compras. 

A prática de listar os itens necessários para as compras é bastante comum em algumas famílias brasileiras, já que além de controlar os gastos do orçamento, também ajuda a otimizar o tempo nos supermercados. 

No entanto, o segredo para minimizar os cifrões na nota fiscal é saber fazer uma lista racional apenas com itens que sejam realmente necessários para a família. Além disso, também é possível adotar outras medidas para promover mais controle no orçamento familiar. Por exemplo, o uso adequado do vale-alimentação ajuda a economizar e a manter os gastos dentro do planejado para o mês. 

Como fazer uma lista de compras racional

Chegar ao supermercado sem uma lista é um tiro no escuro. Com tantos produtos disponíveis nas prateleiras da loja, há uma grande chance de acabar caindo na tentação e pegar itens desnecessários, o que aumentará significativamente o valor das compras do mês. 

Por esse motivo, estar com uma lista em mãos pode ajudar a diminuir os gastos. Esse documento servirá como um guia, indicando quais os produtos são essenciais para a manutenção do mês da família. 

Confira os itens em falta na dispensa 

Segundo a Serasa, o supermercado começa antes mesmo de sair de casa com a lista de compras. Para conseguir ter uma noção dos itens necessários para o mês, os moradores precisam fazer um check up na geladeira e na despensa.

Para facilitar esse processo, vale a pena estar com uma agenda ou bloco de notas do celular em mãos para ir anotando cada produto em falta em casa. A Serasa orienta ainda, fazer a verificação dos prazos de validade e das condições de uso dos alimentos, produtos de limpeza e higiene pessoal.  

Separe a lista por categoria

Na hora de montar a lista, a Proteste indica separar os produtos por setor como carnes, frios, bebidas e padaria. Essa categorização irá minimizar o risco de andar pelos corredores do supermercado sem rumo, tornando o momento das compras mais prático e ágil. 

Outra orientação dada pela Proteste é iniciar a listagem conforme as particularidades de cada produto no supermercado. Os primeiros itens devem ser os produtos de higiene e limpeza, pois segundo o órgão, esses tipos de mercadorias costumam ser mais pesadas e volumosas, e devem ser colocadas no carrinho antes, para evitar amassar os outros produtos, sobretudo alimentos. Em seguida, é hora de ir para as bebidas, pois também possuem as mesmas características de peso que os itens citados anteriormente. 

Por fim, a Proteste recomenda ir para o setor de alimentos. No primeiro momento deve-se priorizar os não perecíveis, como arroz e feijão. A seção de hortifruti deve vir em seguida, pois dessa forma, os alimentos frescos não correrão o risco de serem amassados com os outros produtos. 

Os congelados são os últimos itens que devem vir na lista. Esses alimentos ficam em setores de refrigeração e para mantê-los conservados por mais tempo, é preciso pegá-los no final das compras.

Estabeleça um teto de gastos 

Outra orientação fornecida pela Serasa é a organização de um orçamento mensal próprio para as compras mensais. Nesse processo, pode ser interessante estipular um teto de gastos para o supermercado. Por exemplo, se uma família gasta aproximadamente R$ 1.000 por mês, dividindo para 4 semanas o teto de gastos semanal será de R$ 250.

Quem utiliza o vale-alimentação, por exemplo, pode conseguir ter mais controle ao delimitar o saldo disponível como o orçamento reservado para as compras no supermercado. 

Diante da mudança frequente dos preços nas prateleiras, a Serasa recomenda estabelecer novas táticas, como  a substituição de alguns produtos ou marcas para fugir dos gastos elevados. 

FAE Centro Universitário oferece à comunidade orientações fiscais e contábeis gratuitas

Com o objetivo de prestar serviços gratuitos à comunidade, a FAE Centro Universitário está participando do Núcleo de Apoio Contábil e Fiscal (NAF), um projeto em parceria com a Receita Federal que tem como objetivo oferecer serviços contábeis e fiscais à população de menor poder aquisitivo, sem custos (veja abaixo os principais atendimentos oferecidos).

A disponibilização dessas informações pode ser feita a pessoas físicas de baixa renda, bem como a microempresas, microempreendedores individuais e entidades sem fins lucrativos.

Os atendimentos vão ocorrer a partir do dia 8 de agosto, todas as terças-feiras, das 16h40 às 18h40, no Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) da FAE campus São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Cada pessoa terá meia hora para receber as orientações. Os interessados devem fazer o agendamento prévio pelo telefone 0800 727 4001.

As orientações são realizadas por professores e estudantes do curso de Ciências Contábeis da FAE, dando a oportunidade de aprendizado e prática aos estudantes, sempre com a supervisão dos professores. 

Abaixo, os principais atendimentos ofertados:

  • Auxílio à elaboração e orientações sobre a declaração de ajuste anual do imposto de renda pessoa física (IRPF) / Malha fiscal / Isenções IRPF
  • Auxílio à inscrição e informações cadastrais do CPF e do CNPJ
  • Auxílio à emissão e informações sobre certidões negativas de débitos pessoa física e pessoa jurídica / certidão negativa unificada
  • Auxílio à consulta sobre a situação fiscal / pesquisa de situação fiscal
  • Informações e auxílio à regularização do CPF suspenso
  • Informações e auxílio à elaboração de pedidos de isenção de IRPF para portadores de moléstias graves
  • Orientações e auxílio à elaboração de pedidos de isenção IPI/IOF na compra de veículos por pessoas com deficiência física, mental ou visual
  • Auxílio à apresentação de pedidos de restituição de pagamentos indevidos e/ou a maior (Perdcomps)
  • Informações gerais sobre ITR (imposto territorial rural)
  • Auxílio à inscrição e informações gerais sobre o microempreendedor individual (MEI) e parcelamento MEI
  • Auxílio à inscrição e informações gerais sobre o Simples Nacional
  • Auxílio à inscrição e informações cadastrais da matrícula CEI eSocial para empregador doméstico
  • Auxílio à emissão e informações sobre guias para o recolhimento da contribuição previdenciária de produtores rurais pessoa física, segurado especial, contribuinte individual e obras de pessoas físicas

SERVIÇO

NÚCLEO DE APOIO CONTÁBIL E FISCAL (NAF)

Orientações fiscais e contábeis gratuitas

ONDE: campus FAE São José dos Pinhais

ENDEREÇO: Avenida Rui Barbosa, 9551, Centro – SJP

AGENDAMENTOS: pelo telefone 0800 727 4001