Confira os trajetos dos caminhões da Coca-Cola que passarão hoje e amanhã por Curitiba

Depois do sucesso do anúncio da caravana da Coca-Cola aqui no Busão Curitiba, aqui está também os trajetos completos de quem nos perguntou nos comentários:

Confira os trajetos completos:

04 de dezembro – Terça-feira – Curitiba

  • Fábrica da Coca-Cola Femsa / Rua Jorge Gomes Rosa / Rua Capitao Leonidas Marques / Rua Augusto Zibarth / Rua José Hauer / Rua Willian Booth/ Rua Desembargador Antonio de Paula / Rua Arthur Manoel Iwersen / Rua Maestro Carlos Frank / Rua Isaac Ferreira da Cruz / Rua dos Pioneiros / Rua Rancho Alegre / Rua Isaac Ferreira da Cruz / Rua Emanuel Voluz / Rua Franscisco Raitani / Rua Irmas Paulinas / Av Brasília / Rua Eduardo Carlos Pereira – Rápida do Portão passa na frente do Palladium e Muffato / Rápida Portão Centro / Rua Guilherme Pugsley / Rua Rio Grande do Sul / Cruza a Republica Argentina / Rua Professor Ulisses Vieira / Av Presidente Arthur Bernardes / Av General Mario Tourinho / Rodovia do Café / PARADA ESTACIONAMENTO DO PARQUE BARIGUI / Rua Otávio Gunz / Rodovia do Café / Major Heitor Guimarães / Mario Tourinho / Silva Jardim / Viaduto do Colorado / Brasilio Itibere / Av Prefeito Omar Sabbag / BR 277 / Fabrica BR Coca-Cola Femsa.

05 de dezembro – Quarta-feira – Curitiba e São José dos Pinhais

  • Saída da Fábrica da Coca-Cola Femsa, às 18h30, Coca-Cola Femsa R. Capitão Leônidas Marques, R. Henrique Mehl, Av. Senador Salgado Filho, R. Dr. Bley Zornig, Av. Mal. Floriano Peixoto, R. Pastor Carlos Frank, R. Zonardy Ribas, R. Maestro Carlos Frank, Av. Mal. Floriano Peixoto, Av. das Américas, Rua Zacarias Alves Pereira, Rua Voluntários da Pátria, Rua Barão do Cerro Azul, Rua Dona Izabel A Redentora, Av. Rui Barbosa, Rua John Lennon, Rua Almirante Alexandrino – PARADA PARQUE DA FONTE/CASA DO PAPAI NOEL, Rua Harry Feeken, Av. Rui Barbosa, Av. das Torres, Av. Comendador Franco, R. Brasílio Itiberê, Av. Dr. Dário Lopes Dos Santos, R. Engenheiro Ostoja Roguski, R. João Dranka, R. Urbâno Lopes, R. Delegado Leopoldo Belczak, Av. Nossa Senhora da Penha, Av. Mal. Humberto de Alencar Castelo Branco, Av. Nossa Senhora da Luz, R. Itupava, R. Sete de Abril, R. Alberto Bolliger, R. Augusto Severo, R. Mal Hermes, MUSEU OSCAR NIEMEYER, R. Mal Hermes, Praça Rio Iguaçu, Av. Cândido de Abreu, R. Ernâni Santiago de Oliveira, R. Ivo Leão, Travessa José do Patrocínio, R. Mauá, R. Amâncio Môro, R. Ubaldino do Amaral, Av. Prefeito Omar Sabbag, Av. Prefeito Lothário Meisser (Jardim Botânico), Volta para fábrica via BR-277.

Fonte: MassaNews.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Campanha Papai Noel dos Correios começa nesta quinta-feira

Os desejos de Natal de crianças até 10 anos, em situação de vulnerabilidade social, já podem começar a ser enviados aos Correios onde, todos os anos, milhares de ajudantes do Papai Noel vão buscar as famosas cartinhas.

A campanha começou há mais de 30 anos, quando empregados da empresa, comovidos com as cartinhas em caligrafia recém-aprendida ou transformadas em desenhos coloridos que chegavam, decidiram tirar esses sonhos do papel. Somente nos últimos dez anos mais de 6 milhões de cartinhas já foram atendidas.

Nesta edição, até o momento, mais de 65 mil cartas já chegaram. Os pedidos são variados: vão de brinquedos a gêneros de primeira necessidade como cestas básicas e até mesmo material escolar.

A professora Fabíola Neves é uma das ajudantes do bom velhinho e, todos anos, mobiliza colegas de trabalho, familiares e amigos para realizar sonhos de Natal. “Todo ano muita gente se compromete a ajudar. Algumas cartinhas são muito emocionantes. Uma vez, uma menina de 8 anos disse o sonho dela era dar à mãe um jogo de xícaras. Na carta, ela dizia que durante uma brincadeira quebrou as que tinham em casa e que sua mãe tinha ficado muito triste. Não tem como não atender a um pedido desses”, lembrou.

Este ano, com o avanço da vacinação, a campanha será híbrida. O envio e a adoção das cartas podem ser realizadas pessoalmente – nas agências participantes e nas casas do Papai Noel montadas pelo país -, e também no blog da campanha.

“Ano passado, a campanha teve que ser inteiramente digital em razão da pandemia que impactou profundamente a vida de todos. Entretanto, com a vida retornando aos poucos à normalidade e primando pelos cuidados ainda necessários para preservar a saúde das pessoas, é com muita alegria que anunciamos que a campanha terá formato híbrido”, destacou o presidente dos Correios, general Floriano Peixoto.

Pedidos

Segundo os Correios, as cartinhas ao Papai Noel devem ser manuscritas e, depois, fotografadas ou digitalizadas e enviadas ao Blog Noel da campanha. “É importante enviar uma imagem nítida para que a mensagem possa ser lida e compreendida pelo Papai Noel”, orientou a empresa.

Pelas regras da campanha só será aceita uma carta por criança. As correspondências ao Papai Noel devem ser de alunos da rede pública até o 5º ano do ensino fundamental ou de crianças acolhidas em creches, abrigos e núcleos socioeducativos.

Também podem participar crianças com deficiência, independentemente da idade. “Não serão selecionadas as cartas que contenham endereço, telefone e/ou foto da criança. A identificação da criança será realizada no momento do cadastro e não será divulgada para os padrinhos, em nenhuma hipótese”, alertam os Correios.

Adoção

Para adotar uma carta os interessados podem se dirigir a uma unidade participante da ação pelo blog da campanha clicar em Adoção On-line e seguir os passos. A partir daí basta escolher a localidade para visualizar as cartinhas disponíveis em cada cidade ou município.

Presentes

A entrega de presentes deverá ser feita presencialmente, no ponto de entrega mais próximo da localidade indicada no blog. O atendimento presencial será realizado com atenção aos protocolos de segurança – uso de máscaras e distanciamento –, para evitar aglomerações.

As datas, locais e horários de lançamento da campanha podem variar em cada estado. Todas as informações estão disponíveis no endereço do blog.

Na COP26, Curitiba fica no grupo das cidades com compromisso ousado na redução de emissões de carbono

Curitiba está entre as 1.049 cidades do mundo a confirmar um compromisso mais ousado em relação às emissões de carbono. O acordo faz parte da campanha Race to Zero (corrida para o zero, em tradução livre), que teve seu balanço divulgado nesta terça-feira (2/11) pela Rede de Cidades C40 na COP26, a 26ª Conferência das Nações Unidas para o Clima, em Glasgow, na Escócia.

As informações são do prefeito Eric Garcetti, de Los Angeles, ao passar a presidência da Rede C40 ao prefeito de Londres, Sadiq Khan. “Mais de mil cidades seguem unidas pelo histórico compromisso de fazer desta década uma ação exponencial em relação ao futuro”, disse.

Segundo novas estimativas das cidades, ações coletivas têm potencial de reduzir as emissões em pelo menos 1,4 gigatoneladas de carbono até 2030. O acordo prevê que a redução das emissões deva chegar à metade nos próximos nove anos e à neutralidade em 2050.

As 1.049 cidades e governos locais representam, segundo a C40, cerca de 722 milhões de pessoas. Além da capital paranaense, o Brasil tem, entre as signatárias, mais sete capitais: Rio de Janeiro, Salvador, Belo Horizonte, São Paulo, Recife, Fortaleza e João Pessoa.

Como chegar lá

Curitiba lançou, no final de 2020, o Plano Municipal de Mitigação e Adaptação às Mudanças Climáticas de Curitiba (PlanClima), que consolida o compromisso da cidade com o enfrentamento às Mudanças Climáticas, com a melhoria da qualidade urbana e ambiental e com a qualidade de vida de seus habitantes. O material teve o apoio da C40 em sua elaboração.

O objetivo é tornar a cidade neutra em carbono, adaptada às mudanças climáticas e resiliente até 2050, alinhando-a às metas internacionais de enfrentamento do aquecimento global. A principal delas, do Acordo de Paris, é de conter o aumento da temperatura média global no limite dos 2°C, com esforços para que o aquecimento estabilize-se em torno de 1,5°C.

Com vocação ambiental, Curitiba já tem uma série de ações que visam a recuperação do ambiente urbano, a redução de emissões de gases e a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas. Entre elas, destacam-se:

Amigo dos Rios e 100 Mil Árvores

Programas que promovem melhorias ambientais com a participação da comunidade e consistem, basicamente, na limpeza dos corpos hídricos e na recomposição da vegetação nativa.

Curitiba Mais Energia

O programa busca popularizar o uso da energia limpa na cidade. Já foi responsável pela implantação de painéis fotovoltaicos no Palácio 29 de Março e pelos projetos para instalação da Usina Solar do Caximba no aterro sanitário desativado, em terminais de ônibus e na rodoferroviária. Os projetos foram selecionados pelo C40, Cities Finance Facility, para apoio na elaboração. O Curitiba Mais Energia ainda conta ainda com painéis no Salão de Atos do Parque Barigui e com a CGH Nicolau Kluppel, que gera energia na queda d’água do Parque Barigui.

Gestão de Risco Climático Bairro Novo do Caximba

Com o financiamento de US$ 57 milhões da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), aborda principalmente a questão de adaptação e do aumento da resiliência urbana, com ações de relocação de famílias de áreas de risco, implantação de um dique para a contenção de cheias, reestruturação urbana e a construção de um parque linear.

Mobilidade urbana

A melhoria da infraestrutura de calçadas e cicloviária para promover a mobilidade ativa e a modernização do Inter 2 e do BRT Leste-Oeste, também são exemplos de projetos que reforçam a importância da redução de emissões de GEE provenientes dos combustíveis fósseis.

Segurança alimentar

Implantação de hortas comunitárias e da Fazenda Urbana, com seus respectivos Jardins de Mel, garantindo a população de abelhas sem ferrão para polinização, por meio da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional. Além de garantir alimentação de qualidade, reforça a infraestrutura verde da cidade com cultivos naturais.

Reserva Hídrica do Futuro

Projeto busca ampliar a capacidade de reservação de água para o consumo da população, com implantação de caixas d’água em comunidades que sofrem com os problemas do abastecimento e com a reservação hídrica nas áreas das cavas do Rio Iguaçu.