Confira exposições para ver durante a semana, sem gastar e com segurança

Com a reabertura dos espaços de exposições da Fundação Cultural de Curitiba em horário reduzido, em obediência ao decreto municipal com medidas de controle e prevenção da covid-19, o público pode ter acesso a atrações culturais gratuitas e para todas as idades. Elas podem ser vistas somente de terça a sexta-feira e para entrar em cada local é preciso usar máscara, passar álcool em gel e verificar a temperatura corporal.

Duas delas estão no Solar do Barão, no Centro. Na Gibiteca, continuam em cartaz as mostras Punk Afonso e Viajante Ilustrado. A primeira é uma homenagem ao quadrinista Rodrigo Belato, criador do personagem e que morreu no ano passado. A segunda traz desenhos e histórias assinadas por André Caliman, feitas a partir de viagens do artista pelo Brasil e pela Europa. Viajante Ilustrado também pode ser visitada virtualmente.

Personagem de Belato é tema de mostra na Gibiteca.

Centro Histórico e Centro Cívico

Atravessando o pátio do centro cultural, no Museu da Fotografia, é possível ver Cartografia Mítica da Escarpa Devoniana, mostra da artista visual Maria Baptista e que foi aberta esta semana. Além de fotografias recentes e mais antigas, estão expostos mapas e objetos reunidos por Baptista durante sua incursão pela área de proteção ambiental.

Mostra da artista Maria Baptista (Escarpa Devoniana). Foto: Divulgação

A poucos metros do Solar, no Centro Histórico, o público pode chegar ao Memorial de Curitiba e visitar duas atrações.  A exposição Sérgio Ferro: um artista curitibano, brasileiro e universal, está no Salão Paranaguá, no 1º andar. No mesmo piso, é possível apreciar a beleza dos Altares Retábulos da Matriz de Curitiba. Feitas em cedro, as peças vieram de Portugal e datam do século 18.

No Centro Cívico, a sugestão é o Memorial Polonês do Bosque João Paulo II. Além da beleza natural do lugar, é possível conhecer a réplica de uma capela e de ambientes domésticos dos primeiros imigrantes vindos da Polônia, além de comprar artesanato.

Turin e ucranianos

Seguindo pela Mateus Leme, que dá acesso ao Memorial, o visitante chega ao recém-revitalizado Parque São Lourenço. O local abriga o novo Memorial Paranista e o Jardim das Esculturas do artista plástico João Turin.

Como o São Lourenço é um destino muito procurado pelos moradores e visitantes, é preciso agendar a visita neste link por causa das exigências sanitárias sobre lotação máxima e distanciamento social.

Seguindo pela João Gava em direção ao caminho que leva ao Parque Tingui, sede do Memorial à Imigração Ucraniana. No local é possível ver construções relacionadas aos primeiros imigrantes, como a réplica da mais antiga igreja ucraniana do Brasil, uma exposição de pêssankas, ícones religiosos e objetos.

MuMA

Do outro lado da cidade, no Portão Cultural, três exposições abertas no MuMA – o Museu Municipal de Arte de Curitiba aguardam os visitantes. São elas De Profundis, com pinturas e instalações da artista plástica Yara Martins; Afluxos, de Luciana Silveira; e a instalação de arte digital Para Continuar Navegando, de Fabiana Caldart e Felipe Gomes.

De Profundis, de Yara Martins, está no Portão Cultural. Foto: Divulgação

Quem for até o MuMA pode aproveitar para apreciar as peças de arte em exposição permanente no local. É o caso dos painéis cerâmicos de Franco Giglio, na entrada do centro cultural; o painel em madeira de Poty Lazzarotto; e a escultura em concreto de Tomie Ohtake, na parte de trás do espaço.

Serviço: exposições em espaços da FCC

Somente de terça a sexta-feira
Horários restritos
Com cuidados para prevenir a propagação do novo coronavírus
(máscara, álcool em gel, medição de temperatura corporal)

Horários e endereços
– Memorial de Curitiba (Rua Dr. Claudino dos Santos, 79, Largo da Ordem) – de terça a sexta-feira, das 10h às 12h e das 13h às 16h.
– Memorial Ucraniano (Rua Dr. Mbá de Ferrante s/nº, Parque Tingui) – de segunda sexta-feira, das 10h às 16h
– Memorial Polonês (Rua Mateus Lemes, em frente ao Portal Polonês) – de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Às 9h abrem a capela e a casa de artesanato e, às 10h, os espaços expositivos.
– Memorial Paranista (Rua Mateus Leme, 4700, São Lourenço) – de terça a sexta-feira, das 10h às 18h (o último grupo de visitantes entra às 17h)
– Solar do Barão (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Centro):
Museu da Fotografia – de terça a sexta-feira, das 12h às 18h
Gibiteca – de terça a sexta, das 12h às 18h
Museu da Gravura – de terça a sexta-feira, das 12h às 18h
– MuMA (Museu Municipal de Arte, Portão Cultural) – de terça a sexta-feira, das 10h às 18h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira cinco exposições imperdíveis pelos museus de Curitiba

Com as portas abertas e todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Estado do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte.

As instituições estão na mesma área (entre Centro, Centro Histórico e Centro Cívico), o que facilita percorrer os museus em um único grande passeio para conhecer as novidades montadas durante as restrições de circulação e que agora podem ser aproveitadas pelo público.

Vale lembrar que é expressamente obrigatório o uso de máscaras protetoras no interior dos museus, que estão sinalizados para manter o distanciamento entre os visitantes e equipados com tapetes sanitizantes e dispositivos de álcool em gel.

Nesse pequeno roteiro, a Secretaria da Comunicação Social e da Cultura apresenta cinco das principais exposições em cartaz nessas instituições.

Schwanke, uma Poética Labiríntica (MON)

O icônico Olho do MON apresenta um dos artistas mais premiados da arte brasileira. Luiz Henrique Schwanke (1951-1992) tem a singularidade de permitir diferentes abordagens em sua obra e se estender por variadas formas, o que inclui desenhos, pinturas, livros, objetos, esculturas e instalações, num conjunto complexo e surpreendente. Com curadoria de Maria José Justino, a mostra faz uma retrospectiva do trabalho do artista desde a década de 1970 até as últimas produções, num total de mais de 150 obras, sendo boa parte inédita.

Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Terça a domingo, das 10h às 18h

Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Educação pela pedra (Mupa)

Com curadoria de Moacir dos Anjos, a mostra inaugura a parceria entre o Museu Paranaense (Mupa) e a Fundação Joaquim Nabuco, do Recife. As obras de importantes artistas contemporâneos reunidas no belo espaço expositivo do Mupa, Centro Histórico da Capital, têm ou não a pedra como referência direta, mas de alguma forma remetem às lições do poema Educação pela Pedra, escrita por João Cabral de Melo Neto em 1966: a resistência, a concretude, a concisão e a impessoalidade. São audiovisuais, instalações e fotografias que desafiam o espectador na capacidade de articular a arte com a sua própria bagagem e aspirações.

Rua Kellers, 289 – Alto São Francisco

Terça a domingo, das 10h às 17h30. Aos finais de semana é necessário fazer agendamento prévio AQUI

Entrada gratuita

Com as portas abertas e com todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte. – Curitiba, 15/07/2021 – Foto: Kraw Penas/SECC

Verdeazul – mostra individual de Dulce Osinski (MAC)

Museu de Arte Contemporânea do Paraná apresenta a exposição inédita Verdeazul, da artista paranaense Dulce Osinski. Ela investiga uma das grandes utopias da modernidade: a natureza. Nas palavras do curador Benedito Costa Neto, “a humanidade demorou séculos para ver o mundo de cima”, e Dulce – maravilhada, curiosa e encantada com essa questão – apresenta essas paisagens a partir de uma perspectiva que dá a sensação de “sermos deuses” ou anjos, observando o mundo do alto.

A exposição abrange a produção mais recente da artista: pinturas, gravuras e aquarelas produzidas entre 2008 e 2021, e é acompanhada de uma segunda mostra complementar, realizada na Sala Adalice Araújo (na sede da Superintendência-Geral da Cultura) onde o público pode conhecer outros trabalhos de Dulce Osinski, que fazem parte da coleção do MAC Paraná.

MAC no MON

Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico

Terça a domingo, das 10h às 18h

Entrada: R$ 20 e R$ 10 (meia)

Sala Adalice Araújo

Rua Ébano Pereira, 240 – Centro

Segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 13h30 às 18h

Entrada gratuita

Com as portas abertas e com todas as medidas sanitárias para uma visita segura, os museus do Paraná em Curitiba estão repletos de atrações para os visitantes saudosos do contato com a arte. – Curitiba, 15/07/2021 – Foto: Kraw Penas/SECC

Mostra permanente (MCAA)

A mostra permanente do Museu Casa Alfredo Andersen é focada nas obras do pintor em suas diversas fases. Lá é possível encontrar exemplares de seus três períodos, o norueguês (1873-1892), o litorâneo (1892-1902) e o curitibano (1902-1935). O curioso é perceber como o ambiente e o clima influenciaram Andersen em cada momento de sua vida: das paisagens, que transitam entre o realismo e o romantismo, até os retratos da sua fase final, carregadas de uma emoção pura, como escreveu a crítica Adalice Araújo. As pinturas do “pai da pintura paranaense” são, além de tudo, um símbolo do trânsito cultural entre o Brasil e a Europa na primeira metade do século XX.

Rua Mateus Leme, 336 – Centro

Terça a sexta-feira, das 10h às 17h30; sábados e domingos, das 10h às 16h

Entrada gratuita

Ilhas da Imaginação (MIS-PR)

Partindo de seu acervo tridimensional, a exposição do Museu da Imagem e do Som do Paraná é um mergulho pelos dados históricos, técnicos e curiosidades, guiando o público para memórias e invenções audiovisuais. A coleção conta hoje com aproximadamente mil itens, entre câmeras fotográficas, filmadoras, moviolas, toca-discos, vitrolas, televisores, projetores e muitos outros equipamentos ligados às áreas de cinema, fotografia, rádio e televisão, doados ao museu pela comunidade, veículos de comunicação e instituições locais.

Rua Barão do Rio Branco, 395 – Centro

Terça a sexta-feira, das 10h às 17h; sábados e domingos, das 10h às 16h

Entrada gratuita

A Caminhada Noturna do Parque Vila Velha está de volta! Saiba como fazer o passeio

A Caminhada Noturna do Parque Vila Velha está de volta! No dia 24 de julho acontece o primeiro passeio do ano, os ingressos já estão à venda no site do parque e as vagas são limitadas.   

Os passeios serão realizados de maneira quinzenal, aos sábados de Lua Nova ou Lua Cheia. 

Foto: Sérgio Mendonça Jr

A experiência começa com um tour pelo sistema solar. Em seguida, começa a caminhada pela Trilha principal dos Arenitos, com parada para contemplação na Taça Vila Velha. Ao final do passeio, os visitantes podem observar o céu com telescópio no Centro de Visitantes, tudo com orientação de um especialista em Astronomia. ​

Foto: Sérgio Mendonça Jr

O restaurante do parque ficará aberto para que os visitantes possam se abastecer antes do passeio, já que não é permitido o consumo de bebidas e alimentos durante a caminhada. 

A Caminhada Noturna de Vila Velha é um passeio incrível e vale a pena conhecer. Os ingressos custam R$ 88  por pessoa. As informações completas estão no site do parque.

Serviço Caminhada Noturna Parque Vila Velha 

Data: 24 de julho

Ingressos: 88 reais por pessoa; acesse aqui!