Confira exposições para ver durante a semana, sem gastar e com segurança

Com a reabertura dos espaços de exposições da Fundação Cultural de Curitiba em horário reduzido, em obediência ao decreto municipal com medidas de controle e prevenção da covid-19, o público pode ter acesso a atrações culturais gratuitas e para todas as idades. Elas podem ser vistas somente de terça a sexta-feira e para entrar em cada local é preciso usar máscara, passar álcool em gel e verificar a temperatura corporal.

Duas delas estão no Solar do Barão, no Centro. Na Gibiteca, continuam em cartaz as mostras Punk Afonso e Viajante Ilustrado. A primeira é uma homenagem ao quadrinista Rodrigo Belato, criador do personagem e que morreu no ano passado. A segunda traz desenhos e histórias assinadas por André Caliman, feitas a partir de viagens do artista pelo Brasil e pela Europa. Viajante Ilustrado também pode ser visitada virtualmente.

Personagem de Belato é tema de mostra na Gibiteca.

Centro Histórico e Centro Cívico

Atravessando o pátio do centro cultural, no Museu da Fotografia, é possível ver Cartografia Mítica da Escarpa Devoniana, mostra da artista visual Maria Baptista e que foi aberta esta semana. Além de fotografias recentes e mais antigas, estão expostos mapas e objetos reunidos por Baptista durante sua incursão pela área de proteção ambiental.

Mostra da artista Maria Baptista (Escarpa Devoniana). Foto: Divulgação

A poucos metros do Solar, no Centro Histórico, o público pode chegar ao Memorial de Curitiba e visitar duas atrações.  A exposição Sérgio Ferro: um artista curitibano, brasileiro e universal, está no Salão Paranaguá, no 1º andar. No mesmo piso, é possível apreciar a beleza dos Altares Retábulos da Matriz de Curitiba. Feitas em cedro, as peças vieram de Portugal e datam do século 18.

No Centro Cívico, a sugestão é o Memorial Polonês do Bosque João Paulo II. Além da beleza natural do lugar, é possível conhecer a réplica de uma capela e de ambientes domésticos dos primeiros imigrantes vindos da Polônia, além de comprar artesanato.

Turin e ucranianos

Seguindo pela Mateus Leme, que dá acesso ao Memorial, o visitante chega ao recém-revitalizado Parque São Lourenço. O local abriga o novo Memorial Paranista e o Jardim das Esculturas do artista plástico João Turin.

Como o São Lourenço é um destino muito procurado pelos moradores e visitantes, é preciso agendar a visita neste link por causa das exigências sanitárias sobre lotação máxima e distanciamento social.

Seguindo pela João Gava em direção ao caminho que leva ao Parque Tingui, sede do Memorial à Imigração Ucraniana. No local é possível ver construções relacionadas aos primeiros imigrantes, como a réplica da mais antiga igreja ucraniana do Brasil, uma exposição de pêssankas, ícones religiosos e objetos.

MuMA

Do outro lado da cidade, no Portão Cultural, três exposições abertas no MuMA – o Museu Municipal de Arte de Curitiba aguardam os visitantes. São elas De Profundis, com pinturas e instalações da artista plástica Yara Martins; Afluxos, de Luciana Silveira; e a instalação de arte digital Para Continuar Navegando, de Fabiana Caldart e Felipe Gomes.

De Profundis, de Yara Martins, está no Portão Cultural. Foto: Divulgação

Quem for até o MuMA pode aproveitar para apreciar as peças de arte em exposição permanente no local. É o caso dos painéis cerâmicos de Franco Giglio, na entrada do centro cultural; o painel em madeira de Poty Lazzarotto; e a escultura em concreto de Tomie Ohtake, na parte de trás do espaço.

Serviço: exposições em espaços da FCC

Somente de terça a sexta-feira
Horários restritos
Com cuidados para prevenir a propagação do novo coronavírus
(máscara, álcool em gel, medição de temperatura corporal)

Horários e endereços
– Memorial de Curitiba (Rua Dr. Claudino dos Santos, 79, Largo da Ordem) – de terça a sexta-feira, das 10h às 12h e das 13h às 16h.
– Memorial Ucraniano (Rua Dr. Mbá de Ferrante s/nº, Parque Tingui) – de segunda sexta-feira, das 10h às 16h
– Memorial Polonês (Rua Mateus Lemes, em frente ao Portal Polonês) – de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Às 9h abrem a capela e a casa de artesanato e, às 10h, os espaços expositivos.
– Memorial Paranista (Rua Mateus Leme, 4700, São Lourenço) – de terça a sexta-feira, das 10h às 18h (o último grupo de visitantes entra às 17h)
– Solar do Barão (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 533, Centro):
Museu da Fotografia – de terça a sexta-feira, das 12h às 18h
Gibiteca – de terça a sexta, das 12h às 18h
Museu da Gravura – de terça a sexta-feira, das 12h às 18h
– MuMA (Museu Municipal de Arte, Portão Cultural) – de terça a sexta-feira, das 10h às 18h

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Profissionais de hospital de Curitiba comemoram primeiro dia sem casos na UTI de Covid-19

O dia 18 de outubro de 2021, segunda-feira, já entrou para a história de um hospital de Curitiba: desde março de 2020, quando iniciou a pandemia, este foi o primeiro dia sem casos de Covid-19 ativos na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Marcelino Champagnat.

“Foi um ano e meio muito intenso, de muitas provações para mim e todos os meus colegas, mas a gente conseguiu vencer graças à ajuda da população também”, comemorou a médica intensivista do hospital, Silvia Maria Nascimento Ferreira.

No auge da pandemia, o hospital registrou lotação máxima de 52 pacientes, com ‘fila de espera’ para internamento.

“Tivemos essa grande notícia exatamente no dia do médico, então foi um presente que trouxe uma sensação de alívio e dever cumprido”, explicou Jarbas da Silva Motta Junior, também médico do hospital.

Covid-19

A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba registrou, nesta segunda-feira (18), 96 novos casos de covid-19 e cinco óbitos de moradores da cidade infectados pelo coronavírus. Dois destes óbitos ocorreram nas últimas 48 horas.

As vítimas são dois homens e três mulheres, com idades entre 43 e 82 anos. Duas pessoas tinham menos de 60 anos.

Até o momento, foram contabilizadas 7.685 mortes na cidade provocadas pela doença neste período de pandemia.

Novos casos

Com os novos casos confirmados, 295.372 moradores de Curitiba testaram positivo para a covid-19 desde o início da pandemia, dos quais 285.398 estão liberados do isolamento e sem sintomas da doença.

São 2.289 casos ativos na cidade, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

Leitos do SUS

Nesta segunda-feira (18/10), a taxa de ocupação dos 235 leitos de UTI SUS exclusivos para covid-19 está em 42%. Restam 136 leitos livres.

A taxa de ocupação dos 209 leitos de enfermarias SUS covid-19 está em 50%. Há 105 leitos vagos.

A SMS esclarece que os dados da ocupação de leitos em Curitiba são dinâmicos, com alterações ao longo do dia.

Informações Banda B

Athena ou Pandora? População pode escolher nome da nova onça-parda de Curitiba

Os paranaenses podem ajudar a escolher o nome completo da onça-parda encaminhada para o Zoológico de Curitiba na última semana. A iniciativa é da Secretaria estadual do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, por meio do Instituto Água e Terra (IAT), em parceria com a prefeitura da Capital.

A onça-parda passou por quatro meses de tratamento no Cafs UniFil, unidade parceira do IAT no atendimento à fauna silvestre, em Londrina, no Norte do Estado. Encontrada na PR-151, próximo a Ribeirão Claro, no Norte Pioneiro, a suspeita é que ela tenha sido vítima de atropelamento.

No Centro de Atendimento à Fauna Silvestre, ela foi tratada pelo nome de Mali. O objetivo agora, como parte da Política Estadual de Educação Ambiental do IAT, é que a população escolha um segundo nome para ela, de forma a despertar o cuidado para a fauna silvestre.

Para a escolha do nome da onça-parda, é possível votar em duas opções, uma sugerida pelos funcionários do Zoológico de Curitiba, local de residência definitiva do animal, e outra escolhida pelos funcionários da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, em votação interna.

As sugestões são Mali Athena e Mali Pandora.

Inicialmente em quarentena, a onça será encaminhada para visitação pública no Zoológico e poderá ser vista por todos que visitarem o local.

“Manter o nome que ela já vinha sendo chamada durante os quatro meses de tratamento no CAFS é importante para a recuperação da onça e continuidade do seu tratamento. Mas a campanha é importante para que toda a comunidade se sinta parte dessa história”, disse a chefe do setor de Fauna do IAT, Paula Vidolin.

CAMPANHA  Mali passou por um tratamento com células-tronco no Cafs UniFil e ainda apresenta pequenos sinais de problemas neurológicos. Além disso, o fato de ela ser encontrada sem a mãe, muito nova, faz com que não consiga mais desenvolver o instinto de caça, necessário para sobreviver no seu habitat.

COMO PARTICIPAR – A população pode realizar a votação até a próxima quinta-feira (21) no site www.sedest.pr.gov.br/Formulario/Vamos-dar-um-sobrenome-oncinha-Mali. O questionário foi desenvolvido pela Companhia de Tecnologia da Informação e Comunicação do Paraná (Celepar) e pode ser acessada por qualquer dispositivo.