COLUNA DO PEDRO: Se todos são iguais perante a lei, por que uma fila de vacinação?

Quase um ano após o início da maior epidemia mundial das últimas décadas, com milhares de mortos no Brasil, é natural que todos estejam cansados – muito cansados – e esperançosos para o fim do filme de terror que se iniciou com a COVID 19.

Na contramão da ciência de whatsapp, segundo a esmagadora maioria da comunidade científica especializada, a COVID 19 não conta com um tratamento medicamentoso apto a fornecer uma cura efetiva.

Desta forma, a saída para esta crise se dará por meio da vacinação, assim como anteriormente se deu com a varíola, sarampo, caxumba, rubéola, entre outras. Infelizmente ainda não inventaram uma vacina contra fake news.

Natural que todos – ou quase todos – estejamos ansiosos pela vacina, sendo a saúde um direito fundamental de todos os brasileiros.

Mas, sendo um direito que todos temos, e assumindo que todos são iguais perante a lei, por qual razão existe uma fila para a vacina? A existência de prioridade para alguns grupos serem vacinados não viola esta premissa? Não seria furar a fila?

Emprestando a fala dos professores de física da época de escola, em condições ideais de temperatura de pressão, poderia, em hipótese, ser uma violação. Mas por qual razão, na nossa realidade, não é?

Vamos imaginar um primeiro cenário: Enzo e Valentina, ambos de 18 anos, chegam em um posto médico, um depois do outro, para serem atendidos o dedão do pé quebrado. Existe apenas um médico. Quem é atendido primeiro? Neste caso, por ambos terem o mesmo problema, com a mesma gravidade, além de um perfil parecido, respeitamos a ordem de chegada. É uma aplicação simples do princípio da isonomia, que afirma que todos são iguais perante a lei.

Num segundo cenário, contanto o posto médico com apenas um médico, o mesmo Enzo chega com o dedão do pé quebrado, e, logo após, chega Astolfo, de 85 anos, em parada cardíaca. Enzo chegou primeiro, contudo a gravidade do quadro de Astolfo, que pode resultar em óbito, fará ele ser atendido primeiro.

Com isso podemos dizer que a ordem de chegada é a regra, mas o maior risco à vida gera uma exceção; isto pois, embora todos tenham direito a saúde, a saúde de um está sob uma ameaça concreta maior do que a do outro.

Riscos de mesmo tamanho possuem a mesma prioridade. Riscos maiores possuem prioridade maior.

Esta é a lógica da fila de vacinação, todos têm o direito à vacina, é a regra, mas aqueles que estão mais expostos ao risco e aos danos decorrentes possuem prioridade.

Claro, importante notar que o que separa a exceção da violação da regra é a justificativa. Ao eleger grupos prioritários, a autoridade pública tem a obrigação de apresentar a justificativa de sua escolha, comprovando as suas razões.

A fila de vacinação é um exercício do direito à saúde, da mesma forma que respeitar a fila é um exercício de cidadania.

Furar a fila de vacinação é feio e deixa a mamãe triste. Além de ser ilegal.

Juntos e vacinados, cada um respeitando a sua vez, superaremos a COVID 19.

Pedro Guimarães Filho é Advogado, Mestre em Direito e Professor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Saúde convoca gestantes para antecipação da 2ª dose

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) está convocando gestantes para antecipação da segunda dose da vacina anticovid na próxima terça-feira (21/9). Devem voltar aos pontos de vacinação para concluir a imunização as gestantes que receberam a primeira aplicação da Pfizer entre os dias 26 de junho a 27 de agosto.

Inicialmente, o retorno para receber a segunda dose deste grupo estava programado para acontecer em 22 de setembro até 19 de novembro. O grupo está sendo convocado por mensagem pelo aplicativo Saúde Já, que deverá ser apresentada na hora da vacinação.

Ao todo, 1.722 mil mulheres terão a segunda dose antecipada na próxima terça-feira (21/9). O atendimento será feito em 18 pontos de vacinação abertos das 8h às 17h (lista abaixo).

Prevenção da morte materna

O adiantamento das doses para gestantes considera a importância da vacinação contra covid-19 na prevenção da morte materna, baseada em recomendações científicas. A antecipação acontece para garantir que o ciclo completo da imunização destas mulheres aconteça antes do parto.  

Dados do observatório obstétrico nacional mostram que no Brasil gestantes e puérperas representam 1% do internamento de covid-19. Dos 1.727.854 mil internados, elas são 17.264. O estudo aponta ainda um aumento na morte materna por covid-19 neste ano. Em 2020 a média nacional era de 12 óbitos por semana e em 2021 subiu para 41 óbitos maternos por semana, isso evidencia a importância da imunização deste grupo

Quem pode receber a antecipação da 2ª dose na terça-feira

– Gestantes que receberam a primeira aplicação entre os dias 26 de junho a 27 de agosto


Locais de vacinação

Das 8h às 17h


1 – US Ouvidor Pardinho

Rua 24 de Maio, 807 – Praça Ouvidor Pardinho

2 – Centro de Referência, esportes e atividade física

Rua Augusto de Mari, 2.150 – Guaíra

3 – US Salvador Allende

Rua Celeste Tortato Gabardo, 1.712 – Sítio Cercado

4 – US Parigot de Souza

Rua João Eloy de Souza, 111 – Sítio Cercado

5 – US Vila Diana

Rua René Descartes, 537 – Abranches

6 – Centro de Esporte e Lazer Avelino Vieira

Rua Guilherme Ihlenfeldt, 233 – Bacacheri

7 – US Jardim Paranaense

Rua Pedro Nabosne, 57 – Alto Boqueirão

8 – US Visitação

Rua Dr. Bley Zornig, 3136 – Boqueirão

9 – US Camargo

Rua Pedro Violani, 364 – Cajuru

10 – US Uberaba

Rua Cap. Leônidas Marques, 1392 – Uberaba

11 – Clube da Gente CIC

Rua Hilda Cadilhe de Oliveira, nº 700

12 – US Oswaldo Cruz

Rua Pedro Gusso, 3749 – Cidade Industrial

13 – US Vila Feliz

Rua Pedro Gusso, 866 – Novo Mundo

14 – US Aurora

Rua Theofhilo Mansur, 500 – Novo Mundo

15 – US Pinheiros

Rua Joanna Emma Dalpozzo Zardo, 370 – Santa Felicidade

16 – US Orleans

Av. Ver. Toaldo Túlio, 4.577 – Orleans

17 – Rua da Cidadania do Tatuquara

Rua Olivardo Konoroski Bueno, s/n

18 – Rua da Cidadania do Fazendinha

Rua Carlos Klemtz, 1.700

Grupo Risotolândia, em Araucária, anuncia 150 novas vagas de emprego

O avanço da vacinação e o alívio das medidas de restrição frente à pandemia da COVID-19 já reflete na economia. A retomada do mercado faz crescer a oferta de empregos ao redor do Brasil. Aqui no Paraná, o Grupo Risotolândia (especializado em refeições coletivas) acaba de anunciar 150 novas oportunidades para sua matriz, em Araucária. Nos próximos meses, ainda mais vagas serão abertas devido à expansão do Grupo para novos negócios.

As vagas são para auxiliares de cozinha e auxiliares de higienização, para os três turnos de trabalho. O Grupo anunciou que também vai fazer contratações para primeiro emprego e profissionais com mais de 50 anos.

Benefícios: ambiente de aprendizagem, com formação profissional gratuita, Universidade Corporativa, parceria com universidades e escolas de idiomas; alimentação no local de trabalho, vale alimentação, vale transporte, estacionamento gratuito, pagamento de bônus, premiação por tempo de casa, seguro de vida, seguro funeral, plano de saúde, plano odontológico, kit maternidade, convênio com farmácia e para compra de material de construção; para vagas noturnas, adicional noturno de 30%.

SERVIÇO

Os interessados devem comparecer na seda da empresa, em Araucária, com documentação pessoal (CPF, RG, CTPS, Título de Eleitor) nos dias 20 e 21/09 às 14h00.

Endereço: R. Luís Franceschi, 657 – Thomaz Coelho, 

Site: www.risotolandia.com.br