Colombo/CIC VOLTOU, GALERA!

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS / PREFEITURA DE CURITIBA

A linha de ônibus Colombo-CIC voltará a circular a partir da próxima segunda-feira, 23 de janeiro, beneficiando mais de 30 mil passageiros de Curitiba e do município vizinho. A primeira reintegração de linha do transporte público da capital com a Região Metropolitana foi assinada nesta segunda-feira (16) pelo prefeito Rafael e pelo governador Beto Richa.

Com a volta do Colombo/CIC, os passageiros poderão percorrer os 26 quilômetros do trajeto sem precisar mudar de ônibus. “Começamos pela linha Colombo-CIC e até junho termos outros estudos para que Curitiba volte a ter a integração de transporte que durou 20 anos.”, disse Greca. A volta da linha foi um compromisso assumido por ele na campanha eleitoral.

Greca e Richa também assinaram um protocolo de intenções para estudos técnicos de implantação do Novo Sistema Metropolitano Integrado de Passageiros.

O estudo será desenvolvido pela Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) e Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), que buscarão envolvimento dos demais municípios que integram a RMC. O trabalho deverá durar seis meses para que os técnicos façam cálculos e orientações necessários e, assim, seja possível expandir a reintegração.

O governador Beto Richa ressaltou que a integração do transporte público em Curitiba e RMC durou 20 anos e que somente a última gestão da prefeitura teve apoio e subsídios para manter o sistema. “Nenhum outro foi apoiado pelo Estado”, lembrou ele. “Mesmo assim, eles optaram pelo fim da integração do transporte, dizendo que o preço da passagem de ônibus diminuiria, o que nunca aconteceu.”, disse Richa. “Agora, com a sensibilidade do prefeito Rafael Greca, a integração do transporte voltará a ser realidade.

Desde fevereiro de 2015, quando foi rompida a integração tarifária com a RMC, a linha passou a ser atendida pelo trajeto Maracanã/Cabral, com ponto final no Terminal Cabral, onde os passageiros precisavam trocar de ônibus para continuar o trajeto. Os horários da linha Colombo-CIC foram reprogramados e podem ser consultados no site www.urbs.curitiba.pr.gov.br.

“Quando houve a desintegração financeira, o Governo do Estado garantiu a integração física-operacional do sistema com o usuário metropolitano pagando apenas uma passagem. Porém, ele tinha que trocar de ônibus no terminal mais próximo. Agora, na linha Colombo-CIC, os ônibus seguirão direto”, disse o diretor-presidente da Comec, Omar Akel.

Participaram da assinatura o ministro da Saúde, Ricardo Barros, a vice-governador Cida Borghetti, o vice-prefeito Eduardo Pimentel, o presidente da Câmara Municipal de Curitiba, Serginho do Posto, os deputados federais Luciano Ducci, Cristiane Yared, Luiz Nishimori e Hidekazu Takayama.

Colombo-CIC

A partir da próxima segunda-feira (23), a linha Colombo-CIC volta a funcionar substituindo as linhas CIC-Cabral e Maracanã-Cabral. O passageiro embarca no Terminal do Maracanã e pode seguir diretamente à CIC, cruzando o Centro de Curitiba.

No trajeto são nove paradas: nos terminais Maracanã, Cabral, Capão Raso e CIC e nas estações-tubo Comendador Fontana, Nestor de Castro, Tiradentes, Rui Barbosa, Sete de Setembro, Kennedy e Guaíra.

O Ligeirinho Colombo-CIC funcionará nos dias úteis e aos sábados. Aos domingo, os passageiros de Curitiba continuarão sendo atendidos pela linha Cabral-CIC.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Em Brasília, Ratinho Junior defende modelo de pedágio baseado na menor tarifa

[ad_1]

O governador Carlos Massa Ratinho Junior defendeu nesta semana, em reuniões com o presidente Jair Bolsonaro e com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, a necessidade da implementação de um modelo de pedágio que respeite o anseio da sociedade paranaense pela menor tarifa, sem outorga. 

O Ministério de Infraestrutura estudará as mudanças sugeridas pelo Paraná e apresentará um novo modelo. A ideia é que o novo projeto seja justo com o desejo dos paranaenses.

A intenção, ressaltou o governador, é nortear a concessão dos 3.327 quilômetros de rodovias que cortam o Paraná em torno de duas diretrizes: maior número de obras e menor valor de tarifa cobrada do usuário. Os atuais contratos de pedágio terminam em novembro deste ano.

“O governo federal deve fazer mudanças e apresentar uma nova proposta ao Paraná. Reforçamos o desejo de todos os paranaenses por uma tarifa mais baixa, com a execução de obras e que o leilão ocorra na Bola de Valores de São Paulo, com a maior transparência possível. Esse é o nosso compromisso com a infraestrutura do Paraná”, destacou Ratinho Junior.

As propostas apresentadas pelo governador estão alinhadas ao modelo proposto pelo G7, grupo das principais entidades do setor produtivo paranaense, que entregou ao Ministério da Infraestrutura documento solicitando alterações no modelo de pedágio proposto para o Paraná.

Os empresários pedem que a licitação da concessão seja pela menor tarifa, sem limite de desconto; garantia de execução das obras por meio de depósito caução; adequação no degrau tarifário das pistas duplicadas; a desoneração do PIS/Cofins que incide sobre as tarifas de pedágio; e a transparência total no processo.

“Junto com o setor produtivo e lideranças locais, o Governo do Paraná defende um modelo que contemple o que a população nos exige: o menor valor na tarifa de pedágio”, afirmou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

Os novos traçados, segundo demanda do Governo do Estado, estão divididos em seis lotes, mas com desenhos diferentes do atual, já que incluem rodovias que não estavam contempladas até então, como a PR-323, no Noroeste, a PR-280, no Sudoeste, e a PR-092, no Norte Pioneiro. O conjunto de rodovias em projeto é formado por estaduais (35%) e federais (65%).

Sandro Alex reforçou o pedido para que as obras sejam executadas em sua grande maioria nos primeiros anos do contrato. O pacote atual, lembrou ele, prevê a duplicação de 1.783 quilômetros (90% até o sétimo ano do acordo), a construção de 10 contornos urbanos, 253 quilômetros de faixa adicional nas rodovias já duplicadas e de 104 quilômetros de terceira faixa para apoio ao trânsito.

A proposta contempla ainda sinal de wi-fi em todos os trechos de estradas, câmeras de monitoramento e iluminação em LED.

Pagamento do IPVA 2021 será retomando nesta quinta-feira

O pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2021 será retomado nesta quinta-feira (22), com o início do vencimento da terceira parcela, seguindo a ordem do final das placas até o dia 28 de abril.

No mês passado os proprietários de veículos no Paraná ganharam uma folga no pagamento do imposto. Em razão do acirramento da pandemia da Covid-19, a Secretaria da Fazenda postergou em um mês o vencimento das parcelas.

Assim, as três parcelas restantes tiveram seus prazos adiados em um mês: a terceira, que deveria ser paga em março, teve seu prazo postergado para abril, e assim sucessivamente até a quinta e última parcela, em junho. Enquanto em muitos estados a cobrança já foi feira em sua integralidade, os contribuintes paranaenses ganharam mais três meses para a quitação.

O objetivo do adiamento foi de oportunizar ao contribuinte a manutenção de suas obrigações tributárias com o Estado, considerando a vigência do Decreto nº 4.319, de 23 de março de 2020, que declarou estado de calamidade pública, e as medidas restritivas visando o enfrentamento da emergência de saúde pública do Decreto nº 6.983, de 26 de fevereiro de 2021.

A proposta não acarreta renúncia de receita, mas apenas o deslocamento dos vencimentos parcelados do IPVA 2021. Os demais critérios previstos na legislação, como acréscimos financeiros e quantidade de parcelas permaneceram os mesmos.

COMO PAGAR 

Em dezembro do ano passado, a Secretaria da Fazenda autorizou o pagamento do IPVA 2021 em até cinco parcelas mensais – até então, o parcelamento máximo era de três meses. O aumento das parcelas foi implementado para facilitar a vida do contribuinte paranaense tendo em vista as dificuldades causadas pela continuidade da pandemia do coronavírus.

Importante lembrar que os contribuintes não receberão boleto para efetuar o pagamento, nem qualquer outro tipo de correspondência. Para emitir a guia, basta acessarhttp://www.fazenda.pr.gov.br/ipva. É preciso ter em mãos o número do Renavam, que consta no Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV)

Apenas com o número do Renavam também é possível pagar o imposto diretamente nos caixas ou canais de atendimento de sete bancos credenciados: Banco do Brasil, Itaú, Santander, Bradesco, Sicredi, Banco Rendimento e Bancoop.

A quitação do IPVA é requisito obrigatório para emissão certificado de licenciamento de veículo pelo Detran/PR.

Confira o calendário atual do IPVA 2021.