Cidade ganha 117 ônibus em dois anos. Mais 40 veículos estão a caminho

Curitiba acaba de ganhar 52 ônibus novinhos. A entrega aconteceu na tarde desta quinta-feira (24/1) no estacionamento do Parque Barigui. Em dois anos, 117 novos ônibus entraram em operação na capital. Acompanhado da primeira-dama, Margarita Sansone, Greca relembrou que herdou a frota de ônibus deteriorada na cidade. O prefeito também adiantou que outros 40 ônibus serão entregues em fevereiro.

“Desde 2013 não se repunha o material rodante e a cidade se ressentia, e quase que perdeu o modelo que ela criou. Agora isso acabou. Estamos trazendo ônibus modernos com toda a acessibilidade para idosos e deficientes, com câmeras de segurança e o padrão de segurança Euro 5”, disse o prefeito Rafael Greca.

Curitiba acaba de ganhar 52 ônibus novinhos. A entrega aconteceu na tarde desta quinta-feira (24/1) no estacionamento do Parque Barigui.
Curitiba, 24/01/2019.
Foto: Luiz Costa /SMCS.

Dos 52 novos ônibus, 33 são do tipo micro especial e 19 veículos de modelos intercambiáveis, que podem operar na categoria alimentador ou convencional.

Os veículos vêm equipados com motores EURO V/PROCONVE P7 e padrão europeu de conformidade com o meio ambiente. Os ônibus também contam com monitoramento por câmeras, dois espaços para cadeirantes, sinais sonoros e visual de fechamento das portas, informação em braile para deficientes visuais, iluminação interna em LED e mensagem de voz na solicitação de parada do cadeirante.

Além disso, 20% dos bancos são destinados às pessoas com deficiência.

Investimentos

O presidente da Urbanização de Curitiba – Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, citou também que os ônibus vêm equipados com Day light, nos letreiros, o que permite que o usuário identifique rapidamente o nome da linha. Maia Neto explicou que Curitiba está investindo pesado para resgatar a qualidade do transporte de coletivo.

“Em renovação de frota foram investidos mais de R$ 150 milhões, tem também as reformas em terminais com previsão de R$ 85 milhões e também mais R$ 5 milhões nas reformas das estações-tubo. Então são R$ 240 milhões que estão sendo investidos só este ano no transporte coletivo de Curitiba”, enumerou o presidente da Urbs.

Modelo

O prefeito citou que 250 cidades no mundo já copiaram o sistema de transporte de Curitiba, mas ressalvou que nos últimos tempos a qualidade não estava boa. “Nós tínhamos decaído nos últimos anos e eu estou tentando retomar o padrão de qualidade. Com estes 52 veículos, completamos a entrega de 117 ônibus novos, mas não para por aí: na primeira quinzena de fevereiro serão mais 40 ônibus novos e depois virão outros e assim por diante até a gente renovar toda a frota da cidade”, assegurou Greca.

O prefeito disse que comunga com a ideia do governador Ratinho Junior de estender o mesmo padrão de transporte que existe na capital para a região metropolitana. “Há uma grande disposição, minha e do governador Ratinho Junior, de trabalhar juntos para a construção cada vez mais sólida de uma grande cidade formada por Curitiba e pelas nove cidades vizinhas com uma rede única de transporte”, previu.

Internet no busão

Representando o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, João Carlos Ortega, parabenizou Curitiba pela modernização do transporte. “Nós precisamos pensar Curitiba e região metropolitana de maneira única. Essa é a intenção do nosso governador para que a gente possa juntos buscar parcerias e soluções na vida das pessoas”, disse.

“Parabéns a Curitiba, que inova na questão do transporte coletivo, trazendo ônibus com câmeras de segurança. Acho que é possível avançar mais e trazer wi-fi nos ônibus futuramente”, completou Ortega.

O prefeito Rafael Greca gostou da ideia de permitir que os usuários possam se conectar à internet nos ônibus. “O governador Ratinho Junior me pediu wi-fi nos ônibus de Curitiba. Ele é piazão e está ligado e eu também estou ligado e nós vamos trazer wi-fi nos ônibus”, disse o prefeito.

Sistema barato

Além de saudar a modernização do sistema de transporte coletivo, o prefeito também fez uma defesa do modelo de transporte de massa de Curitiba, garantindo que é uma opção muito mais barata do que o metrô ou mesmo Veículo Leve sobre Trilhos – o VLT.

“O modelo do BRT, do metrô de superfície, custa mil vezes menos do que o metrô enterrado. Se um quilômetro de BRT custa 10, o mesmo percurso de VLT custa 100 e o de metrô custa mil. A maioria das grandes cidades do mundo já não enterra o seu transporte. Elas já operam com o metrô de superfície. Esta é uma lição de Curitiba e não podemos perder isso”, exemplificou.

Mas ele não descartou a vinda de outros modelos de transporte que sejam complementares ao já existente. “Nós podemos ter outro material rodante, outros tipos de combustível, mas não podemos perder o que nós inventamos. Neste sistema de ônibus funciona toda a tradição de planejamento de Curitiba, idealizada pelo Ippuc e a Urbs, a tradição que sucedeu as antigas lotações do Aurélio Fressato, dos anos de 1950 e os bondes do Santiago Colle e do prefeito Cândido de Abreu”, historiou Greca.

Tarifa

Perguntando sobre o reajuste da tarifa de ônibus, o prefeito explicou que esta é uma conta que ainda está sendo construída pela Urbs, Comec e com a secretarias de Fazenda e do Desenvolvimento Urbano do Estado e a Secretaria de Finanças de Curitiba. “A nossa parceria é no sentido de buscar qualidade e de fazer o menor aumento possível”.

Participaram também do evento os vereadores Beto Moraes, Geovane Fernandes, Tito Zeglin, Mauro Bobato, Oscalino do Povo, o busólogo João Vitor da Silva Santos, o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Maurício Gulin, e empresários do setor de transporte.

 

Via: Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba ilumina pontos turísticos de laranja pela prevenção ao câncer de pele

Nesta terça-feira (7/12), a Praça do Japão e a Torre de Cronometragem do Parque Náutico estarão iluminados de laranja, em alusão à adesão de Curitiba ao Dezembro Laranja, a campanha nacional de Prevenção ao Câncer de Pele, promovida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD).

A iluminação nesses locais foi feita para essa segunda-feira (6/12) e hoje ainda pode ser contemplada pela população. O objetivo é chamar a atenção dos curitibanos sobre a importância do diagnóstico e do tratamento precoce, além de orientar sobre os cuidados que devem ser incorporados à rotina diária.

O câncer de pele é o tipo de neoplasia mais incidente no Brasil, com cerca de 180 mil novos casos ao ano. Em Curitiba, dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca) apontam a projeção de 1.820 novos casos por ano. A boa notícia é que a maior parte, 95%, é do tipo não melanoma, menos agressivo. Além disso, quando descoberto no início, tem mais de 90% de chances de cura.

“Por isso é importante que a população fique atenta aos sinais e sintomas, e procure logo um serviço de saúde”, afirma a dermatologista do Centro de Especialidades de Santa Felicidade da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Simone Viola Ampuero Gehlen.

Prevenção

De acordo com a médica, a orientação é para que as pessoas fiquem atentas a lesões na pele que não cicatrizam, principalmente nas áreas que comumente ficam expostas ao sol. Sangramentos e pruridos neste tipo de lesões também são sinais de alerta. Segundo Simone, é importante observar pintas com mudança na cor e bordas irregulares.

Em qualquer um desses casos, a orientação é procurar o mais breve possível, um serviço de saúde, para uma avaliação. No SUS Curitibano, a porta de entrada é a unidade de saúde. Caso seja necessário, a unidade faz o encaminhamento do paciente para um especialista.

Além de observar os sinais de alerta, é importante também se prevenir. Medidas básicas do dia a dia que podem ajudar são o uso de filtro solar nas áreas que ficam expostas (com mínimo de fator de proteção solar de 30); evitar o sol entre as 10h e 16h; além de usar chapéu e roupas que protejam a pele o máximo possível da exposição direta ao sol.  

Câmara de Curitiba aprova suspensão de reajuste e limita correção do IPTU em 2022

O projeto da Prefeitura que adia a revisão da Planta Genérica de Valores e garante que o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) não sofra reajuste em 2022 foi aprovado, por unanimidade, nesta segunda-feira (06/12) em primeiro turno na Câmara Municipal de Curitiba (CMC). A proposta, que recebeu 38 votos favoráveis, será votada em segundo e último turno nesta terça-feira (07/12).

Confirmada a aprovação, a atualização da Planta Genérica de Imóveis fica adiada para outubro de 2022, sendo que o reajuste que será aplicado valerá para 2023.

Dessa forma, os reajustes que estavam em vigor nos últimos anos, de 4% para imóveis residenciais, e de 7% para terrenos (mais a inflação), não serão praticados no IPTU 2022, que terá apenas a correção pela inflação, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

A revisão da Planta Genérica de Valores atualizaria o valor venal dos imóveis da cidade, de acordo com o mercado. Com isso a cobrança do IPTU poderia variar acima da inflação para aqueles imóveis com valor venal defasado.

“A atual pandemia de Covid-19 teve repercussão no campo econômico, diminuindo a renda de muitas famílias e a receita de muitas empresas, que foram obrigadas a paralisar suas atividades. Fazer essa correção, neste momento, traria inúmeros prejuízos para população”, diz a mensagem da Prefeitura no projeto.

A revisão da Planta Genérica é prevista pela legislação. A Lei Complementar nº 40, de 18 de dezembro de 2001 determina, no § 2º do art. 36, que o Poder Executivo deve encaminhar ao Poder Legislativo, até o dia 15 de outubro do primeiro ano do mandato, projeto de lei com proposta de atualização dos valores unitários de metro quadrado de construção e de terrenos, constantes na Planta Genérica de Valores Imobiliários

No entanto, a valorização imobiliária observada nos últimos quatro anos e a entrada em vigor da nova Lei de Zoneamento, em agosto de 2020, provocaram consideráveis alterações na ocupação urbana, com reflexos diretos no valor venal dos imóveis na capital.