Cidade ganha 117 ônibus em dois anos. Mais 40 veículos estão a caminho

Curitiba acaba de ganhar 52 ônibus novinhos. A entrega aconteceu na tarde desta quinta-feira (24/1) no estacionamento do Parque Barigui. Em dois anos, 117 novos ônibus entraram em operação na capital. Acompanhado da primeira-dama, Margarita Sansone, Greca relembrou que herdou a frota de ônibus deteriorada na cidade. O prefeito também adiantou que outros 40 ônibus serão entregues em fevereiro.

“Desde 2013 não se repunha o material rodante e a cidade se ressentia, e quase que perdeu o modelo que ela criou. Agora isso acabou. Estamos trazendo ônibus modernos com toda a acessibilidade para idosos e deficientes, com câmeras de segurança e o padrão de segurança Euro 5”, disse o prefeito Rafael Greca.

Curitiba acaba de ganhar 52 ônibus novinhos. A entrega aconteceu na tarde desta quinta-feira (24/1) no estacionamento do Parque Barigui.
Curitiba, 24/01/2019.
Foto: Luiz Costa /SMCS.

Dos 52 novos ônibus, 33 são do tipo micro especial e 19 veículos de modelos intercambiáveis, que podem operar na categoria alimentador ou convencional.

Os veículos vêm equipados com motores EURO V/PROCONVE P7 e padrão europeu de conformidade com o meio ambiente. Os ônibus também contam com monitoramento por câmeras, dois espaços para cadeirantes, sinais sonoros e visual de fechamento das portas, informação em braile para deficientes visuais, iluminação interna em LED e mensagem de voz na solicitação de parada do cadeirante.

Além disso, 20% dos bancos são destinados às pessoas com deficiência.

Investimentos

O presidente da Urbanização de Curitiba – Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, citou também que os ônibus vêm equipados com Day light, nos letreiros, o que permite que o usuário identifique rapidamente o nome da linha. Maia Neto explicou que Curitiba está investindo pesado para resgatar a qualidade do transporte de coletivo.

“Em renovação de frota foram investidos mais de R$ 150 milhões, tem também as reformas em terminais com previsão de R$ 85 milhões e também mais R$ 5 milhões nas reformas das estações-tubo. Então são R$ 240 milhões que estão sendo investidos só este ano no transporte coletivo de Curitiba”, enumerou o presidente da Urbs.

Modelo

O prefeito citou que 250 cidades no mundo já copiaram o sistema de transporte de Curitiba, mas ressalvou que nos últimos tempos a qualidade não estava boa. “Nós tínhamos decaído nos últimos anos e eu estou tentando retomar o padrão de qualidade. Com estes 52 veículos, completamos a entrega de 117 ônibus novos, mas não para por aí: na primeira quinzena de fevereiro serão mais 40 ônibus novos e depois virão outros e assim por diante até a gente renovar toda a frota da cidade”, assegurou Greca.

O prefeito disse que comunga com a ideia do governador Ratinho Junior de estender o mesmo padrão de transporte que existe na capital para a região metropolitana. “Há uma grande disposição, minha e do governador Ratinho Junior, de trabalhar juntos para a construção cada vez mais sólida de uma grande cidade formada por Curitiba e pelas nove cidades vizinhas com uma rede única de transporte”, previu.

Internet no busão

Representando o governador Carlos Massa Ratinho Junior, o secretário de Estado do Desenvolvimento Urbano, João Carlos Ortega, parabenizou Curitiba pela modernização do transporte. “Nós precisamos pensar Curitiba e região metropolitana de maneira única. Essa é a intenção do nosso governador para que a gente possa juntos buscar parcerias e soluções na vida das pessoas”, disse.

“Parabéns a Curitiba, que inova na questão do transporte coletivo, trazendo ônibus com câmeras de segurança. Acho que é possível avançar mais e trazer wi-fi nos ônibus futuramente”, completou Ortega.

O prefeito Rafael Greca gostou da ideia de permitir que os usuários possam se conectar à internet nos ônibus. “O governador Ratinho Junior me pediu wi-fi nos ônibus de Curitiba. Ele é piazão e está ligado e eu também estou ligado e nós vamos trazer wi-fi nos ônibus”, disse o prefeito.

Sistema barato

Além de saudar a modernização do sistema de transporte coletivo, o prefeito também fez uma defesa do modelo de transporte de massa de Curitiba, garantindo que é uma opção muito mais barata do que o metrô ou mesmo Veículo Leve sobre Trilhos – o VLT.

“O modelo do BRT, do metrô de superfície, custa mil vezes menos do que o metrô enterrado. Se um quilômetro de BRT custa 10, o mesmo percurso de VLT custa 100 e o de metrô custa mil. A maioria das grandes cidades do mundo já não enterra o seu transporte. Elas já operam com o metrô de superfície. Esta é uma lição de Curitiba e não podemos perder isso”, exemplificou.

Mas ele não descartou a vinda de outros modelos de transporte que sejam complementares ao já existente. “Nós podemos ter outro material rodante, outros tipos de combustível, mas não podemos perder o que nós inventamos. Neste sistema de ônibus funciona toda a tradição de planejamento de Curitiba, idealizada pelo Ippuc e a Urbs, a tradição que sucedeu as antigas lotações do Aurélio Fressato, dos anos de 1950 e os bondes do Santiago Colle e do prefeito Cândido de Abreu”, historiou Greca.

Tarifa

Perguntando sobre o reajuste da tarifa de ônibus, o prefeito explicou que esta é uma conta que ainda está sendo construída pela Urbs, Comec e com a secretarias de Fazenda e do Desenvolvimento Urbano do Estado e a Secretaria de Finanças de Curitiba. “A nossa parceria é no sentido de buscar qualidade e de fazer o menor aumento possível”.

Participaram também do evento os vereadores Beto Moraes, Geovane Fernandes, Tito Zeglin, Mauro Bobato, Oscalino do Povo, o busólogo João Vitor da Silva Santos, o presidente do Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Maurício Gulin, e empresários do setor de transporte.

 

Via: Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Opção vegana faz sucesso em sorveteria curitibana

As sobremesas costumam ter atenção especial de pessoas com restrições alimentares. Diferentes de pratos salgados, nos quais é mais fácil perceber que levam carne ou algum tipo de alimento de origem animal, os doces precisam de mais informações para garantir que são veganos. Uma pedida para pessoas veganas que não leva leite ou qualquer outro insumo de origem animal é a linha da SOFT Ice Cream.

A rede apresenta sorvetes artesanais, com dedicação a cada etapa da produção de suas sobremesas. E as opções veganas da marca também estão entre as mais pedidas, até por quem não tem restrição quanto ao que consome. Mantendo muito sabor, os sorvetes veganos são feitos com as frutas, água e açúcar, não levando nenhum tipo de ingrediente de origem animal, nem conservante, emulsificante, corante ou aromatizante. O de frutas vermelhas é feito com morango, framboesa, amora e mirtilo, enquanto o de frutas amarelas leva manga e maracujá.

São três lojas SOFT em Curitiba, e casa uma tem sua opção. As unidades Batel e Palladium servem frutas vermelhas, enquanto a do MON tem frutas amarelas.

A SOFT conta com três lojas em Curitiba: Shopping Palladium (Av. Presidente Kennedy, 4121 – Piso L1 – Portão), Batel (Al. Dr. Carlos de Carvalho, 665) e Museu Oscar Niemeyer – MON (R. Manoel Eufrásio, 1550 – Centro Cívico). Mais informações no perfil oficial da rede no Instagram (@soft.icecream.co).

Congelados de alta gastronomia dão sabor ao verão paranaense

A praticidade na cozinha é sempre bem valorizada, ainda mais para quem está de férias e não quer perder muito tempo em frente ao fogão – mas também não abre mão de uma refeição saborosa. Os congelados, que já foram vistos com maus olhos por perder qualidade e sabor dos alimentos, hoje contam com opções de alta gastronomia que ganham muito em qualidade e são fáceis de preparar. Das linhas fit até pedidas dignas de restaurante, há muitas opções.

A Ragú Rotisseria& Co. é uma empresa curitibana que entrou com tudo no mercado de ultracongelados. O cardápio variado da empresa, elaborado pela chef e restaurateur Fernanda Zacarias de Alencar, destaca insumos de alta qualidade e um preparo atencioso em entradas e pratos principais. Muitos dos pratos mais pedidos são apresentados no formato ultracongelado, cujo processo mantém intactas as propriedades do alimento sem alterar sabor nem apresentação.

Essa praticidade, já apresentada em Curitiba, também ganhou o litoral. Durante o verão, a empresa montou uma pop-up store em Caiobá. “Apresentamos nessa loja um grande linha de aperitivos, antepastos, massas, molhos, massas de forno, pratos prontos para a família e nossos PFs do dia a dia”, explica Bruna Loddo, sócia de Fernanda na Ragú. No site da Rotisseria, há dicas para preparo, além das sócias deixarem aberto um canal para tirar dúvidas sobre montagem de pratos, garantindo que a refeição congelada terá um tratamento de alta gastronomia.

As massas pré-prontas estão entre as mais pedidas, apresentadas em diferentes formatos. As recheadas vem em porções de 400 gramas que atendem duas pessoas, em sabores como Queijo Canastra, Brie & Damasco e Zucca (abóbora). Já massas lisas e gnocchi (como o Tagliatelle verde e o Gnocchi clássico de batata com rústico de tomate) são apresentados por quilo. O cliente adiciona o molho que preferir à massa, do Bechamel e do Funghi até o Creme de limão siciliano, vendidos também por quilo.

A linha PF Dia a Dia traz porções individuais de 350 gramas ultracongeladas. São escolhas que vão do PF de carne moída com arroz integral, legumes e feijão, ou ainda o Frango ao curry, arroz com castanha de caju e cenouras assadas até Bobó de camarão rosa com arroz branco e farofa de dendê. O menu tem diversas pedidas vegetarianas, como Canelone de ricota e espinafre ao molho sugo e bechamel e a Panqueca integral de legumes ao molho sugo. Os ultracongelados da Ragú Rotisseria & Co. podem ser encontrados na loja de Curitiba (R. Francisco Rocha, 533 – Batel) e na praia de Caiobá, em Matinhos (R. Ipiranga, 192 – Praia Mansa). Mais informações no site ragurotisseria.com.br e ou no perfil oficial da marca no Instagram (@ragu.rotisseria).

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com