Cartão-transporte da Urbs deixa de valer em linhas municipais de Araucária

Os usuários do cartão-transporte da Urbanização de Curitiba (Urbs) que o utilizam para pagamento em viagens dentro do município de Araucária, na região metropolitana, terão que fazer um novo cartão local. Com o fim do convênio entre os dois municípios, o cartão Urbs deixa de valer nas 47 linhas do Transporte Integrado de Araucária (Triar), que fazem viagens dentro dos limites do município. A mudança vale a partir de 1º de junho.

Araucária era o único município metropolitano em que o cartão Urbs também era aceito nas linhas locais.

O fim do termo de cooperação, no entanto, não afeta integração do transporte entre as duas cidades, que continuará a funcionar normalmente, com as seis linhas metropolitanas que aceitam o cartão da Urbs.

Segundo o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, a distorção provocada pela diferença dos valores das tarifas das duas cidades nos últimos anos e também a falta de atualização do parque tecnológico do sistema Triar levaram ao fim do convênio.
Quando o contrato foi firmado, em 2005, Curitiba e Araucária tinham o mesmo valor da tarifa. Desde 2018, no entanto, Araucária reduziu quatro vezes o valor da passagem das suas linhas municipais, a última delas nesse ano, para R$ 2,20.

Apesar da tarifa menor, ao passar na catraca local, o passageiro com cartão da Urbs pagava R$ 4,50.

“Na prática essa diferença no sistema de bilhetagem, que era paga pelo usuário de Curitiba, ajudava a subsidiar a tarifa menor em Araucária, já que o Triar recebe o valor pago pelo passageiro”, diz Maia Neto. Segundo ele, essa diferença chega a R$ 2 milhões por ano.

“Propusemos várias vezes para a Prefeitura de Araucária que fosse feita a atualização tecnológica da sua plataforma, de maneira que permitisse que o usuário do cartão Urbs também pudesse pagar R$ 2,20 ao usar as linhas locais, mas essa negociação não foi à frente”, disse.

Com a mudança, o usuário de Curitiba que quiser se deslocar em linhas dentro do município terá que fazer um cartão Triar ou pagar em dinheiro. A Urbs colocou cartazes em terminais e nas linhas que fazem a integração entre as cidades comunicando sobre a mudança.

Veja como fica

Para o empresário que coloca crédito no cartão do funcionário, não haverá muita mudança. A empresa deverá dividir o crédito que for colocar no sistema de bilhetagem de Araucária (Triar) e no da Urbs.

Para o usuário, o que muda será o uso dos dois cartões. Quem não tiver o cartão do Triar pode solicitar a primeira via gratuita, apresentando CPF, RG e comprovante de endereço nos pontos de emissão:

Terminal Central: de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. 
Terminal Vila Angélica: para que o trabalhador não perca expediente de trabalho, excepcionalmente neste mês será possível fazer o cartão no Terminal Vila Angélica: de 17 a 31 de maio, de segunda a sexta, das 8h às 20h; e nos três últimos sábados do mês, dias 15, 22 e 29, das 9h às 17h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Urbs bloqueia cartões de passageiros com covid que tentam furar o isolamento

Em pouco mais de dois meses, 156 passageiros com diagnóstico positivo de covid-19 tiveram seus cartões-transporte bloqueados por tentar furar o período de isolamento social e embarcar nos ônibus da capital. 

O número de pessoas com cartão-transporte ativo diagnosticadas com covid somou 275 no período – o que representa pouco em relação aos 370 mil usuários por dia do transporte coletivo da capital. Mas mais da metade dos 275 diagnosticados tentou furar o isolamento.

Risco de contaminação

A Urbanização de Curitiba (Urbs) e a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) implantaram, no fim de março, um sistema de cruzamento de dados de CPF de pessoas diagnosticadas com covid-19 e portadores de cartão-transporte.

O objetivo é evitar que pacientes com covid-19 rompam o isolamento e ainda monitorar o risco de contaminação no transporte coletivo da capital. 

Os usuários do cartão representam mais de 65% dos passageiros de ônibus na cidade. A medida vale para os cartões usuário, isento (idosos e pessoas com deficiência) e estudantes.

“Cada um precisa fazer sua parte. Cuidar das medidas sanitárias e, se estiver com covid-19, se isolar”, diz Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbs.

“Essa parceria da SMS com a Urbs é mais um mecanismo para impedir a circulação do vírus. Mas é importante também que cada uma faça a sua parte e, quem está com sintomas ou testou positivo, fique em casa, em isolamento”, acrescenta a superintendente executiva da SMS, Beatriz Battistella Nadas.

Quem testou positivo para covid-19 entra em uma lista de cartões desabilitados. Se o usuário que deveria estar em isolamento tentar passar em uma catraca para embarcar no ônibus, esse cartão “queima” e é bloqueado imediatamente e terá que ser substituído.

O passageiro que cumpriu o período e não tentou furar o isolamento não precisa se preocupar, porque o cartão é desbloqueado automaticamente após sete dias.

Como funciona

Quem tem suspeita de diagnóstico de covid-19 e é atendido na rede pública ou privada de saúde assina um Comunicado de Isolamento Domiciliar, comprometendo-se a permanecer em casa por dez dias.

A partir do resultado positivo do teste PCR, que é realizado em torno do terceiro dia de início dos sintomas, o cartão do transporte é desabilitado por sete dias. A medida vale para todos os tipos de cartões, com exceção do cartão avulso, comprado em bancas.

Para quem teve o cartão bloqueado, é possível fazer o desbloqueio, após os sete dias, pessoalmente na Urbs, após agendamento pelo site https://www.urbs.curitiba.pr.gov.br/utilidades/cartao-transporte

Tarifa de ônibus em Campo Largo sofre reajuste e sobe R$ 0,75 centavos

A partir de segunda-feira, 10, a tarifa da passagem de ônibus, em Campo Largo, região metropolitana de Curitiba, sofreu reajuste de R$ 0,75 centavos. O valor do transporte interno subiu de R$ 3,50 para R$ 4,25.

Em live no Facebook, o prefeito de Campo Largo, Maurício Rivabem, afirmou que a passagem estava estagnada desde 2019. “A manutenção do sistema aumentou muito e houve a necessidade do reajuste. Em 2023 o contrato terminará e iremos fazer uma nova licitação. O sistema de Campo Largo é exemplo para os outros municípios, com um benefício aos moradores por não ser integrado”, afirmou.

“Diferente de outros municípios, aqui não há subsídio da Prefeitura para a empresa de ônibus, como em outros municípios vizinhos onde o subsídio atinge a casa dos milhões. Após muito diálogo, inclusive com a ajuda dos vereadores, houve negociação para que a tarifa pudesse ter o reajuste mais baixo possível”, complementou o prefeito.

As especificações do reajuste estão contidas no Decreto nº 134, de 05 de maio de 2021 e as novas tarifas são:

I – Linhas Urbanas: Prefeitura, Fábricas, Águas Claras, Partênope, Jardim Rondinha/Pompéia, Populares, Retiro, Francisco Gorski, Bateias, Veneza, Jardim Social, Campo do Meio, Ferrari, Itaqui, Rivabem, Miqueleto, Moradias Bom Jesus, Campina, São Caetano, Madrugueiro:
a) Valor da Tarifa: R$ 4,25;
b) Valor da Tarifa para titulares de cartão cidadão: R$ 4,15;
c) Valor da Tarifa para estudantes que se enquadrem nos requisitos fixados na legislação específica vigente: R$ 2,12.

II – Linha Ferraria – Centro de Campo Largo:
a) Valor da Tarifa: R$ 4,25;
b) Valor da Tarifa para titulares de cartão cidadão: R$ 4,15.
c) Valor da Tarifa para estudantes que se enquadrem nos requisitos fixados na legislação específica vigente: R$ 1,75.

III – Linhas do Interior: Troncal, Trabalhador, Itambézinho, Estudante:
a) Valor da Tarifa: R$ 7,50.

Informações Banda B