Câmara aprova PL que amplia doenças rastreadas pelo teste do pezinho

A Câmara aprovou nesta terça-feira (23) um projeto de lei (PL) que amplia o número de doenças rastreadas pelo teste do pezinho, realizado com a coleta de gotas de sangue dos pés do recém-nascido. O texto segue para análise do Senado.

Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) realiza um teste que engloba seis doenças. Pelo projeto, o exame passará a englobar 14 grupos de doenças de forma escalonada. O prazo para inclusão do rastreamento das novas doenças será fixado pelo Ministério da Saúde. As mudanças propostas pelo texto entrarão em vigor 365 dias após sua publicação.

Na primeira etapa de implementação, o teste do pezinho continuará detectando as seis doenças que são feitas no teste atualmente, ampliando para o teste de outras relacionadas ao excesso de fenilalanina e de patologias relacionadas à hemoglobina (hemoglobinopatias), além de incluir os diagnósticos para toxoplasmose congênita.

Em uma segunda etapa, serão acrescentadas as testagens para galactosemias; aminoacidopatias; distúrbios do ciclo da uréia; e distúrbios da beta oxidação dos ácidos graxos (deficiência para transformar certos tipos de gorduras em energia).

Para a etapa 3, ficam as doenças lisossômicas (afeta o funcionamento celular); na etapa 4, as imunodeficiências primárias (problemas genéticos no sistema imunológico); e na etapa 5 será testada a atrofia muscular espinhal (degeneração e perda de neurônios da medula da espinha e do tronco cerebral, resultando em fraqueza muscular progressiva e atrofia).

O projeto também prevê que, durante os atendimentos de pré-natal e de trabalho de parte, que os profissionais de saúde devem informar à gestante e aos acompanhantes sobre a importância do teste do pezinho e sobre eventuais diferenças existentes entre as modalidades oferecidas no SUS e na rede privada de saúde.

* Com informações da Agência Câmara

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Deputados pedem cancelamento do aumento da luz no Paraná

Um grupo de deputados estaduais assinou requerimento para que a Agepar (Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Paraná) cancele o reajuste na conta de energia previsto para vigorar a partir de 24 de junho. O aumento médio de 9,67% atinge consumidores da Copel.

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) apoia a iniciativa e avalia que o reajuste causará grande impacto na sociedade em razão dos problemas sociais e econômicos já vividos por pessoas e empresas em razão do agravamento da pandemia. “Entendo que seria sensato por parte do Estado rever a aplicação deste aumento ou de qualquer outro percentual que seja proposto”, afirma.

De acordo com a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) ainda haverá uma consulta pública sobre o índice de reajuste já autorizado para a tarifa da estatal paranaense. Para residências e comércios de pequeno porte, que utilizam redes de baixa tensão, a alta chega a 9,72%, enquanto clientes de alta tensão, principalmente indústrias, terão aumento de 9,52%.

JUSTIÇA

“Justifica-se o presente requerimento a pública e notória existência de impacto social e econômico sobre o orçamento familiar e sobre a fluxo de caixa das empresas paranaenses”, informa o texto do requerimento, “sendo medida de justiça socioeconômica a manutenção das tarifas nos atuais patamares, além de que o resultado do congelamento tarifário do período anterior não pode ser repassado de uma vez aos consumidores”.

O texto foi proposto inicialmente pelo deputado Nelson Luersen (PDT) e já recebeu assinaturas dos deputados Professor Lemos (PT), Anibelli Neto (MDB), Delegado Jacovós (PL), Elio Rusch (DEM) e Boca Aberta Junior (Pros).
Área de anexos

Yahoo Respostas chega ao fim depois de 16 anos

O Yahoo Respostas, que se tornou um repositório de memes nos últimos anos, será encerrado em 4 de maio, após 16 anos no ar.

Criado quando o Yahoo ainda tinha um papel relevante no mercado de busca, antes da dominação do Google, o serviço de perguntas e respostas servia para que usuários de internet interagissem sobre dúvidas de todo tipo de categoria.

Matéria do jornal Folha de S.Paulo de 2009 diz que o site chegou a ser o segundo mais acessado desse tipo no mundo em 2009, apenas depois da Wikipedia. À medida que serviços como Quora e Reddit ganharam espaço para discussões e as redes sociais emergiram, o Yahoo Respostas ficou obsoleto e quase um espaço para comédia.

Em uma rápida sobrevoada sobre o Yahoo Respostas é possível encontrar comentários sobre animais, decoração, problemas do coração e dúvidas estritamente pessoais feitas a anônimos, como “essa pose da foto está exagerada?” (resposta: “arruma seu quarto que fica bom o cenário”).

A partir de 20 de abril, o Yahoo não permitirá a publicação de novas perguntas ou respostas. Em 4 de maio, vai indisponibilizar o site. Para tirar dúvidas a partir de agora, o Yahoo sugere que as pessoas utilizem o serviço de busca.

Quem foi usuário ativo do Yahoo Respostas poderá solicitar o download de seu conteúdo antes de 30 de junho de 2021. Para isso, precisa ir a uma página específica para baixar os dados. Segundo o Yahoo, o processo de recebimento do histórico pode demorar até 30 dias.

O site de tecnologia americano The Verge pontua que o desligamento talvez seja a melhor opção, “considerando que o site parece ter sido tomado por lixo conspiratório de extrema direita”.

Em comunicado, o Yahoo disse que o serviço foi lançado e “construiu o melhor lugar na web para fazer e responder perguntas sobre uma variedade de tópicos, criando uma comunidade de compartilhamento de conhecimento global”.

“Embora não pudéssemos estar mais orgulhosos do que conquistamos juntos, estamos entrando em contato hoje para informar que decidimos encerrar o Yahoo Respostas em 4 de maio de 2021”, disse a empresa, que hoje pertence à Verizon.

Informações Banda B