Calçadas da Voluntários da Pátria são refeitas pelas mesmas mãos de 50 anos atrás

As calçadas de pedras que os curitibanos pisam têm muitas histórias: arte, cultura e o talento de pessoas. Assentadas por mestres calceteiros de várias épocas, o trabalho artesanal e milenar resiste e pode ser conferido na revitalização da Rua Voluntários da Pátria, no Centro, onde será preservada uma parte do tradicional petit-pavé, ao lado de uma faixa acessível feita em concreto.

Na Voluntários da Pátria estão hoje o trabalho das mesmas mãos caprichosas dos irmãos e mestres dos mosaicos portugueses Sebastião e José de Souza. Junto com outros calceteiros, eles estão reconstruindo o petit-pavé que fizeram na mesma via há quase 50 anos. Um dos primeiros e dos muitos trabalhos feitos pelos irmãos na capital paranaense.

“Começamos lá pela Rua João Negrão, depois na Pedro Ivo e chegamos aqui na Voluntários. Acho que foi no final de 1960 ou começo de 70”, lembrou Sebastião, 65 anos.

De família de calceteiros, aprenderam o ofício em Ponta Grossa, distante a 100 quilômetros de Curitiba. Na capital chegaram ainda jovens, e carregam no currículo o tradicional calçadão da Rua XV de Novembro, as calçadas em ondas do Teatro Guaíra, da Praça Rui Barbosa, da Generoso Marques e tantos trechos que estão sob os pés dos curitibanos até hoje.

Os irmãos defendem a arte da calcetaria com afinco e conhecimento de causa. Trabalham no mesmo ofício desde os 15 anos. “As pessoas confundem, não somos pedreiros, somos calceteiros, que é muito diferente”, falou José.

“Amo meu trabalho e acho mesmo que de calçadas de passeio elas são as melhores. Veja o petit-pavé da Santos Andrade (praça), tem mais de 40 anos e estão do mesmo jeito”, disse Sebastião de Souza.

Com quantas pedras se faz uma calçada

A receita para uma boa calçada de mosaico português segundo Sebastião é preparar bem a base, com areia e deixar o terreno nivelado. Cada pedra é encaixada seguindo o desenho definido pelo Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba), responsável pelos projetos.

Para um metro quadrado de calçada de petit-pavé, os calceteiros usam entre 300 e 350 pedras, dependendo do desenho. “Por dia dá pra fazer uns 6 metros quadrados”, contou Sebastião.

Uma a uma, o calceteiro escolhe pelo toque o lado da pedra que fica voltado para cima, onde o pedestre vai pisar. Se não der o encaixe, é preciso preparar a pedra antes de assentá-la.

O mosaico que está sendo feito em metade da calçada da Rua Voluntários da Pátria é uma rosácea de pinhão, tradicional desenho do Movimento Paranista das décadas de 1920 e 1930.

Em Curitiba, as calçadas portuguesas também são conhecidas por petit-pavé. Técnica trazida por imigrantes no início do século 20, e que aqui ganharam desenhos art déco e art nouveau e, especialmente, os do Movimento (1903 -1923), criado por artistas e como Lange de Morretes, Domingos Nascimento, Romário Martins, Zaco Paraná e João Turin.

Via: Prefeitura de Curitiba/SMCS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Primeira parcela do 13° salário deve ser paga até hoje

Um dos principais benefícios trabalhistas do país, o décimo terceiro salário tem a primeira parcela paga até hoje (30). A partir de amanhã (1º), o empregado com carteira assinada começará a receber a segunda parcela, que deve ser paga até 18 de dezembro.

Essas datas valem apenas para os trabalhadores na ativa. Por causa da pandemia de covid-19, o décimo terceiro dos aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) foi antecipado. A primeira parcela foi paga entre 24 de abril e 8 de maio. A segunda foi depositada de 25 de maio a 5 de junho.

Quem tem direito

Segundo a Lei 4.090/1962, que criou a gratificação natalina, têm direito ao décimo terceiro aposentados, pensionistas e quem trabalhou com carteira assinada por pelo menos 15 dias. Trabalhadores em licença maternidade e afastados por doença ou por acidente também recebem o benefício.

No caso de demissão sem justa causa, o décimo terceiro deve ser calculado proporcionalmente ao período trabalhado e pago junto com a rescisão. No entanto, o trabalhador perde o benefício se for dispensado com justa causa.

Cálculo proporcional

O décimo terceiro salário só será pago integralmente a quem trabalha há pelo menos um ano na mesma empresa. Quem trabalhou menos tempo receberá proporcionalmente. O cálculo é feito da seguinte forma: a cada mês em que trabalha pelo menos 15 dias, o empregado tem direito a 1/12 (um doze avos) do salário total de dezembro. Dessa forma, o cálculo do décimo terceiro considera como um mês inteiro o prazo de 15 dias trabalhados.

A regra que beneficia o trabalhador o prejudica no caso de excesso de faltas sem justificativa. O mês inteiro será descontada a gratificação se o empregado deixar de trabalhar mais de 15 dias no mês e não justificar a ausência.

Tributação

O trabalhador deve estar atento quanto à tributação do décimo terceiro. Sobre o salário, incide tributação de Imposto de Renda, INSS e, no caso do patrão, Fundo de Garantia do Tempo de Serviço. No entanto, os tributos só são cobrados no pagamento da segunda parcela.

A primeira metade do salário é paga integralmente, sem descontos. A tributação do décimo terceiro é informada num campo especial na declaração anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Pandemia

A situação dos trabalhadores com contrato suspenso ou com jornada reduzida com diminuição proporcional dos salários só foi definida no início de novembro. Para os contratos com jornada reduzida, o décimo terceiro e as férias devem ser pagos de forma integral.

No caso de suspensão de contratos, o período não trabalhado será descontado do décimo terceiro. No entanto, para manter a harmonia com a legislação, o mês em que o empregado tiver trabalhado 15 dias ou mais será contado como mês inteiro e será pago.

Os critérios para da gratificação nessas situações foram definidos por nota técnica editada pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia no início de novembro. Embora a nota técnica não tenha força de lei, equivale à interpretação da norma pelo governo e será levada em conta pelos auditores fiscais do trabalho nas fiscalizações das empresas.

Informações Banda B.

PF inaugura posto de emissão de passaportes em shopping de Curitiba

A nova unidade estará localizada no Pátio Batel, onde será oferecido ao público um local mais confortável e tranquilo

A partir desta segunda-feira (30), a Polícia Federal terá um novo posto de emissão de passaportes em Curitiba.

A nova unidade está localizada no Pátio Batel, onde será oferecido ao público um local mais confortável e tranquilo, proporcionando um atendimento diferenciado e com mais qualidade, separando a emissão de documentos das demais atividades operacionais da PF.

Serviço

Inauguração do posto de emissão de passaportes – Pátio Batel

Data e horário: 30 de novembro de 2020, às 10h
Local: Pátio Batel, piso L3 | Loja 332/333 – O acesso para a entrada dos jornalistas será feito pela Rua Hermes Fontes, 213 – Batel

Informações Banda B.