Bruxas contadoras de histórias agora vivem soltas no Bosque Alemão

As bruxas contadoras de histórias voltaram a encantar os visitantes do Bosque Alemão. Toda quarta-feira à tarde, elas irão recepcionar crianças e adultos e apresentar os atrativos do local.

Depois de um período distante de público, por causa das medidas restritivas contra a covid-19, as bruxas – professoras da rede municipal que se fantasiam para estimular a leitura – voltaram a circular pelo bosque.

Bruxas contadoras de histórias retornam ao Bosque Alemão. Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

A família Rega, do Rio de Janeiro, ficou encantada com a surpresa. A mãe, Tatiana, o pai, Bernardo, e a filha, Alice, de 3 anos, nunca imaginavam que iam dar de cara com bruxas em um parque da cidade.

“No Rio temos coisas lindas, como o Jardim Botânico e o Cristo Redentor. Mas a gente paga caro para entrar. Aqui é tão lindo e é de graça”, comentou Bernardo.

A família veio para o aniversário da avó de Tatiana e aproveitou o dia de sol para levar Alice conhecer o parque.

“Eu vim pequena aqui, sabia que tinha histórias na Casa Encantada antes da pandemia, mas não esperava ser recepcionada por tantas bruxas. Mas elas não dão medo, não”, garantiu Tatiana.

Cuidados

Mesmo de volta ao bosque, as bruxas não ficarão dentro da Casa Encantada. “Os cuidados para evitar aglomerações ainda são necessários”, explica a coordenadora de Projetos da Secretaria Municipal da Educação, Andrea Barletta.

Quem quiser visitar a Casa Encantada poderá entrar, mas respeitando as novas regras devido à pandemia: distanciamento, uso de máscara e higienização das mãos com álcool gel 70%.

A diversão agora começa na entrada, pelo mirante, onde os visitantes são recepcionados pela Bruxa Uxa, que fará um breve relato da história do Bosque Alemão e explicará o que é uma cidade educadora.

No início da Trilha João e Maria, a Bruxa Felícia fala da cultura alemã e da riqueza da literatura. Na varanda da Casa Encantada estarão Alegria e Bellatrix. Ao lado da Casa Encantada, antes da escada, Guida e Mimi cuidam da Árvore Encantada com as chupetas entregues pelas crianças que querem deixar de usá-las.

Ao lado do lago, a Bruxa Beth e o voluntário Tito cantam músicas de bruxinhas, ratos, aranhas, morcegos, sapos e dragões. Na continuação da trilha após o lago, está Alévola, que falará dos projetos de inclusão e do acolhimento de pessoas com deficiência.

No portal, a Bruxa Ayra vai reafirmar o convite ao mundo encantado da literatura, citando as bibliotecas escolares e os Faróis do Saber.

Bruxas contadoras de histórias retornam ao Bosque Alemão. Foto: Lucilia Guimarães/SMCS

Na tevê

As bruxas do Bosque Alemão também continuam a contação de histórias no formato remoto, para quem preferir. Elas estão todas as segundas-feiras, às 15h, no Facebook da Secretaria Municipal da Educação.

Também podem ser vistas na TV Escola Curitiba, pelos canais da tevê aberta 4.2 (Rede Massa), 9.2 (Paraná Turismo) e 16.4 (TV Evangelizar), além do YouTube.

A Casa Encantada

Inaugurada em março de 1996, na primeira gestão do prefeito Rafael Greca, a Casa Encantada é uma biblioteca e espaço para contação de histórias. Permaneceu fechada para o público desde o ano passado, por causa da pandemia.

A biblioteca da Casa Encantada é uma das 195 unidades da Rede Municipal de Bibliotecas Escolares, com um acervo de 2,4 mil livros destinado ao público infantil.

Você sabe quem são as bruxas?

Todas as 19 bruxas são professoras da rede municipal de ensino de Curitiba e se dedicam a levar cultura e conhecimento por meio da literatura.

Conheça as bruxas do Bosque.

Serviço: Bruxas à solta no Bosque!

Toda quarta-feira, às 14h30, no Bosque Alemão

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rodízio no abastecimento gerou economia de quase 90 bilhões de litros de água na RMC

Os 673 dias de rodízio no fornecimento de água em Curitiba e municípios da Região Metropolitana trouxeram uma economia de 89,8 bilhões de litros de água, que evitou o colapso do sistema. O racionamento acabou nesta quarta-feira (19).

Esse número só foi alcançado graças à combinação das medidas que incluíram cerca de 20 obras e ações para obter novas fontes de captação e ao atendimento da população à META20 com o uso racional da água. O volume economizado equivale à soma de três barragens do Sistema de Abastecimento Integrado de Curitiba e Região Metropolitana (SAIC): Passaúna, Piraquara I e Piraquara II.

Ao longo desses 22 meses, o objetivo da Sanepar foi recuperar o nível das barragens, que chegaram ao seu momento mais crítico em 11 de novembro de 2020 com média de 26,77% de reservação.

O conjunto de ações e obras implementadas seguiu o protocolo de gestão de crise da Companhia e foi sendo aprimorado e acelerado ao longo do período. A relação inclui desde captações emergenciais, transposições e obras estruturantes, até o uso de novas tecnologias, como a semeadura de nuvens para induzir chuvas na cabeceira dos rios das bacias de abastecimento e um programa de financiamento de startups (empresas de inovação) que está disponibilizando R$ 1,5 milhão para os projetos.

As medidas não dispensaram nem mesmo as alternativas com menor performance. Um exemplo é a reativação da captação de água do Reservatório do Carvalho, nos Mananciais da Serra, levando água à Barragem do Piraquara I. Construído em 1906 e desativado em 2004, o Carvalho foi acionado novamente pela Sanepar em meados de 2020 para buscar 15 litros por segundo.

Na ponta extrema, a Sanepar antecipou em cinco anos a sobreposição do Rio Capivari, e investiu cerca de R$ 55 milhões para iniciar a operação de um sistema que permitirá levar até 1,2 mil litros por segundo à barragem do Iraí, vencendo uma distância de 51 quilômetros.

META20 E ESFORÇO CONCENTRADO – Uma projeção do comportamento das barragens, sem as ações implementadas, principalmente o rodízio, mostra que o sistema teria entrado em colapso em outubro/novembro de 2020, quando as barragens teriam atingido níveis entre 12,7% e 13,1%, o que praticamente inviabilizaria o fornecimento de água. E este cenário de colapso se repetiria a partir de julho/agosto de 2021, quando os níveis chegariam a 11%, baixando até 4,5% em outubro de 2021.

O diretor-presidente da Sanepar, destaca o esforço concentrado da Companhia em todas as ações e lembra que a participação da população, que aderiu prontamente à campanha META20 foi fundamental. “Trabalhamos muito. Sempre ampliando as soluções. A população ajudou muito. A campanha para diminuir o consumo em 20% foi incorporada plenamente. Obtivemos uma economia média de 17,17%. Começamos em agosto de 2020 e, dois meses depois, já havíamos batida a meta que foi repetida em setembro e outubro de 2021”, disse.

O rodízio, que se iniciou em 17 de março de 2020 para bairros da Região Sul de Curitiba e cidades da RMC (Sul) em função de queda de vazão nos pontos de captação, registrou seis configurações. E até esta semana estava no modelo de três dias e meio com água e até um dia e meio sem água.

Curitiba convoca o primeiro grupo de crianças sem comorbidades para a vacinação

Nesta quinta-feira (20/1), Curitiba completa um ano do início da campanha de vacinação contra a covid-19 e começa imunizar as crianças sem comordidades. Devido à limitação de doses, a convocação acontecerá de forma escalonada por data de nascimento. 

Nesta quinta, receberão a primeira dose anticovid as crianças nascidas entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2010. Na sexta-feira (21/1), a vacinação será para as nascidas entre 1º de julho e 31 de dezembro de 2010.

“Em 20 de janeiro de 2021 eu abria as portas do Pavilhão da Cura para vacinar os profissionais da Saúde. Um ano depois já estamos colhendo os bons resultados da vacina e agora recebemos com alegria os primeiros curitibinhas sem comorbidades”, disse o prefeito Rafael Greca.  

O atendimento para as crianças será feito em dez unidades de saúde exclusivas, das 8h às 17h. Confira os endereços no site Imuniza Já, na aba “Locais de vacinação”.

Segundo estimativas da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) há cerca de 20 mil crianças nessa faixa etária. A ampliação para novo grupo depende da avaliação de estoque e da chegada de mais imunizantes pediátricos.

Greca pede que os pais não tenham medo da vacina e que levem os filhos para vacinar.

“A humanidade conhece as vacinas desde o século 18, desde a vacina de varíola. Então, não tem cabimento a humanidade não gostar de vacina ou não vacinar. Levem seus filhos”, pede o prefeito.

Também poderão receber a primeira aplicação as crianças que já foram convocadas e não puderam comparecer na data. 

O novo chamamento será possível devido às 10.400 doses de imunizantes pediátricos que a SMS recebeu da Secretaria Estadual da Saúde do Paraná (Sesa).

Orientação para a vacinação 

A SMS orienta para que os responsáveis façam o cadastro prévio da criança no Aplicativo Saúde Já. Essa ação agiliza o fluxo da vacinação. Crianças acompanhadas pelo SUS de Curitiba já estão cadastradas. 

No dia da vacinação é necessário que a criança esteja acompanhada de um familiar ou responsável para a assinatura do termo de consentimento.

Também devem ser apresentados os documentos pessoais da criança, documento de identificação com foto e comprovante de residência em nome do responsável pela criança. 

As orientações detalhadas e a relação das comorbidades pode ser conferida no Pequeno Manual para vacinação das crianças de 5 a 11 anos em Curitiba.

Crianças acamadas

Equipes volantes de vacinadores continuam imunizando as crianças acamadas, mediante agendamento. As crianças acamadas em leitos atendidas pelo SUS Curitibano terão sua dose agendada a partir de um contato telefônico das equipes da SMS com os familiares. 

Aquelas que são atendidas pela rede privada devem fazer o cadastro, disponível desde o dia 13 de janeiro, via Aplicativo Saúde Já Curitiba – é necessário atualizar a versão do aplicativo nas lojas virtuais para plataformas Android ou iOS – ou pelo site.

Após baixar a atualização nas lojas de aplicativos para Android ou iOS – ou pelo site https://saudeja.curitiba.pr.gov.br/, escolhendo a opção “Paciente Acamado”.  

Recomendações

A vacina contra a covid-19 para crianças não deve ser aplicada de forma simultânea com imunizantes para outras doenças, a recomendação é de seja dado um intervalo de 15 dias.

Crianças que testaram positivo para a doença devem aguardar o intervalo necessário para receber o imunizante, que neste caso é de 30 dias após a data de início dos sintomas.

Cronograma de vacinação das crianças

•    20/1 (quinta-feira) – nascidas entre 1º de janeiro e 30 de junho de 2010;

•    21/1 (sexta-feira) – nascidas entre 1º de julho e 31 de dezembro.