Botão do Pânico já está disponível para todo o Paraná

Foi concluído nesta semana o processo de expansão do dispositivo de segurança Botão do Pânico Paranaense e, a partir de agora, o mecanismo de defesa de mulheres está disponível para todo o Estado através das 161 Comarcas do Judiciário. A Lei Estadual 8.868/2016, que implantou o botão no Paraná, é de autoria da deputada estadual e procuradora da mulher da Assembleia Legislativa do Paraná, Cristina Silvestri (Cidadania).

“Uma enorme conquista que irá ajudar a salvar a vida de milhares de mulheres. Fomos pioneiros há alguns anos ao lançarmos o botão de maneira física e agora inovamos novamente, com o botão passando a funcionar de maneira digital e disponível em todos os municípios”.

O dispositivo digital está disponível através do App 190, da Polícia Militar, para mulheres que possuem medida protetiva de urgência e que recebem autorização do judiciário para o uso. Nestes casos, o dispositivo permanece vigente durante o período determinado pelo juiz ou juíza.

“O Botão do Pânico Paranaense representa uma medida de grande importância no enfrentamento à violência contra a mulher e é fruto do trabalho conjunto, com apoio do Tribunal de Justiça, Secretaria da Segurança Pública, Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, Celepar e Polícia Militar” relembrou a parlamentar, frisando que agora o desafio é levar às mulheres a informação de que elas podem contar com o aparelho e, inclusive, podem solicitá-lo no momento da denúncia na delegacia.

Atendimentos – Números do TJ-PR mostram que, em todo o Estado, são quase 30 mil mulheres com medidas protetivas de urgência aplicadas pela Justiça, que poderão ser beneficiadas pelo projeto.

Segundo o Tribunal, vítimas que podem utilizar o botão poderão acionar o dispositivo mesmo que estejam em uma cidade diferente da que residem – contanto que seja no Paraná. Caso a mulher esteja em outro Estado e acione o Botão do Pânico Paranaense pelo App 190, não será possível a Polícia Militar do Paraná enviar uma viatura para atendimento, porém, buscará meios junto aos órgãos de Segurança do Estado onde foi aberta a ocorrência.

Melhorias – Em reunião na Polícia Militar nesta semana, a deputada Cristina apresentou ao 1º Tenente Cleiton e Coronel Püsse sugestões de melhorias ao botão digital, como a acessibilidade para mulheres com deficiência visual.

“Esta foi uma demanda apresentada através das nossas reuniões com as vereadoras e Procuradorias da Mulher. No Comando, foram receptivos à proposta e entenderam a necessidade da função de libras, que já entrará em fase de estudo pela CELEPAR”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

A cada dois dias, uma mulher vítima de violência é atendida por guardas na CIC

A cada dois dias, uma mulher é atendida por guardas municipais do núcleo da CIC vítima de agressão física, verbal ou porque o agressor descumpriu medida protetiva concedida pelo Poder Judiciário. A média leva em conta dados da corporação no primeiro semestre, que aponta para um total de 101 casos relacionados à mulher vítima de violência somente na CIC – núcleo com a maior extensão territorial.

Com o Bairro Novo, é na CIC que as equipes operacionais da GM mais fazem este tipo de atendimento, após acionamento ao telefone de emergência 153.

Uma das formas de mudar essa cultura da violência é com conscientização, cidadania e educação, conceitos desenvolvidos pelo programa da Guarda Municipal Mirim.

Para o guarda Claudemir Teixeira, que atua desde 2011 na iniciativa, o projeto é fonte de esperança entre a juventude. Sob o objetivo de propiciar formas de imergir crianças e adolescentes no desenvolvimento ativo da sociedade, as atividades também são voltadas para áreas diversas, como meio ambiente e trânsito.

“O projeto me trouxe mais satisfação profissional e pessoal, quando vejo as minhas contribuições no desenvolvimento educacional e social das crianças”, avalia. Segundo ele, os resultados são visíveis quando os estudantes tornam-se cidadãos responsáveis em busca de oportunidades.

Os agradecimentos chegam de forma espontânea. Na percepção do estudante João Victor dos Santos Mateus, de 16 anos, a GM é responsável pela instrução e cuidado na formação educacional de jovens através do incentivo profissional e de exemplos de vida.

“A importância que esse gesto representa para o meu futuro e a marca que esses atos deixaram é tão significativa que vai ficar na minha história para sempre”, comenta João Victor.

Raio-X da CIC

Da BR-277, passando pelo primeiro conjunto habitacional de Curitiba – a Vila Nossa Senhora da Luz dos Pinhais – até o limite com o Tatuquara. De olho na proteção do cidadão, o núcleo da GM na CIC se destaca pela presença nos eixos comerciais ao longo das vias Eduardo Sprada, Cid Campêlo e Raul Pompéia, por ações integradas com a Fundação de Ação Social (FAS) para atendimento a pessoas em situação de vulnerabilidade social e pelo monitoramento de áreas inativas propensas a invasões: foram sete tentativas desde o início do ano, além de quatro ocupações irregulares.

“Na Regional CIC, a Guarda tem papel fundamental na proteção dos equipamentos públicos, no cuidado de nossa gente e no suporte a todas as ações regionais, sempre com muita coragem e respeito à lei e ordem”, afirma o administrador regional da CIC, Raphael Keiji.

Situações de apoio ao cidadão marcam a memória dos guardas. Uma delas ocorreu em janeiro de 2020, quando um rapaz foi encontrado desorientado, sem saber indicar onde morava. Enquanto o socorro médico era chamado, os guardas fizeram contato com a família tendo, na sequência, até ajudado no deslocamento dos pais do rapaz até o hospital. 

No primeiro semestre deste ano, os guardas da CIC atenderam a outros 284 casos de apoios diversos – um a cada 15 horas. Foram 134 abordagens no período, que teve ainda 36 registros de perturbação do sossego e 19 de queima de lixo a céu aberto.

Trânsito se destaca

Área que também se destaca no dia a dia dos guardas da CIC é o trânsito: foram 419 atendimentos de janeiro a junho.

Além das fiscalizações diversas, houve 17 situações de direção perigosa, conduta que aumenta o risco de fatalidades no trânsito, e mais 46 atendimentos a locais com acidente, prestando apoio aos envolvidos, fazendo a sinalização adequada e orientando os demais motoristas. Três motoristas foram flagrados dirigindo sob efeito de álcool e uma disputa de corrida (racha) foi interrompida.

Dos 104 flagrantes a crimes diversos, a principal situação – 37 registros – foi por tráfico de drogas. Entre os mais inusitados esteve um flagrante de pichação em um viaduto no mês de janeiro, no qual os envolvidos estavam munidos de capacetes e coletes refletivos.


Também é na CIC que fica o Centro de Formação e Desenvolvimento Profissional da Guarda Municipal, responsável pelo planejamento e promoção das atividades de capacitação inicial do servidor que ingressa por concurso público, pelo aperfeiçoamento e especialização dos demais guardas.

Memória

Atual chefe do núcleo CIC da GM, Álvaro José Ditzel acompanha a evolução dos trabalhos na corporação há três décadas. “Eu entrei na Guarda em janeiro de 1990, sem uniforme, e trabalhei em escolas durante um ano e meio. Depois disso, tínhamos que repassar o armamento e o colete balístico para companheiros, pois não tinha para todos”, descreve. 

Segundo ele, a guarda evoluiu a partir das melhorias promovidas pela Prefeitura e também dentro da própria GM, com atualização dos modelos de atuação e estratégias internas. Com a compra de armamentos e coletes individuais, bicicletas e motocicletas para patrulhamento, a Guarda ganhou forma. Com o tempo, vieram melhores salário, criação de novos cargos e ambientes de trabalho novos ou reformados.

“Tivemos e temos melhorias para o bom desempenho da função e bom relacionamento com as demais forças de segurança. Hoje somos reconhecidos pelos vários serviços prestados à população de Curitiba nas diversas áreas”, complementa Ditzel.
 

Campanha Vem pra Foz! convida turistas a visitar o Destino Iguaçu

Segunda edição da campanha liderada por Itaipu e parceiros começa a ser veiculada nesta semana. Turismo é um dos pilares da missão da Itaipu Binacional

A partir desta semana, a segunda edição da campanha Vem pra Foz! começa a ser divulgada em vários veículos de comunicação. Baseado no tripé “ver, sentir e viver”, o conceito da campanha é uma construção feita por representantes do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social de Foz do Iguaçu (Codefoz), dentro de um projeto de retomada da economia da cidade. O projeto tem o turismo como principal atividade econômica da região de Foz do Iguaçu, cidade-sede da usina de Itaipu. O turismo é um dos pilares da missão da binacional.

Assim como na primeira edição da campanha, divulgada em setembro do ano passado, o Vem pra Foz! incentiva a volta dos turistas ao Destino Iguaçu, um dos mais bonitos de todo o mundo e que foi bastante impactado pela crise provocada pelo novo coronavírus. Antes da pandemia da covid-19, o Parque Nacional do Iguaçu atraía mais de 2 milhões de visitantes por ano.

Em 2019, a unidade bateu recorde de visitação com 2.020.358 pessoas de vários cantos do mundo. No mesmo ano, os atrativos turísticos da Itaipu registraram a marca histórica de 1.028.225 turistas nas margens brasileira e paraguaia da usina.

Crédito: SkyTakes/Árvore Filmes

“Com a flexibilização dos decretos e o aumento da vacinação, a expectativa é que os turistas voltem a viajar. No ano passado saímos na frente como roteiro seguro e agora queremos reforçar não apenas esse conceito, mas valorizar a diversidade de experiências que o Destino Iguaçu oferece”, diz o presidente do Codefoz, Felipe Gonzales.

No fim de semana, o ministro do Turismo, Gilson Machado Neto, visitou Foz do Iguaçu e manifestou apoio à campanha. Segundo ele, a cidade tem “destinos turísticos incríveis e agora liberados para eventos”. “Então, contém com o apoio do Ministério do Turismo.”

Com o mote “Natureza, emoção e muita energia. Várias viagens num só destino”, a ideia da campanha é mostrar que a região tem um grande pacote de atrativos, como as Cataratas do Iguaçu, a Itaipu, o Marco das Três Fronteiras, aliados a shows e diversão para toda as idades, boa hotelaria e estrutura de conforto que inclui compras e gastronomia diversificada em uma região que reúne três fronteiras: Brasil, Paraguai e Argentina. A produção é da agência Gpac com argumentação da Comunicação Social e de Turismo de Itaipu.

“Além de o próprio Complexo Turístico Itaipu (CTI) ser um importante atrativo, a empresa também atua na promoção da atividade turística como forma de estimular o desenvolvimento da região de fronteira”, diz o diretor-geral brasileiro de Itaipu, general João Francisco Ferreira.

A gestão do turismo na Itaipu é feita pela Assessoria de Comunicação Social. A atividade é operacionalizada pelo Parque Tecnológico Itaipu (PTI) – responsável pela gestão dos seis atrativos do CTI (dos quais apenas três operam atualmente, em função das restrições impostas pela pandemia de covid-19).

Primeira visita

A primeira visita oficial à Itaipu aconteceu quando a usina ainda era um imenso canteiro de obras, em 15 de abril de 1976. Na ocasião, foram recepcionados 27 integrantes do Clube de Engenharia do Rio de Janeiro. Desde então, mais de 24 milhões de turistas de todo o mundo já passaram por Itaipu e tiveram a oportunidade de deslumbrar-se com a grandiosidade da hidrelétrica e conhecer os demais atrativos do complexo.

Outra forma de conhecer presencialmente a usina é por meio da visita institucional, operada pela Divisão de Relações Públicas e reservada a instituições de ensino e pesquisa, autoridades e chefes de estado, representantes de empresas e militares. Essa modalidade também está disponível na margem paraguaia.

Obras

Para receber com excelência e garantir que o visitante tenha a melhor experiência possível na Itaipu, os dois principais pontos de parada dos turistas no CTI estão passando por reformas. São eles o Mirante Central e o Mirante do Vertedouro.

Nos dois locais haverá melhoria da acessibilidade, modernização do layout e mais conforto para os turistas. Lojas, praças e espaços de descanso integram os projetos. O término das obras no Mirante do Vertedouro está previsto para setembro deste ano; no Mirante Central, para novembro.

Obras estruturantes

Desde 2019, a Itaipu reestruturou a gestão e reordenou o investimento de recursos em infraestrutura, que têm atraído investidores para a cidade e fomentado a geração de emprego, renda e maior arrecadação para o município. Os aportes somam mais de R$ 2,5 bilhões, em diversas frentes, com a geração de 2,5 mil empregos e a resolução de antigos gargalos estratégicos para o desenvolvimento regional, como a modernização e ampliação do aeroporto e a duplicação da Rodovia das Cataratas, principal corredor turístico de Foz – entre várias outras obras.