Auxílio emergencial pode ser renovado após outubro se pandemia persistir, diz Guedes

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse nesta sexta-feira (25) que o governo poderá renovar o auxílio emergencial depois de outubro, caso a pandemia continue fora de controle.

Em audiência na Comissão Temporária da Covid no Senado, Guedes afirmou que “quem dirige o auxílio emergencial não é a economia, nem sequer a política, quem dirige o auxílio emergencial é a pandemia”.

“Se a pandemia continuasse fora de controle em setembro, outubro, novembro vamos ter que renovar o auxílio emergencial. Mas não é a expectativa no momento. Nas palavras do ministro Queiroga [Saúde], estaríamos num ambiente de controle da pandemia, com a pandemia sob controle”, explicou o ministro.

Guedes voltou a garantir que o benefício será estendido por mais três meses. Segundo ele, o prazo leva em conta a expectativa de vacinação da população brasileira.

“O auxilio que terminaria em 31 de julho segue agosto, setembro e outubro. Outubro é o mês que todos os governadores estão dizendo que terão vacinado toda a população adulta brasileira”, disse.

Guedes não detalhou como vai efetivar a proposta. A tendência é que o governo edite uma Medida Provisória para estender o auxílio. A ideia é manter o público beneficiado e os valores das parcelas. Hoje o benefício varia de acordo com a composição familiar, com parcelas que variam de R$ 150 a R$ 375 por mês.

Na rodada atual, cada parcela da assistência tem custo estimado de R$ 9 bilhões. Portanto, a prorrogação deve ter impacto de R$ 27 bilhões às contas do governo federal.

De acordo com técnicos do Ministério da Economia, cerca de R$ 7 bilhões devem sobrar dos pagamentos. Desse modo, o novo ciclo deve exigir uma liberação adicional de R$ 20 bilhões.

No dia 14 de junho, o ministro já havia afirmado ao jornal Folha de S.Paulo que o auxílio emergencial seria prorrogado por três meses. Segundo ele, a decisão considerava que a população adulta estará vacinada contra a Covid-19 até outubro.

De acordo com Guedes, o presidente Jair Bolsonaro iria bater o martelo sobre a medida após se informar com o Ministério da Saúde e receber a decisão do Ministério da Cidadania, que é responsável pela gestão do programa.

Logo após a declaração de Guedes, Bolsonaro disse que irá turbinar o Bolsa Família, programa criado na gestão do PT, e estender o pagamento do auxílio emergencial.

Bolsonaro confirmou em entrevista que o Ministério da Economia está estudando o pagamento de “mais duas ou três parcelas” do auxílio emergencial após o fim da rodada atual, que termina em julho.

“Mais duas ou três parcelas, está faltando só esse ‘finalmente’ aí, de auxílio emergencial de média de R$ 250. Média”, afirmou Bolsonaro em entrevista à SIC TV, afiliada da RecordTV em Rondônia, no dia 15 de junho.

A liberação dos recursos será feita por meio de crédito extraordinário, mecanismo usado em situações consideradas urgentes e imprevisíveis. Essa despesa não é contabilizada no teto, regra que limita as despesas do governo.

“No tocante ao Bolsa Família, tivemos uma inflação durante a pandemia no tocante aos produtos da cesta básica em torno de 14%, você teve item que subiu até 50%, sabemos disso daí”, disse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Com melhora em indicadores da pandemia, Curitiba retoma atendimento habitual em 88 unidades de saúde

Com uma pequena melhora nos indicadores referentes à pandemia da covid-19, que aliviaram a pressão sobre o sistema de saúde, todas as unidades básicas que estavam recebendo casos de urgência e emergência voltaram ao atendimento habitual nesta semana. Com isso, Curitiba agora tem 88 unidades básicas abertas -, além de sete UPAs que voltaram à função original recebendo pacientes de urgência emergência de quaisquer doenças.

Das 88 unidades básicas abertas, 73 estão com atendimento normal para todos os públicos de Curitiba (inclusive vacinação de rotina), duas são exclusivas para multivacinação de rotina e uma para multivacinação de rotina e atendimento exclusivo de crianças e gestantes (veja a lista completa e horários aqui). Outras 12 são voltadas à vacinação contra covid-19, somados a outros pontos fixos.

De acordo com a secretária municipal da Saúde de Curitiba, Márcia Huçulak, as 73 unidades com atendimento normal funcionam com atendimento em “y”, ou seja, contam com um fluxo separado para pacientes sintomáticos respiratórios e para demais pacientes de rotina e que fazem tratamento de doenças crônicas.

“Isso garante a segurança de todos e que o cuidado com os curitibanos não para”, afirma a Márcia. “Ao mesmo tempo que cuidamos dos pacientes de covid-19, não deixamos de lado as demais situações de saúde”, explica.

Apenas 18 unidades estão com atendimento suspenso. Para 12 delas, a previsão é voltar a funcionar até o fim de agosto, a depender da situação sanitária do município. Essas unidades com atendimento suspenso tiveram as equipes redirecionadas para os demais postos de saúde abertos, para reforçar o atendimento de covid-19.

Outras cinco unidades de saúde estão em reforma. São elas US Moradias da Ordem (distrito sanitário do Tatuquara); US Tingui e Fernando de Noronha (distrito sanitário Boa Vista); US Nossa Senhora da Luz (distrito sanitário CIC); e US Pilarzinho (distrito sanitário Santa Felicidade).

Central de Atendimento

Além das UPAs e das unidades de saúde, a Central de Atendimento 3350-9000 atende todos os dias da semana, das 8h às 20h, casos leves de urgência e emergência, seja por suspeita de covid-19 ou outras doenças. Em caso de necessidade, a central direciona para um serviço de saúde.  

Veja a lista com unidades com atendimento normal aqui

UPAs com atendimento para urgências e emergências (24 horas)

• UPA Sítio Cercado: Rua Levi Buquera, 158, Sítio Cercado
• UPA Boa Vista: Avenida Paraná, 3.654, Boa Vista
• UPA Cajuru: Rua Engenheiro Benedito Mário da Silva, 555, Cajuru
• UPA Campo Comprido: Rua Monsenhor Ivo Zanlorenzi, 3.495, Campo Comprido
• UPA Tatuquara: Rua Jornalista Emílio Zolá Florenzano, 835, Tatuquara
• UPA CIC: Rua Senador Accioly Filho, 3370, Cidade Industrial
• UPA Pinheirinho: Rua Leon Nicolas, s/n esq. com Winston Churchill, Capão Raso

Queiroga: nós vivemos momento epidemiológico que aponta para redução dos óbitos

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, afirmou nesta terça-feira, 6, que o Brasil vive “momento epidemiológico de redução de óbitos” durante anúncio da inclusão dos bancários e dos servidores dos Correios no grupo prioritário do Plano Nacional de Imunização (PNI). “Estamos perto de atingir 50% de vacinados com a primeira dose. Eu falo daqueles acima de 18 anos, que são 160 milhões de habitantes”, destacou.

De acordo com o ministro, a “transferência tecnológica” da AstraZeneca para a Fiocruz, que iniciou fabricação da vacina e dos insumos necessários produzi-la, resultará em economia e fortalecerá o planejamento da campanha de imunização em massa. “Em outubro de 2020, antes de sequer existir uma vacina com registro na Anvisa, definitivo ou emergencial, o ministério, através da secretaria de vigilância em Saúde, elaborou o plano nacional de operacionalização destas vacinas contra a covid-19”, disse.

Queiroga também ressaltou a celeridade do sistema de saúde do País, capaz, segundo ele, de aplicar até 2,4 milhões doses por dia. “No mês de junho, nós atingimos a meta de um milhão de vacinados todos os dias. Em vários dias nós superamos os dois milhões de vacinados.”

Ao justificar a inclusão de bancários e servidores dos Correios no grupo com prioridade à vacina, o ministro os enalteceu por não terem interrompido os trabalhos durante a pandemia do novo coronavírus. “Os bancários são fundamentais para que nossa economia continue fluindo. Servidores dos correios e dos telégrafos estão na linha de frente e são muito importantes”, ressaltou o ministro, que recebeu relatório no qual as categorias apresentaram dados para embasar sua inclusão no rol de beneficiários do PNI. “Muitos deles pagaram com a própria vida”, disse.

Em seguida defendeu a medida como forma de conciliar a contenção da crise sanitária com a preservação da atividade econômica. “Bolsonaro desde o princípio ressaltou a importância de conjugar assistência de saúde e manutenção da economia.”