Araucária aprova projeto que coloca líderes religiosos como prioridade para vacinação contra Covid

A Câmara Municipal da cidade de Araucária, região metropolitana de Curitiba, aprovou por unanimidade o projeto do vereador Eduardo Castilhos (PL), que coloca líderes religiosos como parte do grupo prioritário na vacinação contra a covid-19. Em entrevista à Banda B, na tarde desta quarta-feira (28), Castilhos, que é pastor, garantiu não estar legislando em causa própria.

“O objetivo principal é defender as pessoas que tem contato com o líder religioso, porque ele é procurado até mesmo por pessoas enfermas e vai até hospitais. A ideia é evitar que o líder religioso seja um vetor de transmissão, não é nem proteger a vida dele”, afirmou o vereador pastor Castilhos, que disse ainda que a ideia de líderes religiosos como parte do grupo prioritário é antiga e veio antes da covid-19. “Só foi pra votação porque agora assumi como vereador. Vale para todas as doenças virais, não só covid”, completou.

Aprovado na manhã de terça-feira, o projeto é alvo de criticas na rede social Facebook, por internautas que afirmam que outras categorias deveriam estar à frente na ordem de prioridade. Questionado pela Banda B se estaria legislando em causa própria, o pastor Castilhos disse que não.

Foto: Divulgação

“Como já disse, o objetivo principal não é defender a vida do pastor, mas que ele não seja um vetor de transmissor. Isso vale para todos os líderes religiosos, não só o pastor”, garantiu.

Aprovado, o projeto seguirá para sanção do prefeito Hissan. Além de toda a polêmica, especialistas apontam para uma possível inconstitucionalidade do projeto, já que a decisão da prioridade na vacinação se dá pelo Governo Federal, por meio do plano Nacional de Imunização, e não na esfera municipal.

Informações Banda B

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vacinados contra a covid-19 no Brasil chegam a 35,9 milhões; 17% da população

O Brasil vacinou até esta segunda-feira (10) 35.909.617 pessoas com ao menos a primeira dose da vacina contra a covid-19. Os números são obtidos diariamente pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretarias estaduais de Saúde. A quantidade de pessoas imunizadas representa até aqui 16,96% da população.

Balanço divulgado ontem às 20h pelo consórcio com dados obtidos junto a 25 Estados mostra que 581.772 pessoas receberam a primeira dose. Entre os 35,9 milhões de vacinados, 18.073.591 receberam a segunda dose, o que representa 8,5% da população com a imunização completa; 326.608 pessoas receberam a segunda dose nesta segunda-feira.

No total, os Estados aplicaram 908.380 doses, entre aqueles que foram vacinados pela primeira vez e os que receberam o reforço do imunizante. As autoridades de saúde destacam a importância de os cidadãos retornarem ao posto na data marcada para completar a vacinação e assegurar a proteção contra a covid-19.

Levando em consideração dados relativos à primeira dose, o Rio Grande do Sul tem a vacinação mais avançada do País até esta segunda-feira. O Estado imunizou 21,94% da sua população contra o novo coronavírus. O que tem a menor porcentagem é Roraima, com 10,91% da população vacinada. Em números absolutos, São Paulo lidera com 8,7 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose

Anvisa orienta suspensão de vacina da Astrazeneca para grávidas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) recomendou a suspensão imediata do uso da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca/Fiocruz para mulheres gestantes. A orientação está em Nota Técnica emitida pela agência.

A orientação da Anvisa é que a indicação da bula da vacina AstraZeneca seja seguida pelo Programa Nacional de Imunização (PNI). A decisão é resultado do monitoramento de eventos adversos feito de forma constante sobre as vacinas contra a covid-19 em uso no país.

“O uso off label de vacinas, ou seja, em situações não previstas na bula, só deve ser feito mediante avaliação individual por um profissional de saúde que considere os riscos e benefícios da vacina para a paciente. A bula atual da vacina contra a covid-19 da AstraZeneca não recomenda o uso da vacina sem orientação médica”, ressaltou a Anvisa.

A vacina vinha sendo usada em gestantes com comorbidades. Agora, só podem ser aplicadas nas grávidas a Coronavac e a Pfizer.