60 milhões de MWh: Itaipu socorre setor elétrico em verão fora de época

Itaipu atinge 60 milhões de megawatts-hora (MWh) produzidos em 2020 no mês em que usina está sendo fundamental para socorrer o sistema elétrico nacional quando há demanda não prevista no horário de ponta, em decorrência das altas temperaturas registradas no País. Por duas vezes, nos dias 2 e 6 de outubro, a usina aumentou sua geração além do programado, para atender ao alto consumo de energia elétrica do verão fora de época. Em diversos pontos do Brasil, os termômetros bateram na casa dos 40 graus Celsius.

Mais precisamente, os 60 milhões de MWh serão atingidos nesta segunda-feira (12). A título de comparação, esse montante seria suficiente para atender ao consumo de energia elétrica de todo o mundo por 23 horas; do Brasil, por um mês e 15 dias; da cidade de São Paulo, por dois anos e dois meses; do Paraguai, por quatro anos e três meses; do Estado do Paraná, por um ano e 11 meses; ou, ainda, atenderia por um ano ao consumo de 103 cidades do porte de Foz do Iguaçu.

Socorro ao sistema 

Nos dias 2 e 6 de outubro, durante o pico de carga do Sistema Interligado Nacional (SIN), no período da tarde, houve um aumento não previsto na demanda. Itaipu, em poucos minutos, aumentou sua geração além do programado, para atender a este desvio. 

No dia 6, por exemplo, ampliou sua geração em torno de 1.000 MW por duas horas, chegando a atingir o valor máximo de 1.200 MW. Este montante de 1.200 MW é próximo ao da potência total da usina nuclear de Angra 2 (1.350MW), ou equivalente à potência total instalada da usina de Furnas (1.216MW), localizada no Rio Grande, em Minas Gerais.

Seca e pandemia

O ano de 2020 tem sido atípico, tanto pela pandemia da covid-19 quanto pela hidrologia. O País está enfrentando uma seca histórica. Por esses dois motivos, a geração parcial de Itaipu, este ano, está 3,4% menor do que a registrada no mesmo período de 2019. 

A afluência média ao reservatório, de janeiro até agora, tem sido de 7.934 metros cúbicos de água por segundo (m³/s), ou seja, o pior volume para o histórico de produção da usina (1983-2020). O segundo pior foi registrado em 2019, com 8.647 m³/s. 

Do total de 60 milhões de MWh gerados até agora, 21% supriram o Paraguai e 79% o Brasil. O fator de capacidade operativa, índice da quantidade de água turbinável que efetivamente gerou energia, chegou a 99,73%. 

Já o índice de disponibilidade das unidades geradoras foi de 97% – superior à meta da área técnica da usina, que é 94%. A indisponibilidade forçada das unidades geradoras, índice que mostra quando elas estão paradas por falhas técnicas ou humanas, foi de 0,06%. A referência da área técnica para este indicador é inferior a 0,5%. 

No ano, a produtividade acumulada até agora é de 1,0880 MW médios/m3/s, acima do valor recorde de 1,0778 MW médios/m3/s do mesmo período de 2019. 

Para o diretor técnico executivo da Itaipu, engenheiro Celso Torino, as dificuldades enfrentadas em 2020 foram desafios à altura da experiente equipe de profissionais da usina. “Atingir a produção de 60 milhões de MWh com essa produtividade, em um ano de baixas afluências e com certo impacto da pandemia no segundo trimestre, reflete o trabalho coeso e eficiente de toda a equipe binacional, sempre com foco na gestão da produção e dos ativos da usina.”

Segundo o diretor-geral brasileiro, general Joaquim Silva e Luna, Itaipu mais uma vez mostra sua importância vital para atender de forma robusta e rápida ao sistema elétrico dos dois países. “E isso só é possível graças à competência e ao comprometimento da nossa equipe técnica”, reforça. 

Comparações

De janeiro até agora, a participação de Itaipu no SIN atingiu o patamar acima de 12%.

Ao se comparar o montante de 60 milhões de MWh com a produção anual de 2019 das maiores usinas do SIN, este valor corresponde a:

2,1 vezes a geração da UHE Tucuruí

2,4 vezes a geração da UHE Belo Monte

3,6 vezes a geração da UHE Jirau

3,5 vezes a geração da UHE Santo Antônio

4,6 vezes a geração da UHE Ilha Solteira

7,5 vezes a geração da UHE Xingó  

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Parceria com Itaipu prevê investimentos de cerca de R$50 milhões em segurança pública no Paraná

Considerado importante polo econômico e agroindustrial pela localização estratégica e pela fronteira com Argentina e Paraguai, e divisa com os estados do Mato Grosso do Sul e Santa Catarina, os quais são rotineiramente utilizados pelo crime organizado, o Oeste paranaense está ganhando um reforço na estrutura de Segurança Pública. A conquista se dá com apoio da Itaipu Binacional e pode envolver investimentos de cerca de R$ 50 milhões.

O objetivo é ampliar as atividades voltadas tanto à atuação preventiva contra a criminalidade quanto o suporte para os profissionais que trabalham com investigações e execução penal. O principal foco da parceria é construir melhores estruturas para os profissionais e para o cidadão.

Estão em tratativas projetos de construção, reformas e ampliações de unidades das instituições vinculadas à Secretaria, além da aquisição de veículos especializados para fortalecer a atuação do Corpo de Bombeiros. “Temos uma parceria excelente com Itaipu. Esses projetos fortalecerão a proteção da sociedade”, disse o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Segundo o diretor-geral brasileiro da Binacional, João Francisco Ferreira, a segurança pública é fundamental para o desenvolvimento regional e, por isso, continuará tendo o apoio da Itaipu. “Temos vários convênios firmados com os órgãos de segurança estaduais, mas também com as Forças Armadas, a Polícia Federal e a Polícia Rodoviária Federal. Já colhemos bons resultados com o aumento da segurança em nossa região. Por isso, a intenção é continuar mantendo os apoios dentro de nossa possibilidade. Seguimos juntos nessa batalha para consolidar a segurança pública”, afirmou.

Parceria e trabalho integrado são alguns dos principais pontos destacados pelo secretário de Segurança Pública, Romulo Marinho Soares. “O diálogo é fundamental para os ajustes dos projetos que estão nascendo em Foz do Iguaçu e região. Por isso, é preciso entender a realidade dos locais onde estão sendo aplicadas as obras e é necessário estar sempre presente para verificar o andamento para que as ações não parem”, acrescentou.

PROJETOS 

O aporte financeiro da Itaipu tira do papel projetos e obras relacionadas à Segurança Pública no Oeste e, a médio e longo prazos, mudará o cenário da região. Dos cerca de R$ 50 milhões previstos com a parceria, cerca de R$ 22 milhões devem ser aplicados na construção de uma Companhia do Batalhão de Polícia de Fronteira (BPFron) em Guaíra, na modalidade concorrência pública, prevista para junho. O local permitirá maior flexibilidade das equipes policiais para combater o crime organizado com operações, prisões e apreensões.

Outro ponto tratado com atenção é o fortalecimento de ações integradas entre as instituições da Secretaria da Segurança Pública em busca de melhores resultados. Além de fomentar operações e atividades conjuntas, será criado um Centro Integrado das Polícias em Foz para facilitar o atendimento ao cidadão em um mesmo lugar e permitir ações otimizadas pelas equipes policiais. O investimento da Itaipu nesta obra, após aprovação dos projetos, deverá ser em torno de R$ 2,6 milhões. Os projetos foram doados e estão em fase de aprovação pela Prefeitura de Foz do Iguaçu.

A Segurança Pública e a Itaipu, preocupadas em buscar meios para otimizar o andamento dos projetos e canalizar recursos, conta com parcerias com outras entidades, como é o caso da Associação dos Funcionários e Amigos da Polícia Civil de Foz do Iguaçu (AFAPC). Neste sentido, estão em andamento as tratativas para viabilizar a construção da Delegacia da Mulher e do Instituto de Identificação em Foz do Iguaçu. O terreno onde ficarão as unidades fica na região Central da cidade, já foi doado pela prefeitura e vai favorecer o atendimento à população. A obra, que terá investimento de aproximadamente R$ 1,7 milhão, está em fase de validação dos projetos.

Ampliações e reformas das unidades já existentes também estão em pauta. A Base Náutica de Entre Rios do Oeste, ponto estratégico para as operações da Polícia Militar no Rio Paraná, receberá investimentos para a reforma do espaço assim que houver a assinatura de convênio entre a Itaipu e o Governo do Estado, mesma condição da reforma de 20 delegacias da Polícia Civil da região, que objetiva melhorar as condições de trabalho dos policiais e, consequentemente, proporcionar um atendimento mais adequado ao cidadão. A reforma das unidades da Polícia Civil e da Base Naútica receberão investimento de cerca de R$ 3 milhões.

Na área de execução penal, a Secretaria está trabalhando juntamente com a Itaipu Binacional para que um convênio seja estabelecido a fim de proporcionar melhorias às unidades penais da região. A previsão é que o acerto entre as instituições possibilite cerca de R$ 2,8 milhões para a reforma e reparo de instalações do Depen.

VIATURAS 

Além de obras, a parceria vai possibilitar a renovação de parte da frota de veículos do Corpo de Bombeiros. A Secretaria já concluiu o plano de trabalho para aquisição de caminhões Auto Bomba Tanque e Resgate (ABTRs) e o documento está em análise na Itaipu para a celebração do convênio, com previsão de investimentos de aproximadamente R$ 5 milhões. As viaturas vão melhorar a efetividade dos bombeiros no atendimento de ocorrências nos municípios lindeiros da região Oeste.

PROPOSTAS 

Outros pautas em análise são a reforma do Colégio da Polícia Militar de Foz do Iguaçu, o antigo Bartolomeu Mitre. Análises preliminares apontam que a reforma custará aproximadamente R$ 3,8 milhões, mas ainda depende da elaboração de projetos para que o tema avance.

Ainda está em análise uma proposta de aquisição de um avião Airtractor de Combate a Incêndio Florestais para o Corpo de Bombeiros, que possibilitaria resultados mais efetivos nas operações em incêndios de maiores proporções. O investimento para compra da aeronave seria de aproximadamente R$ 12 milhões.

OUTROS PROJETOS 

A Itaipu também desenvolve outros dois projetos que incrementam a segurança regional no Paraná: o Muralha Inteligente, em parceira com a Receita Federal e o Parque Tecnológico Itaipu (PTI), no valor de R$ 18,8 milhões, e o Centro Integrado de Operações de Fronteira (Ciof), em parceria com o Ministério da Justiça e Segurança Pública e o PTI, no valor de R$ 2,4 milhões.

Em live semanal, Bolsonaro elogia novamente Itaipu

Ele destacou os investimentos da binacional em obras de infraestrutura, especialmente as duas pontes

O presidente Jair Bolsonaro voltou a citar a Itaipu durante sua tradicional live, transmitida via Youtube e redes sociais na noite dessa quinta-feira (20). Foi a décima segunda vez que o presidente mencionou a binacional em lives durante seu mandato, a segunda durante a gestão do general João Francisco Ferreira, que está no comando da empresa há 42 dias.

Itaipu é mencionada no trecho que começa em 22min, quando o presidente, em conversa com o Ministro da Infraestrutura, Capitão Tarcísio Gomes de Freitas, fala do lucro da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos em 2020.

“E também, a gente não cansa de falar, Itaipu Binacional: estava lá o general Silva e Luna, agora entrou o general Ferreira. […] O que foi feito ano passado? […] Dois bilhões de investimento, só no ano passado”, disse Bolsonaro, reforçando que Itaipu é referência em boa administração de recursos.

O ministro concordou: “Tem muita coisa boa sendo feita, vamos destacar a ponte internacional de Foz do Iguaçu […], 50% de execução pronta.” A ponte que será construída em Carmelo Peralta também foi lembrada na conversa.

Mais adiante, em trecho que começa em 57min40seg, o presidente e o ministro falam sobre a questão do pedágio no Paraná. O Estado terá um investimento de R$ 42 bilhões na malha rodoviária, por meio de um modelo conjunto de concessão, permitindo a redução no valor da tarifa de pedágio – antiga demanda da população paranaense.

Ao todo, mais de 65 mil pessoas acompanharam a transmissão. Para assistir, clique aqui: https://www.youtube.com/watch?v=4NBPxdOxbOY