5 motivos para ser boteco: as razões que tornam um bar clássico

Uma instituição nacional, tão representativa quanto o samba e o futebol. É difícil alguém que, adulto, não tenha pisado em pelo menos um na vida. No gênero clássico está a graça: música, amigos e cerveja gelada. É claro, estamos falando do boteco, um conjunto de elementos que na sua essência é simples e prazeroso, assim como a vida deve ser.

Despojado de qualquer formalidade, quem visita o Quermesse, em Curitiba, sabe que se trata de uma espécie em extinção: o boteco clássico, que traz consigo uma receita de anos no cardápio, que você só encontra ali; o garçom de anos, que sequer anota o pedido pois o memoriza; a música alta na medida certa pra manter a conversa. Mas será que é só isso que representa? Na avaliação de José Araújo Neto, que toca o espaço desde 2009, existe qualquer coisa de especial em um espaço que nunca adere aos modismos, mas nunca sai de moda.

Se sentir bem-vindo

Um ambiente de boteco clássico nunca deve soar pretensioso, apenas transmitir o que é. “O ambiente foi criado de maneira a remeter nossos clientes às festas de quermesse do interior e de antigamente, lembranças coloridas e alegres assim como o local”, detalha Neto. “Certa vez, fizemos uma adaptação livre de um famoso poema de Carlos Drummond de Andrade, ‘Casa Arrumada’, para divulgar o que acreditamos ser a essência de um boteco como o Quermesse: ‘boteco tem que ser boteco e não centro cirúrgico, cenário de novela. Eu prefiro ir a um onde eu bato o olho e percebo logo: Aqui tem vida!’”

Cardápio com história pra contar

Não importa a inspiração, seja ela da vivência ou com influências diversas, o cardápio de um boteco tem que sintetizar uma história. Ao contrário de ser descritivo, o nome de um prato ou petisco deve transmitir uma sensação, do contrário se torna vazio. “No Quermesse, apostamos na curadoria da minha mãe, Karla Manfredini, que com a experiência de 18 anos como chef agregou muito a essa proposta. Junto à cozinheira Tia Anísia, ela compôs um cardápio abrangente e com influência forte regional, justamente para reforçar a marca nos pratos”.

Cerveja de garrafa

Não há discussão: a cerveja é a alma do boteco. Ao redor de uma mesa cheia de garrafas, há a certeza de uma conversa longa, divertida e cheia de história pra contar. “A cerveja de garrafa, não importa o sabor, representa a aproximação de pessoas e descontração”, define Neto. “Temos uma premissa de sempre oferecer, inclusive, um balde de cerveja com bastante gelo. Isso facilita o consumo das pessoas e permite maior agilidade para os garçons atenderem”.

Petiscos coletivos de qualidade

De que vale beber bem e na hora da fome não ter uma comida de qualidade? Pensando nisso, um boteco clássico tem aquela receita com ingrediente secreto, cujo sabor é especial de lá. A mãe de Neto, Karla Manfredini, fez isso no Quermesse: com a ajuda de Tia Anísia, petiscos como a Carne de Onça, Iscas de Mignon, Frango Mafioso e o Bife Sujo de Alcatra se tornaram marca registrada do espaço. “A ideia do petisco, diferente do prato, é permitir a você comer algo gostoso em um ambiente mais social: levantar da mesa, beliscar o prato e continuar conversando e curtindo um som ambiente”, destaca Neto.

Política no “fio do bigode”

Antigamente, os negócios eram feitos “no fio do bigode”. Essa expressão, segundo historiadores, surgiu em uma época que dar a garantia da sua palavra representava tirar um fio da própria barba, como prova de confiança: o bigode, naquela época, era uma representação de masculinidade. “Hoje, essa expressão se aplica à forma que lidamos com nossos clientes”, reflete Neto. “Não há nada pior que se sentir observado ou que estão desconfiando, em um espaço. Aqui no Quermesse, a proposta é deixar você livre para pagar no momento que quiser, se deslocar livremente e curtir sem preocupações um espaço agradável”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Oficina sobre prevenção de acidentes e primeiros socorros mobiliza 2 mil pessoas em Curitiba

Oficina sobre Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros, na Primeira Igreja Batista, no Batel. Curitiba, 02/02/2023. Foto: Luiz Costa/SME

Mais de 2 mil pessoas, entre diretores de escolas, pedagogos, representantes de Centros de Educação Infantil (CEIs) contratados e funcionários terceirizados da limpeza da Educação participaram nesta quinta-feira (2/2) da Oficina sobre Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros, na Primeira Igreja Batista, no Batel.

A formação é ministrada por meio de parceria entre as Secretarias Municipais de Defesa Social e Trânsito e Educação, com o objetivo de capacitar as equipes das unidades educacionais a prestarem atendimento emergencial.

“São ações que podem salvas vidas, todos devem se sentir partícipes desta grande iniciativa”, disse a secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

O chefe de Operações da Defesa Civil de Curitiba, Rodrigo Alípio, destacou a importância de servidores e terceirizados saberem tomar as medidas necessárias em casos de emergência. “Pequenas atitudes podem salvar vidas”, frisou Alípio.

A diretora do Departamento de Logística, Maria Cristina Brandalize, esclareceu que a oficina desta quinta-feira integra as ações do Conhecer Para Prevenir (CPP), programa desenvolvido em parceria entre Educação e Defesa Social.

Criado em 2005, o CPP orienta e prepara a comunidade escolar para enfrentar situações de risco e emergências, como incêndios, ataques de abelhas ou animais, vazamentos de gás.

As atividades envolvem capacitação de professores, funcionários e estudantes da rede municipal nas áreas de prevenção, combate a incêndios e primeiros socorros.

Todas as escolas da rede são atendidas e neste ano as unidades contratadas também participam. “A Defesa Civil nos traz os protocolos de atendimento que farão toda a diferença numa situação de emergência, como um bebê que se engasga”, disse Brandalize.

Autoridades presentes

Também estiveram presentes o vereador Leônidas Dias; os superintendentes Andressa Pereira (Gestão Educacional) e Oséias Santos de Oliveira (Executivo); a diretora do Departamento de Educação Infantil, Kelen Patrícia Collarino; o representante da Igreja Batista, Amauri Antônio da Silva; representantes da Defesa Civil de Curitiba; e chefes de departamentos da Secretaria da Educação.

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

Acorda, Pedrinho: Banda Jovem Dionísio faz bate-papo na Oficina de Música de Curitiba

Banda Jovem Dionísio faz bate-papo na Oficina de Música de Curitiba. Foto: Divulgação

Nesta quinta-feira (2/2), às 17h30, a banda curitibana Jovem Dionísio participará de um bate-papo musical, como parte das atividades da 40ª Oficina de Música de Curitiba. No encontro, o grupo falará com os alunos da oficina e com o público em geral sobre suas trajetórias, sua visão sobre a música e sobre seus processos de composição e produção.  

O bate-papo será realizado no Auditório John Henry Newman, na biblioteca central da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). A entrada é gratuita com inscrição pelo site da Oficina.

Acorda, Pedrinho

A banda, que existe desde 2019, ganhou grande popularidade a partir de 2020, com seu primeiro grande sucesso, Pontos de Exclamação. Mas a música que realmente fez o grupo curitibano estourar foi Acorda, Pedrinho, lançada em 2022. A canção chegou a ocupar a primeira posição nas músicas mais escutadas do país, na plataforma de streaming Spotify, também ficando bastante famosa nas redes sociais.

Este grande sucesso foi inspirado em uma piada interna do grupo, que frequentava a lanchonete Aquarius, na Avenida João Gualberto, também conhecida como o Bar do Dionísio, de onde vem o nome da banda. Neste local, o grupo jogava sinuca com um senhor chamado Pedrinho, que tinha de ser acordado antes, pois dormia após beber no bar.

Com esta recente popularidade, a Jovem Dionísio irá compartilhar algumas de suas experiências na estrada, além de suas impressões sobre música e produção musical, neste bate-papo especial promovido pela Oficina de Música de Curitiba.

Serviço

Bate-papo musical com Jovem Dionísio

Dia 2 (quinta-feira) – 17h30

Local: Biblioteca Central – Auditório John Henry Newman, PUCPR (R. Imaculada Conceição, 1155 – Prado Velho)

Grátis – Inscrição

Veja a matéria no site da Prefeitura de Curitiba

WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com