5 curiosidades sobre a cultura no Paraná

De movimentos artísticos a eventos internacionais, o estado tem uma produção rica nas mais variadas artes – que podem ser aproveitadas até mesmo nas redes sociais

O Paraná tem grandes contribuições na arte brasileira, seja nas telas, nos palcos e nas ruas, a cultura está por todo o estado. No Dia Nacional das Artes, celebrado nesta quarta-feira (12), a produção paranaense merece ganhar ainda mais destaque, com uma história que passa por grandes nomes reconhecidos internacionalmente, eventos mundiais e até um movimento próprio.

Nesta lista, há cinco curiosidades para conhecer mais sobre a arte e cultura do estado:

Movimento Paranista – O Paraná teve seu próprio movimento artístico, desenvolvido entre as décadas de 1920 e 30. Em busca de uma identidade regional, artistas e intelectuais incentivaram a produção de obras que gerassem esse sentimento de pertencimento. Símbolos como a erva-mate, a gralha-azul e o pinhão ajudaram a celebrar essas criações. No ano passado, o Memorial Paranista foi inaugurado para resgatar esse momento tão efervescente da cultura estadual. João Turin, um dos nomes mais celebrados dessa fase, tem exposição permanente no local (R. Mateus Leme, 4700) e um jardim de esculturas.

Foto: Divulgação

Bienal Internacional de Arte Contemporânea de Curitiba – O maior evento de arte contemporânea do Sul do Brasil comemora 28 anos em 2021. Em suas 14 edições, reuniu nomes de destaque mundial como a sérvia Marina Abramovic e o alemão John Bock, além de brasileiros como Vilma Slomp e Neville D’Almeida. Na abertura da Bienal de 2017, Curitiba recebeu a doação de uma escultura de três metros de altura do artista chinês Wu Weishan, diretor do Museu Nacional de Pequim, uma entre muitas contribuições do evento para a arte paranaense. Em 2021, foi lançada a Bienal On-Line, extensão da 14ª edição voltada aos meios digitais. No Instagram @bienaldecuritiba há uma programação completa, iniciada em abril e que segue até dezembro celebrando performances, pintura, fotografia e design, entre outros tipos de arte, com posts e lives.

Foto: Divulgação

Teatro, prisão e biblioteca – Um dos grandes símbolos da cultura no Paraná tem uma história centenária – e bem curiosa. O Teatro Guaíra surgiu em 1884 com o nome de Theatro São Theodoro, em homenagem ao fundador de Curitiba: Theodoro Ébano Pereira. Estava localizado no mesmo terreno onde hoje funciona a Biblioteca Pública do Paraná (outro grande marco da cidade, uma instituição com mais de 160 anos). Durante a Revolução Federalista do Paraná em 1894, não só os espetáculos foram suspensos como o teatro passou a ser usado como prisão para os rebeldes. Só em 1900 a situação é contornada e o espaço é renomeado Theatro Guayrá. Pouco depois, o prédio foi demolido, mas a pressão popular liderada pela Academia Paranaense de Letras faz a cidade construir um novo teatro oficial – inaugurado em 1954, já no terreno atual do Guaíra.

Artes Indígenas no Paraná – Os povos originários também ganham destaque na arte paranaense. Hoje, são três grupos predominantes no estado: Guarani, Xetá e Kaingang, dos vários que já habitaram por aqui. Diversas entidades mantém coleções de obras destes e de muitos outros grupos sociais da América Latina, como o Museu Paranaense e o Museu de Arte Indígena. São adornos, objetos ritualísticos, armas, instrumentos musicais e arte plumária que celebram a riqueza dos povos originários. Ambos estão no Instagram (@museuparanaense e @maimuseu), sempre divulgando novas exposições e curiosidades sobre seus acervos.

Foto: Divulgação

Fandango Litorâneo – Tradição do litoral paranaense, o fandango remonta uma história de séculos. Com forte influência espanhola, aliada a cultura portuguesa e danças de indígenas da região, é ligado também ao Barreado, misturando música e gastronomia em uma grande celebração tipicamente brasileira. As danças do fandango parnanguara podem ser bailadas ou batidas, sapateadas, ao som de instrumentos típicos como rabeca e viola. Comunidades caiçaras se dedicam ao fandango até hoje, com dezenas de grupos e festivais dedicados a esta dança, como o Encontro de Tradições e o Festival Nacional do Fandango Caiçara de Paranaguá.

Foto: Divulgação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Relatório da Fiocruz confirma predominância da variante Ômicron e novos casos no Paraná

O 6º Relatório de circulação de linhagens do vírus Sars-CoV-2, responsável pela Covid-19, do Instituto Carlos Chagas/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) Paraná, confirmou a predominância da variante Ômicron no Estado. O documento foi recebido pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) neste sábado (15).

A análise considera 178 amostras coletadas entre 27 de dezembro e 2 de janeiro nas quatro macrorregiões, em parceria com o Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP), onde 91 (51,1%) foram confirmadas para a variante Ômicron e 87 (48,9%) para a Delta.

As cepas são consideradas como “variantes de preocupação” – VOC pela Organização Mundial da Saúde. As VOC são aquelas que têm evidências de induzir casos mais graves e aumentar a transmissibilidade da doença.

A Sesa havia confirmado a circulação da variante Ômicron na quarta-feira (12) com um caso confirmado em Curitiba após sequenciamento genômico da Fiocruz do Rio de Janeiro. O secretário de Estado da Saúde, Beto Preto, já alertava para a possibilidade de predominância da nova variante no Paraná, inicialmente detectada na África do Sul e designada como VOC em novembro do ano passado.

“Quando tivemos a confirmação do primeiro caso, já falamos que existia transmissão comunitária da variante no Paraná, considerando a alta transmissão da doença nos primeiros dias de janeiro. A Ômicron tem essa característica de se espalhar mais fácil, e se detectamos em mais da metade dessas amostras certamente o número de casos é muito maior”, afirmou o secretário.

Segundo ele, a grande cobertura vacinal contra a Covid-19 colaborou para que a circulação da nova variante não resultasse no agravamento da doença na maioria dos casos. “Precisamos alertar para a importância da vacinação. A imunização contra a doença, os cuidados não farmacológicos e a conscientização da população, são nossas principais armas contra esse vírus que se modifica e dissemina muito rapidamente”, alertou Beto Preto.

Os casos identificados pela Fiocruz Paraná neste relatório serão inseridos no monitoramento oficial do Estado nos próximos dias, após investigação epidemiológica para identificação do perfil dos casos, municípios de residência dos infectados e evolução dos casos. Agora, o Paraná possui 92 casos confirmados da variante Ômicron, sem óbitos registrados.

Covid-19 segue em aceleração e Paraná confirma quase 15 mil casos em 24 horas

A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta sexta-feira (14) mais 14.924 casos confirmados e duas mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus.

Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 1.675.879 casos confirmados e 40.707 mortos pela doença.

Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (14.822) de 2022, dezembro (27), novembro (2), outubro (4), setembro (1), agosto (7), julho (6), junho (7), maio (4), abril (6), março (6), fevereiro (5) e janeiro (6) de 2021 e dezembro (5), outubro (1), setembro (5), agosto (3) e julho (7) de 2020.

Os óbitos divulgados nesta data são de maio (1) e março de 2021.

Monitoramento

A Sesa está monitorando a situação epidemiológica do Paraná e o crescimento no número de casos diários divulgados pela pasta. Neste momento, o aumento está diretamente ligado com a maior circulação de pessoas em todo o Estado, devido às festividades de fim de ano.

Além disso, deve-se considerar um atraso no envio de amostras para os laboratórios credenciados do Estado como o Laboratório Central do Paraná (Lacen/PR) e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) na última semana, também relacionado com os recessos e feriados.

A secretaria reforça que as medidas de prevenção como uso de máscaras, lavagem das mãos e uso do álcool em gel permanecem sendo necessárias, juntamente com a continuidade da vacinação contra a Covid-19.

Internados

65 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados em leitos SUS (28 em UTI e 37 em leitos clínicos/enfermaria) e nenhum em leitos da rede particular (UTI ou leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 769 pacientes internados, 259 em leitos UTI e 510 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos da rede pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

Mortes

A Sesa informa a morte de mais dois pacientes. São dois homens, um de 78 anos que residia em Curitiba e o outro de 62 anos, morador de Ponta Grossa. Os óbitos ocorreram entre 30 de março e 29 de maio de 2021, respectivamente.