144 municípios paranaenses já vacinam adultos com 18 anos contra a Covid-19

Das 399 cidades paranaenses, 144 já vacinam contra a Covid-19 todos os adultos a partir de 18 anos. O número já corresponde a 36% dos municípios, cerca de um terço de todo o Estado. Entre as 144 cidades, 21 já encerraram a vacinação — o que significa que toda a população local com mais de 18 anos já foi convocada e, agora, as secretarias municipais de saúde fazem uma busca ativa pelas pessoas que ainda não se vacinaram. Esses municípios correspondem a 5,26% de todo o Paraná.

De modo geral, a maioria já chegou pelo menos à faixa dos 25 anos: são 352 cidades — 88,22% do total — avançando neste recorte. O número reforça a estratégia de isonomia entre os municípios promovida pelo governo estadual desde o início da campanha de vacinação.

“Não estamos promovendo uma competição sobre quem vacina mais rápido, mas sim avançando de forma igualitária entre os municípios paranaenses. Temos que juntar esforços para chegarmos todos juntos ao momento de comemorar a vitória sobre o coronavírus”, afirmou Beto Preto, secretário estadual de Saúde.

Apenas três municípios ainda estão na faixa dos 30 anos — Icaraíma (30), Tapira (30) e Marialva (31) — e outros 21 entre 25 e 29 anos. Os dados são de um levantamento da secretaria estadual da Saúde feito junto às 22 Regionais de Saúde do Paraná.

Paralelamente, o Estado ultrapassou, nesta semana, o marco das 10 milhões de doses aplicadas. Após bater a meta, com duas semanas de antecedência, de vacinar até agosto 80% da população paranaense adulta com ao menos uma dose, o Governo do Estado avança para alcançar 100% dos adultos até o fim de setembro. Atualmente, esse número está em 84,08%.

No total, o Estado já aplicou 10.002.480 vacinas, sendo 7.017.431 primeiras doses, 2.669.602 segundas doses e 315.447 doses únicas. 34,23% da população já estão completamente imunizados, seja com segunda dose ou dose única.

“O avanço da vacinação no Paraná faz com que já vejamos uma queda nos índices de internamentos, óbitos e casos mais graves da Covid-19. Para que a gente possa sair da pandemia, precisamos manter os cuidados e continuar a imunização, especialmente com a segunda dose. É a D2 que vai conseguir garantir o esquema vacinal completo e a possibilidade efetiva da imunização do organismo, combatendo novas variantes e promovendo uma saúde melhor”, complementou o secretário.

VACINAÇÃO ENCERRADA — Os municípios que já concluíram a vacinação são Teixeira Soares, Porto Barreiro, Virmond, Antônio Olinto, Bom Jesus do Sul, Salto do Lontra, Santa Izabel do Oeste, Altamira do Paraná, Corumbataí do Sul, Peabiru, Rancho Alegre d’Oeste, Inajá, Nova Aliança do Ivaí, São Pedro do Paraná, Terra Rica, Tamarana, Barra do Jacaré, Cambará, Ibaiti, Ariranha do Ivaí e Godoy Moreira.

ADOLESCENTES — O Ministério da Saúde já confirmou que adolescentes de 12 a 17 anos serão incluídos no Plano Nacional de Imunização contra a Covid-19, com prioridade para quem possui comorbidades. A nova faixa etária será contemplada depois que toda a população a partir de 18 anos estiver vacinada com ao menos uma dose. Atualmente, apenas as vacinas da Pfizer/BioNTech foram aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicação no grupo.

No Paraná, Toledo será a primeira cidade a iniciar a faixa de 12 a 17 anos, o que ocorre a partir desta sexta-feira (27). A cidade foi escolhida pela Pfizer e pelo Ministério da Saúde para participar de um estudo epidemiológico observacional que tem como intuito analisar o comportamento da doença em um ambiente em que toda a população esteja vacinada, contemplando também os adolescentes a partir de 12 anos.

“É um motivo de muita alegria ver Toledo, uma cidade muito importante para o Paraná, ter um reconhecimento nacional do Ministério da Saúde e do laboratório Pfizer em fazer esse trabalho do avanço da vacinação dos jovens a partir dos 12 anos. Toledo, com sua capacitação de gestão e boa condução no enfrentamento à pandemia, conseguiu esse reconhecimento de que a cidade deveria receber esse projeto de análise científica”, afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Segundo a farmacêutica, a pesquisa vai analisar o comportamento da doença, incluindo redução de casos, prevenção de casos sintomáticos, internações, mortes e consequências a longo prazo atribuídas à Covid-19. Para isso, a cidade vai receber, nesta quarta-feira (25), um novo lote de 35 mil doses de Pfizer para concluir a aplicação de D1 em toda a faixa etária do estudo. O cronograma do município prevê que toda a remessa adicional seja administrada na população a partir de 12 anos até a próxima terça-feira (31).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

“Calorão” faz Paraná ultrapassar 40° C; cidades registram recordes históricos

O mapa do Paraná registrou temperaturas acima dos 40° C durante este fim de semana. No sábado e no domingo, houve registro de temperaturas máximas que não apareciam há meses no Estado e também recordes históricos. O calor se mantém e segue até quinta-feira (27), quando a atuação de uma frente fria é esperada no Estado. Os dados são do Sistema de Tecnologia e Monitoramento Ambiental do Paraná (Simepar).

Curitiba bateu o recorde do ano neste domingo (23): 33,1° C foi a temperatura mais alta registrada na cidade desde setembro de 2020. Ainda no domingo, no Oeste do Estado, São Miguel do Iguaçu igualou o patamar mais quente de sua história: 40,6 °C, registrado em setembro de 2020. Em Loanda, no Noroeste, fez 41° C no sábado (22), o maior valor registrado na rede de estações meteorológicas.

Em Altônia (Norte), Palotina (Oeste) e Capanema (Sudoeste) o calorão se aproximou do recorde histórico. Na primeira houve registro de 40,1 °C, contra 41,3 °C de máxima. Na segunda, a diferença foi de apenas 1,2° C (de 40,8° C no domingo para 42° C de máxima histórica). Na terceira, houve registro de 40,2° C, contra 42° C de recorde.

Fonte: Simepar

E a semana segue quente no Paraná. A segunda-feira (24) amanheceu com tempo mais seco e estável. “As temperaturas seguem elevadas, com valores que já ultrapassam os 24°C sobre a Capital. No Oeste/Noroeste, temperaturas acima dos 30°C também já são registradas”, disse a meteorologista Lidia Mota, do Simepar.

As regiões Oeste, Noroeste e Sudoeste vão se aproximar dos 40° C na tarde desta segunda-feira e chuvas bem típicas de verão – rápidas e pontuais – podem ocorrer no Centro-Sul, Sudoeste, Oeste e Noroeste, inclusive com possibilidade de ventos mais fortes.

Na Capital e no Litoral, a máxima deve chegar a 32° C. O pico será de 31° C nos Campos Gerais; 34 °C no Sudoeste; 36° C no Oeste; e no Norte e Noroeste segue acima dos 36° C em Maringá e 35° C em Londrina, segundo os meteorologistas do Simepar.

Na quarta-feira (26), o tempo segue mais abafado favorecendo a ocorrência de pancadas de chuvas. Entre quinta e sexta (27 e 28), a previsão do Simepar é de que a aproximação de uma frente fria reforce a condição de tempo instável, com possibilidade de desenvolvimento de alguns temporais.

Reforço de marca diferente é mais eficaz para vacinados com CoronaVac

A pesquisa analisou dados de 1.240 voluntários em São Paulo e Salvador que receberam doses da CoronaVac, produzida pelo Instituto Butantan, em um intervalo de seis meses antes do início do estudo. Os voluntários receberam doses de reforço da Janssen, Pfizer-BioNTech e AstraZeneca e da própria CoronaVac.

Os índices de aumento da concentração de anticorpos, 28 dias após a dose de reforço, ficaram em 152% para a vacina da Pfizer-BioNTech; 90% para a da AstraZeneca; 77% para a da Janssen, e 12% para a CoronaVac.

“Em adultos idosos, a diferença dos títulos de anticorpos neutralizadores foi entre 8 e 22 vezes maior em esquemas heterólogos de reforço do que no reforço homólogo com a CoronaVac”, relataram os autores do estudo.

Conforme os autores, o uso das doses de reforço mostrou eficácia contra variantes como a Delta e a Ômicron. O estudo também apontou a necessidade da dose de reforço para quem completou o ciclo com a CoronaVac.

A pesquisa foi publicada no periódico científico Lancet.