12º Festival de Cinema da Lapa acontece na próxima semana com dezenas de atrações gratuitas

Entre os dias 07 e 10 de novembro, será realizada a 12ª edição do tradicional Festival de Cinema da Lapa, na histórica cidade da Lapa (PR), localizada na Região Metropolitana de Curitiba. Promovido pelo Instituto Histórico e Cultural da Lapa, em parceria com o Instituto Borges da Silveira, o evento se consolidou como uma das principais celebrações do cinema nacional e contará com uma programação gratuita repleta de atrações especiais.

Durante a programação oficial, serão exibidos gratuitamente, ao longo de quatro dias, dezenas de filmes, que serão divididos em diferentes mostras, além da realização de shows, homenagens e exposições. O evento acontece em espaços selecionados especialmente para o festival. Um dos destaques da programação ficará por conta da Mostra Competitiva de longa-metragem, que contará com a exibição dos filmes “O Amor dá Trabalho”, “Eu sou Brasileiro”, “Nóis por Nóis” e “Maria do Caritó”. Estarão em disputa, entre outros, os prêmios de Melhor Ator, Melhor Atriz, Melhor Diretor e Melhor Filme.

A programação oficial trará, também, diversos filmes de curta e longa-metragem que vão ser exibidos na “Mostra Infantil” voltadas para as escolas, com destaque para a produção “Turma da Mônica: Laços”; na “Mostra Filmados na Lapa”, somente com produções locais; e nas mostras “Curtas-metragens Paranaenses” e “Celulapa”, com filmes produzidos em celular. Para completar a programação oficial, duas exposições fazem parte do evento: “O Cinema no Olhar ”, que trará fotografias do acervo do Museu da Imagem e do Som do Paraná (MIS – PR), com curadoria de Gefferson Vaz e produção de Tiomkim, em cartaz na Casa Ney Braga; e “Projeções através do tempo”, que vai apresentar o acervo do do colecionador Orlando Gonçalves, disponível para visitação no Theatro São João.

Assim como aconteceu em todas suas edições, o 12º Festival de Cinema da Lapa vai homenagear grandes nomes do cinema nacional com o Troféu Tropeiro da Lapa, que destaca a carreira de grandes artistas brasileiros. Neste ano, o festival vai celebrar a carreira da atriz Lilia Cabral, que desembarca na cidade no sábado (09). Além  da tradicional homenagem, o festival entregará a Comenda Tropeiro da Lapa para o Dr. Luiz Lauro Lacks e o Diploma de Mérito para o ator paranaense Licurgo Espínola e para o exibidor Milton Durski.

Mostra competitiva

A primeira exibição da Mostra Competitiva será o filme “O Amor dá Trabalho”, que será apresentado na quinta-feira (07), a partir das 21h. O filme é dirigido por Ale McHaddo e conta a história de Ancelmo, interpretado pelo ator Leandro Hassun, um malandro e aproveitador que morre e acaba ficando preso no limbo. Para garantir seu lugar no céu, o personagem precisa praticar uma boa ação cumprindo a missão de unir um homem e uma mulher com personalidades muito divergentes. O elenco conta, ainda, com Flávia Alessandra e Bruno Garcia.

Na sexta-feira (08), a partir das 20h, será a vez da exibição do filme “Eu sou brasileiro”, dirigido por Alessandro Barros, cujo enredo aborda a vida de Léo, homem que passou a sua vida inteira tentando se tornar um jogador de futebol famoso e bem-sucedido, mas nunca teve sucesso e encontra sua força na família e na vocação ao unir o amor por futebol com a escrita. A sessão contará com a presença do ator Daniel Rocha, interprete do protagonista do longa-metragem. Já no sábado (09), a partir das 20h, será a vez do filme “Nóis por Nóis”, dirigido por Jandir Santir e Aly Muritiba, que mostra a trajetória de quatro jovens  que vagam pela pista de um baile de rap, com vidas e objetivos completamente distintos, mas que terão seus destinos selados para sempre após a noite.

Para completar a Mostra Competitiva, também no sábado (09), a partir das 21h, acontece a exibição do filme “Maria do Caritó”, dirigido por João Paulo Jabur. O filme aborda a história de Maria do Caritó, interpretada pela atriz Lilia Cabral, que nas vésperas de completar 50 anos vive em uma pequena cidade do Nordeste e se vê em meio a simpatias para que, enfim, consiga se casar. Prometida a São Djalminha assim que nasceu, devido a um parto difícil, Maria do Caritó nunca encontrou um companheiro de verdade, mas vê suas esperanças ressurgirem com a chegada de um circo, já que uma cartomante lhe disse que seu pretendente seria um homem de fora.

O 12º Festival de Cinema da Lapa é promovido pelo Instituto Histórico e Cultural da Lapa e Instituto Borges da Silveira, com produção à cargo de A Labirinto Produtora. Toda programação é gratuita e aberta para a população da cidade e turistas. A organização do evento disponibilizará uma van para transporte gratuito, durante os 4 dias de evento,  com saídas do Guairinha ao 12h30 e retorno ás 23h.  Mais informações no site www.festivalcinemalapa.com.br, nas redes sociais do evento ou pelo telefone (41) 3622-0055.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curitiba tem o menor preço da gasolina entre as capitais do Brasil

Levantamento da ValeCard aponta aumento de 3,23% no preço do combustível em junho, primeira elevação desde fevereiro de 2020

O preço médio da gasolina comum no Brasil caiu 11% entre junho de 2019 e junho de 2020. É o que aponta o levantamento feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas. Em junho, após cinco meses de queda, o combustível ficou 3,23% mais caro, com preço médio de R$ 4,14 por litro. No mês anterior, o valor médio cobrado nos postos do país foi de R$ 4,01, o menor preço registrado nos últimos 12 meses. Em comparação com o valor médio de janeiro (R$ 4,762), preço mais alto deste ano, a queda foi de 13,06%. 

A gasolina ficou mais barata, sobretudo, pela crise causada pela pandemia do novo coronavírus no mundo, que diminuiu a circulação de veículos no Brasil. Antes disso, porém, os preços já sofriam impactos da guerra do petróleo travada entre Arábia Saudita e Rússia a partir de março.

Em junho, o único estado que registrou queda no valor cobrado pelo litro da gasolina foi o Amapá, com redução de 4,81%. Enquanto isso, o Distrito Federal registrou a maior alta no período: o combustível ficou 7,88% mais caro entre maio e junho.

Obtidos por meio do registro das transações realizadas em maio com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 20 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ) e Rio Branco (AC) têm os preços mais altos entre as capitais. As capitais com preços mais baixos são Curitiba (PR), João Pessoa (PB) e Vitória (ES).  

Fonte: ValeCard

Preço médio por Estado (R$)

EstadoJunhoMaioVariação (%)
RJ4,6014,4822,65%
AC4,5004,3952,39%
PA4,3754,3071,58%
AM4,3414,387-1,03%
PI4,3404,0856,24%
TO4,3264,1574,07%
RO4,2594,1193,41%
MG4,2594,1392,90%
AL4,2584,1482,65%
BA4,2483,9707,00%
SE4,1934,0832,69%
CE4,1634,0163,66%
MS4,1214,0012,99%
MT4,1153,9643,81%
ES4,1053,9942,76%
MA4,0964,0521,10%
PE4,0923,9294,16%
RN4,0783,8505,92%
RS4,0423,8983,69%
DF4,0293,7357,88%
GO4,0023,8623,63%
PB3,9733,8493,24%
RR3,9313,8701,57%
SC3,9043,6995,55%
SP3,9023,7863,07%
PR3,7853,5805,74%
AP3,7343,923-4,81%
Média4,1404,0103,23%

Fonte: ValeCard 

Curitiba, João Pessoa e Vitória têm os menores preços nas capitais 

As capitais do Paraná, da Paraíba e do Espírito Santo foram as que apresentam preços menores em junho, todas abaixo de R$ 4. Em Curitiba, o preço mais barato do Brasil, o litro custou R$ 3,67 no mês. Já Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ) e Rio Branco (AC) tiveram os preços mais altos, entre R$ 4,44 (Rio Branco) e R$ 4,68 (Belém).

CapitalValor médio (R$)
BELEM4,684
RIO DE JANEIRO4,588
RIO BRANCO4,449
PORTO VELHO4,369
TERESINA4,342
MANAUS4,266
PALMAS4,255
ARACAJU4,197
SALVADOR4,182
BELO HORIZONTE4,131
NATAL4,121
SAO LUIS4,105
CAMPO GRANDE4,074
FLORIANOPOLIS4,035
BRASILIA4,030
FORTALEZA4,030
RECIFE4,022
MACEIO4,016
MACAPA3,989
BOA VISTA3,983
PORTO ALEGRE3,949
SAO PAULO3,943
CUIABA3,917
GOIANIA3,893
VITORIA3,887
JOAO PESSOA3,796
CURITIBA3,671
Média                               4,108

Fonte: ValeCard 

Amapá lidera ‘ranking’ entre estados com maior queda no preço da gasolina nos últimos 12 meses

No comparativo entre os meses de junho de 2020 e mesmo período de 2019, todos os estados brasileiros registraram quedas nos preços do litro da gasolina. O recordista em redução foi o Amapá, com o litro cotado 18,4% a menos entre junho de 2019 e junho deste ano, seguido por Paraná (queda de 14,15%) e Goiás (13,81%).

EstadoMédia Junho 2020Média Junho 2020Variação (R$)Variação (Percentual)
AC                                 4,500                              5,116– 0,616-12,049%
AL                                 4,258                              4,729– 0,472-9,968%
AM                                 4,341                              4,628– 0,287-6,192%
AP                                 3,734                              4,577– 0,844-18,416%
BA                                 4,248                              4,674– 0,426-9,117%
CE                                 4,163                              4,619– 0,456-9,873%
DF                                 4,029                              4,393– 0,365-8,283%
ES                                 4,105                              4,676– 0,572-12,220%
GO                                 4,002                              4,644– 0,642-13,817%
MA                                 4,096                              4,661– 0,565-12,114%
MG                                 4,259                              4,870– 0,612-12,547%
MS                                 4,121                              4,674– 0,554-11,835%
MT                                 4,115                              4,706– 0,591-12,548%
PA                                 4,375                              4,868– 0,494-10,129%
PB                                 3,973                              4,597– 0,625-13,566%
PE                                 4,092                              4,585– 0,493-10,745%
PI                                 4,340                              4,677– 0,337-7,201%
PR                                 3,785                              4,409– 0,624-14,148%
RJ                                 4,601                              5,015– 0,415-8,258%
RN                                 4,078                              4,648– 0,570-12,262%
RO                                 4,259                              4,772– 0,513-10,745%
RR                                 3,931                              4,521– 0,591-13,056%
RS                                 4,042                              4,563– 0,522-11,428%
SC                                 3,904                              4,185– 0,281-6,708%
SE                                 4,193                              4,763– 0,571-11,977%
SP                                 3,902                              4,259– 0,358-8,384%
TO                                 4,326                              4,755– 0,429-9,013%
Média Nacional4,1404,651– 0,512– 10,997%

Baixa temperatura deve dificultar entrada de gafanhotos no Brasil

Nesta semana a aproximação de uma nuvem de gafanhotos da região Sul do Brasil gerou preocupação de autoridades, produtores e da população. Mas a previsão de baixa temperatura na região pode ser um obstáculo importante e dificultar a entrada desse grupo de insetos no território nacional. Hoje o Ministério da Agricultura declarou emergência fitossanitária em razão do fenômeno.

A nuvem saiu de uma região entre a Bolívia e o Paraguai. A população de gafanhotos teria crescido muito em razão de altas temperaturas e da seca. A migração teria sido motivada pela busca por alimentos em outros locais, chegando nesta semana à Argentina, no norte da província de Santa Fé e na província de Corrientes, que fazem divisa com o oeste do Rio Grande do Sul.

Segundo o pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Dori Navas, esta região gaúcha teve baixas temperaturas, na casa dos 0 graus, ao longo desta semana e para a próxima a previsão é ficar abaixo dos 10 graus.

“Isso é fator importante que faz com que gafanhoto tenha dificuldade de voar. Eles estão migrando porque altas temperaturas favorecem. Com a frente fria dificilmente continuará a descer. Ele não vai ter condições de temperatura para migrar. Acredita-se que nuvem fique estacionada sobre o território argentina”, explica o pesquisador.

Ele acrescenta que a frente fria está vindo acompanhada de ventos no sentido sul-norte, o que em vez de direcionar a nuvem para o Brasil pode fazer com que ela faça “o caminho contrário” ou impactar o agrupamento. “Provavelmente o inseto não migre mais. Ele deve permanecer no local onde está ou se dispersar”, comenta Nava.

Cuidados

Caso a nuvem entre no Brasil, o pesquisador esclarece que não há riscos aos humanos, no máximo dificuldade de deslocamento. O risco maior é para as plantações, que servem de alimento. Em uma eventual presença desses insetos, a medida de combate é o disparo de produtos tóxicos por aeronaves no local de concentração delas.

A federação de produtores rurais do estado (Farsul) informou à Agência Brasil que está monitorando o avanço da nuvem. Caso os insetos adentrem o território brasileiro, a orientação aos agricultores é avisar as autoridades fitossanitárias para que essas possam agir.

Source link