sexta-feira, fevereiro 23, 2024
spot_img
InícioLiteratura12 escritoras paulistas contemporâneas que você precisa conhecer

12 escritoras paulistas contemporâneas que você precisa conhecer

Selecionar escritoras contemporâneas é fazer um recorte de um universo que não para de crescer: o da literatura escrita por mulheres. Movimentos como a foto Grande dia para Escritoras, coletivos como Leia Mais Mulheres, livrarias como a Gato sem Rabo e projetos como a Amora Livros estimulam o mercado editorial feminino e revelam cada dia mais talentos no Brasil. E para te ajudar a conhecer algumas das escritoras contemporâneas de São Paulo, a Amora selecionou doze nomes que vêm ganhando destaque na cena brasileira atual. Confira:

Aline Bei – São Paulo (SP)

Formada em Letras pela PUC-SP e em Artes Cênicas pelo Teatro Escola Célia-Helena, publicou em 2017 seu primeiro romance, chamando a atenção da crítica, e ganhou o Prêmio São Paulo de Literatura. Algumas de suas obras são: O peso do pássaro morto (Editora Nós, 2017) e A pequena coreografia do adeus (Companhia das Letras, 2021).

Andréa Del Fuego – São Paulo (SP)

Graduada em Filosofia, fez formação técnica em publicidade, quando passou a escrever contos eróticos que lhe renderam um convite para criar uma personagem que respondia às dúvidas sobre sexo. Conquistou as listas dos livros mais vendidos com o romance A Pediatra. Algumas de suas obras são: Os malaquias (lançado em 2011, com nova edição pela Companhia das Letras, 2011) A pediatra (Companhia das Letras, 2021), As miniaturas (Companhia das Letras, 2013).

Djamila Ribeiro – Santos (SP)

Filósofa, feminista negra, escritora e acadêmica. Pesquisadora e mestre em Filosofia Política pela Universidade Federal de São Paulo. Colunista do jornal Folha de S. Paulo. Fez consultoria de conteúdo para a marca Avon, para a Rede Globo no programa Amor e Sexo. É idealizadora e coordenadora do Selo Sueli Carneiro. Algumas de suas obras são: Cartas para minha avó (Companhia das Letras, 2021), Pequeno manual antirracista (Companhia das Letras,  2019), Quem tem medo do feminismo negro? (Companhia das Letras, 2018).

Elizabeth Cardoso – São Paulo (SP)

Doutora em Teoria Literária pela USP e professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária na PUC-SP. Sua primeira obra de ficção fala sobre o período da ditadura militar no Brasil e suas consequências em vidas que foram interrompidas pela repressão. Algumas de suas obras são: Depois de tudo tem uma vírgula (Patuá, 2021).

Maria Valéria Rezende – Santos (SP)

Escritora, tradutora, educadora e freira missionária, é um dos maiores nomes da literatura contemporânea brasileira. Formou-se em Língua e Literatura Francesa, Pedagogia, é mestre em Sociologia e dedicou boa parte da sua vida à Educação Popular. É uma das fundadoras do movimento Mulherio das Letras, que busca combater o machismo no meio literário.  Algumas de suas obras são: Carta à rainha louca (Alfaguara, 2019), Outros cantos (Alfaguara, 2016), Vasto mundo (Alfaguara, 2015) e Quarenta dias (Alfaguara, 2014).

Mariana Salomão Carrara – São Paulo (SP)

Escritora, poeta e defensora pública. Já recebeu vários prêmios como o Off-Flip (2012), o SESC-DF, o Felippe D’Oliveira (2015 e 2016), o Sinecol, e o Josué Guimarães. Recebeu, ainda, o 2º lugar no Prêmio Guiões de Roteiros em língua portuguesa (Portugal, 2019) pelo roteiro do longa-metragem É lá que eu quero morar. Algumas de suas obras são: Se deus me chamar não vou (Nós, 2019), É sempre a hora da nossa morte amém (Nós, 2021), Não fossem as sílabas do sábado (Todavia, 2022).

Mel Duarte – São Paulo (SP)Reúne seus talentos de poesia, literatura e rap para falar da questão das mulheres negras.”Mulher bonita é que vai à luta”, uma de suas frases difundidas em música, slams e redes sociais. Algumas de suas obras são: O ponto de vista da cadeira amarela – (Leituras Rápidas, 2021), Querem nos calar, poemas para serem lidos em voz alta (Planeta, 2019) e Negra Nua Crua (Tocalivros, 2017).

Natália Timerman – São Paulo (SP)

Formada em Medicina e Psicologia, fez curso de Formação de Escritores do Instituto Superior de Educação Vera Cruz e tornou-se uma das escritoras brasileiras contemporâneas com maior destaque no Brasil. Em Copo Vazio, escreve sobre ghosting e as complexidades dos relacionamentos na era virtual. Foi um dos livros mais vendidos de 2021. Algumas de suas obras são: Copo vazio (Todavia, 2021) e Rachaduras (Quelônio, 2019).

Noemi Jaffe – São Paulo (SP)Doutora em Literatura Brasileira pela USP, é escritora e professora de literatura, escrita e crítica literária. Está à frente de uma das escolas de cursos livres mais conhecidas do Brasil, a Escrevedeira. Seu livro mais recente, Lili: novela de um luto, fala sobre a perda da sua mãe, Lili, uma sobrevivente do Holocausto. Algumas de suas obras sãos: Lili: novela de um luto (Companhia das Letras, 2021), O que ela sussurra (Companhia das Letras, 2020) e Não está mais aqui quem falou (Companhia das Letras, 2017).

Patrícia Melo – Assis (SP)

Além de escrever romances, é dramaturga, roreirista e artista plástica. A revista Time a incluiu na lista dos cinco escritores latino-americanos mais influentes em 1999. Vive com o marido na Suíça. Algumas de suas obras são: Menos que um (Leya, 2022), Mulheres empilhadas (Leya, 2019), Inferno (Companhia das Letras, 2000) e Acqua Toffana (Rocco, 2009).

Preta Rara – Santos (SP)

Autora-cantora-agitadora social que movimenta as discussões de raça e desigualdade social. Trabalhou como empregada doméstica, assim como sua avó e sua mãe, e formou-se na faculdade de História. Eu, empregada doméstica conta a história de domésticas de todo o Brasil, relatos recolhidos através da página da Preta Rara no Facebook. Algumas de suas obras são: Eu, empregada doméstica (Letramento, 2019).

Tati Bernardi – São Paulo (SP)

Escritora, cronista e roteirista. É colunista da F. de São Paulo, faz parte do time dos podcasts Calcinha Larga e Meu Inconsciente Coletivo. Sua obra é baseada em auto ficção, tema que aborda em cursos de escrita. Algumas de suas obras são: Você nunca mais vai ficar sozinha (Companhia das Letras, 2020, Depois a louca sou eu (Companhia das Letras, 2016), Tô com vontade de alguma coisa que não sei o que é – (Panda Books, 2008).

MATÉRIAS RELACIONADAS
- Publi -spot_img
- Publi -spot_img
- Publi -spot_img

As últimas do Busão