Vídeos de Curitiba em 1910 a 1942

Vídeos de Curitiba em 1910 a 1942

Vídeos de Curitiba em 1910 a 1942

Caraaaca, eu fiquei muuuito de cara ao assistir a esse vídeo de Curitiba em 1910! Veja aí também:

Viiiiiish, que tesão! Coooomo eu queria poder voltar no tempo e passar uns dias nessa época aí… Muuuito top!

E ao ver o vídeo anterior, lembrei de uma dica que recebi no busaocuritiba@hotmail.com esses dias pelo Sirlei Brizola, da página Eu Sou do Sul. E tive o cuidado de traduzir a parte em que falam de Curitiba. Deu um pouco de trabalho porque o áudio tá meio ruim e eu tô com muuuita preguiça de ficar voltando o vídeo, mas espero que gostem! Há!

Logo no começo já aparecem imagens da nossa região aqui, Ponta Grossa, Vilha Velha e tals, mas, se quiserem ir direto, a narração massa mesmo começa aos 3:00.

“O estado do Paraná é cercado pela Serra do Mar, paralelamente à costa. Por séculos, essa região acidentada prejudicou, evitou a comunicação entre a capital, Curitiba, e a cidade portuária, Paranaguá. A necessidade de rodovias era clara em todo o estado. O acesso ao mar poderia ser feito através de túneis. Muito engenheiros europeus tentaram, mas todos falharam e isso deixou para os engenheiros brasileiros o brilhante trabalho de realizar a construção das rodovias. Em 1885, a ligação de 70 milhas (uns 110 km) estava pronta. Agora o trem sai da estação de Paranaguá e percorre 25 milhas (uns 40 km) sobre esse trilho muito bacana, legal e joia (não manjei traduzir essa parte direito ~preguiça~). É difícil de imaginar que há 50 anos tudo isso era só um grande e profundo manguezal (ou mangue, qual o certo?). O trem começa sua jornada bacana e nas próximas 29 milhas (uns 45 km) segue o caminho do trilho, usado nas antigas por mineiros e tals. O bagulho todo sobe do nível do mar (Paranaguá) até uns 3 mil pés (uns mil metros), onde fica Curitiba, passando por pontes e 14 túneis através das rocha, pedras e o mato todo da parada aí. Pra cima e avante (tradução nível ~rede globo~ hauhauha) até o trilho nivelar de volta e mais umas 16 milhas (25 km) chega até Curitiba (aeeeeeee). Curitiba é uma limpa e bonita cidade (isso todos nós já sabíamos), sem sinais do campo de mineração que ficava aqui ou do que era o centro de troca e tals dos fazendeiros das antigas. O que chama a atenção em Curitiba são as construções do século passado ~mostrando vários exemplos~. Uma das mais impressionantes construções é a Universidade Federal do Paraná, uma das escolas de medicina mais ~joia (huaheuaehuae)~ do Brasil. Todo ano, no dia 7 de setembro (táááá chegando), o Brasil comemora seu dia da independência. E em Curitiba, como em todo o Brasil, jovens, adultos e a galera toda ae vai pra rua ~#vemprarua~ pra celebrar o desfile, desfile do ‘Orgulho das pessoas’ (WTF? Huhaeuhaeea).”

Depois dos 6:20 começa a narração sobre Santa Catarina e Rio Grande do Sul, daí o vídeo fica chato, não precisa ver! Huhauehhaeuhaue

0 Comments

  1. nossa muito legal, como eu queria voltar no tempo só por um dia e conhecer essa curitiba antiga…mas lógico levaria minha maquina digital rsrsrs o ruim dessas fotos e videos antigos é que são preto e branco , aí eu fico me perguntando , que cor será que eram os predios e casas, qual a cor da roupa de cada pessoa?? rsrsrs

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Culinária paranaense é apresentada durante evento no Paraguai

Como forma de celebrar o bicentenário da independência brasileira, foi realizado o Tour Gastronômico do Brasil em Assunção, capital do Paraguai. A gastronomia e a cultura paranaenses foram representadas no evento. Com atividades realizadas entre os dias 20 e 26 de setembro, a Semana do Paraná foi liderada pelo chefe de cozinha Rui Morschel e contou com a preparação de pratos típicos de diferentes regiões do estado.

Durante o evento idealizado pela embaixada brasileira no Paraguai, além do barreado do litoral, foram elaborados e servidos em restaurantes da cidade a carne de onça, de Curitiba; o virado de feijão, de Cândido de Abreu; o pão no bafo, de Palmeira; a quirerada, de Pitanga; e o alcatra no espeto, de Ponta Grossa.

Tradicional de Palmeira, o pão no bafo foi servido durante ação no Paraguai. Foto: divulgação.  

Para a coordenadora estadual de agronegócios do Sebrae/PR, Maria Isabel Rosa Guimarães, a ação amplia a visibilidade dos produtos e da gastronomia paranaenses.  

“Conseguimos apresentar um pouco do nosso Paraná para o país vizinho. Os restaurantes da região serviram as nossas iguarias e isso pode ser uma porta de entrada para que os paraguaios nos visitem e tenham acesso à nossa rica história”, diz Maria Isabel Rosa Guimarães.

O chefe de cozinha Rui Morschel foi o responsável pelas preparações e por ministrar uma aula-show, que ensinou a receita do barreado para 30 alunos do Instituto Gastronômico das Américas (IGA), da capital paraguaia. O prato foi elaborado com ingredientes da região de origem, como a farinha de mandioca do litoral do Paraná, e servido com as balas de banana de Antonina, produto reconhecido como Indicação Geográfica, na categoria de Indicação de Procedência. 

“São oportunidades como esta que nos permitem valorizar o que é nosso e buscar o reconhecimento. Espero que essa seja a primeira de muitas ações que carregarão a bandeira do Paraná, ainda mais se tratando do nosso Brasil, que tem uma vasta divisa e com potencial de atrair um número significativo de turistas para continuar a nos conhecer e valorizar ainda mais”, diz o cozinheiro. 

Durante a aula-show, Rui Morschel traçou um contexto histórico para explicar o surgimento da culinária paranaense, com a apresentação de referências sobre o tropeirismo e a imigração europeia. 

Tradicional de Pitanga, a quirerada foi servida durante ação no Paraguai. Foto: divulgação.

Segundo o assessor de marketing da Paraná Turismo, André Poletti, o estado foi convidado para participar por ter uma gastronomia diversificada e por ser um atrativo turístico em potencial. Além do Paraná, também participaram os estados de Bahia e Pernambuco.

“Além da proximidade geográfica com o Paraguai, nós também temos influências em comum, principalmente na cultura e na gastronomia. A farinha de mandioca, assim como alguns temperos, é bastante utilizada no Paraná e em nosso vizinho. Com esta celebração, queremos fortalecer a gastronomia como uma atração turística do Paraná e fazer com que as pessoas viagem para conhecer os nossos pratos”, diz Poletti. 

Rooftime traz o melhor da música eletrônica a festa em Curitiba neste sábado

Neste sábado (1º), a banda eletrônica Rooftime desembarca em Curitiba para levar uma apresentação cheia de energia na festa de aniversário do +55 bar, que acontece na Ópera de Arame. Outros artistas confirmados no line-up incluem o funkeiro Kevin O Chris e os DJs Edo Krause, Ckto, Thibes, Jô Hauer e CZ.

Formado por uma parceria musical de Lisandro Carvalho e os irmãos Gabriel Souza e Rodrigo Souza, Rooftime vem ganhando reconhecimento em todo o país graças ao seu som autêntico e contagiante. Atualmente, é um dos atos musicais do cenário eletrônico que mais cresce em popularidade e streams no país.

Situado na Avenida Vicente Machado, uma das ruas com mais opções de entretenimento na capital paranaense, o +55 bar consolidou-se em apenas nove anos como uma referência na vida noturna da cidade. Desde 2013, a casa já recebeu mais de 120 mil clientes, de todos os estados do Brasil.

Seguindo a agenda de shows para 2022, Rooftime passa pela retomada progressiva das apresentações ao vivo, após dois anos de paralisação. O grupo comandou pistas nas casas de eventos mais importantes de todo o país, como Laroc Club, Green Valley, P12, Réveillon de Pipa e Arcanjos; e em terras internacionais, com passagens por Irlanda, Portugal, Inglaterra, Alemanha e no Equador, em abril deste ano.

Com pouco mais de três anos de carreira, já realizaram trabalhos promovidos por grandes gravadoras da cena eletrônica, como as holandesas Spinnin Records e Big Top Records, além da Controversia Records, gravadora de Alok. Atualmente, o Rooftime conta com mais de 230 milhões de streams nas plataformas e marca presença entre os 10 maiores artistas brasileiros do segmento eletrônico. 

A pluralidade musical do trio fica evidente em suas apresentações ao vivo, que trazem vocais inconfundíveis e combinação única de voz, instrumentos e produção ao vivo com sons e melodias pré-feitas, sem cair na mesmice de mashups e drops usuais. Essa experiência única e distinta chega a Curitiba na festa que irá marcar o início de mais um ciclo, ao lado das pessoas que fizeram parte da trajetória do +55 bar.

Serviço: 

+55 Apresenta: 9 ANOS +55 BAR com Rooftime

Data: 1º de outubro de 2022, sábado

Horário: início às 21h

Endereço: Ópera de Arame (R. João Gava, 920, Abranches, Curitiba – PR)

Ingressos: Online no site da Go Ingressos

Classificação: 18 anos.