Ventania em Maringá derruba palanque que receberia Bolsonaro


Um vendaval em Maringá, Noroeste do Paraná, derrubou o palanque da cerimônia com o presidente Jair Bolsonaro.

Ele chegará após o almoço na Cidade Canção. Os fortes ventos derrubaram a estrutura armada no Aeroporto Regional Silvio Name Junior para receber o presidente Jair Bolsonaro.

Aguarda-se possível cancelamento da visita, relata o jornalista Angelo Rigon.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Startup de roupas usadas, Troc vai abrir 250 vagas de emprego na RMC

O prefeito de Quatro Barras, município da Região Metropolitana de Curitiba, Loreno Tolardo, e a fundadora da startup Troc, que hoje compõe o Grupo Arezzo, Luanna Toniolo, assinaram nesta terça-feira (19) o protocolo de intenções para a instalação de um brechó de roupas de luxo online na cidade, que deve gerar 250 empregos.

A fundadora da Troc, empresa que tem como pilares a sustentabilidade, inovação e incorporação do reuso na cultura de consumo, disse que a filosofia do negócio está alinhada com as características ambientais de Quatro Barras, já que tem como essência a geração de impacto positivo.

“A indústria da moda é a 2ª mais poluente em todo o mundo. Nos nossos 4 anos de existência, o impacto positivo da Troc resultou em quase 600 milhões de litros de água economizados, que seriam utilizados no sistema de produção de novos itens, além da doação de mais de 23 mil peças para instituições filantrópicas”, contou Luanna.

Fomentando a moda circular e apostando na inovação, na tecnologia e na reeducação do consumo da moda, a empresa também tem outro foco importante: a abertura de oportunidades para o 1º emprego.

“Acreditamos muito nos profissionais que atuam conosco e queremos que todos eles cresçam com a Troc. Por isso, investimos muito no processo de qualificação e no avanço destes profissionais que poderão evoluir para cargos de liderança. Queremos priorizar a mão de obra local e crescer juntos”, afirmou a fundadora.

Empregos

Segundo o prefeito, a assinatura do protocolo de intenções foi um marco para a gestão. “É o primeiro protocolo que firmamos e, com especial satisfação, por se tratar de uma empresa realmente engajada na geração de empregos, no conceito de sustentabilidade e com forte engajamento comunitário e social”, destacou Tolardo.

De acordo com ele, a abertura de vagas com mão de obra local, em especial, para o público feminino e destinadas ao 1º emprego, com médias salariais acima das praticadas no mercado, chegam em um importante momento de retomada econômica e atendem um grande anseio da população, que almeja por oportunidades. “Esta é a nossa bandeira, uma das principais metas da nossa gestão, gerar emprego e oportunidades para as pessoas”, concluiu o prefeito.

Incentivo

O processo de vinda da Troc foi intermediado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo, com apoio da Agência do Trabalhador, que realizou as rodadas iniciais de entrevistas e seleção de candidatos para atuar na empresa.

“Nos sentimos realmente muito acolhidos no município. Recebemos todo o suporte neste processo e ficamos otimistas com a relação que se desenvolveu com o poder público. Estamos muito felizes e acreditando muito neste projeto. Vocês já fazem parte da nossa história”, ressaltou Luanna.

O secretário da pasta, Fernando Cunha, também agradeceu à Câmara Municipal pela aprovação unânime da lei que prevê incentivos fiscais para a empresa, tendo em vista a contrapartida da geração de empregos na cidade, 100% viabilizados pela Agência do Trabalhador. “Quero agradecer a sensibilidade de todos os vereadores, que estiveram conosco neste processo, entendendo a importância da instalação da Troc especialmente para fomentar o 1º emprego”, destacou Fernando.

A assinatura do protocolo foi acompanhada pelo gerente financeiro da Troc, Francisco Gil; pelo gerente de operações, Leonardo Verdi; pelo secretário de Desenvolvimento Econômico e Empreendedorismo, Fernando Cunha; pelo diretor geral da secretaria, Laertes Andreatta; e pelo assessor Valdomiro da Cruz Júnior.

Caminhoneiros dizem que auxílio de Bolsonaro é ‘melzinho na chupeta’ e que rejeitam esmola

A promessa de Jair Bolsonaro (sem partido) de ajudar 750 mil caminhoneiros autônomos para compensar o aumento no preço do diesel foi recebida com desconfiança e ceticismo pela categoria.

José Roberto Stringasci, presidente da ANTB (Associação Nacional de Transporte do Brasil), diz que os caminhoneiros não vão recuar das ameaças de fazer uma paralisação no dia 1º de novembro enquanto a política de preços dos combustíveis não for alterada.

“Eles já fizeram até um reajuste no piso mínimo do frete. Mas isso, como se diz no nosso linguajar de motorista, é um ‘melzinho na chupeta’, o famoso ‘tapinha nas costas’ que a categoria já vem levando desde 2018”, diz.

Para Marcelo da Paz, representante dos caminhoneiros de Santos (SP), o presidente está blefando. Ele também afirma que a medida não será suficiente para impedir a próxima manifestação porque os caminhoneiros exigem o cumprimento do frete mínimo.

“A gente não aceita auxílio nem quer esmola. Vai precisar mais do que isso para desmobilizar”, afirma Paz.

Bolsonaro prometeu o novo benefício durante um evento nesta quinta-feira (21), mas não detalhou valores nem a origem dos recursos. Segundo ele, os números serão apresentados nos próximos dias.

O preço do combustível teve alta nas duas últimas semanas e passou de R$ 4,96 para R$ 4,97.