“Vário” leva dança contemporânea para Campo Largo

O espetáculo interativo de dança-música “Vário” chega a Campo Largo neste dia 6 de outubro, com entrada franca. Quem quiser viver essa experiência tem hora marcada na Estação Cidadania-Cultura da cidade. As apresentações acontecem às 10h30 e 14h, e o público ainda pode participar de uma oficina gratuita às 15h.

A montagem propõe aproximar a arte contemporânea de adultos e crianças ao promover uma verdadeira brincadeira em cena com a participação de uma bailarina, dois músicos e a ajuda de dispositivos que, utilizados pela plateia, criam os sons do espetáculo e os estímulos para os artistas. De acordo com a bailarina e professora Lívea Castro, uma das idealizadoras do projeto e performer da encenação, “Vário” propõe um desafio: a convivência e o relacionar-se em dias de opiniões tão antagônicas e, ao mesmo tempo, maneiras tão múltiplas de se estar no mundo.

“Na parceria com o público, vamos descobrindo em ‘Vário’ como criar e conviver no espaço. A intenção é aproximar pessoas e conectar a presença plural. ‘Vário’ é sobre criar convívio, ampliar sentidos e multiplicar corpos. Propõe uma realidade sensível de colaboração, de corpos que se movimentam em rede. É uma estratégia movente de permanência nos espaços”, ressalta a bailarina.

Lívea é graduada em Dança pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR|FAP), com especialização em Estudos Contemporâneos em Dança pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Desenvolve pesquisas artísticas e educacionais na Nó Movimento em Rede e como professora de dança da Associação dos Deficientes Físicos do Paraná (ADFP). Foi propositura no UM – Núcleo de pesquisa artística em dança da UNESPAR, bolsista no IMP – investigação do movimento particular (2017), e uma das artistas residentes de ENCUENTROS – ações de diálogo em dança Curitiba/Bogotá (2022).

Os músicos que acompanham Lívea em cena são Daniel Amaral e Machison Abreu. Daniel é violonista, arranjador, compositor e professor. Formado em Música Popular pela UNESPAR-FAP, cursou Violão Popular na Escola de Música do Estado de São Paulo. Integra o duo “Miniconto” em parceria com Karla Díbia, com o qual tem 5 álbuns lançados. Machison também é graduado em Música pela FAP, é pesquisador da relação da música com a dança, o teatro e o cinema, já tendo desenvolvido diversos projetos nessa área. Recentemente formado no curso de produção musical pela Yellow Dj Academy, hoje atua como produtor musical e música eletrônica. A parceria dos três foi firmada em 2012 por meio do trabalho de dança-música “Pedras que”.

A classificação de “Vário” é livre e a primeira temporada do espetáculo, foi viabilizada pela lei municipal de incentivo à cultura de Curitiba, e contou com uma série de apresentações para alunos da rede pública de ensino. Já essas novas apresentações, fazem parte de projeto aprovado no Programa de Fomento e Incentivo à Cultura – PROFICE, da Secretaria de Estado da Comunicação e da Cultura, com o apoio da COCEL.

Serviço:

“Vário”, espetáculo de dança contemporânea interativo

Dia 6 de outubro – Campo Largo

Estação Cidadania – Cultura

1.            Prof Ovídio Jorge Nogueira, 122 – Jardim Meliane – Campo Largo (PR)

Apresentações: 10h30 e 14h e oficina às 15h

Entrada franca

FICHA TÉCNICA

Criação e performance: Daniel Amaral, Lívea Castro e Machison Abreu

Iluminação: Erica Mityko

Consultoria de figurino: Amábilis de Jesus

Designer de sensores: Pedro D’Água

Confecção: Fernando Robert

Programação: Machison Abreu

Consultoria: Henrique Bergamo

Diretor de Produção: Jorge Schneider

Coordenação geral: Simone Bönisch

Produção: Bönisch Produções Culturais

Mais informações:

@projeto.vario

@bpcproducoes

www.facebook.com/bpcproducoes/ <http://www.facebook.com/bpcproducoes/>

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Inglês ajuda famosos a conquistarem espaços internacionais

Any Gabrielly, Anitta, Maisa Silva, Gisele Bündchen, Wagner Moura e Rodrigo Santoro são alguns exemplos de celebridades que passaram de um inglês de centavos para uma fluência de milhões. Os famosos romperam as barreiras do idioma para apostar na carreira internacional, evidenciando, ainda mais, que aprender inglês abre portas para educação, mercado de trabalho e conectividade. 

Eles dominam as passarelas, os palcos internacionais e as telas, alcançando público em diversas partes do mundo. Anitta, por exemplo, no dia 20 de novembro, se tornou a primeira brasileira a vencer a premiação norte-americana American Music Awards, levando o troféu de melhor artista feminina latina. O prêmio confirma e consolida o sucesso internacional da artista em 2022. 

Conceder uma entrevista – seja como os famosos o fazem ou mesmo para uma seleção de emprego –, preparar uma apresentação ou viajar para o exterior são motivos para aprender outro idioma e alcançar sucesso. Fazer uma mentoria para estudar inglês, por exemplo, é uma alternativa, principalmente para quem tem pouco tempo.

No ramo dos negócios, estudar inglês corporativo é uma opção de aprendizagem direcionada e especializada para quem deseja expandir horizontes com a habilidade da comunicação, incrementar o currículo e aproveitar os benefícios na carreira. 

Artistas brasileiros de diversos nichos aprenderam inglês de maneiras diferentes, mas o alcance da fluência foi primordial para que todos obtivessem o sonhado reconhecimento internacional.

Anitta

As maneiras de começar a dominar o idioma são inúmeras. Anitta, por exemplo, explica em algumas entrevistas o que fez para aprender a língua inglesa. A fluência da cantora não veio a partir de um método milagroso, mas sim de estudo aliado a entretenimento e constância, aspectos considerados chaves, conforme portais de especialistas e professores de inglês. 

Anitta, com certa frequência, vira assunto entre professores de inglês, que analisam suas participações e desenvoltura com a língua em programas de entrevistas. Os conteúdos dos perfis em redes sociais e comentários dos seguidores costumam questionar e explicar o que a artista fez para aprender o idioma de maneira eficaz. 

Apesar das dificuldades, a artista sempre foi incentivada pela família a aprender inglês. Anitta estudou dos 10 aos 17 anos de idade em uma escola de idiomas. Ela conta ainda que, embora não gostasse muito de ter que aprender uma nova língua na adolescência, logo percebeu que isso seria útil em algum momento. 

Any Gabrielly


A cantora Any Gabrielly, que saiu do grupo internacional Now United, anunciou recentemente sua carreira solo e tem encantado o público. No canal do Youtube “Central de Fãs Any Gabrielly”, a brasileira conta que sempre teve muita facilidade com línguas de modo geral e, o inglês, foi o primeiro idioma ao qual se dedicou.

Desde criança, a artista assistia filmes e desenhos em inglês com legendas, além de sempre estar sintonizada em músicas internacionais e suas letras. Para além da diversão no contato com a língua, ela enfatiza a importância dos estudos. 

Em seu canal, Any dá algumas dicas para quem quer expandir as possibilidades pessoais e profissionais por meio da fluência. As recomendações incluem a prática das quatro habilidades de linguagem, com exercícios de escuta, pronúncia, leitura e escrita.

Gisele Bündchen

A über modelo brasileira Gisele Bündchen, que já foi a mais bem paga do mundo, diz ter aprendido inglês ouvindo músicas. Ela se mudou para os Estados Unidos aos 16 anos para seguir carreira e precisou se virar sozinha, sem saber falar o idioma. 

Em entrevista ao apresentador Jimmy Fallon, a modelo contou algumas de suas aventuras, como errar endereços de testes, dificuldade para conversar com as pessoas e o famoso “acenar com a cabeça e torcer para que ninguém tenha feito uma pergunta”, por não compreender a língua. 

A cantora Mariah Carey e o grupo vocal Boyz II Men foram seus professores, por meio de fitas cassetes que a modelo levava consigo, prestando atenção em cada trecho das músicas. Com o tempo e a convivência de perto com a língua, a profissional foi de um inglês truncado para o domínio. 

Rodrigo Santoro

O inglês foi fundamental na carreira internacional do ator brasileiro Rodrigo Santoro. Além da famosa franquia “300”, interpretando o imperador Xerxes, em seu currículo estão papéis em Hollywood como a participação na série “Lost”, em 2006; no filme “O Golpista do Ano” (2009), junto a Ewan McGregor; no remake de “Bem-Hur” (2016), em que interpretou Jesus; e na série “Westworld”, da HBO. Recentemente, ele atuou no longa “Power” (2020) da Netflix.

Santoro afirma em entrevistas, no entanto, que não aprendeu inglês quando era pequeno, mas sim depois dos 20 anos. Com uma evolução nítida, que foi da dificuldade total com o idioma até a fluência na língua, ele conta que, até hoje, sente um pouco de incômodo para se expressar em inglês, mesmo após tantos papéis importantes.

Wagner Moura

O ator Wagner Moura também é bastante conhecido fora do Brasil. Para interpretar seus papéis internacionais, ele se desafiou a aprender os idiomas necessários em tempo recorde. 

Primeiro, para viver um dos personagens principais do filme Elysium (2013), o ator embarcou para os Estados Unidos com o intuito de estudar inglês. Anos depois, ao ser chamado para interpretar Pablo Escobar, na série Narco, ele foi para a Colômbia aprender espanhol em Medellín, a terra do famoso traficante.

O ator confessou tempos depois, em entrevistas, que não falava uma palavra de espanhol antes de ser convidado para o papel. Ainda assim, conseguiu se sair bem, sendo indicado, inclusive, ao Globo de Ouro de melhor ator. 

Maisa Silva

Os motivos que levam os famosos a aprenderem inglês são diversos. Eles podem se deparar com a necessidade de falar o idioma porque começaram a carreira internacional ou porque, desde cedo, já contavam com essa perspectiva. 

A iniciativa de estudar a língua inglesa ainda criança tem sido comum entre os artistas mais novos, já cientes da influência e relevância do idioma no mundo. Maisa Silva é um exemplo. Ela ficou conhecida quando ainda se apresentava em programas e quadros infantis na televisão.

Desde os 14 anos a garota prodígio é fluente em inglês. Atualmente, a artista tem um canal no Youtube em que faz entrevistas, inclusive internacionais. Alguns nomes que já passaram pelos encontros são Selena Gomez, Gal Gadot, o elenco da série “La Casa de Papel” e Millie Bobby Brown.

Projeto curitibano promove restauro da imagem de Bom Jesus dos Pinhais

Entre os meses de maio e outubro, a imagem musealizada do Bom Jesus dos Pinhais, que integra o acervo do Museu de Arte Sacra da Arquidiocese de Curitiba (MASAC), passou por um processo de preservação, conservação e restauro pelas mãos da conservadora-restauradora Ana Caniatti, através de projeto realizado em parceria com a Flutua Produções. Todas as ações, bem como o resultado alcançado e o relatório final serão divulgados em uma aula online aberta ao público, marcada para o dia 08 de dezembro (quinta-feira), às 19h. Para participar, não é necessário inscrição prévia e os interessados podem acessar o evento pelo link https://meet.google.com/bkz-dfbt-miq.

A imagem é modelada em terracota ou barro queimado, é policromada e possui resquícios de douramento. O estilo é reconhecido como Paulistinha. Pesquisas mostram que, antes de chegar ao acervo do MASAC, inaugurado em 1981, o item integrou a Igreja Matriz de Curitiba até 1876, quando foi extraviado. Em 1896, tornou-se posse de antepassados da família Brandão, guardiã da imagem até meados de 1979.

Antes de passar pela etapa de restauro, a imagem passou por pesquisas e análises, como raio-X e fotografias ultravioletas a fim de obter mais informações para a fase de tratamento. A partir dos testes, constatou-se partes quebradas e sensíveis. Durante o processo de restauro, a peça passou por fixação da policromia, higienização, reintegração e verniz de proteção.

A conservadora-restauradora explica que o restauro não tem intenção de alterar esteticamente os bens culturais, sobretudo quando se tratam de bens musealizados. “Estes são entendidos como documentos e testemunhos dos modos de fazer e devem ser preservados para as gerações atuais e para as futuras gerações”, comenta.

Projeto realizado com recursos do Programa de Apoio e Incentivo à Cultura – Fundação Cultural de Curitiba e da Prefeitura Municipal de Curitiba.

Sobre Ana Caniatti
Ana Caniatti é formada em Artes Plásticas pela Faculdade de Belas Artes do Paraná (2007), Técnico em Conservação e Restauração pela Fundação de Arte de Ouro Preto (2009) e Especialista em História da Arte Sacra pela Faculdade Arquidiocesana de Mariana (2012). Integrou a equipe de restauro das igrejas de Nossa Senhora D´Ajuda, em Congonha (MG); Matriz de Nossa Senhora Imaculada Conceição, em Videira (SC); e Matriz de São Domingos, em Araxá (MG). Estagiou no Museu da Inconfidência de Ouro Preto e trabalhou na FAOP, no laboratório de conservação e restauro de escultura policromada. Em 2013, fundou em Curitiba o Atelier Caniatti Conservação e Restauro, onde atua realizando projetos para conservação, restauração, documentação de obras e de acervos de instituições públicas, privadas e particulares. Foi presidente da Associação dos Restauradores e Conservadores de Bens Culturais do Paraná – ARCO.IT (2018 e 2019) e promoveu diversos cursos para aperfeiçoamento dos profissionais da área, assim como projetos de incentivo à pesquisa científica. É associada ao Centro de Estudos em Imaginária Brasileira – CEIB.

Sobre Flutua Produções
Fundada em 2016 pelo produtor cultural Gilmar Kaminski, a Flutua Produções tem como proposta o diálogo com as diversas linguagens artísticas, desenvolvendo projetos nas artes cênicas, música, literatura, patrimônio histórico, artístico e cultural, artes visuais e audiovisual. Presta serviços de planejamento, organização e produção de projetos e eventos culturais, com foco na elaboração e gestão de projetos via leis de incentivo à cultura, sempre com a premissa da democratização de acesso. Dentre os atuais trabalhos desenvolvidos destacam-se a coordenação de produção da Bienal de Quadrinhos de Curitiba e o projeto Histórias e Retratos da Feira do Largo da Ordem. Mais informações em www.flutuaproducoes.com.br

SERVIÇO
Aula aberta – Conservação e Restauração da Imagem de Bom Jesus dos Pinhais com Ana Caniatti
08 de dezembro, às 19h
No link https://meet.google.com/bkz-dfbt-miq 
Acesso gratuito

FICHA TÉCNICA
REALIZAÇÃO
Caniatti Conservação e Restauro
Flutua Produções

CONSERVAÇÃO E RESTAURO
Ana Eliza Caniatti Rodrigues

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO
Gilmar Kaminski

PESQUISADORES
Ana Eliza Caniatti Rodrigues
Eliza Filomena Caniatti Rodrigues
Leonardo Matuchaki

EXAMES DIAGNÓSTICOS
BIONOSTIC

DESIGN GRÁFICO
Pablito Kucarz